1. ArchDaily
  2. Cidades

Cidades: O mais recente de arquitetura e notícia

Como projetar espaços para crianças em áreas marginalizadas? 3 exemplos da UN-Habitat

A Un-Habitat ou agência das Nações Unidas para assentamentos humanos e desenvolvimento urbano sustentável, cujo foco principal é lidar com os desafios da rápida urbanização, vem desenvolvendo abordagens inovadoras no campo do desenho urbano, centradas na participação ativa da comunidade. O ArchDaily se associou a UN-Habitat para trazer notícias semanais, artigos e entrevistas que destacam este trabalho, com conteúdo direto da fonte, desenvolvido por nossos editores.

Nesta segunda colaboração com UN-Habitat, descubra diferentes exemplos de como projetar com e para crianças em áreas marginalizadas. Na verdade, o planejamento responsivo à criança leva a uma cidade inclusiva vibrante e animada. Com foco em espaços para crianças, destacam-se casos em Bangladesh, Níger e Vietnã. Esses projetos de implantação de espaços públicos buscam promover cidades habitáveis, ecologicamente corretas, assumindo abordagens participativas e envolvendo os jovens desde o início do processo.

Rayerbazar Boishakhi Playground - Bangladesh. Image Cortesia de UN-HabitatRayerbazar Boishakhi Playground - Bangladesh. Image Cortesia de UN-HabitatTrang Keo Park - Vietnam. Image Cortesia de UN-HabitatSinka Park - Niger. Image Cortesia de UN-Habitat+ 35

Requalificação de espaços públicos: promovendo conexões humanas nas cidades

© Del Rio Bani© Evgeny Evgrafov© Norbert Tukaj© Chao Zhang+ 30

O espaço público deve ser uma prioridade na agenda de planejamento urbano de todas as cidades e, dado o contexto mundial atual, representam elementos fundamentais de cidades e bairros. Praças e parques, necessidades inegáveis do tecido urbano, tornaram-se, hoje, mais vitais do que nunca.

O futuro da economia compartilhada em tempos de COVID-19

A economia compartilhada, um sistema econômico onde indivíduos dividem aluguéis e partilham seus bens pessoais —incluindo propriedades e veículos—, foi severamente afetada pela crise de COVID-19. Empresas que movimentam bilhões anualmente como o Uber, o Airbnb, redes de compartilhamento de bicicletas assim como uma enorme variedade de espaços de coworking têm sido obrigados a se ajustar e criar novas estratégias para garantir que seus clientes se sintam seguros, redefinindo a rota de seus negócios em um momento de tantas incertezas.

Qual é o futuro do morar? Instituto Europeo di Design lança relatório sobre a casa do amanhã

O que a casa do futuro nos reserva? E para quem ela será realidade? Essas questões foram as principais guias do trabalho Futuro do Morar - Contrastes. Com os olhos abertos para identificar os movimentos emergentes que dizem hoje como nossas casas serão amanhã, o mundo em meio a pandemia de Covid-19 foi o principal cenário de investigação da equipe do Instituto Europeo di Design e, a partir dele, mais do que falar das tendências do morar, os pesquisadores discutem os desafios que o futuro terá que solucionar para que elas sejam realidade para todos, e não um punhado de previsões que mais segregam do que geram possibilidades.

Por que ainda não chegou a hora de abandonar nossas cidades

Ao longo dos últimos meses, em razão da crise sanitária que está afetando a todos nós, fomos forçados a nos afastar uns dos outros e retroceder silenciosamente para dentro de nossas casas. Neste contexto, fomos bombardeados constantemente com uma enxurrada de diferentes narrativas, relatos íntimos de pessoas confinadas e preocupadas com o futuro de nossas cidades. Como uma resposta imediata, muitas delas fugiram para suas casas de praia, retiros no interior ou até para a casa dos pais — tudo por um pouquinho mais de espaço ao ar livre.

Sem solo disponível, futuro dos cemitérios asiáticos precisa ser repensado

Em algumas das cidades mais densas do mundo, está se tornando um desafio cada vez maior encontrar um espaço confortável para morar - e o mesmo fato se aplica para sepultar. Estima-se que 55 milhões de pessoas morrem a cada ano e, para cada pessoa viva, há 15 vezes o número de mortos. No entanto, urbanistas e arquitetos estão mais interessados em lidar com os vivos do que se envolver com a morte. Como resultado, é criada uma tensão entre os dois mundos paralelos - e com o passar do tempo, mais questões estão sendo levantadas sobre como abordamos o espaço público de forma que ele seja projetado para que os vivos e os mortos possam coexistir.

