1. ArchDaily
  2. Bicicletas

Bicicletas: O mais recente de arquitetura e notícia

Nova Iorque aposta nas ciclofaixas para aumentar a segurança viária

Aumentar a segurança nas ruas através de um desenho urbano que priorize os pedestres e ciclistas é o que Nova Iorque bem fazendo desde o ano 2000, quando adotou o plano Vision Zero. Este programa, de origem sueca, não consiste apenas em reduzir as mortes no trânsito, mas levá-las a zero, como seu nome sugere.

O principal objetivo desta iniciativa é fazer com que as ruas sejam lugares mais seguros para todos os usuários do espaço viário, seguindo a premissa de que "nenhuma morte é moralmente aceitável". 

Vídeo busca conscientizar os cidadãos de que as ciclovias não são estacionamentos para carros

Estacionar o carro sobre uma ciclovia é algo claramente errado. Parece simples na teoria, porém, na prática, algumas pessoas continuam fazendo isso.

Com isso em mente, o portal canadense The Coast produziu um vídeo irônico chamado "How to park in a bike lane" [Como estacionar em uma ciclovia], que busca, segundo os próprios criadores, servir de "guia amigável para os condutores sobre os lugares onde os ciclistas pedalam".

Alemanha inaugura o primeiro trecho de uma ciclovia de 100 km de extensão

Em geral, infraestrutura cicloviária é construída em meio à área urbana, nos centros e periferias das cidades, porém, qual a solução quando os ciclistas se deslocam entre diferentes cidades? 

Na região do Ruhr, a maior área metropolitana da Alemanha com mais oito milhões de habitantes, foi recentemente inaugurado o primeiro trecho de uma ciclovia que busca oferecer uma alternativa mais segura aos ciclistas.

Como Detroit passou de capital do automóvel à cidade que mais usa a bicicleta nos EUA

Durante grande parte do século XX, Detroit foi considerada a capital do automóvel nos EUA, local onde se estabeleceram grandes marcas como Ford e General Motors.

No entanto, o século XXI está sendo um tempo de mudanças de paradigmas na cidade; a cultura do automóvel está dando lugar ao desenvolvimento de uma cultura cicloviária. 

"Biciboxes" de São Paulo reduzem acidentes em 28%

Em abril de 2013 a Companhia de Engenharia de Tr[áfego (CET) de São Paulo começou a implementar a iniciativa "Frente Segura" com os chamados "biciboxes". Trata-se de áreas de espera exclusivas para motos e bicicletas, diferenciadas pela pintura no asfalto e localizadas entre a faixa de pedestres e os automóveis.

Deste modo, os ciclistas e motociclistas ficam mais visíveis para todos os condutores que esperam no semáforo, o que diminui a incidência de conflitos entre os diferentes usuários da rua e garante a segurança dos pedestres. 

Vídeos: Quatro propostas para transformar vias para automóveis em ciclovias

O arquiteto e planejador urbano, Jeff Speck, dedica-se a elaborar propostas que têm um objetivo em comum: fazer das cidades lugares mais sustentáveis.

A partir desse enfoque, a maioria de suas ideias convergem na necessidade de que as cidades devem primar pela mobilidade sustentável, tal como aborda em seu livro “Walkable Cities”, em que, dentre outros temas, apresenta oito técnicas para que as cidades sejam mais transitáveis.

Dessa maneira, busca evitar a expansão urbana e mudar a mentalidade, passando de uma cultura centrada nos automóveis a uma que privilegie as caminhadas e o uso da bicicleta como meio de transporte. Seguindo essa ideia, produziu uma série de quatro vídeos onde mostra como pode-se redesenhar as ruas para dar mais espaço aos ciclistas.

A seguir mostramos cada uma das quatro propostas em vídeos.

Projeto "Copenhagen Gateway" de Steven Holl será finalmente construído

O escritório Steven Holl Architects está prestes a iniciar a construção de um projeto que está há quase oito anos em andamento. O ambicioso empreendimento "Copenhagen Gate" terá sua construção inciada no próximo ano, segundo a Fast Company, após ter sido paralisado em 2008. O projeto conta com duas torres assimétricas - Gate L e Gate M - conectadas por uma passarela peatonal e uma pista para bicicletas suspensa 64 metros acima do porto.

