1. ArchDaily
  2. Bicicletas

Bicicletas: O mais recente de arquitetura e notícia

Como guardar a bicicleta em pequenos espaços?

Sant Antoni Apartment / CaSa - Colombo and Serboli Architecture. Foto: © Roberto Ruiz
Sant Antoni Apartment / CaSa - Colombo and Serboli Architecture. Foto: © Roberto Ruiz

Há alguns anos, a bicicleta era vista mais como uma opção de lazer e esporte em grandes cidades brasileiras. Hoje, diante da crise climática, o preço da gasolina e com planejamentos mais amigáveis aos ciclistas (mesmo que longe do ideal), a magrela tem ganhado cada vez mais destaque e se tornado uma opção de transporte para a população. No entanto, sabemos que nem sempre é fácil achar um cantinho para guardar ela no nosso lar. Por isso, no Dia Mundial da Bicicleta, apresentamos algumas possibilidades para você.

Como guardar a bicicleta em pequenos espaços?Como guardar a bicicleta em pequenos espaços?Como guardar a bicicleta em pequenos espaços?Como guardar a bicicleta em pequenos espaços?+ 9

A lei das ruas para se tornar uma cidade mais adequada às bicicletas

Proposta para uma Times Square livre de carros em Nova York. Imagem via 3deluxe
Proposta para uma Times Square livre de carros em Nova York. Imagem via 3deluxe

Ao longo do último século, os carros foram o elemento dominante no planejamento de cidades e municípios. Pistas para veículos, expansão de faixas, estacionamentos e garagens foram sendo criados e usados enquanto continuamos nossa dependência pesada em carros, deixando os planejadores urbanos com a tarefa de desenvolver maneiras criativas para tornar as ruas mais seguras para ciclistas e pedestres. Mas muitas cidades, especialmente algumas na Europa, se tornaram exemplos de ideologias progressistas sobre como projetar novos espaços para nos tornarmos livres dos carros e repensar as ruas para torná-las mais amigáveis aos pedestres. Será que já estamos experimentando a morte lenta dos automóveis pelo mundo e favorecendo os que preferem caminhar ou andar de bicicleta? E se sim, como isso pode ser feito em uma escala ainda maior?

3 Maneiras de transformar o transporte coletivo com foco no clima, saúde e equidade

A pandemia de Covid-19 atingiu o transporte coletivo em cheio. Inicialmente, o número global de passageiros chegou a cair em até 80%, e no final de 2020 o transporte coletivo ainda circulava com em torno de apenas 20% da quantidade de passageiros do cenário pré-pandêmico. A preocupação é de que, caso o transporte coletivo não se recupere, as pessoas optem cada vez mais por veículos particulares.

Cidadãos de Berlim propõem maior área livre de carros do mundo na capital alemã

A organização Volksentscheid Berlin Autofrei (Decisão Popular por uma Berlim livre de carros) propôs um plano para limitar os automóveis dentro do Ringbahn da capital alemã, um longo anel rodoviário em torno da cidade, uma medida que pode formar a maior área livre de carros do planeta se for aprovada. A iniciativa liderada por cidadãos tem o objetivo principal de proibir os carros particulares na região central de Berlim, com a exceção de veículos de emergência, caminhões de lixo, táxis, veículos de entrega, e moradores com mobilidade limitada, que receberiam licenças de acesso especial.

Cidadãos de Berlim propõem maior área livre de carros do mundo na capital alemãCidadãos de Berlim propõem maior área livre de carros do mundo na capital alemãCidadãos de Berlim propõem maior área livre de carros do mundo na capital alemãCidadãos de Berlim propõem maior área livre de carros do mundo na capital alemã+ 5

4 Maneiras de desenhar ruas seguras para bicicletas

Desde o começo da pandemia de Covid-19, a bicicleta se tornou uma alternativa ainda mais popular, resiliente e confiável para os deslocamentos cotidianos, e ciclovias temporárias (ou pop-up) são cada vez mais comuns em grandes cidades ao redor do mundo. Entre março e julho de 2020, 394 cidades, estados e paísesrealocaram espaços das ruas para que as pessoas pudessem caminhar e pedalar com mais facilidade, eficiência e segurança.

10 Cidades que incorporaram as bicicletas no planejamento urbano

Como será o futuro das cidades e dos transportes? Muitos indícios parecem apontar para as duas rodas, mostrando uma mudança em direção a um estilo de vida mais saudável e econômico. Embora isso seja verdade quando observamos alguns casos específicos, num panorama mais amplo, por que as pessoas optariam por andar de bicicleta se suas cidades não contam com a infraestrutura necessária?

