O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O legado de Niemeyer 5 anos após sua morte

O legado de Niemeyer 5 anos após sua morte

  • 12:00 - 15 Dezembro, 2017
  • por Luca Bullaro
O legado de Niemeyer 5 anos após sua morte
O legado de Niemeyer 5 anos após sua morte, Edifício Copan / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Edifício Copan / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

No livro Amares, publicado em 1993, o escritor uruguaio Eduardo Galeano afirma que Niemeyer conseguiu fazer pouco contra o capitalismo, mas tem feito muito contra o domínio da linha reta na arquitetura moderna. Traçou o caminho para a redescoberta da geometria biomórfica, aproveitando ao máximo as possibilidades técnicas e estruturais do concreto armado, desenvolvido posteriormente por Le Corbusier em Ronchamp, Jørn Utzon e Eero Saarinen.

Niemeyer utilizou um sistema metodológico multifocal tão forte e criativo que acabou por influenciar não apenas os mestres da geração moderna, mas também a linguagem fluida dos contemporâneos Toyo Ito, Kazuyo Sejima, Alvaro Siza e Zaha Hadid. Entrevistada pelo jornal espanhol "El Paìs" em 2015, a própria Hadid afirma que "Niemeyer era um virtuoso do espaço. Possuía um talento inato para a sensualidade. (...) Ele construiu formas de concreto aparentemente líquido e tirou de Le Corbusier todo o talento escultural que a modernidade manteve fechada em uma gaiola cartesiana. O Le Corbusier mais livre saiu no Brasil".

As influências

Reconhecido pela UNESCO como um dos mais férteis criadores modernos, Niemeyer é um importante ponto de referência nas obras de alguns bem conhecidos arquitetos contemporâneos.

Basta dar uma olhada, por exemplo, no projeto do Álvaro Siza para os escritórios da Shihlien Chemical Industrial em Jiangsu (China, 2014), as curvas brancas do Museu Iberê Camargo em Porto Alegre (Brasil, 2008) ou as piscinas públicas de Cornellá, a alguns quilômetros de Barcelona (2006), para entender como o mestre português tenha sido interessado por anos no estilo do arquiteto carioca. Em Cornellá, a pérgola de concreto branco do pátio liga suavemente com o corpo oval, assim como o abrigo da Casa do Baile de Pampulha (1940) conecta delicadamente o cilindro central aos jardins do pátio. Anos atrás, o próprio Siza no famoso edifício Bonjour-tristesse em Berlim (1984) pareceu reinterpretar a sinuosa concavidade e convexidade do edifício Copan em São Paulo, Brasil (1951).

Centro esportivo Llobregat / Álvaro Siza Vieira. Image Cortesia de Alvaro Siza
Centro esportivo Llobregat / Álvaro Siza Vieira. Image Cortesia de Alvaro Siza

Villa 08, que Mansilla e Tuñon construíram em Nanjing (China, 2013), lembra o jogo sinusoidal da Casa das Canoas (1951), com sua cobertura de "forma livre" – conforme definido por Bruno Zevi – que protege a face em vidro e conversa com o brise soleil leve em bambu.

Casa das Canoas / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Casa das Canoas / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

O uso do branco, o minimalismo, a geometria biomórfica, o "método de extrusão", a concatenação entre a natureza e o artifício, a cobertura que voa para proteger a pele transparente, são todos temas Niemeyerianos presentes em muitas obras dos maiores arquitetos japoneses, como Arata Isozaki, Toyo Ito, Kazuyo Sejima, Ryue Nishizawa.

Nishizawa que, no Teshima Art Museum (Japão, 2011), parece dialogar com o projeto do centro religioso em Saint Baume (França, 1967): a casca branca que descansa diretamente no chão, construída de acordo com o método de construção descrito pelo mestre brasileiro: o primeiro que cria uma colina artificial e derrama uma fina camada de betão sobre essa. Poderosa a qualidade espacial do interior. Panteão contemporâneo com uma intensa relação branco-verde com os jardins circundantes.

Teshima Art Museum / Ryue Nishizawa. Image © Iwan Baan
Teshima Art Museum / Ryue Nishizawa. Image © Iwan Baan
Grace Farms / SANAA. Image © Dean Kaufman
Grace Farms / SANAA. Image © Dean Kaufman

A “Grace Farm” que Sejima e Nishizawa (Sanaa), construíram em New Canaan (Estados Unidos, 2015), pode ser lida como uma interpretação da escala territorial da Casa do Baile (1940) e da marquise do Ibirapueira em São Paulo (1950): têm em comum o tema do plano inclinado do telhado e da continuidade orgânica entre as linhas e as superfícies côncava e convexa.

O próprio Nishizawa cuidou do último ano da exposição "O homem que construiu Brasília" no Museu MOT em Tóquio, a primeira grande retrospetiva de Niemeyer no Japão, grande sucesso de público.

Protagonista da exposição é um sistema de maquetas de grande escala: um sobre o Museu de Niterói e a sua relação com a península que o hospeda; outro sobre os módulos estruturais das colunas em forma de arcos invertidos do Palácio da Alvorada e da Catedral de Brasília; e ainda outro, enorme, da marquise do Ibirapuera, cuja morfologia influenciou tanto a arquitetura do estúdio Sanaa.

