O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Uma linguagem padrão da autoconstrução: ferramenta para compreender os espaços e as práticas sociais das favelas brasileiras

Uma linguagem padrão da autoconstrução: ferramenta para compreender os espaços e as práticas sociais das favelas brasileiras

Uma linguagem padrão da autoconstrução: ferramenta para compreender os espaços e as práticas sociais das favelas brasileiras

<<Architects themselves build a very,
very small part of the world.
Most of the physical world is built by just
all kinds of people. It is built by it is built
by do-it-yourselvers in Latin America(..)>>
Cristopher Alexander, The origins of the Pattern Theory, 1999:74[1].

A linguagem de padrões proposta por Christopher Alexander é um método de planejamento universal baseado no humanismo e um estudo crucial no campo da arquitetura e do design urbano, que tem sido amplamente aplicado na educação tradicional da arquitetura. Os padrões de Alexander são usados como diretrizes ou parâmetros de projeto. Eles dependem de uma gama complexa de aspectos relevantes do ambiente construído e têm um papel fundamental na discussão do projeto de arquitetura e do comportamento humano. 

Uma linguagem padrão da autoconstrução: ferramenta para compreender os espaços e as práticas sociais das favelas brasileiras, Fotos de Casas na Favela Sururu de Capote. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Fotos de Casas na Favela Sururu de Capote. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti

Este método é amplamente aplicado na educação e na projetação da arquitetura formal. No entanto, hoje em dia, devido à progressão dos assentamentos informais no mundo, especialmente no Sul Global, as ferramentas interpretativas da arquitetura tradicional estão sendo investigadas. 

Na verdade, parece que os métodos, o raciocínio e as ferramentas utilizadas atualmente não são adequados no caso de ambientes autoconstruídos. Por exemplo, quando os arquitetos planejam no contexto da moradia informal, eles pensam no meio ambiente, nos custos, no terreno, nas necessidades das pessoas, nos materiais, no conceito, no tempo, no espaço, na ergonomia, na estrutura organizacional e no domínio político, exclusivamente com base na perspectiva de quem faz o planejamento e, dentro de um domínio tecnocrático. Assim, os arquitetos que trabalham com o design da habitação para os desprivilegiados se esforçam para entender seu perfil de "cliente" e suas necessidades. Portanto, muitas vezes os projetos destinados a requalificar o contexto das favelas falham em sua finalidade, exemplos clássicos são as habitações sociais que são reformadas em pouco tempo pelos moradores.  

Além disso, a literatura acadêmica suscita suas preocupações quanto à abordagem do conhecimento sobre a moradia informal (Alsayaad & Roy, 2004; Roy, 2005, Gilbert 2007; Arabindoo, 2011) [2]e espera novos quadros epistemológicos. Em particular, é fundamental ler os assentamentos informais e os "pobres urbanos" em termos mais imaginativos (Arabinddoo, 2011: 640). [3] 

Eu construo na minha pesquisa dentro desses debates, a partir de uma reconsideração radical do método e dos objetivos de investigação da arquitetura tradicional. De fato, minha pesquisa decenal em assentamentos informais é baseada em informações coletadas durante mais de quatro anos de pesquisas de campo e de observação participante em algumas favelas no nordeste do Brasil. Isso permite superar a dicotomia pela qual muitas vezes, por exemplo, as disciplinas da sociologia e da antropologia estão separadas do estudo da arquitetura. De fato, a partir da elaboração de todos os dados coletados (fotos, vídeos, desenhos, entrevistas), fica claro que as práticas sociais, especialmente as práticas de trabalho dos habitantes, desempenham um papel fundamental no design dos atributos espaciais das favelas. Há um ecossistema composto pela circulação de objetos, pessoas, dinheiro, trabalho e conhecimento que, aborda o milleu da construção da favela e de todos os territórios que esta abrange. Por exemplo, o processo de autoconstrução requer a consulta e compartilhamento de objetos, recursos, dinheiro e habilidades, seja entre os habitantes da favela como entre aqueles que não moram na favela. Para mais detalhes sobre o quadro intelectual, seja encaminhado para publicações recentes (Chagas Cavalcanti 2017a, Chagas Cavalcanti 2017 b). [4] [5] 

Em geral, ao invés de se concentrar apenas em componentes construídos de favelas, a avaliação do espaço em assentamentos informais deve estar preocupada também com as inúmeras dinâmicas do dia a dia e as práticas sociais que, muitas vezes não são vistas na literatura acadêmica voltada para a arquitetura. Além disso, aprender a arquitetura dos assentamentos informais a partir das práticas sociais é importante, pois pode evitar discursos paroquiais na educação da arquitetura, incluindo abordagens como a "estetização da pobreza" ou a "museificação dos assentamentos precários", como mostram os estudos e escritos de Ananya Roy sobre sua experiência de ensino na Universidade de Berkeley (Roy, 2004: 302). [6] 

