Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Iluminacao Natural

Iluminacao Natural: O mais recente de arquitetura e notícia

Quando a luz encontra o concreto: reflexões sobre a obra de Tadao Ando

13:00 - 23 Abril, 2019
Quando a luz encontra o concreto: reflexões sobre a obra de Tadao Ando, Vitra Conference Pavilion, Weil am Rhein / Germany. Image © Vitra, by Richard Bryant
Vitra Conference Pavilion, Weil am Rhein / Germany. Image © Vitra, by Richard Bryant

Koshino House, Ashiya-shi / Japan. Image © Kazunori Fujimoto Church of the Light, Osaka / Japan. Image © Naoya Fujii Modern Art Museum, Fort Worth / USA. Image © Todd Landry Photography Screenshot of video of Hill of the Buddha at the Makomanai Takino Cemetery, Sapporo / Japan. Image © Hokkaido Fan Magazine + 8

Quando perguntaram a Tadao Ando, arquiteto japonês vencedor do Prêmio Pritzker de 1995, qual seria o elemento mais consistente em sua obra, ele respondeu sem pestanejar: a luz. Através de sua arquitetura, Tadao Ando se apropria da luz e da sombra de uma forma quase coreográfica. Em determinados momentos, a sombra projetada em uma parede de concreto mais parece uma impressionante obra de arte. Em outros projetos são os reflexos na superfície d'água que transformam por completo a nossa compreensão do espaço. Sua abordagem arquitetônica enraizada na tradicional arquitetura japonesa e potencializada por um vasto vocabulário arquitetônico moderno, provocou profundas transformações em nossa disciplina durante a segunda metade do século XX colocando-o como uma das mais importantes figuras do regionalismo crítico. Cada um de seus projetos apresenta soluções individuais e profundamente conectadas à seus contextos específicos - como a Igreja da Luz, a Casa Koshino ou o Templo da Água-, aproximando a arquitetura tradicional japonesa à universalidade da arquitetura moderna. Ele foi capaz de reproduzir a luz difusa do interior das casas japonesas, filtrada pelas paredes de papel, através do uso criativo dos materiais e da simples configuração dos espaços.

30 banheiros abertos: incorporando brisa e natureza no espaço privado

11:00 - 29 Março, 2019
30 banheiros abertos: incorporando brisa e natureza no espaço privado, Forest View House / Sinichi Ogawa & Associates. Image © Shinichi Ogawa & Associates
Forest View House / Sinichi Ogawa & Associates. Image © Shinichi Ogawa & Associates

O espaço privado é geralmente associado a esconder o que acontece dentro, permitindo que as pessoas tenham certos momentos de intimidade. Habitualmente, banheiros foram concebidos para este fim, reduzindo as aberturas a um mínimo ou - por vezes - eliminando-as completamente.

No entanto, sendo um espaço tão importante dentro de um edifício, os banheiros se tornaram um objeto de nova exploração para os arquitetos. Desfocando os limites da privacidade - sem perder completamente - esses espaços estão abertos para o exterior, permitindo a entrada da brisa. Como esta nova experiência é percebida? Confira 30 banheiros abertos que brincam com o sentimento de exibicionismo, sem revelar completamente o que está acontecendo dentro.

© Sean Fennessy © Luis Gordoa © Shannon McGrath TreeVilla at Forest Hills / Architecture BRIO. Image © Photographix + 37

A atmosfera criada pela iluminação zenital em 20 projetos de arquitetura

11:00 - 13 Fevereiro, 2019
A atmosfera criada pela iluminação zenital em 20 projetos de arquitetura, © Adam Mork
© Adam Mork

Talvez a abertura zenital mais célebre já construída seja o Panteão de Roma, encomendado por Marco Vipsânio Agripa durante o reinado do imperador Augusto (r. 27 a.C.–14 d.C.) e reconstruído por Adriano (r. 117–138) por volta de 126. No ponto mais alto da sua cúpula (neste caso, o óculo) brilha a luz do sol, lançando seus feixes sobre as várias estátuas de divindades planetárias que ocupam os nichos nas paredes. A luz que adentra o espaço simbolizava uma dimensão cósmica, sagrada. A luz natural continua cumprindo esse papel cênico, quando bem utilizada, sobretudo em projetos religiosos.

