Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Construtivismo

Construtivismo: O mais recente de arquitetura e notícia

A realidade suspensa da arquitetura socialista da Coreia do Norte pelas lentes de Raphael Olivier

A Coreia do Norte é um dos poucos países ainda em regime comunista, e provavelmente o mais isolado e desconhecido do mundo. Este é o resultado da filosofia Juche -- um sistema político baseado na autossuficiência nacional que é parcialmente influenciada por princípios marxistas e leninistas. 

Nos últimos anos, no entanto, o país diminuiu as restrições aos turistas, permitindo o acesso a um número limitado de visitantes. Na série fotográfica “North Korea – Vintage Socialist Architecture", o fotógrafo francês Raphael Olivier retrata o patrimônio arquitetônico de Pyongyang. Conheça a capital do país pelas lentes de Olivier, a seguir.

The Workers Party Foundation Monument . Image © Raphael Olivier Pyongyang International Cinema House. Image © Raphael Olivier Pyongyang Ice Rink . Image © Raphael Olivier Overpass. Image © Raphael Olivier + 21

Imagens de drones revelam as geometrias ocultas do modernismo soviético

Embora o dogma-histórico do modernismo pareça um ajuste perfeito para o rompimento da União Soviética com suas tradições, a história arquitetônica da URSS foi um pouco mais complexa. O socialismo neoclássico de Stalin substituiu o apogeu do construtivismo na União Soviética, apenas para ser, por sua vez, substituído por um retorno ao modernismo sob a liderança de Khrushchev, facilitado por uma abertura ao Ocidente. Os fotógrafos de arquitetura Denis Esakov e Dmitry Vasilenko recentemente utilizaram um drone para capturar imagens de várias estruturas marcantes do retorno da era-Khrushchev ao modernismo, mostrando como estas vistas aéreas reforçam suas geometrias e formas racionais. Até o recente advento dos drones, agora disponíveis comercialmente, estas imagens foram vistas apenas por arquitetos e oficiais que estudavam as plantas. Mesmo assim, o fotógrafo observa que estas formas metódicas devem ter sido muito atraentes para os oficiais estaduais encarregados da realização estética de Khrushchev.

As fotografias, tiradas em Moscou e seus arredores, incluem obras de vários arquitetos soviéticos proeminentes. A longa carreira de Leonid Pavlov durou todo o espectro de estilos arquitetônicos patrocinados pelo Estado, começando como um construtivista, até projetos mais historicistas sob a liderança de Stalin, antes de emergir como um dos mais proeminentes modernistas do pós-guerra na União Soviética. Da mesma forma, o trabalho de Yuri Platonov recebeu grande reconhecimento do Estado, o que lhe valeu o título de "arquiteto do Povo da URSS", bem como prêmios: a Medalha de Prata da Academia de Artes da URSS, o Prêmio de Estado da URSS e o Prêmio Estatal da Rússia.

Arena Multiuso Druzhba / Y. Bolshakov, e I. Rozhin. Imagem © Denis Esakov e Dmitry Vasilenko Museu de Paleontologia Orlov / Yuri Platonov. Imagem © Denis Esakov e Dmitry Vasilenko V. I. Museu Lenin em Gorki / Leonid Pavlov. Imagem © Denis Esakov e Dmitry Vasilenko Instituto de Química Bio-orgânica / Yuri Platonov. Imagem © Denis Esakov e Dmitry Vasilenko + 33

Arquitetura construtivista de Yekaterinburg fotografada por Denis Esakov

A arquitetura construtivista é mais frequentemente relacionada à escritos e projetos que não saíram do papel. As duas estruturas mais famosas e radicais do movimento, o Monumento à Terceira Internacional de Vladimir Tatlin e o Tributo a Lenin de El Lissitzky nunca foram construídos. Na esteira da Revolução Russa de 1917, o construtivismo foi o resultado de artistas cubistas e futuristas combinando suas preocupações com a abstração e o movimento com as questões sociais dos bolcheviques na esperança de usar a arte como uma plataforma para motivar mudanças na sociedade. Enxergando os museus como "mausoléus da arte", em 1918 um novo jornal chamado "Arte da Comuna" afirmou: "O proletariado criará novas casas, novas ruas, novos objetos da vida cotidiana... A arte do proletariado não é um santuário sagrado onde as coisas são tratadas com indolência, mas trabalho, uma fábrica que produz novas coisas artísticas." [1]

Por que Putin gosta de colunas: A Rússia do século XXI através das lentes da arquitetura

Em agosto de 1932, Stalin, de férias em Sochi, enviou um memorando com suas opiniões sobre as inscrições relacionadas ao concurso para a construção do Palácio dos Sovietes, o monumento - que nunca foi construído - para Lenin e para o centro do governo. Neste memorando, ele escolheu seu desenho preferido, um "bolo de casamento colossal" com uma estátua de Lenin de 260 pés (79 metros) no topo, projetado por Boris Iofan. Pouco mais de 80 anos depois, Sochi novamente sediou os caprichos arquitetônicos de um poderoso líder russo para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014. Uma simplificação exagerada? Provavelmente. Mas com uma boa simetria.

O Edifício Kotelnicheskaya Embankment, um dos exemplos mais famosos do estilo stalinista "bolo de casamento". Imagem © Flickr CC user Sergey Norin O Conjunto de Montanhas da Vila Olímpica de Sochi. Imagem Cortesia de Wikimedia user Ivanaivanova Desenho da Proposta para o Palácio dos Sovietes por Boris Iofan. Imagem Cortesia de http://russiatrek.org International Business Centre  de Moscou em 2011. Imagem © Flickr CC user Andrew Beirne + 7

Clássicos da Arquitetura: Casa Melnikov / Konstantin Melnikov

© flickr llatpic. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a> © flickr llatpic. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a> © flickr Igor Palmin. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a> © flickr janvaneyck. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a> + 21

Moscow, Rússia
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  1929

Dois cilindros interseccionados abrigam uma residência e um estúdio de arquitetura. O primeiro, ligeiramente mais baixo que o outro, recebe a fachada de entrada: um grande pano de vidro que corta o volume cilíndrico. O segundo, posterior ao primeiro, cria a fachada emblemática da casa: uma composição de janelas hexagonais na parede curva de tijolos.

Acaba-se o tempo para a Casa Melnikov

A Residência Melnikov, a incomum obra construtivista que foi habitação e estúdio de Konstantin Melnikov, está à beira do colapso.

The Independent informa que a construção (que visivelmente move o solo onde se situa) tem debilitado perigosamente as fundações de 83 anos. A neta de Konstantin Melnikov (e atual residente da casa), Ekaterina Karinskaya, também disse ao The Independent que, devido aos tubos de aquecimento quebrados, passou mais de 50 dias sem calor em temperaturas abaixo de zero.