De modo geral, com o presente estudo, procuro expandir o método de C. Alexander para incluir as práticas sociais que moldam o espaço dos assentamentos informais. Esses padrões são descritos em forma gráfica, através da representação das práticas sociais que ocorrem sucessivamente no espaço da favela. Como dito, todas as práticas foram identificadas através da observação participante: as ferramentas utilizadas foram registros fotográficos, desenhos, gráficos, vídeos e entrevistas. 

Os padrões são organizados em grupos, dependendo das suas características, de tal forma que os grupos descrevem essencialmente as categorias da linguagem padrão. Essas categorias refletem a experiência dos habitantes, suas capacidades e seus recursos. A representação gráfica espelha vários aspectos que são difíceis de descrever, como a dinâmica diária, o sentimento de habitar nas favelas e o significado simbólico de certos espaços. Existem quatro categorias principais: Trabalho, Habitação, Elementos Comuns e Residentes. Estes se centram em torno de todos os aspectos da vida dos habitantes e suas produções, a partir do‘trabalho’ que eles fazem com as mãos e saberes, passando por suas residências, por suas regras comuns, até as atividades dos moradores. Essas categorias abordam diferentes escalas na produção de espaço, abordando-as em ordem decrescente. Em outras palavras, a primeira categoria refere-se à escala da cidade e as transições para a escala da habitação, e depois para a escala de convivência entre os sujeitos até a última escala que trata de aspectos mais subjetivos do morador. 

No seguinte, cada categoria é explicada. Mais de 90 padrões foram encontrados, mas por razões editoriais, apenas 14 padrões gráficos são mostrados. 

Primeira categoria: Trabalho

A primeira categoria está associada ao trabalho, implicando no conjunto de ações e práticas de trabalho dos habitantes da favela. As pessoas que vivem em assentamentos informais trabalham na "cidade formal” e na “cidade informal”. As atividades de trabalho dos moradores abordam a cidade através de várias escalas, e abrange um amplo sistema econômico. [7] Isso enfatiza o limite borrado que existe entre planejamento formal e planejamento informal, mostrando o encontro dos recursos e a capacidade dos residentes de sobreviver tanto em ambientes formais e informais. Existe uma variedade de práticas de trabalho nas favelas, desde creches até lojas de tatuagens, lojas de internet, mercearias, vendedores de produtos internacionais de beleza, cabeleireiros, restaurantes, bares e assim por diante. Ao longo dos anos, muitas casas foram remodeladas para incorporar pequenas empresas, capelas e lan houses. Além disso, muitas casas onde existia uma única família estão se tornando unidades multifamiliares. Dentro das aglomerações materiais e atributos espaciais de uma favela, o trabalho e tudo o que gira em torno dele torna-se muito importante. Ao longo dos últimos anos de pesquisa de campo nas favelas, observou-se que muitas das casas e atributos espaciais estavam relacionados às práticas de trabalho dos habitantes.

A capacidade incremental do espaço não deve ser descontada ou, associada com a ideia bucólica de uma família encontra um terreno e autoconstrói seu próprio anúncio doméstico, expandindo-o devido ao seu crescimento descontrolado. Muitas das modificações e adaptações espaciais têm um propósito relacionado às atividades de trabalho dos habitantes. Além disto, um número considerável de funções dentro da cidade é fornecido por residentes da favela. [8]Estes incluem pedreiros, empregadas domésticas, vendedores, cabeleireiros, donos de lojas, proprietários de bares, enfermeiros, motoristas de táxi, microempreendedores, professores de beleza, pequenos proprietários, fabricantes, técnicos, artesãos ou encanadores. 