Caracteriza-se iluminação zenital como a que vem de cima, do céu (zênite). Muito útil para espaços grandes que não possam ser adequadamente iluminadas por janelas, as claraboias são um artifício amplamente usado e que proporcionam uma luz difusa agradável ao espaço. Geralmente toma-se o cuidado que não permitam a entrada do sol, para não aquecer demasiadamente o local e devem ser bem projetadas e construídas para que não sejam pontos de infiltração de água. Veja, abaixo, uma coletânea de projetos que utilizam essa solução:

© Mathias Kestel © Hufton + Crow © Christian Richters © Andrew Lee + 44

Como projetar 'edifícios lanterna' com paredes autoportantes de vidro

12:00 - 10 Agosto, 2018
Como projetar 'edifícios lanterna' com paredes autoportantes de vidro, The Nelson-Atkins Museum of Art / Steven Holl Architects. Image © Andy Ryan
The Nelson-Atkins Museum of Art / Steven Holl Architects. Image © Andy Ryan

Recorrentemente, vemos que arquitetos optam por fachadas translúcidas para resolver as envoltórias de seus edifícios, promovendo a entrada de uma grande quantidade de luz natural controlada durante o dia. Ao mesmo tempo, quando acendem as luzes durante a noite, muitos desses projetos são notados no meio da escuridão, aparecendo como lanternas ou faróis para seus bairros e comunidades. Estando expostos a mudanças de condições - dia ou noite - é necessário estudar detalhadamente a orientação e a localização do edifício, as pré-existências do contexto e a configuração dos espaços interiores, o que nos leva a escolher necessariamente o material adequado.

Apresentamos um sistema autoportante de painéis de vidro que permite construir este tipo de fachadas sem interrupções - do chão ao teto -, com quadros mínimos e cores, texturas e performances térmicas e acústicas diferentes.

The Nelson-Atkins Museum of Art / Steven Holl Architects. Image © Andy Ryan C-Glass House / Deegan Day Design. Image © Taiyo Watanabe Magnolia Mound Visitors Center / Trahan Architects. Image © Timothy Hursley Nelson Atkins Museum of Art / Steven Holl. Image Cortesía de Bendheim + 28

Conheça os 9 vencedores regionais do Prêmio Internacional VELUX 2018 para estudantes de arquitetura

19:00 - 9 Julho, 2018
Conheça os 9 vencedores regionais do Prêmio Internacional VELUX 2018 para estudantes de arquitetura, Cortesia de Velux Group
Cortesia de Velux Group

Realizado a cada dois anos, o Prêmio Internacional VELUX desafia alunos a criarem projetos que aproveitam a luz do dia, com o objetivo de desenvolver uma compreensão mais profunda dessa fonte de energia.

Um júri de renomados arquitetos escolheu 9 vencedores regionais que agora competirão pelo prêmio no Festival Mundial de Arquitetura em novembro de 2018. Os vencedores foram escolhidos de projetos apresentados por estudantes de 250 escolas de arquitetura diferentes em 58 países.

Hiroshi Sambuichi recebe o prêmio Daylight 2018 por seu tratamento "atemporal e fluido" da luz

19:00 - 4 Junho, 2018
Hiroshi Sambuichi recebe o prêmio Daylight 2018 por seu tratamento "atemporal e fluido" da luz , The Water - Instalação nas Cisternas de Frederiksberg. Image © Jens Markus Lindhe
The Water - Instalação nas Cisternas de Frederiksberg. Image © Jens Markus Lindhe

A abordagem de Hiroshi Sambuichi a um terreno envolve estudos e reflexões de longo prazo sobre as qualidades e forças incorporadas da natureza. Seu entendimento é “mais profundo e com um grão mais fino”, explica o arquiteto americano e membro do júri The Daylight Award James Carpenter como uma das várias razões pelas quais Sambuichi foi anunciado recentemente como o mais recente vencedor do Daylight Award em 2018. Nas mãos de Sambuichi, “a luz se torna atemporal, fluida e rica”.

Naoshima Hall. Image © Shigeo Ogawa Rokko Observatory. Image © Sambuichi Architects Miyajima Misen Observatory. Image © Sambuichi Architects Inujima Seirensho Art Museum. Image © Daici Ano + 12

"Ventilação e iluminação naturais na obra de João Filgueiras Lima, Lelé"

14:00 - 28 Fevereiro, 2018
"Ventilação e iluminação naturais na obra de João Filgueiras Lima, Lelé",  Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek Lago Norte, Brasília/DF. Image © Nelson Kon
Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek Lago Norte, Brasília/DF. Image © Nelson Kon

Inauguramos hoje uma série de publicações onde apresentaremos teses e dissertações de acesso público que, de alguma maneira, discutam questões pertinentes à Arquitetura e ao Urbanismo. Vimos a necessidade de mostrar ao maior número possível de pessoas a incrível produção acadêmica de nossas universidades, que por vezes não ganham o devido reconhecimento.