As 20 cidades mais preparadas para o ciclismo urbano segundo o Ranking Copenhagenize 2015

Há mais de 100 anos os daneses desfrutam de uma cultura ciclista que durante as últimas décadas conferiu-lhes o título de líderes no assunto. Por isso, não é estranho que um dos índices mais respeitados sobre a taxa do uso da bicicleta, a qualidade da infraestrutura ciclista e outros temas relacionados seja elaborado por um escritório local, o Copenhagenize Design Company. 

Esta empresa se dedica a assessorar os governos, elaborar planos territoriais e a criar soluções de desenho urbano que têm um objetivo comum: promover o uso da bicicleta como meio de transporte.

Em 2011, este escritório desenvolveu o Ranking Copenhagenize, um estudo de uso interno que escolheu quais são as 20 cidades mais amigáveis do mundo segundo 13 categorias. Dois anos depois, fez-se uma nova edição que, foi de fato publicada, e liderada por Amsterdam, cidade destronada na versão 2015, que apresentaremos neste artigo.

Servidores públicos de Pernambuco terão folga por irem de bicicleta ao trabalho

Os servidores públicos do estado de Pernambuco receberão um crédito para comprar bicicletas parceladas em até 72 meses. A ação faz parte do programa "Pedala PE" e foi lançada no final de outubro no Recife. Como incentivo à adesão do programa, os servidores que forem trabalhar o mês inteiro de bicicleta vão ganhar um dia de folga no mês seguinte.

Além das bicicletas, o crédito no limite de até 8% do salário do servidor poderá ser usado na compra de assessórios para o uso das bicicletas, além de equipamentos de segurança, como capacetes, por exemplo. O secretário de Esportes, Turismo e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras, informou que o monitoramento do uso das bicicletas por parte dos servidores será feito por cada órgão responsável e pela chefia direta. Os órgãos devem contar ainda com bicicletários para guardar a bicicleta durante o expediente.

Três mulheres que mudaram a história do ciclismo urbano

No século XIX, as mulheres começaram a usar a bicicleta como meio de transporte de modo muito mais intenso, e com isso passaram a superar os preconceitos impostos pelos outros quanto ao seu uso.

Assim nasceu uma relação que tornou possível uma libertação dos papéis estabelecidos pela sociedade na época, permitindo democratizar a mobilidade pela cidade e ampliar o escopo de atividades nas quais as mulheres poderiam se envolver e também organizar.

Neste artigo apresentamos três mulheres que desempenharam papéis pioneiros nos EUA quanto à reivindicação das bicicletas. 

Vídeo: A visão de sete prefeitos dos EUA sobre os benefícios de investir em infraestrutura cicloviária

“A principal razão para intervir em ciclovias e infraestrutura cicloviária é porque a bicicleta é um meio de transporte essencial. Quando alguém vai em uma reunião, às compras, ao trabalho ou à escola, a bicicleta pode ser a forma mais eficiente em termos de custo e tempo."

Esta frase, dita no vídeo por Paul Soglin, prefeito de Madison, Wisconsin, reflete a importância que está sendo atribuída à bicicleta na mobilidade desta cidade.

Este enfoque de planejamento é compartilhado pelos prefeitos de outras cidades norte-americanas, como Filadélfia, Indianápolis, Memphis e Pittsburgh, que no vídeo destacam os benefícios de intervir em infraestrutura cicloviária, já as mudanças positivas não se refletem apenas na experiência do ciclista, mas também no resto da cidade.

MPF de Pernambuco oferece dia de folga para quem vai de bicicleta ao trabalho

Em março deste ano o Ministério Público Federal de Pernambuco aprovou um decreto que chamou muita atenção. A fim de fomentar o uso da bicicleta entre seus funcionários e diminuir a quantidade de automóveis nas ruas, o decreto garante um dia de folga para cada 15 dias em que os funcionários usaram a bicicleta para se deslocar até o trabalho.

Para obter o benefício, os funcionários do Ministério devem estacionar suas bicicletas no edifício da procuradora de seu distrito e assinar uma declaração que, após quinze dias de deslocamentos em duas rodas, lhes garantirá um dia de folga.

Paris proibirá a circulação de veículos no Dia Mundial Sem Carro 2015

Nos anos 90, várias cidades começaram a aderir ao Dia Mundial Sem Carro e desde então esta data comemorativa se espalhou pelo mundo, convidando as cidadãos a não usarem seus automóveis e desfrutar de suas cidades sem a contaminação atmosférica e sonora que os carros produzem.

Este ano, Paris celebrará a data no dia 27 de setembro, dia em que proibirá a circulação de automóveis privados em cinco grandes zonas que englobam 13 de seus 20 arrondissements, reservando as ruas para pedestres e ciclistas.

