Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Praças

Praças: O mais recente de arquitetura e notícia

Praças, parklets e outros espaços públicos: mudanças na legislação permitem que as pessoas transformem suas cidades

Ninguém conhece tão bem uma rua ou um bairro quanto as pessoas que vivem neles. Cada local tem suas peculiaridades, suas vocações e também seus problemas. Sendo assim, soluções em escala local podem ser criadas pelos próprios cidadãos, aumentando assim a eficiência e a aderência do projeto. Cidades ao redor do mundo vêm abrindo possibilidades em suas legislações para políticas públicas que facilitem e fomentem a participação cidadã em iniciativas transformadoras.

Rosa Kliass: Poeta da paisagem

Considerada a dama do paisagismo brasileiro, Rosa Grena Kliass foi a mulher responsável pela transformação no cenário, ao longo de uma caminhada de amadurecimento, traduzindo à sociedade a luz sobre a importância do papel do arquiteto paisagista.

Via © Marcelo Scandaroli. ImageRosa Grena Kliass © Matheus Pereira. ImageParque da Juventude  © bolapiercing - Via Flickr (CC BY 2.0). ImageMuseu Mariano Procópio © Diogo Oliva - Via Flickr Quapá (CC BY-NC 3.0). ImageParque da Juventude + 18

Pavilhão Central da Cidade e Praça Principal / Comac

© Philippe Ruault © Philippe Ruault © Philippe Ruault © Philippe Ruault + 23

Marselha, França
  • Arquitetos: Comac
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área: 3000.0 m2
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano: 2013

As piores praças e parques do mundo segundo PPS

Há alguns dias apresentamos as melhores praças do mundo de acordo com um estudo realizado pelo grupo Projeto para Espaços Públicos (Project for Public Spaces, PPS). Agora mostramos um resumo do mesmo site, com algumas das piores praças e parques do mundo, entre os quais se destacam lugares conhecidos como os espaços públicos do Guggenheim de Bilbao, The National Mall em Washington e a Praça da Concórdia em Paris.

A metodologia PPS considera uma série de critérios que lhes permitem avaliar os espaços públicos e definir o êxito dos mesmos: A Sociabilidade, Os Usos e atividades, Conforto e imagem, Acessos e ligações. Outros critérios empregados nessas análises são aspectos qualitativos para julgar o lugar e aspectos de caráter mais objetivo que podem ser medidos estatisticamente.

A seguir apresentamos algumas questões do porquê, segundo a metodologia PPS, esses espaços não funcionam.

As melhores praças do mundo

Quanto as praças e espaços públicos eram bem desenhados e utilizados, desempenhavam um papel crucial no desenvolvimento da sociedade e no êxito de áreas urbanas. Um bom projeto não apenas determina a harmonia no setor, mas também transforma estes lugares em focos da vida social e cívica de uma cidade. 

A interrupção dos fluxos no espaço público

A construção do território se manifesta no espaço físico a partir dos valores dominantes que se promovem a partir do poder, configurando a vida cotidiana e o comportamento social. A este respeito, a urbe como construção ideológica do território baseia-se em um contexto mercantilista focado principalmente em objetos de transação material sobre o espaço, o que pode denominar-se como o fluxo de bens e serviços (mercadorias).

"The Social Life of Small Urban Spaces" - Recursos Hídricos

A água tem sido muito utilizada como um elemento por designers de forma incrivelmente criativa. Novas praças e parques fornecem água em todos os tipos de formas: cachoeiras, corredeiras, paredes de água, piscinas tranquilas, túneis de água, riachos sinuosos e diversas fontes. Porém, em apenas um aspecto importante há uma falha: em seu acesso.

Experimenta SP / São Paulo

16 praças: 4 capitais em Portugal e no Brasil - Palestra com Leticia Wouk