Nesta primeira edição, apresentamos o trabalho do arquiteto Jorge Isaac Perén Montero e sua dissertação de mestrado intitulada "Ventilação e Iluminação Naturais na obra de João Filgueiras Lima, Lelé: Estudos dos Hospitais da Rede Sarah Kubitschek Fortaleza e Rio de Janeiro", orientada pela professora Rosana Maria Caram, na Escola de Engenharia de São Carlos - EESC/USP.

IV Semana Luz no Ambiente Tropical

16:00 - 29 Outubro, 2017
IV Semana Luz no Ambiente Tropical, IV Semana Luz no Ambiente Tropical
IV Semana Luz no Ambiente Tropical

A IV Semana Luz no Ambiente Tropical ocorrerá entre os dias 6 a 10 de novembro de 2017, com cerimônia de abertura e minicursos na UFAL nos dias 6 a 8 e palestras no Senai nos dias 9 e 10, em Maceió-AL. Organizado pelo Grupo de Pesquisa em Iluminação (Grilu), do Laboratório de Simulação em Conforto Ambiental e Eficiência Energética - LABSICA, situado no Centro de Tecnologia (CTEC) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).
A IV SLAT representa a parceria entre pesquisadores e profissionais de diversas instituições e áreas que atuam em linhas de pesquisa complementares, tendo a luz natural

"Os edifícios são belos quando nos sentimos bem dentro deles": VII Simpósio da Luz Natural em Berlim

15:00 - 28 Junho, 2017

Sob o tema "Healthy & Climate Friendly Architecture - From Knowledge to Practice", o 7° VELUX Daylight Symposium, realizado em Berlim entre os dia 3 e 4 de maio deste ano, teve a participação de 39 palestrantes voltados à pesquisa e prática de arquitetura.

Os participantes puderam confrontar informações de pesquisadores e arquitetos praticantes da Europa, Canadá e EUA, gerando discussões interessantes sobre a necessidade de aprofundar a compreensão da luz natural e projetar de forma mais eficaz.

A seguir, os destaques do evento.

Steven Holl vence o Prêmio Daylight 2016

19:00 - 19 Novembro, 2016
Steven Holl vence o Prêmio Daylight 2016, Museu Kiasma de Arte Contemporânea. Imagem © Petri Virtanen
Museu Kiasma de Arte Contemporânea. Imagem © Petri Virtanen

Steven Holl foi premiado com o Prêmio Daylight de Arquitetura 2016, que homenageia arquitetos "que se distinguiram pela realização da arquitetura ou criação de ambientes urbanos que mostram um uso exclusivo da luz natural, em benefício da qualidade de vida global, seu impacto na saúde humana, bem-estar e desempenho, e seu valor para a sociedade."

10 tipologias para iluminação natural: de padrões dinâmicos à luz difusa

15:00 - 5 Junho, 2016
10 tipologias para iluminação natural: de padrões dinâmicos à luz difusa, © Philippe Ruault
© Philippe Ruault

A luz natural tem se mostrado um excelente elemento criador de formas com o qual a arquitetura pode criar ambientes dinâmicos. Pioneiro em projetos de iluminação, William M. C. Lam, (1924-2012) enfatizou em seu livro "Sunlighting as Formgiver" que a consideração pela luz natural vai muito mais além da economia de energia. Os arquitetos já encontraram inúmeras maneiras de implementar a luz natural e o fato de propor uma tipologia lumínica coerente pode ser um alvo valioso durante o processo de projeto. No entanto, análises de iluminação natural centram-se principalmente no consumo de energia.

Siobhan Rockcastle e Marilyne Andersen, porém, desenvolveram uma abordagem qualitativa no EPFL, em Lausanne. Seu interesse foi impulsionado pela diversidade espacial e temporal da luz do dia, criando uma matriz com 10 tons de luz natural.

Arquitetura Congelada: De mostras na neve à festivais de gelo multicoloridos

14:00 - 28 Março, 2016
Arquitetura Congelada: De mostras na neve à festivais de gelo multicoloridos, Oblong Voidspace - Jene Highstein & Steven Holl. The Snow Show, Lapônia, 2003 e 2004. Imagem Cortesia de Fung Collaboratives, Créditos da Foto: Kostamoinen
Oblong Voidspace - Jene Highstein & Steven Holl. The Snow Show, Lapônia, 2003 e 2004. Imagem Cortesia de Fung Collaboratives, Créditos da Foto: Kostamoinen

O inverno, em alguns países, é o momento perfeito para construir estruturas com gelo. É uma época e uma técnica que, juntas, oferecem a possibilidade de uma arquitetura branca pura. Com o céu nublado, o cenário se tornou impressionante: a arquitetura branca, a paisagem e o céu se dissolvem em uma unidade difusa sem um horizonte visível. O céu claro cria um contraste sutil de branco quente e frio, com reflexo do sol no céu azul. No entanto, o próprio gelo tem efeitos marcantes, como a aparência da sua superfície que varia de um cristal transparente para um branco opacao. Para as longas noites, a iluminação atinge um brilho mágico adicional e prolonga o tempo de luz dos dias curtos.