CityMakers Speak Up: Coprodução das cidades e a pandemia

Alejandra Devecchi (Gerente de planeamiento urbano Ramboll Environ - Universidade de São Paulo), Gabriela Callejas (Co-fundadora e diretora Cidade Ativa) e Pedro Baganha (Vereador do turismo, Espaço Público e Patrimonio at Cãmara Municipal do Porto) vão falar sobre planejamento urbano e responsabilidade social na construçao das cidades. Governo, sociedade civil e empresas juntos por un objetivo maior.

inscreva-se em www.citymakers.es/e-w-cidades.php

Tudo o que causa a gentrificação, de A a Z

Um dos temas mais presentes nas discussões atuais sobre a cidade é a gentrificação. Definido, de modo geral, como "quando alguém diferente de você muda-se para o seu bairro", o fenômeno urbano é muito mais complexo que isso e envolve questões de uso do solo, especulação imobiliária, espaços públicos e de lazer e planejamento territorial.

Caminhar pelo Anhangabaú: uma breve história do Vale a partir de quem anda a pé

O Vale do Anhangabaú, ou simplesmente Anhangabaú, é a região de São Paulo que separa o chamado Centro Velho do Centro Novo. Como o próprio nome já diz, o Vale é a região lindeira ao riacho que tem este nome, aliás tenebroso, que em tupi-guarani significa “rio ou água do mau espírito”. E ao que parece, pelos vários e mal sucedidos usos que já lhe fizeram, a “maldição” contida no nome acompanha o lugar até hoje.

Os jardins projetados pelo francês Joseph-Antoine Bouvard. Imagem via MobilizeEnchente na passagem projetada por Prestes Maia e construída por Adhemar de Barros (1958). Arquivo EstadãoVale do Anhangabaú nos anos 2000, conforme projeto de Jorge Wilheim e Rosa Grena Kliass. Imagem via MobilizeO novo projeto para o Vale: desafiando os maus espíritos. Imagem © Biselli Katchborian Arquitetos+ 6

Um novo modelo urbano para outro projeto de sociedade: uma entrevista com Tainá de Paula

Tainá de Paula. Imagem: Divulgação
Tainá de Paula. Imagem: Divulgação

Abordar o contexto de ampliação das diferenças políticas e crescentes desigualdades econômicas. Um novo contrato espacial. Apreender como viveremos juntos. As indagações trazidas por Hashim Sarkis, curador da próxima Bienal de Veneza, podem levantar importantes questões sobre como a arquitetura atravessa e concretiza os conflitos sociopolíticos. Para compreender um ponto de vista descentralizado e que aponta para outras possibilidades além das impostas por um pensamento normativo, entrevistamos Tainá de Paula, arquiteta e mobilizadora comunitária em áreas periféricas.

A dimensão política da arquitetura: ativismo e desenho

A inércia da política e da governança em um momento no qual grandes mudanças sociais estão ocorrendo em um ritmo cada vez mais rápido - sem falar na insatisfação com o processo de tomada de decisão - abre espaço para ações de baixo para cima, ativismo e esforços ousados. Diante de tantos exemplos de ativismo social, os arquitetos têm ferramentas para construir suas próprias posições? A arquitetura tem o poder de alterar o status quo?

Carta aberta da Nigéria para o mundo: coronavírus e o futuro das cidades

Este artigo foi publicado originalmente em Common Edge.

Desde o irrompimento do surto de COVID-19 há alguns meses, eu, como muitos de vocês, passei os últimos meses trancafiado em casa, ansioso e preocupado com as consequências e desdobramentos disso tudo. Entretanto, ao invés de perturbá-los com mais previsões hipotéticas para um futuro ainda incerto, prefiro compartilhar algumas observações sobre a atual condição das cidades africanas nesta calamitosa situação que estamos vivendo. Como africano, procurarei apresentar uma perspectiva única, desprendida de limitações e fronteiras, por que, afinal de contas, esta é uma crise sanitária mundial que como tal, desconhece tais demarcações.

