1. ArchDaily
  2. Espaços Públicos

Espaços Públicos: O mais recente de arquitetura e notícia

Onde foram parar os bancos e assentos públicos?

O projeto e a funcionalidade dos espaços públicos nas cidades estão sempre sob análise. Seja a acessibilidade aos parques públicos e espaços verdes, a distância que as pessoas vivem do transporte público ou as formas como os espaços podem ser projetados para tornar a vida na cidade mais segura e equitativa. Mas agora uma nova questão em uma escala menor está surgindo — para onde foram todos os assentos públicos?

Onde foram parar os bancos e assentos públicos?Onde foram parar os bancos e assentos públicos?Onde foram parar os bancos e assentos públicos?Onde foram parar os bancos e assentos públicos?+ 6

Como a arquitetura pode ser democrática?

A essência da democracia é o autogoverno e a autonomia do povo, com base em seus próprios direitos. Suas características são demonstradas na igualdade e na participação. Se democracia significa um modo de vida pública mais equitativo na arquitetura, então esse modo de vida depende da homogeneização da estrutura espacial do edifício, com espaços públicos abertos, transparentes e com diversas funções. Também é possível argumentar que o nascimento, a manutenção e o desaparecimento da democracia ocorreram no espaço público.

O regime democrático de Atenas começou no século VI a.C. A praça tornou-se um ponto de encontro, um símbolo da política democrática da arquitetura. Embora o acesso das pessoas à assembleia tenha se tornado mais amplo e prático com o avanço da tecnologia, a existência do espaço público na cidade permanece crítica, representando as demandas espaciais dos direitos públicos dos cidadãos além das condições básicas de sobrevivência e cumprindo uma importante função espiritual de expressar a democracia. Isso posto, como a arquitetura pode ser democrática? Como podemos perceber o caráter público da arquitetura?

Como a arquitetura pode ser democrática?Como a arquitetura pode ser democrática?Como a arquitetura pode ser democrática?Como a arquitetura pode ser democrática?+ 19

Vencedores do Prêmio UIA 2030: contribuições da arquitetura para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Na décima primeira sessão do Fórum Urbano Mundial em Katowice, Polônia, a União Internacional de Arquitetos (UIA), juntamente com a UN-HABITAT, anunciou os vencedores do Prêmio UIA 2030. Buscando reconhecer contribuições da arquitetura para a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e a Nova Agenda Urbana, esta edição premiou obras da Alemanha, Hong Kong, Argentina, Bangladesh e China dentre um total de 125 projetos de 40 países. As obras premiadas demonstram qualidade de projeto e alinhamento com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

Organizado em seis categorias — Categoria Aberta; Melhorando a Eficiência Energética; Habitação Adequada, Segura e Acessível; Planejamento Territorial Participativo, Eficiente e Inclusivo; Acesso a Espaços Verdes e Públicos; e Utilizando Materiais Locais —, os jurados escolheram um vencedor por seção, mas não conseguiram identificar um vencedor geral na categoria aberta e optaram por reconhecer seis projetos como Altamente Recomendados, homenageando no total 5 premiados e 15 recomendações.

Vencedores do Prêmio UIA 2030: contribuições da arquitetura para os Objetivos de Desenvolvimento SustentávelVencedores do Prêmio UIA 2030: contribuições da arquitetura para os Objetivos de Desenvolvimento SustentávelVencedores do Prêmio UIA 2030: contribuições da arquitetura para os Objetivos de Desenvolvimento SustentávelVencedores do Prêmio UIA 2030: contribuições da arquitetura para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável+ 22

Projetando a partir do debate: banheiros de gênero neutro

“Criar uma cidade equitativa implica em que cada cidadão tenha suas necessidades atendidas”, diz a arquiteta Wanda Dalla Costa em um momento em que as metrópoles passam por muitas mudanças. Arquitetos e o público começaram a reconhecer o design de espaços públicos orientado para o gênero. Em todo o mundo, historicamente, as áreas urbanas têm sido um local de discriminação e perigo para a comunidade LGBTQ+. Por outro lado, a questão de gênero pode ser evidenciada em zonas públicas que promovam a visibilidade e interação entre as pessoas. Um árduo desafio recai sobre arquitetos e planejadores: projetar ambientes justos e espaços equitativos.