A vitrine nas janelas ou janela de vendas é um atributo espacial da favela. As janelas de algumas casas na favela são usadas como vitrines para vender bens produzidos pelo trabalho dos moradores em suas próprias casas. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
A vitrine nas janelas ou janela de vendas é um atributo espacial da favela. As janelas de algumas casas na favela são usadas como vitrines para vender bens produzidos pelo trabalho dos moradores em suas próprias casas. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Reparar: a cultura de reparar como prática social que é uma fonte de renda nas Favelas. O espaço doméstico deve ser adaptado para o trabalho. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Reparar: a cultura de reparar como prática social que é uma fonte de renda nas Favelas. O espaço doméstico deve ser adaptado para o trabalho. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Trabalhar em casa é uma prática comum nos assentamentos autoconstruídos. Não só o reparo da roupa, mas também os cabeleireiros, os carpinteiros, as manicures, os supermercados, as creches (...) O padrão # 1 mostra que, muitas vezes, os moradores trabalham em suas próprias casas, um dos serviços frequentes são o cabeleireiros. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Trabalhar em casa é uma prática comum nos assentamentos autoconstruídos. Não só o reparo da roupa, mas também os cabeleireiros, os carpinteiros, as manicures, os supermercados, as creches (...) O padrão # 1 mostra que, muitas vezes, os moradores trabalham em suas próprias casas, um dos serviços frequentes são o cabeleireiros. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Os bares, os restaurantes ou os serviços geralmente são colocados no limite das favelas com a cidade formal. Os serviços podem ser prestados tanto a residentes como a pessoas da cidade formal.. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Os bares, os restaurantes ou os serviços geralmente são colocados no limite das favelas com a cidade formal. Os serviços podem ser prestados tanto a residentes como a pessoas da cidade formal.. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti

Segunda Categoria: Moradia

Esta categoria aborda as práticas de habitação, a vida familiar, a vida doméstica e outras atividades que ocorrem dentro da casa que não estão incluídas nos processos de geração de renda, mas que dão forma ao ecossistema das casas. Existe uma variedade de funções habitacionais dentro das favelas, notadamente o fato de que os habitantes mais antigos geralmente constroem mais de uma casa na favela e tendem a alugar uma segunda casa.

Em geral, as casas tendem a ser de uma única tipologia e variam de 1 a 4 andares. A maioria contém uma cozinha, um banheiro, uma sala de estar e um quarto individual. Muitas improvisações, como furos de drenagem na parte inferior das casas, furos de ventilação ou encanamento exposto, tendem a ser observadas frequentemente nas casas. Algumas diferenças sutis denotam qualidade (por exemplo, o acesso a um mirante ou o revestimento da fachada frontal).

Espaços da sala de estar, janelas, garagens e outras salas localizadas na frente da casa geralmente dobram em função para abrigar uma atividade de geração de renda: como atividades comerciais ou serviços para os moradores e pessoas de fora da comunidade. Os banheiros geralmente não estão equipados com azulejos e, a infiltração de água é frequente. Na verdade, revestir paredes e fachadas com azulejos e telhas cerâmicas é algo que os habitantes pretendem alcançar.

Casas e bairros nas favelas não derivam de um programa arquitetônico pré-definido, mas de atribuições espaciais específicas e atividades humanas que atuam como proponentes de mudanças, decisões, necessidades, recursos e capacidades. 

Os fornos em assentamentos autoconstruídos dependem de gás. Os vendedores de gás engarrafado os carregam frequentemente nas escadas das favelas.. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Os fornos em assentamentos autoconstruídos dependem de gás. Os vendedores de gás engarrafado os carregam frequentemente nas escadas das favelas.. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Placas de cerâmica são uma estratégia de construção importante adotada pelos habitantes, porque elas protegem e cobrem a casa, principalmente contra humidade. Habitantes se referem com orgulho que sua casa é inteiramente em cerâmica). Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Placas de cerâmica são uma estratégia de construção importante adotada pelos habitantes, porque elas protegem e cobrem a casa, principalmente contra humidade. Habitantes se referem com orgulho que sua casa é inteiramente em cerâmica). Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
As cortinas costumam ser utilizadas como portas devido à falta de recursos . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
As cortinas costumam ser utilizadas como portas devido à falta de recursos . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti

Terceira Categoria: Elementos Comuns

A terceira categoria compreende os espaços públicos, privados, compartilhados e comuns na favela.

As questões comunais são notáveis na favela. [9] Elas são expressas principalmente através de dispositivos comumente compartilhados e atributos espaciais. Por exemplo, isto é normal para tanques de lavanderia, plugues elétricos, tanques de armazenamento de água, baldes, corredores, escadas, pátios / laje / laje no telhado, belvedere / pontos de visão, aparelhos de exterior, lavanderia, estacionamento para bicicletas e contentores de resíduos, que são compartilhados por vários usuários. Além disso, existe um senso avançado de confiança dentro da comunidade e é costume que os residentes deixem as portas entreabertas diariamente.

