Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat

Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat

A Un-Habitat ou agência das Nações Unidas para assentamentos humanos e desenvolvimento urbano sustentável, cujo foco principal é lidar com os desafios da rápida urbanização, vem desenvolvendo abordagens inovadoras no campo do desenho urbano, com projetos centrados na participação ativa da comunidade. O ArchDaily se associou ao UN-Habitat para trazer notícias semanais, artigos e entrevistas que destacam este trabalho, com conteúdo direto da fonte, desenvolvido por nossos editores.

Associada ao crime, ao desperdício e ao lixo, Dandora, nos limites de Nairóbi, é o lar de cerca de 140.000 habitantes. Em uma colaboração contínua, entre moradores e grupos de jovens, a UN-Habitat, a coalizão Making Cities Together e a “Liga de Transformação de Dandora”, foi criado o projeto "Rua Modelo", que vem transformando os espaços comunitários repletos de lixo em espaços livres de resíduos, atraentes e envolventes. Com foco na melhoria dos espaços compartilhados de conjuntos residenciais, uma competição anual liderada pelos jovens do bairro, o Changing Faces Challenge, tornou-se uma iniciativa para mobilizar cidadãos em Nairóbi.

Cortesia de UN-HabitatCortesia de UN-HabitatCortesia de UN-HabitatCortesia de UN-Habitat+ 21

Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat

Dandora, construída na década de 1970, com apoio do Banco Mundial, era inicialmente um bairro bem planejado em Nairóbi, Quênia, antes de se transformar gradualmente em uma favela, principalmente devido à má gestão. Aos poucos tornou-se conhecida por seu grande lixão, o maior do país, e pelas atividades criminosas notórias, como violência, uso de drogas, estupro e prostituição. Para a recuperação do bairro, as primeiras mudanças, consistiram em limpeza, plantio, abertura de drenagens e pintura de fachadas, que foram iniciadas por um grupo de jovens, muitos deles inicialmente envolvidos no crime. Em um curto período de tempo, as atividades de varejo local aumentaram, a segurança e a proteção melhoraram e uma coesão social mais forte foi estabelecida.

Dandora não é uma favela mas sim um bairro

Evoluindo para a “Liga de Transformação de Dandora”, esses indivíduos firmaram uma parceria em 2015 com o Programa de Espaços Públicos da UN-Habitat, a coalizão de parceiros Making Cities Together e o governo do condado da cidade de Nairóbi para lançar a iniciativa "Rua Modelo". Atualizando o espaço público por meio de processos colaborativos e participativos, o programa "permitiu o fácil acesso à propriedade, permitindo que negócios de pequena escala à beira da estrada prosperassem [...] É um exemplo de como a criação de lugares catalisa alianças improváveis entre grupos de base, o setor privado, governo local e outros líderes locais para adaptar, replicar e aumentar as boas práticas do nível doméstico ao de bairro, e desencadear uma avalanche de iniciativas de empoderamento da comunidade por várias partes interessadas”. Uma referência para orientar futuras intervenções, o projeto é um processo gradual para a regeneração de bairros liderada pela comunidade.

Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat

A comunidade local no centro do processo de cocriação

Como primeiro passo para implementar o projeto "Rua Modelo", a UN-Habitat e parceiros locais organizaram uma sessão de projeto participativo usando o Minecraft, para coletar as ideias, prioridades e aspirações da comunidade. Os projetos provenientes deste workshop foram então traduzidos em projetos arquitetônicos reais. Por outro lado, a comunidade contribuiu com cerca de 10% do custo do projeto, e incluiu o trabalho manual - com a limpeza, nivelamento do solo, paisagismo e, mais importante, a manutenção da paisagem urbana.

Os resultados do modelo de intervenção nas ruas incluem a melhoria da segurança e proteção, oportunidades de subsistência, relacionamento com as autoridades, oportunidades de brincar para crianças, bem como melhor drenagem e qualidade ambiental. Levando cerca de dezoito meses e feita em cocriação com a comunidade local - a partir do trabalho de jovens e mulheres, a fase II da Rua Modelo em Dandora, por exemplo, obteve um total de 25 árvores plantadas, 800m de estrada pavimentada, drenagens desobstruídas e abertas, 13 recipientes de lixo instalados e quatro acessos construídos, dando uma nova identidade ao quarteirão.

Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat
Cortesia de UN-Habitat

Se podemos mudar Dandora, podemos mudar Nairóbi, Quênia e África

Concentrando-se na melhoria dos espaços compartilhados em conjuntos residenciais - que abrigam entre 20 a 50 famílias e são utilizados por todas as famílias e indivíduos - a parceria do projeto em Dandora desafiou os residentes a limpar essas áreas. Na verdade, a iniciativa “teve um impacto catalítico dentro de Dandora [...] Não se restringirndo aos portais de entrada, os moradores passaram a formar coalizões para melhorar suas ruas locais”. Após o sucesso do projeto, em 2015, todos viram a necessidade de replicar a estratégia. Desta forma, foi lançado o concurso Changing Faces, liderado principalmente por jovens, sendo iniciado com alguns projetos em Dandora, e depois se expandindo para outros bairros de Nairóbi, incluindo Kayole, Korogocho, Buruburu, Mathare, entre outros. Conversões semelhantes foram iniciadas usando o mesmo modelo de competição, que reúne os campeões da comunidade e entusiastas urbanos. Já em sua quarta edição, o desafio que permite aos habitantes de Nairóbi melhorar sua qualidade de vida, impactou 200.000 usuários de espaços públicos.

Ao utilizar o espaço público e a gestão de resíduos como pontos de partida para lidar com a revitalização do bairro, o projeto  "Rua Modelo" destaca o valor do planejamento urbano inclusivo, que se inicia em uma escala micro e pode ser ampliado e replicado em outras áreas. Finalmente, os principais fatores contribuintes que incentivaram os indivíduos a transformar suas próprias casas, ruas e comunidades incluem:

  • Parcerias genuínas entre setores 
  • Abordagem multissetorial
  • A comunidade como chefe do projeto
  • Plano urbano prático incorporando diferentes escalas
  • Mecanismos para garantir um foco contínuo da comunidade na gestão de resíduos e espaço público
  • Custo-benefício

Via UN-Habitat.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Harrouk, Christele. "Como um espaço público pode transformar uma vizinhança inteira? A ideia de rua modelo da UN-Habitat" 21 Nov 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/951272/como-um-espaco-publico-pode-transformar-uma-vizinhanca-inteira-a-ideia-de-rua-modelo-da-un-habitat> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.