Projetando a partir do debate: banheiros de gênero neutroProjetando a partir do debate: banheiros de gênero neutroProjetando a partir do debate: banheiros de gênero neutroProjetando a partir do debate: banheiros de gênero neutro+ 8

Arquitetura exclusiva: como as intervenções em espaços públicos ignoram os moradores de rua

A responsabilidade social e o desejo de melhorar a sociedade há muito são influenciados pelo ambiente construído. Olhando para os centros das cidades, a arquitetura tem contribuído para a melhoria do tecido urbano, seja através de estratégias de planejamento e zoneamento, integração de espaços públicos ou pequenas intervenções. Em alguns casos, no entanto, essas intervenções são de fato usadas como ferramentas para manter os sem-teto fora das ruas, disfarçadas de arte ou projetos conceituais. Várias políticas públicas urbanas proibiram implicitamente os moradores de rua e outros grupos sociais marginalizados nos centros das cidades, alegando que sua presença e uso "irregular" do espaço público poderiam comprometer a reputação, a segurança e a conveniência na cidade.

Arquitetura exclusiva: como as intervenções em espaços públicos ignoram os moradores de ruaArquitetura exclusiva: como as intervenções em espaços públicos ignoram os moradores de ruaArquitetura exclusiva: como as intervenções em espaços públicos ignoram os moradores de ruaArquitetura exclusiva: como as intervenções em espaços públicos ignoram os moradores de rua+ 8

Estética da ruptura: os efeitos das mudanças abruptas na paisagem urbana

Espaços públicos desempenham um papel significativo na organização de cada comunidade, mas definir o que os diferencia de outros espaços da cidade não é uma tarefa fácil. Uma vez que esses espaços começam a se instalar na memória coletiva das comunidades locais, tornam-se elementos-chave que concentram a imagem mental de uma cidade. Enquanto esse processo geralmente acontece com espaços urbanos, monumentos e elementos arquitetônicos isolados também podem se tornar marcos para a vida urbana de uma determinada região. Então, o que acontece quando eventos catastróficos como incêndios, guerras ou mesmo a pandemia alteram essa imagem?

Estética da ruptura: os efeitos das mudanças abruptas na paisagem urbanaEstética da ruptura: os efeitos das mudanças abruptas na paisagem urbanaEstética da ruptura: os efeitos das mudanças abruptas na paisagem urbanaEstética da ruptura: os efeitos das mudanças abruptas na paisagem urbana+ 8

Espaços queer e um caminho de outras possibilidades na arquitetura: entrevista com Adam Nathaniel Furman

© Kaoru Yamada
© Kaoru Yamada

"Crescer sendo queer significa experimentar a desestabilizadora ausência de uma história queer ampla e acessível, principalmente em relação ao pensamento espacial". Este relato é o que intrigou o designer Adam Nathaniel Furman e o historiador de arquitetura Joshua Mardell a reunir uma comunidade de colaboradores para apresentar novas perspectivas ao campo da arquitetura. A partir de histórias de espaços que desafiam a moral cis-heteronormativa e abrigam pessoas que buscam viver suas próprias verdades, surgiu o livro intitulado "Queer Spaces: An Atlas of LGBTQIA+ Places and Stories", o qual explora distintos contextos sociais, políticos e geográficos da comunidade LGBTQIA+.

Espaços queer e um caminho de outras possibilidades na arquitetura: entrevista com Adam Nathaniel FurmanEspaços queer e um caminho de outras possibilidades na arquitetura: entrevista com Adam Nathaniel FurmanEspaços queer e um caminho de outras possibilidades na arquitetura: entrevista com Adam Nathaniel FurmanEspaços queer e um caminho de outras possibilidades na arquitetura: entrevista com Adam Nathaniel Furman+ 21

Regeneração de espaços urbanos: o trabalho de Jan Kattein Architects

O premiado escritório londrino Jan Kattein Architects usa seus projetos arquitetônicos para concretizar oportunidades cívicas e espaciais. Desta forma, busca estabelecer um legado social e físico, alcançado ao adotar um processo de design aberto e interativo que responde positivamente às necessidades e aspirações dos clientes.

Ao permitir que o processo conduza cada projeto individualmente, seu método estimula uma arquitetura inovadora, buscando agregar benefícios através da educação, do crescimento econômico, das atividades culturais e uma maior coerência comunitária.