 Nesse contexto, as relações entre espaços privados, compartilhados e públicos às vezes podem não ser claras. Estes geralmente não são definidos por um programa de arquitetura, mas por atribuições espaciais específicas e atividades humanas. Negociações e compromissos com os vizinhos são fundamentais. Por exemplo, em quase todos os casos, as casas possuem sistemas de esgoto, água e eletricidade improvisados, autoconstruídos que frequentemente se conectam aos dos vizinhos. Normalmente, repará-los exige uma estimativa constante sobre a origem dos tubos ou dos fios em relação aos dos vizinhos. Por exemplo, às vezes os tanques de água estão localizados em um canto não utilizado do corredor de um vizinho e uma bomba entrega água para a casa do indivíduo. Normalmente, os sistemas de armazenamento de água também são controlados por um grupo de pedreiros experientes; eles podem usar esta água em caso de escassez ou para preencher uma piscina de plástico durante o verão para crianças da comunidade. 

Organização social em caso de falta de água: alguns tubos de água estão localizados na superfície de muitas escadas e montados sem cola nas juntas de tubos. Ao fazê-lo, os habitantes podem ter acesso à água em caso de necessidade (extensão da casa, "chuveiro bica"). Além disso, os tubos aparentes compõem a fachada de muitas casas da favela. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Organização social em caso de falta de água: alguns tubos de água estão localizados na superfície de muitas escadas e montados sem cola nas juntas de tubos. Ao fazê-lo, os habitantes podem ter acesso à água em caso de necessidade (extensão da casa, "chuveiro bica"). Além disso, os tubos aparentes compõem a fachada de muitas casas da favela. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
As lajes (Lajes) são frequentemente usadas como pontos de conexão entre os moradores. Eles são usados para celebrações, churrascos, banhos de sol, atividades auxiliares . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
As lajes (Lajes) são frequentemente usadas como pontos de conexão entre os moradores. Eles são usados para celebrações, churrascos, banhos de sol, atividades auxiliares . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
: Vários espaços comuns, como escadas, são reutilizados para atividades de lazer na favela. Além disso, também os dispositivos, como computadores ou misturadores, geralmente são compartilhados entre os residentes.. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
: Vários espaços comuns, como escadas, são reutilizados para atividades de lazer na favela. Além disso, também os dispositivos, como computadores ou misturadores, geralmente são compartilhados entre os residentes.. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti

Quarta Categoria: Residentes

A última categoria, residentes, se preocupa com as práticas diárias dos construtores das favelas e inclui as escolhas, a estética e os cálculos feitos pelos habitantes locais. Eles variam desde o material que os habitantes escolhem para agregar qualidade às suas casas, seus recursos, suas capacidades e sua organização.

Os moradores vêm a habitação através de uma perspectiva específica. Assim, um pedreiro é um personagem importante na transformação do ambiente construído pela favela, assim como um núcleo familiar é uma unidade para o cálculo de espaços e as habilidades das pessoas são um valor de compra nas economias informais.

Além disso, existem muitos detalhes particulares relacionados ao viver nas favelas. Os residentes tendem a adicionar ornamentação às suas casas com flores plásticas ou dividem o interior da habitação com tecidos coloridos em vez de portas. Nos casos em que as casas não possuem salas separadas, os objetos dispostos na casa definem a função dessa sala particular: assim uma panela e um forno implicam uma cozinha, uma cama denota um quarto, uma TV implica a sala de estar e assim por diante. Os residentes de Favela sobrepõem suas casas com telhas cerâmicas (“casa toda na cerâmica”) como forma de proteger o interior da umidade. Eles se orgulham grandemente da sua obra e de suas casas, comumente adornadas com estátuas de santos, e fotos da família. No interior, vários produtos são pendurados para o celular ou empilhados em cima das janelas, a fim de economizar espaço. Isto é especialmente feito nos quartos alocados para geração de renda.

As paisagens sonoras no bairro denotam um ambiente de autoconstrução, expresso através de um som quase contínuo de martelos; além das negociações de vizinhança em geral. Além disso, algumas pessoas criam pequenos animais de fazenda, de modo que o som de galos cantando é frequente no início da manhã e as igrejas que ligam sistemas de som altos para que todos prestes a ouvir os serviços de oração ".[10]

Durante os dias quentes no verão, os moradores podem desmontar as tubulações de água para tomar um banho de bica. Os residentes também podem desmontar tubos para preencher piscinas infláveis para crianças. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Durante os dias quentes no verão, os moradores podem desmontar as tubulações de água para tomar um banho de bica. Os residentes também podem desmontar tubos para preencher piscinas infláveis para crianças. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Os habitantes adornam suas lojas com seus próprios recursos. Normalmente eles colocam itens no telhado de lojas e fazem composições com os produtos que vendem. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Os habitantes adornam suas lojas com seus próprios recursos. Normalmente eles colocam itens no telhado de lojas e fazem composições com os produtos que vendem. Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Presença significativa de cultos nas favelas e religião associada com alto estima do morador. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti
Presença significativa de cultos nas favelas e religião associada com alto estima do morador. . Image © Ana Rosa Chagas Cavalcanti