Mais informações a seguir.

Vídeo: Ciclovias de Utrecht indicam onde há vagas para estacionar as bicicletas

O Ranking Copenhagenize é um estudo realizado pela Copenhagenize Design Company que, a partir de 13 categorias - entre as quais infraestrutura cicloviária, sistemas públicos de aluguel de bicicletas -, determina quais são as 20 cidades mais adequadas para o ciclismo urbano no mundo. Em suas duas últimas edições, realizadas em 2013 e este ano, a cidade holandesa de Utrecht ficou com a terceira colocação.

Nesta cidade, circulam diariamente 100 mil pessoas que vão ao centro de bicicleta, o que torna a demanda por estacionamentos cada vez maior. Para atender essa necessidade, há dois anos foi anunciada a construção do maior estacionamento para bicicletas do mundo, com capacidade para 12.500 unidades, que será inaugurado em 2018.

Mais informações a seguir.

O plano de Londres para melhorar a saúde de seus habitantes através da mobilidade urbana sustentável

O Departamento de Transporte para Londres (TfL) lançou um plano de ação até 2021 que, até o momento, é considerado o único do tipo no mundo. A iniciativa apresenta 10 medidas e parte da premissa de que as ruas, o meio-ambiente e o transporte influenciam no bem-estar dos habitantes, assim, as melhorias realizadas nestes têm a capacidade de melhorar a saúde da população e, portanto, sua qualidade de vida.

Por envolver áreas de impacto na vida urbana, como o transporte e a saúde, o plano foi recentemente selecionado pela Associação Internacional de Transporte Público (UITP) como um dos melhores projetos do ano na categoria Estratégia de Transporte Público.

A seguir, mais informações sobre o plano.

Prefeito de Londres apoia plano de construção da maior ciclovia da Europa

Segundo um documento publicado mês passado, o desejo de Londres de se converter em uma "cidade de ciclistas" está mais próximo de se tornar realidade. O prefeito da cidade aprovou recentemente um plano para desenvolver a ciclovia mais extensa da Europa, após modificações na proposta original que levantou duras críticas por parte dos habitantes e turistas. O novo plano, apoiado por diversas empresas privadas e organizações públicas, tem como objetivo manter a capacidade de tráfego de veículos e, ao mesmo tempo, permitir a circulação de bicicletas em uma pista segregada de alta capacidade.

Um estacionamento para 1.500 bicicletas na terceira maior estação intermodal da Suécia

Em Malmö, Suécia, 30% dos cidadãos usa a bicicleta todos os dias para ir estudar ou trabalhar; um dos motivos pelos quais em 2013 se tornou uma das 20 cidades mais adequadas do mundo para o ciclismo urbano, segundo o site Copenhagenize.

Naquele mesmo ano a cidade colocou em ação um plano de 47 milhões de euros para financiar diferentes iniciativas que pretendem elevar esta cifra. Nesse contexto, no início do ano de 2014 foi inaugurada a Estação Central de Malmö, a terceira estação intermodal mais importante da Suécia - um novo estacionamento público para 1.500 bicicletas que é um verdadeiro centro de ciclismo devido aos serviços que oferece.

Cortesia de Bike & Ride em Malmö, SuéciaCortesia de Bike & Ride em Malmö, SuéciaCortesia de Bike & Ride em Malmö, SuéciaCortesia de Bike & Ride em Malmö, Suécia+ 21

O maior estacionamento de bicicletas da América Latina fica no Brasil: “Ascobike”

Em Mauá, cidade localizada a 27 km ao sudoeste de São Paulo, era comum observar centenas de bicicletas estacionadas em qualquer ponto da estação de trens que conecta ambas as cidades, consequência de uma lei municipal que proíbe estacionar as bicicletas nos postes das ruas. Se um guarda encontra uma bicicleta amarrada ou presa num poste, ele tem permissão para apreendê-la e levá-la à um pátio municipal de veículos apreendidos. Por isto, todos os ciclistas deixavam suas bicicletas na estação, considerada um lugar seguro, com gente circulando até tarde da noite.

Ainda sim, esse improvisado estacionamento de bicicletas dentro da estação dificultava a circulação dos passageiros, sobretudo nos horários mais movimentados. Com isso, Adilson Alcântara, funcionário da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e trabalhador da estação Mauá, pensou numa solução para que os ciclistas pudessem deixar suas bicicletas num lugar mais cômodo e seguro, sem afetar os demais passageiros.