Toyo Ito também aplicou em vários projetos morfologias e conceitos típicos de Niemeyer: por exemplo o tema da sucessão de arcos de betão armado de dimensões variáveis, adotado no edifício Mondadori em Segrate (Milão, 1968).

Sede Mondadori / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Sede Mondadori / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

Na biblioteca da Universidade de Tama (2009), os arcos não são apenas sinta-se na fachada, como em Segrate, mas "corta" e anima o espaço interior da biblioteca.

Pesquisas atuais

Marquise do Ibirapuera / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Marquise do Ibirapuera / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

Alguns estudos sobre a metodologia de projeto adotada pelo mestre carioca foram desenvolvidos com diligência recentemente, especialmente na Espanha e no Brasil: graças à crítica de Ruth Verde Zein na Faculdade de Arquitetura da Universidade Presbiteriana Mackenzie de San Paolo; em Porto Alegre, graças à curiosidade de Carlos Eduardo Días Comas, que seguiu uma série de trabalhos de estudantes em que várias obras do mestre são analisadas de um ponto de vista holístico.

Na Argentina, Teresa Arijón e Bárbara Belloc em 2014 publicaram o Livro Diario-boceto que contem alguns textos originais do Niemeyer traduzidos para o Espanhol; o que facilita o trabalho de investigadores da América do Sul e Central.

O crítico italiano-brasileiro Roberto Segre (1934-2013) publicou alguns artigos que analisam a recente produção do Niemeyer com o desejo de inserir as obras dentro de uma classificação tipológica que se refere às ideias sobre o tipo desenvolvido por Carlos Martí Aris e Rafael Moneo.

Em Barcelona, o "grande velho" da crítica catalã, Josep Muntañola, continua a discutir algumas das questões-chave desenvolvidas por Niemeyer com seus alunos do doutorado em Projeto Arquitetônico da Escola Técnica Superior de Arquitetura e no livro “La modernidad superada” analisa a possível influência exercida pelas primeiras obras do mestre brasileiro em Le Corbusier.

Surgiram temas similares na revista colombiana "DeArq" da “Universidad de los Andes” de Bogotá e na revista mexicana "Arquine". Igualmente importante é o trabalho realizado pela ArchDaily, na seção "Clássicos da Arquitetura", na divulgação das obras emblemáticas de Niemeyer para a nova geração de "estudantes digitais" que pouca confiança têm com o papel impresso.

Casa das Canoas / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Casa das Canoas / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

Silvia Arango, a historiadora mais importante de Colômbia, em seu mais recente trabalho “Ciudad y arquitectura. Seis generaciones que construyeron la América Latina moderna” lembra que, dos pontos mais distintos do continente, foram organizadas peregrinações nos anos sessenta e setenta para visitar as obras de Pampulha e Brasília.

Finalmente, é interessante ler os vários comentários de arquitetos bem conhecidos e a crítica divulgada nos últimos meses: uma vingança sobre as opiniões críticas muitas vezes apressadas da década de cinquenta, o que ajuda a incluir o trabalho de Niemeyer dentro do papel histórico que corresponde e as influências que geraram.

O mesmo papel foi reconhecido em 2014 pela UNESCO, que incluiu na sua lista do Patrimônio Mundial da Humanidade o arquivo pessoal do arquiteto, hoje na Fundação Niemeyer no Rio de Janeiro: quase nove mil documentos, que incluem esboços, álbuns e desenhos técnicos, que "constituem um testemunho precioso do trabalho de um artista que transformou a arquitetura do século XX no mundo ".

Também registrados na lista da UNESCO desde 2016, os projetos realizados na Pampulha com a motivação de saber como "fundir diferentes artes – arquitetura, escultura, pintura e paisagem – criando formas ousadas integradas em um todo harmonioso".

Natureza e artifício

Casa de Baile / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Casa de Baile / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

Bruno Zevi escreveu que a linguagem de Niemeyer baseia-se na interpretação do mundo da paisagem como Roberto Burle Marx e Frederick Law Olmsted, autor do Central Park em Nova York que Niemeyer conhecia bem graças às longas caminhadas que fez na companhia de Lucio Costa.

Nas suas obras mais experimentais – como lemos na página da UNESCO – é clara a incessante reinvenção da caligrafia dos elementos biológicos e geológicos das áreas intertropicais, do trabalho dos artistas amigos e da sensualidade da pintura de Le Corbusier.

Igreja da Pampulha / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia
Igreja da Pampulha / Oscar Niemeyer. Image © Luca Bullaro - Universidad Nacional de Colombia

Um sistema de linhas orgânicas que dialogam com a rica vegetação brasileira porque possuem linguagens e regras geométricas semelhantes, o que torna a concatenação harmônica entre natureza e artifício simples e direta.

Um ensino profundo e muito atual, hoje mais do que ontem, diante das transformações profundas e grosseiras dos ecossistemas mundiais.

Luca Bullaro é professor associado da Universidad Nacional de Colombia. Ph.D. em Projetos Arquitetônicos. Università degli studi di Palermo, Itália e Mestre em "Arquitetura: Crítica e Projeto" pela UPC-ETSAB, Barcelona, Espanha.

Sobre este autor
Luca Bullaro
Autor
Cita: Luca Bullaro. "O legado de Niemeyer 5 anos após sua morte" 15 Dez 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/885537/o-legado-de-niemeyer-5-anos-apos-sua-morte> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.