Em todo o mundo, mostras de neve, hotéis de gelo e festivais de gelo têm atraído inúmeros visitantes, com impressionantes esculturas e estruturas, além de inpumeras soluções de iluminação. Além disso, a água congelada apresenta uma excelente solução sustentável, onde a fabricação e o descarte não causa danos ao meio ambiente. Leia mais para ver projetos interessante com arquitetos e artistas da Finlândia para a China.

Art Suite 2016. Sob a Pele do Ártico por Rob Harding & Timsam Harding. Imagem © Icehotel, Asaf Kliger. www.icehotel.com Icehotel 25 por Anja Kilian, Sebastian Andreas Scheller, Wolfgang-A. Lüchow. Imagem © Icehotel, Paulina Holmgren. www.icehotel.com Oblong Voidspace - Jene Highstein & Steven Holl. The Snow Show, Lapônia, 2003 e 2004. Imagem Cortesia de Fung Collaboratives, Créditos da Foto: Menne Stenros Ice Time Tunnel - Tatsuo Miyajima & Tadao Ando. The Snow Show, Lapônia, 2003 e 2004. Imagem Cortesia de Fung Collaboratives, Créditos da foto: Jeff DeBany + 7

Light Matters: Muxarabis - trazendo tradição para fachadas dinâmicas

12:00 - 18 Março, 2016
Light Matters: Muxarabis - trazendo tradição para fachadas dinâmicas, INSTITUT DU MONDE ARABE, Paris, França (1981 – 1987). Arquitetura: Jean Nouvel, Gilbert Lézénès, Pierre Soria, Architecture Studio. Imagem © Georges Fessy
INSTITUT DU MONDE ARABE, Paris, França (1981 – 1987). Arquitetura: Jean Nouvel, Gilbert Lézénès, Pierre Soria, Architecture Studio. Imagem © Georges Fessy

O delicado mashrabiya (muxarabi em português) ofereceu uma proteção eficaz contra a luz solar intensa no Oriente Médio durante vários séculos. No entanto, hoje em dia este elemento tradicional de janela islâmica, com sua treliça característica, é usado para cobrir edifícios inteiros como um ornamento oriental, proporcionando identidade local e um elemento de brise para resfriamento. Na verdade, arquitetos têm transformado esta estrutura vernacular de madeira em sistemas responsivos de luz do dia de alta tecnologia.

Jean Nouvel é um dos principais arquitetos que influenciou fortemente o debate sobre os muxarabis modernos. Seu Institut du Monde Arabe, em Paris, foi apenas o precedente a dois edifícios que ele projetou para o forte sol do Oriente Médio: A torre de Doha, que foi completamente envolvida com uma reinterpretação do muxarabi, e o museu Louvre Abu Dhabi com a sua cúpula luminosa.

Mais sobre muxarabis, a seguir.

BURJ DOHA, Doha, Qatar (2002 – 2012). Arquitetura: Ateliers Jean Nouvel. Imagem © CSCEC BURJ DOHA, Doha, Qatar (2002 – 2012). Arquitetura: Ateliers Jean Nouvel. Imagem © CSCEC BURJ DOHA, Doha, Qatar (2002 – 2012). Arquitetura: Ateliers Jean Nouvel. Imagem © CSCEC LOUVRE ABU DHABI, Abu Dhabi, UAE (2007 – em construção) Arquitetura e imagens. Imagem Cortesia de Ateliers Jean Nouvel, Artefactory, TDIC, Louvre Abu Dhabi + 28

Uma breve história das rotundas de Roma

15:00 - 24 Outubro, 2015

Com suas centenas de igrejas, Roma desenvolveu uma rica estória de domos. Inspirado por esta herança, Jakob Straub fotografou as rotundas mais importantes da cidade, do antigo Pantheon à moderna arena esportiva de Pier Luigi Nervi. Sua perspectiva fotográfica neutra, tomada olhando para cima a partir do centro da rotunda, abre uma nova visão para conceitos subjacentes em que a arquitetura busca o firmamento. Para Elías Torres, estes espaços iluminados pelo céu constituem um método importante para a arquitetura, em que o exterior é também transformado em uma realidade fascinante e distante.