Regeneração de espaços urbanos: o trabalho de Jan Kattein Architects Regeneração de espaços urbanos: o trabalho de Jan Kattein Architects Regeneração de espaços urbanos: o trabalho de Jan Kattein Architects Regeneração de espaços urbanos: o trabalho de Jan Kattein Architects + 33

8 Abordagens e tendências para promover trânsito seguro e espaços públicos de qualidade

Zona 30 em Belo Horizonte: áreas de trânsito calmo são uma das abordagens que conciliam segurança viária e espaços públicos de melhor qualidade. Foto: Rafael Tavares-Octopus Filmes/WRI Brasil
Zona 30 em Belo Horizonte: áreas de trânsito calmo são uma das abordagens que conciliam segurança viária e espaços públicos de melhor qualidade. Foto: Rafael Tavares-Octopus Filmes/WRI Brasil

É preciso desacelerar o trânsito nas cidades brasileiras – e rápido. Esta é uma questão de saúde pública, já que sinistros de trânsito estão entre as principais causas de morte em todo o mundo. E uma questão de qualidade de vida e equidade, já que cidades que reduzem efetivamente as velocidades dos veículos tornam-se mais seguras, acolhedoras e vibrantes para todas as pessoas.

“Valora nuestro barrio”: 21 projetos de melhorias urbanas em Lima no Peru

A fim de aplacar as consequências do crescimento urbano informal nas regiões de Lima e Callao, a Conselho de Arquitetos do Peru Lima (CAP RL) apresentou em 19 de abril o programa "Valora Nuestro Barrio" (Valoriza Nosso Bairro). Através de 21 projetos selecionados, o programa busca melhorar a qualidade de vida dos habitantes, reconhecendo e tornando visíveis as boas práticas de melhoria urbana nos bairros propostos.

“Valora nuestro barrio”: 21 projetos de melhorias urbanas em Lima no Peru“Valora nuestro barrio”: 21 projetos de melhorias urbanas em Lima no Peru“Valora nuestro barrio”: 21 projetos de melhorias urbanas em Lima no Peru“Valora nuestro barrio”: 21 projetos de melhorias urbanas em Lima no Peru+ 29

O que é Design Justice?

Assentamento Kya Sands em Joanesburgo, África do Sul. Foto © Johnny Miller Photography
Assentamento Kya Sands em Joanesburgo, África do Sul. Foto © Johnny Miller Photography

Design Justice é um ramo da arquitetura e do design focado em redesenhar cidades, produtos, serviços e ambientes pensando em reparações históricas.  

O termo surgiu há mais ou menos 7 anos quando os debates e diálogos sobre inclusão e diversidade nos espaços começaram a ficar mais fortes criando movimentos que lutavam pelo direito de pessoas que tiveram suas raízes e escolhas negadas na sociedade.

Espaços de leitura: o livro como elemento arquitetônico

Biblioteca-Vac / Farming Architects. Image © Thai Thach, Viet Dung An
Biblioteca-Vac / Farming Architects. Image © Thai Thach, Viet Dung An

Muito além da formação básica, a leitura é uma atividade de lazer que faz parte da sociedade moderna. Seja ao ar livre, em praças e parques, seja em casa, ou até no trabalho, esse hábito, que melhora a capacidade de raciocínio e a saúde mental, já teve, nos palácios e palacetes, grandes espaços dedicados aos livros. Selecionamos 15 projetos que demonstram as diferentes formas de integrar a leitura em diferentes escalas e programas arquitetônicos.

Espaços de leitura: o livro como elemento arquitetônico Espaços de leitura: o livro como elemento arquitetônico Espaços de leitura: o livro como elemento arquitetônico Espaços de leitura: o livro como elemento arquitetônico + 16

Memória LGBT nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo

Largo do Arouche, um dos espaços que se configurou como símbolo da territorialização LGBT na cidade de São Paulo. Imagem: Autoria própria
Largo do Arouche, um dos espaços que se configurou como símbolo da territorialização LGBT na cidade de São Paulo. Imagem: Autoria própria

Caminha-se pela cidade. Território em constante movimento. É complexa e formada por um emaranhado infinito de anseios. Sejam eles para as diferentes construções de um novo lugar, físico ou não; mas também para a desconstrução de outros, que apesar de consolidados, são carregados de concepções de outrora. Neste meio de campo, há uma necessidade inevitável do sujeito na busca por localidades que permitam seu encontro com seus demais, para que possa existir uma possibilidade de expressão das diversidades existentes.