A arquitetura desempenha um papel importante na promoção do uso de bicicletas. Cidades equipadas com ciclovias, bicicletários e instalações públicas para ciclistas acabam incentivando os cidadãos a evitar o uso de automóveis e a optar por este meio de transporte mais sustentável. Muitas cidades já começaram a remodelar sua infraestrutura urbana para receber melhor as bicicletas, seja por meio de ciclofaixas, ciclovias alargadas ou estacionamentos permanentes.

10 Cidades que incorporaram as bicicletas no planejamento urbano10 Cidades que incorporaram as bicicletas no planejamento urbano10 Cidades que incorporaram as bicicletas no planejamento urbano10 Cidades que incorporaram as bicicletas no planejamento urbano+ 15

Dia Mundial da Bicicleta: 22 projetos inspiradores envolvendo ciclismo

A bicicleta não é mais utilizada apenas para esportes ou atividades recreativas. Cada vez mais, as pessoas optam por ela como principal meio de transporte.

A arquitetura cumpre um papel fundamental no incentivo do uso da bicicleta, já que uma cidade equipada com ciclovias seguras, bicicletário e áreas livres para lazer inspira as pessoas a deixarem seus automóveis.

Dia Mundial da Bicicleta: 22 projetos inspiradores envolvendo ciclismo Dia Mundial da Bicicleta: 22 projetos inspiradores envolvendo ciclismo Dia Mundial da Bicicleta: 22 projetos inspiradores envolvendo ciclismo Dia Mundial da Bicicleta: 22 projetos inspiradores envolvendo ciclismo + 32

O que podemos (e não podemos) aprender com Copenhague

Este artigo foi publicado originalmente em Common Edge

Quando tive a oportunidade de visitar a cidade de Copenhague por primeira vez, alguns anos atrás, saí de lá deslumbrado e com um caso crônico de inveja urbana. (Eu pensei comigo mesmo: é como a melhor das cidades que eu sou capaz de imaginar, só que melhor). Por que não fazemos cidades como esta nos Estados Unidos? Esse é o tipo de pergunta que um arquiteto e urbanista norteamericano se faz enquanto passeia pelas encantadoras ruas às margens dos belos canais de Copenhague—ao mesmo tempo que tenta evitar de ser atropelados pela horda de ciclistas dinamarqueses que passa a toda velocidade ao seu lado o tempo todo.

Encontro Repensar para Integrar

Com apoio do Itaú Unibanco, encontro reunirá representantes do setor automotivo, organizações ambientais e programas de mobilidade.

No dia 03 de setembro, das 8h30 às 11h30, acontece no Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149, São Paulo), o encontro “Repensar para Integrar”, em que especialistas de diversos setores debaterão como promover deslocamentos mais sustentáveis a partir do uso integrado de diferentes modais, incluindo veículos particulares, transporte público e opções de mobilidade ativa, como bicicletas e caminhadas. A participação do público é gratuita e as inscrições podem ser feitas pelo link. Haverá estacionamento gratuito no local e bicicletário conveniado na estação Paraíso do metrô.

O

Bienal de Arquitetura para Bicicletas explora como o ciclismo ajudará a definir as cidades do futuro

O escritório NEXT architects organizou a segunda Bienal de Arquitetura para Bicicletas como uma mostra de edifícios que transformam as cidades através do ciclismo. Realizada em Amsterdã, a BAB mostra o trabalho de arquitetos de todo o mundo e explora o desenho urbano por meio de projetos sociais, econômicos e ambientais. Ela foi concebida pela BYCS como uma forma de inspirar as pessoas a imaginar novas possibilidades para cidades centradas no ser humano.

Bienal de Arquitetura para Bicicletas explora como o ciclismo ajudará a definir as cidades do futuroBienal de Arquitetura para Bicicletas explora como o ciclismo ajudará a definir as cidades do futuroBienal de Arquitetura para Bicicletas explora como o ciclismo ajudará a definir as cidades do futuroBienal de Arquitetura para Bicicletas explora como o ciclismo ajudará a definir as cidades do futuro+ 5

Guia de projeto para paraciclos e bicicletários

Estudos mostram que o investimento público em redes cicloviárias integradas e seguras promove transformações urbanas, proporcionando mais humanidade, saúde e qualidade de vida na cidade. Enquanto cidades na Holanda e nos países nórdicos já incorporaram as bicicletas no cotidiano, com uma parcela significativa da população utilizando o meio de transporte para os deslocamentos diários, grande parte do mundo ainda vem buscando um modelo para diminuir os congestionamentos e aumentar seu uso. Segundo o ITDP (Institute for Transportation and Development Policy), investir no transporte não motorizado permite a redução dos congestionamentos, melhora a qualidade do ar, a saúde física e mental dos moradores, e ainda o comércio local e a visibilidade das marcas, uma vez que ciclistas tendem a prestar mais atenção ao comércio local e ocupam menos espaço do que os automóveis.

