1. ArchDaily
  2. América Latina

América Latina: O mais recente de arquitetura e notícia

Conheça os vencedores da Bienal Pan-Americana de Arquitetura de Quito 2020

Estudio Iturbide – Taller Mauricio Rocha + Gabriela Carrillo, Rafael Carrillo, Gerson Huerto, Pavel Escobedo, Esterlina Campuzano, Elizabeth Waites, Enrique Ibarra, México.. Image © Rafael Gamo
Estudio Iturbide – Taller Mauricio Rocha + Gabriela Carrillo, Rafael Carrillo, Gerson Huerto, Pavel Escobedo, Esterlina Campuzano, Elizabeth Waites, Enrique Ibarra, México.. Image © Rafael Gamo

A XXI Bienal Pan-Americana de Arquitetura de Quito (BAQ2020) anunciou os projetos vencedores desta edição durante a transmissão online de encerramento do evento.

Criando projetos a partir de um olhar decolonial

Descolonizar. Provavelmente você já ouviu essa palavra, mas se não fizer ideia do que se trata, talvez possa imaginar que tem a ver com colonização. Nós brasileiros, conhecemos bastante o que é colonização: fomos colônia de Portugal por muito anos, falamos português, comemos bacalhau na Páscoa e somos em grande maioria católicos por conta disso.

Já entender a palavra descolonizar é compreender que a colonização não trouxe só heranças linguísticas, religiosas e culinárias, mas também envolveu muita exploração: culturas foram apagadas, líderes locais foram mortos, riquezas foram roubadas e memórias destruídas.

Projeto do escritório mexicano Roth Architecture que utiliza os princípios do Bem Viver. Imagem: IK LAB. Cortesia de O Futuro das CoisasIntervenção do Black Lives Matter, na icônica Quinta Avenida, em frente à Trump Tower. Imagem: The New Tork Times. Cortesia de O Futuro das CoisasEdifício de Freddy Mamani em El Alto na Bolívia. Foto © Alfredo ZeballosCentro do Rio de Janeiro e suas bases neoclássicas no final do século XIX. A foto mostra o Teatro Municipal, por volta de 1910. Foto: Marc Ferrez | Acervo IMS. Cortesia de O Futuro das Coisas+ 5

Altamira disponibiliza gratuitamente o ebook "Arquitetas e arquiteturas na América Latina do século XX"

A Altamira Editorial disponibilizou gratuitamente o livro Arquitetas e arquiteturas na América Latina do século XX para download em seu website. De autoria de Ana Gabriela Godinho Lima, a publicação reúne um "levantamento da atuação das arquitetas latino-americanas do século XX, no campo da produção teórica e prática do edifício."

Escala humana na cidade a partir de uma perspectiva feminista, transversal e política

Observar a realidade de nosso ambiente construído nos permite reconhecer que existem identidades que os modelos e escalas existentes não representam. Estas vozes, não por acaso, têm sido as grandes ausências nos processos de planejamento e construção das cidades e de sua arquitetura. Seus desejos e formas de ser e viver no mundo foram excluídos e tornados invisíveis. Isso nos faz repensar quais vozes são representadas nos debates sobre o urbano e para quem se projeta a cidade?

Curso "Arquiteturas do Sul Global"

Organizado por Marco Artigas e Pedro Vada, o curso tem como objetivo ampliar o repertório sobre a produção arquitetônica contemporânea levando em consideração as urgentes necessidades de novos olhares, fundamentalmente contra-hegemônicos. Temos como foco a atuação de arquitetas e arquitetos de países do Sul Global, seus repertórios e o debate sobre o que e como estão construindo nesses países. 

Arquitetura e urbanismo na América Latina: uma entrevista com Fernando Lara e Caio Dias

Falar sobre a história das cidades e da arquitetura na América Latina demanda um exercício de desconstrução. A narrativa oficial e mais difundida se concentra na compreensão das consequências da ocupação do continente americano – norte, centro e sul – pelos colonizadores europeus, em detrimento do reconhecimento das diversas culturas, técnicas e economias que há mais de mil e quinhentos anos definiam modos de vida e produção do espaço através de diferentes tradições construtivas, tão pertinentes ao contexto multifacetado do continente mais “vertical”, onde cabem mais latitudes que qualquer outro.

Pontes e passarelas para conectar espaços: 15 projetos de arquitetura na América Latina

Residencia M&M / Bonina Arquitetura. Image © Tony ChenCasa Candelaria / Llano Arquitectos. Image © Alejandro ArangoCasa MLA / Jacobsen Arquitetura. Image © Leonardo FinottiLa Tallera / Frida Escobedo. Image © Rafael Gamo+ 31

Pontes e passarelas são elementos de circulação horizontal que permitem estabelecer uma ligação física entre os espaços interiores ou exteriores de um projeto para resolver a sua articulação e poupar, em alguns casos, os desníveis existentes entre eles. Essas estruturas suspensas potencializam as conexões visuais entre os diferentes níveis e permitem criar percursos mais dinâmicos. 

Ciclovias temporárias, a resposta de cinco cidades do Brasil e América Latina à COVID-19

Cidades têm implementado ciclovias temporárias para viabilizar deslocamentos seguros durante a pandemia de COVID-19 e evitar que usuários do transporte coletivo migrem para carros e motos. Aos poucos, a prática ganha corpo na América Latina, inclusive no Brasil. É uma oportunidade de ouro para fortalecer a mobilidade urbana por bicicleta – mas para isso, é preciso que as intervenções emergenciais incorporem boas práticas de segurança viária.

