O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A interrupção dos fluxos no espaço público

A interrupção dos fluxos no espaço público

A interrupção dos fluxos no espaço público
A interrupção dos fluxos no espaço público, via Plataforma Urbana
via Plataforma Urbana

A construção do território se manifesta no espaço físico a partir dos valores dominantes que se promovem a partir do poder, configurando a vida cotidiana e o comportamento social. A este respeito, a urbe como construção ideológica do território baseia-se em um contexto mercantilista focado principalmente em objetos de transação material sobre o espaço, o que pode denominar-se como o fluxo de bens e serviços (mercadorias).

Para este efeito, os espaços urbanos se constroem como espaços de trânsito, como a sucessão de galerias e vitrines dispostas a dinamizar a oferta e a demanda, invadindo por completo silêncio e o estancamento (antagônicos ao progresso e o dinamismo). Os espaços de ócio como as praças e os parques - que constroem espaços de silêncio - são substituídos e reduzidos por espaços de fluxo como os shoppings , articulados em uma rede de corredores e de vitrines onde o indivíduo se vê impossibilitado de silêncio. Os espaços urbanos são principalmente de trânsito, de anonimato e intercâmbio e a tendência atual  é de incrementar e acelerar estes espaços como fluxos de informação por quais o indivíduo transita e consome.

Os fluxos subtraem a individualidade e também impossibilitam a apropriação do território, funcionalizando a atividade humana através da lógica de transação e não da produção real do espaço. O ato criativo é substituído pelo ato de compra (consumo) e a produção substituída por transação, negando a possibilidade de construir o espaço como uma entidade criativa e criadora. Os fluxos constituem uma desumanização alienando o indivíduo do público até não existir raízes locais construídas por quem habita.

A constante negociação do ócio, reflexividade, contemplação, coloca o indivíduo em uma espécie de mal-estar que desesperadamente necessita de espaços e dos fluxos mercantis, mas que por sua vez são constantemente negados por estes. O valor primordial que as cidades dão a velocidade dos fluxos negam a introspecção, a possibilidade de refletir sobre o sentir, do dialogo com o intersubjetivo e vão construindo o indivíduo em uma partícula funcional de um espaço impessoal. O indivíduo cai no anonimato e sucumbe ante os fluxos da urbe.

É, portanto, adequado reconstruir a quietude dentro do espaço urbano como resposta aos fluxos. As cidades requerem oxigenação para reconstruir a comunidade e os laços sociais quebrados, permitindo-se reconstruir o valor do indivíduo através do ócio com a qualidade na construção da identidade do público. Tornam-se necessários os lugares de suspensão da vida cotidiana como novos espaços de produção material.

Texto por Javier Zárate, Sociólogo via Plataforma Urbana. Tradução Archdaily Brasil.

Cita: Fernanda Britto. "A interrupção dos fluxos no espaço público" 17 Fev 2013. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/97938/a-interrupcao-dos-fluxos-no-espaco-publico> ISSN 0719-8906