Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Ruth Verde Zein

Ruth Verde Zein: O mais recente de arquitetura e notícia

Instituto Lina Bo e P.M. Bardi promove o encontro "Casas modernas: preservação, restauro, visitação"

Integrando a série de eventos Lina em Casa: Encontros, o Instituto Lina Bo e P.M. Bardi promove, no dia 13 de junho, o encontro Casas modernas: preservação, restauro, visitação, que acontece na sede do instituto: a icônica Casa de Vidro, primeira obra concluída de Lina Bo Bardi.

Lançamento do livro "Brutalist Connections", de Ruth Verde Zein

No dia 29 de setembro, próxima segunda-feira, a professora e pesquisadora Ruth Verde Zein lançará seu livro "Brutalist Connections". O evento acontecerá na livraria Bookstore, localizada na Sede do Departamento de São Paulo do Instituto de Arquitetos do Brasil, às 19h.

O Ato Crítico / Igor Fracalossi e Ruth Verde Zein

«À determinada altura tudo coincide e se identifica: as ideias do filósofo, as obras do artista e as boas ações.» —Friedrich Nietzsche

O Ato Arquitetônico / Igor Fracalossi e Ruth Verde Zein

«Falamos ainda do ‘nascer’ e do ‘pôr’ do sol. Fazemo-lo como se o modelo copernicano do sistema solar não houvesse substituído irreversivelmente o ptolomaico. Metáforas vazias, figuras erodidas de discurso, habitam nosso vocabulário e gramática. Elas são pegas, tenazmente, nas andaimadas e recônditos de nossa fala comum. Lá elas vagam como velhos trapos ou fantasmas de desvão.»

Palestra de Ruth Verde Zein: Modernidade Madura, Conexões Brutalistas: Patrimônio e Legado nos Anos 1955-75

No dia 1º de Março, às 9h, acontecerá no Auditório do Centro de Educação da UFPE a palestra "Modernidade Madura, Conexões Brutalistas: Patrimônio e Legado nos Anos 1955-75", ministrada pela professora Ruth Verde Zein *.

Palestra com Ruth Verde Zein em Fortaleza

Nesta quinta-feira, 29 de agosto, Ruth Verde Zein dará uma palestra na Unifor – Universidade de Fortaleza sobre a temática “Arquitetura Contemporânea no Brasil – a persistência da modernidade”.

Ruth Verde Zein é arquiteta e urbanista pela FAU-USP, mestre e doutora em Teoria, Historia e Crítica de Arquitetura pelo PROPAR-UFRGS, e pós-doutora pela FAU-USP. É autora, entre outras publicações, do livro "O Lugar da Crítica. Ensaios Oportunos de Arquitetura", de 2002; co-autora do livro "Brasil: Arquiteturas após 1950" com Maria Alice Junqueira Bastos, de 2010; e organizadora da antologia "Projeto como Investigação".

AD Brasil Entrevista: Ruth Verde Zein

Conheci a Ruth um ou dois dias antes dessa entrevista, quando participávamos do IV Seminário Docomomo Chile, na cidade de Concepción, em novembro do ano passado. Lá, nossas ideias, pensamentos, concepções e propostas em relação à Arquitetura chocaram-se. Um choque positivo: Ruth é uma das raras investigadoras do Brasil determinadas a desbravar os caminhos da investigação projetual (ou projeto científico), um âmbito ou viés ainda nebuloso em todo o mundo. Desde Concepción, seguimos em contato, nos encontramos em outros seminários, e continuamos procurando imaginar novos modos de se aproximar à Arquitetura. Porém, ela insiste em se esquivar (como sempre).

Brutalist Connections

Brutalismo é o nome frequentemente usado para referenciar uma tendência arquitetônica de meados do século XX, cujo clichê definia-o como superfícies ásperas de concreto aparente. De fato, a Arquitetura Brutalista foi adotada por inúmeros arquitetos por todo o mundo entre 1950 e 1970. Esta Arquitetura produziu uma série de edifícios, muitos deles de inventividade excepcional e alto nível de qualidade artística. O site Brutalist Connections de direção da Prof. Dr. Ruth Verde Zein busca contribuir para o reconhecimento da Arquitetura Brutalista considerada, em um sentido mais amplo, como um momento significativo da Arquitetura Moderna Seu foco está em obras arquitetônicas, debates conceituais e a diversidade de contribuições internacionais para o termo “brutalismo.”

Quando documentar não é suficiente: obras, datas, reflexões e construções teóricas / Ruth Verde Zein

É preciso respeitar os documentos. Mas os documentos não falam por si mesmos: aguardam ser interpretados. E nunca é demais lembrar, como bem apontou Marina Waisman, que “se bem os objetos da reflexão provém da realidade, a problemática que comportam não se revela neles de um modo direto e evidente; será a reflexão que há de descobrir ou revelar problemas e questões que subjazem na realidade fática, pois o ato de formular questões ou perguntas se apoia em conceitos, em ideias; com base neles é que se produzem as descobertas; e logo será a práxis que responderá – positiva ou negativamente – às perguntas ou exigências formuladas pela reflexão”.[1]