"Metade dos problemas da vida dos brasileiros é urbanística ou arquitetônica": entrevista com Gregorio Duvivier

Seja como ator, seja como escritor, Gregorio Duvivier faz a gente rir – e pensar – mesmo quando comenta os assuntos mais cinzentos dos dias de hoje. Uma forma, segundo ele, de criar laços e consolidar amizades.

Convidado do Betoneira Podcast, ele conversa também sobre Carnaval, espaços públicos e a rivalidade Rio-São Paulo, tema frequente de seu trabalho.

Antítese da arquitetura hostil: projetos que contribuem para a hospitalidade urbana

Em 2014, quando o repórter do jornal britânico The Guardian ­– Ben Quinn ­– abriu os olhos de cidadãos de todo o mundo para práticas hostis de desenho urbano, cunhando o que viria a ser conhecido como fenômeno da “arquitetura hostil”, não se esperava uma repercussão tão grande. Vieram à tona inúmeras estratégias de desenho urbano que coíbem a participação do cidadão e segregam sua apropriação da cidade, elementos que restringem certos comportamentos e dificultam o acesso e a presença de determinadas camadas da sociedade. Códigos de conduta ditados pelo desenho urbano que vão contra tudo o que se estuda sobre urbanismo de cidades democráticas e hospitaleiras, tal qual Jan Gehl e Jane Jacobs.

Antítese da arquitetura hostil: projetos que contribuem para a hospitalidade urbanaAntítese da arquitetura hostil: projetos que contribuem para a hospitalidade urbanaAntítese da arquitetura hostil: projetos que contribuem para a hospitalidade urbanaAntítese da arquitetura hostil: projetos que contribuem para a hospitalidade urbana+ 17

OMA inicia construção da ponte Simone-Veil em Bordeaux

Está em andamento a construção da Ponte Simone-Veil do OMA em Bordeaux, com os primeiros elementos da estrutura metálica instalados na margem direita do rio Garonne. Com 548 metros de extensão, a sexta ponte sobre o rio Garonne ligará os municípios de Floirac e Bègles e proporcionará à cidade um novo espaço público. Projetada como uma superfície contínua com espaços públicos verdes em cada margem, a ponte de 44 metros de largura acomodará carros, transporte público, bicicletas, e uma grande superfície dedicada a pedestres. Quando concluída, se tornará a primeira ponte do OMA.

OMA inicia construção da ponte Simone-Veil em Bordeaux OMA inicia construção da ponte Simone-Veil em Bordeaux OMA inicia construção da ponte Simone-Veil em Bordeaux OMA inicia construção da ponte Simone-Veil em Bordeaux + 6

Novos espaços verdes não precisam levar à gentrificação

Décadas de renovação urbana, enraizadas em políticas de planejamento racistas, criaram as condições para que a gentrificação ocorresse nas cidades norte-americanas. Mas a principal preocupação com a gentrificação hoje é o deslocamento, que afeta principalmente as comunidades marginalizadas moldadas por um histórico de acesso negado a hipotecas. Na Conferência ASLA 2021 sobre Arquitetura Paisagística em Nashville, Matthew Williams e o Departamento de Planejamento da Cidade de Detroit, mostraram preocupação de que novos espaços verdes em sua cidade aumentem o valor de mercado das casas e "prejudiquem as comunidades marginalizadas". Entretanto, o investimento em espaços verdes não precisa necessariamente gerar o deslocamento dessas pessoas: se o projetos forem liderados pelas comunidades, podem gerar benefícios para todos.

Novos espaços verdes não precisam levar à gentrificaçãoNovos espaços verdes não precisam levar à gentrificaçãoNovos espaços verdes não precisam levar à gentrificaçãoNovos espaços verdes não precisam levar à gentrificação+ 13

Por que fechar ruas para automóveis não aumenta o trânsito

Fugindo da lógica que orientou o desenho da maioria dos municípios no século 20, tirar a prioridade dos carros no desenvolvimento das localidades e diminuir a área destinada a eles nas ruas não piora os congestionamentos. Pelo contrário, ao reorganizar o espaço das ruas deixando menos faixas para os automóveis, ocorre uma mudança na forma como as pessoas se deslocam, com a migração para outros meios de locomoção mais sustentáveis, como caminhar, pedalar ou utilizar o transporte público, reduzindo a circulação de veículos privados significativamente.