A evolução do compartilhamento dos espaços: privacidade e abertura em arquiteturas cada vez mais densas

A densidade sempre foi uma consideração essencial para arquitetos e planejadores urbanos, mas sua importância só aumentou à medida que a população urbana mundial disparou e as cidades se tornaram cada vez mais densas. Durante grande parte da história do planejamento urbano, este termo foi infestado de conotações negativas: superlotação, pobreza, falta de segurança e as chamadas 'favelas'. O movimento da cidade-jardim, iniciado por Ebenezer Howard em 1898, buscou remediar tais males defendendo cinturões verdes e um planejamento anti-densidade. A Ville Radieuse de Le Corbusier é um dos planos urbanos mais conhecidos a partir desses ideais. Ainda na década de 1960, a socióloga Jane Jacobs notoriamente derrubou esses conceitos de planejamento urbano muito influentes: ela apontou que a densidade dos edifícios não tem que ser igual à superlotação; sugeriu que algumas áreas urbanas altamente densas, como sua vizinhança em Greenwich Village, eram mais seguras e mais atraentes do que os projetos de cidades-jardim nas proximidades; e destacou como a concepção americana dos "bairros marginais" costumava estar enraizada em ideologias anti-imigrantes e anti-negros. A densidade não é inerentemente ruim, ela sugeriu, mas deve ser bem feita. Hoje, continuamos a lutar com a questão sobre como projetar para nossas cidades cada vez mais densas - como mantê-las abertas, mas simultaneamente privadas? Livres, mas controladas quando necessário? Em particular, como nos mantemos protegidos - tanto do crime quanto, em épocas de COVID-19, de doenças?

Espaços públicos e conjuntos urbanos: 12 praças vistas de cima

Algumas das características mais comumente atribuídas às praças estão relacionadas à presença de pessoas no espaço e aos usos que são atribuídos a ele, como, por exemplo, locais de convivência, práticas esportivas, turismo e manifestações. Estes diferentes usos, que muitas vezes vão além daqueles previstos no projeto, estão diretamente ligados ao nível do solo, onde as pessoas circulam e vivenciam o espaço. Vistas sob uma perspectiva aérea, por outro lado, as praças podem revelar outras características relacionadas ao seu desenho arquitetônico e sua inserção no contexto urbano.

Praça da Basílica de São Pedro no Vaticano. Created by @benjaminrgrant, source imagery: @digitalglobeChicago, Estados Unidos. Image created by @dailyoverview, source imagery: @nearmapGrammichele, Itália. Created by @benjaminrgrant, source imagery: @digitalglobeBarcelona, Espanha. © Daily Overview+ 13

Até onde você consegue chegar em 10, 20 e 30 minutos de carro? Analisando as capitais do Brasil

Como é sabido, nossas cidades estão cada vez mais saturadas pelo uso de automóveis e a mobilidade torna-se, portanto, ponto essencial em qualquer discussão sobre habitar o ambiente urbano, principalmente nas grandes cidades brasileiras. Essa premissa nos faz olhar e entender melhor em quais aspectos do deslocamento nas cidades podemos interferir de forma prioritária, partindo de pressupostos onde a utilização de carros seja menos solicitada. Um ponto importante para esse diálogo é entender até que ponto o carro pode ser efetivo no quesito tempo. O Mapping Lab fez uma análise gráfica de 27 capitais brasileiras utilizando os dados da plataforma here.com.

Cortesia de Mapping LabCortesia de Mapping LabCortesia de Mapping LabCortesia de Mapping Lab+ 28

Afinal, fazemos arquitetura e urbanismo para quem?

O que seria de todo o ambiente construído sem seus usuários? Esta pergunta talvez facilite a compreensão de que a arquitetura e o urbanismo não se sustentam apenas como espaço físico, pelo contrário, ganham significado principalmente através das movimentações e vínculos humanos e não-humanos que -  juntos dos traços arquitetônicos ou espontâneos que compõem a paisagem urbana - provocam as sensações que cada indivíduo sente de forma única.

Des-embranquecendo a cidade #4: Ferve Território — Firmeza Permanente

A coletiva Terra Preta Cidade é um lugar inventado a partir do desejo de cinco mulheres negras, residentes em Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, de burlar o distanciamento geográfico, para promover e celebrar o encontro. Emmily Leandro, Gabriela Gaia, Luciana Mayrink, Malu de Barros e Natalia Alves dão forma e voz à esse exercício de criação de um território virtual, partilhado — que é tanto uma aposta política quanto estética -, através do podcast Des-embranquecendo a Cidade, que chega ao seu quarto episódio com o tema: "Ferve Território — Firmeza Permanente".

Entrevista com Paulo Mendes da Rocha sobre coronavírus e o futuro das metrópoles

Paulo Mendes da Rocha é entrevistado por Paulo Markun em mais um episódio da série “Conversas na Crise – Depois do Futuro”, organizado pelo Instituto de Estudos Avançados (IdEA) da Unicamp em parceria com o portal UOL. A entrevista abordará temas como o impacto da pandemia de coronavírus nas cidades, a crise sanitária e a precariedade da habitação urbana no Brasil.