Torres analisou diversas estratégias para iluminar eficientemente a arquitetura com luz natural vinda de cima. Em seu livro “Zenithal Light", ilustrado com várias fotografias impressionantes, ele chega à conclusão de que "entre as representações do céu no interior da arquitetura, aquela que retrata o sol brilhando em cima com uma forma circular foi a favorita para muitas culturas."

Como a análise da luz natural está mudando o modo como projetamos

13:00 - 31 Maio, 2015
Como a análise da luz natural está mudando o modo como projetamos, Projeto Residencial Ashjar em Al Barari do 10 DESIGN. Imagem Cortesia de 10 DESIGN
Projeto Residencial Ashjar em Al Barari do 10 DESIGN. Imagem Cortesia de 10 DESIGN

Até recentemente, os renders eram a principal ferramenta do arquiteto para a compreensão da luz em seus desenhos, juntamente, claro, de uma boa dose de intuição. Mas uma nova geração de ferramentas de análise da iluminação natural, que está surgindo juntamente com uma nova geração de indicadores de iluminação natural, está permitindo que os arquitetos analisem a luz solar de novas formas - com implicações importantes para o projeto.

Como de costume, quando se trata da luz solar, utilizam-se certas regras para projetar e, em seguida, são feitos os renders para verificar o projeto e comunicar a intenção. Renderizar tornou-se rapidamente uma forma de arte: a criação de uma aparência requintada, evocativa, muitas vezes de atmosfera etérea que comunica o estado de espírito, a experiência e a sensação visceral do projeto. Isto não é por acaso: a iluminação natural é um ingrediente mágico na arquitetura, trazendo dinamismo à estrutura estática, dota os edifícios de um sentido de tempo e é uma maneira poderosa para capturar e comunicar estas ideias - um complemento necessário aos planos e cortes rígidos. Com as renderizações, expandimos a nossa capacidade em apresentar os projetos. Também expandimos a nossa capacidade em conceituar a luz natural em nossos projetos.

Mas falta algo: há importantes questões relacionadas à luz solar que as imagens simplesmente não conseguem responder. Mesmo sendo feitas com razoável precisão, elas ainda estão incompletas: descrevem um momento no tempo, mas que não fornecem uma indicação de que esse momento é único ou típico.

Light Matters: Le Corbusier e a Trindade da Luz

10:00 - 19 Fevereiro, 2015
Light Matters: Le Corbusier e a Trindade da Luz, Vista para as ondas de luz na lateral sul. Igreja de Saint-Pierre, Firminy, França. Imagem © Henry Plummer 2011
Vista para as ondas de luz na lateral sul. Igreja de Saint-Pierre, Firminy, França. Imagem © Henry Plummer 2011

Em seus três edifícios sagrados, Le Corbusier manipulou magistralmente a orientação, as aberturas e as texturas para criar uma arquitetura cinética com a luz natural. Sua capela de peregrinação em Ronchamp, o Convento de La Tourette e a igreja paroquial de Saint-Pierre, em Firminy, revelam abordagens distintas e individuais que criam espaços contemplativos através do uso da luz. Em seu livro“Cosmos of Light: The Sacred Architecture of Le Corbusier", Henry Plummer, professor emérito da Universidade de Illinois, analisa esses projetos através de fotografias feitas há mais de 40 anos e uma escrita brilhante.

Continue lendo para saber como Le Corbusier criou seu cosmos de luz.

Corredor para o átrio iluminado com a luz do sol no final da manhã. Monastério de Sainte Marie de la Tourette, Éveux-sur-l’Arbresle, França. Imagem © Henry Plummer 2011 Vista no nascer no sol. Capela de Notre Dame du Haut, Ronchamp, França. Imagem © Henry Plummer 2011 Luz dourada no altar. Igreja de Saint-Pierre, Firminy, França. Imagem © Henry Plummer 2011 Vista da fenda e do brise em um dia nublado. Capela de Notre Dame du Haut, Ronchamp, França. Imagem © Henry Plummer 2011 + 9

Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects

17:00 - 11 Julho, 2012
Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects, © Johannes Foerster
© Johannes Foerster

Painéis Solares fotovoltaicos: Casa Yin Yang / Brooks + Scarpa Architects

17:00 - 7 Julho, 2012
Painéis Solares fotovoltaicos: Casa Yin Yang / Brooks + Scarpa Architects , Via Brooks + Scarpa Architects
Via Brooks + Scarpa Architects