Conclusões

É apresentada uma linguagem padrão para o assentamento informal. Alguns dos padrões deste artigo podem ser usados como referência para o planejamento, enquanto outros demonstram questões que precisam ser abordadas nas favelas, como os problemas emergentes. Assim, essa ferramenta pedagógica tem como objetivo revelar os detalhes dos desafios dos projetos que os arquitetos precisam enfrentar quando lidam com esses cenários.

Na verdade, esta ferramenta não pretende ser um instrumento de normalização ou estabelecimento de regras para o design de espaços autoconstruídos, mas é um instrumento de encontro entre o arquiteto e o habitante. Ao fazê-lo, se pretende reverter as lógicas da educação arquitetônica tradicional e propor e refletir sobre a arquitetura. Espera-se que essa ferramenta pedagógica pode ser usada em diferentes contextos, a fim de estimular o aprendizado de práticas sociais, dados etnográficos e econômicos para a educação de alunos de arquitetura.

* O texto original, em inglês, pode ser lido neste link.

Notas:

[1]Alexander. C. (1999). “The Origins of Pattern Theory: The Future of the Theory, and the Generation of a Living World.” IEEE Software, 16 (5): 71–82. doi:10.1109/52.795104.Page 74.
[2] Roy, A.; AlSayyad, N. (2004). Urban Informality: Transnational Perspectives from the Middle East, Latin America and Asia.London: Lexinton Books.
Roy, A. (2005). Urban informality: Towards an epistemology of planning. Journal of the American Planning Association, Vol. 1, N. 2, Spring 2005.
Gilbert, A. (2007). The Return of the Slum: Does Language Matter?. IJURR, Volume 31, Issue 4, Pages 697-713. 10.1111/j.1468-2427.2007.00754
Arabindoo, P. (2011). Beyond the return of the “slum”. City, Volume 5, N. 6. Pages: 631—635.
[3]Arabindoo, P. (2011). Rhetoric of the ‘slum,’. City 15, no. 6 (2011): 636–46, doi:10.1080/13604813.2011.609002.Page: 640
[4] Chagas Cavalcanti, A.R (2017). Work, Slums and Informal Settlements Traditions: Architecture of the Favela do Telegrafo. Traditional Dwellings and Settlements Review Volume XXVII, II.Pages 71-81.
[5] Chagas Cavalcanti, A.R (2016). How Does Work Shape Informal Cities ? The Critical Design of Cities and Housing in Brazilian Slums.  The Plan Journal, 1, no. 2 (2016): 49–64, doi:10.15274/tpj.2016.01.02.04.
[6] Roy, A (2004). Transnational Trespassings: The Geopolitics of Urban Informality. In Alsayyad, N. and Roy, A. (ed.), Urban Informality: Transnational Perspectives from the Middle East, Latin America and Asia, London: Lexinton Books. Pages 289-318.
[7] Chagas Cavalcanti, A. R. (2017). Work, Slums and Informal Settlements Traditions: Architecture of the Favela do Telegrafo.
[8] Chagas Cavalcanti, A. R. (2009). Dos calejados pés, os passos dos filhos de Mae Lagoa: A Invenção do Espaço a Partir dos Ritos de Sururu. Graduation Thesis (Federal University of Alagoas).
[9] Ibid.
[10]Chagas Cavalcanti, A.R. (2015) “Hence, We Will Improvise: A Claim for Methods and Approaches through the Perspective of Dwellers.”

Ana Rosa Chagas Cavalcanti é doutoranda e pesquisadora na Universidade de Tecnologia de Delft (TU Delft) através da CAPES. Sua reflexão intelectual encontra raízes em uma pesquisa de campo iniciada em 2008 nas Favelas do Brasil, onde se formou em 2009 em Arquitetura e Urbanismo com uma tese sobre a Favela Sururu de Capote.

Cita: Ana Rosa Chagas Cavalcanti. "Uma linguagem padrão da autoconstrução: ferramenta para compreender os espaços e as práticas sociais das favelas brasileiras" 26 Set 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/880403/uma-linguagem-padrao-da-autoconstrucao-ferramenta-para-compreender-os-espacos-e-as-praticas-sociais-das-favelas-brasileiras> ISSN 0719-8906