22 Passos para projetar habitação social (em zona rural ou urbana)

Neste capítulo da série de artigos de Nikos A. Salingaros, David Brain, Andrés M. Duany, Michael W. Mehaffy y Ernesto Philibert-Petit, que trata do estudo da habitação social na América Latina, os autores apresentam algumas recomendações sobre a sequência de ações para a criação deste tipo de habitação, seja em zona rural ou urbana. 

Realidades incômodas da habitação social na América Latina

Concluindo a série de artigos sobre o estudo da habitação social na América Latina, Nikos A. Salingaros, David Brain, Andrés M. Duany, Michael W. Mehaffy e Ernesto Philibert-Petit apresentam uma reflexão sobre os altos preços da terra, grandes esquemas e desestabilização nacional. Confira, a seguir.

Arquitetura para as plantas: estufas e estruturas de cultivo

Orquidário do Parque Bicentenário . Image © vladimix [Flickr] bajo licencia CC BY-SA 2.0Edifício do Jardim Botânico Cosmovitral. Image © Rosa Menkman [Flickr] bajo licencia CC BY 2.0Estufa principal do Jardim Botânico Carlos Thays . Image © Mariana EtulainOrquidário do Jardim Botânico de Quito. Image © Pedro M. Martínez Corada [Wikimedia] bajo licencia CC BY-SA 4.0+ 11

As construções e estruturas destinadas ao cultivo de plantas - como as estufas e orquidários - são fundamentalmente espaços arquitetônicos que articulam o controle e a manipulação dos fatores ambientais como temperatura e umidade, permitindo adaptar esses parâmetros a demandas específicas das espécies mantidas - seja para seu cultivo, sua preservação ou sua exposição. Os projetos costumam variar segundo o uso e a localização geográfica da estrutura, sob influência de questões como o clima local, a altura das espécies a alojar, as demandas de ventilação, ou considerações como se a construção será temporária ou permanente, podendo por vezes se configurar a partir de sistemas de partes montáveis e desmontáveis. No entanto, existem alguns parâmetros comuns que atravessam esse tipo de construção. De forma geral, tendem a seguir uma linha similar em termos de materialidade e organização: para aproveitar os efeitos da radiação solar, as estufas apresentam com coberturas e fechamentos translúcidos, como vidro ou plástico, e se estruturam através de sistemas leves de peças que permitam grandes vãos, podendo ser de ferro, madeira, bambu, etc.

Estratégias de construção para habitação social na América Latina

O artigo a seguir faz parte de uma série desenvolvida por Nikos A. Salingaros, David Brain, Andres M. Duany, Michael W. Mehaffy e Ernesto Philibert-Petit, que explora as particularidades da habitação social na América Latina. Nesta ocasião, os autores lidam com o papel da participação nos processos de projeto e construção de um tecido urbano saudável baseado na experiência de Christopher Alexander. 

10 Obras icônicas do brutalismo na América Latina

via Usuário Flickr: Renovación República CC BY 2.0
via Usuário Flickr: Renovación República CC BY 2.0

A arquitetura brutalista responde a um momento histórico. Terminava a Segunda Guerra Mundial e das cinzas surge uma nova forma de Estado, junto com um nova ordem global que vai incluir, com maior protagonismo, a Estados periféricos. 

A arquitetura brutalista nasce como resposta a ideias de estados benfeitores, estados robustos que vão sustentar e dirigir a nova sociedade de massas. Como disse o crítico Michael Lewis "o brutalismo é a expressão vernacular do estado benfeitor".

Transpondo fronteiras: a nova arquitetura moderna do Paraguai

O Paraguai que conhecemos hoje já não é mais aquele de outrora, e assim como o país se transformou ao longo do último século, sua arquitetura passou por um radical processo de mudança durante os últimos cem anos. A herança cultural indígena do povo Guaraní esteve, por muito tempo, onipresente em todo território e como a principal referência na produção e organização do ambiente construído do país. Mais tarde, o colonialismo viria para transformar para sempre as relações entre o povo e seus assentamentos urbanos. Há alguns anos porém, este pequeno país latino-americano começou a redescobrir o seu próprio passado através de novas práticas de arquitetura, principalmente, em projetos de pequena escala.

Buenos Aires, Cidade do México e São Paulo entre as 50 melhores cidades para se investir em 2019

O Global Power City Index (GPCI) é um relatório anual no qual as principais cidades do mundo são ranqueadas conforme o seu poder de "magnetismo", ou seja, a capacidade que estas cidade tem para atrair investimentos, pessoas e capital. No relatório deste ano, o GPCI incluiu três cidades latino-americanas entre as cinquenta cidades mais atrativas para se investir.

Habitação social na América Latina: urbanismo como libertação do ideal de casa

Na continuação da série de artigos sobre o estudo da habitação social na América Latina, Nikos A. Salingaros, David Brain, Andrés M. Duany, Michael W. Mehaffy y Ernesto Philibert-Petit apresentam uma reflexão sobre a imagem idealizada da casa desejável e a importância de levar a sério as expectativas das pessoas.