Mas junto às ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas, é imprescindível proporcionar locais adequados para que as bicicletas possam ser estacionadas nos finais dos percursos. Enquanto os bicicletários são espaços fechados, geralmente com algum tipo de vigilância e infraestrutura adicional, os paraciclos são as estruturas que permitem apoiar e trancar a bicicleta de forma segura. Eles podem se integrar no mobiliário urbano de uma cidade, junto a bancos, placas, luminárias e totens informativos. 

Guia de projeto para paraciclos e bicicletáriosGuia de projeto para paraciclos e bicicletáriosGuia de projeto para paraciclos e bicicletáriosGuia de projeto para paraciclos e bicicletários+ 24

Primeira ciclovia pré-fabricada de plástico reciclado é inaugurada

Quando se trata de sustentabilidade a Holanda está sempre inovando. A mais recente novidade vem de Zwolle, cidade que já ganhou várias vezes o título de mais verde. Por lá, está sendo testado um trecho de ciclovia construída com resíduos pós-consumo que seriam descartados ou incinerados.

Para desenvolver o material, foram usadas garrafas de plástico velhas, copos de cerveja de festivais, embalagens de cosméticos e móveis de plástico. Ainda em fase piloto, a ciclovia possui 70% de plástico reciclado em seus 30 metros de comprimento, embora a ideia seja futuramente criar uma ciclovia feita inteiramente de plástico reciclado.

Morar perto de praças e ciclovias pode influenciar na prática da caminhada no tempo de lazer?

O acesso a espaços livres públicos é importante para aumentar a prática de atividade física durante o lazer em países de alta renda, como mostram estudos, mas ainda há poucas evidências em países de renda média. Mais do que isso, em países como Brasil e Colômbia, por exemplo, a prática de atividade física no tempo de lazer ainda é menor do que em países de alta renda, como Estados Unidos, situação que não mudou nos últimos anos.

O que é planejamento cicloinclusivo?

A bicicleta é um meio de transporte presente há décadas em cidades brasileiras, principalmente pela capacidade de dar acesso, a baixíssimo custo, ao trabalho, equipamentos públicos, serviços e lazer. Com dificuldade para arcar com o custo da tarifa do transportes públicos das grandes cidades, uma parcela da população sempre usou a bicicleta para os deslocamentos cotidianos. Mais recentemente, o aumento constante de níveis de congestionamentos, ruídos urbanos e poluentes levou também outro segmento da sociedade a adotar a bicicleta diariamente, buscando para além da qualidade de vida mostrar às pessoas como uma cidade pode ser melhor e mais sustentável através da bicicleta. Isso tem gerado um efeito surpreendente para o debate público, que está cada vez mais abordando a importância de tornar nossas cidades mais cicloinclusivas.

Adaptado para o português do termo em inglês bike friendly, o termo cicloinclusivo se refere à promoção do uso da bicicleta de forma integrada ao sistema de mobilidade urbana de uma cidade. O planejamento cicloinclusivo é muito mais do que construir ciclovias: trata-se de transformar a cidade em um lugar seguro e confortável para todos, com pertencimento, cidadania e interações entre as pessoas nos espaços públicos.

Oslo lança plano para subsidiar a compra de bicicletas elétricas

O esforço da capital norueguesa em busca de uma alta qualidade atmosférica originou iniciativas focadas no fomento da mobilidade sustentável, dentre as quais o plano que visa proibir a circulação de automóveis no centro da cidade, previsto para entrar em vigor em 2019.

Com esta mudança no trânsito, a ideia é contribuir com a redução das emissões de poluentes em 50% até 2020, com base nas emissões da cidade em 1990. 

China inaugura a maior ciclovia elevada do mundo

Em fevereiro, a cidade de Xiamen inaugurou a primeira ciclovia elevada da China, que, com seus 8 quilômetros de extensão, se tornou a maior ciclovia elevada do mundo.

A construção da infraestrutura foi impulsionada pelo Governo Municipal de Xiamen com o objetivo de oferecer aos habitantes novas alternativas de deslocamento que não congestionem as ruas nem poluam o ar. 

Nova Iorque planeja instalar lasers nas bicicletas para aumentar a segurança dos ciclistas

Em maio de 2013, Nova Iorque lançou seu primeiro sistema de bicicletas públicas, o Citi Bike.

Nestes quase quatro anos de funcionamento, já são quase 37 milhões de percursos realizados netas bicicletas, que inicialmente totalizavam 6 mil divididas em pouco mais de 300 estações e que hoje contabilizam 10 mil em 600 estações que cobrem 55 bairros da cidade. 

A mais recente inovação foi anunciada há poucas semanas e busca aumentar a segurança dos ciclistas, sendo parte do plano estratégico "Vision Zero", que tem como meta reduzir a zero o número de fatalidades no trânsito.