1. ArchDaily
  2. Habitação coletiva

Habitação coletiva: O mais recente de arquitetura e notícia

Transformando escritórios vagos em espaços de uso misto: soluções para edifícios desocupados nos centros urbanos

Edifícios de escritórios desocupados em grandes cidades dos EUA estão levando seus centros urbanos a uma chamada "espiral de destruição urbana". Com a adoção generalizada do trabalho híbrido, o fluxo de trabalhadores de escritório nos distritos comerciais centrais diminuiu drasticamente. Como resultado, os negócios de varejo e restaurantes nessas áreas estão enfrentando dificuldades, os sistemas de transporte urbano estão perdendo passageiros e os governos municipais estão lidando com a perda de receita tributária necessária para manter a segurança pública e o saneamento. Então, como as cidades podem trazer as pessoas de volta aos seus distritos comerciais centrais? À medida em que as discussões sobre a transformação de escritórios em moradias têm dado frutos, com incentivos significativos das cidades e do governo federal nos Estados Unidos, quais soluções existem para escritórios que não são viáveis para tais conversões?

Transformando escritórios vagos em espaços de uso misto: soluções para edifícios desocupados nos centros urbanos - Image 1 of 4Transformando escritórios vagos em espaços de uso misto: soluções para edifícios desocupados nos centros urbanos - Image 2 of 4Transformando escritórios vagos em espaços de uso misto: soluções para edifícios desocupados nos centros urbanos - Image 3 of 4Transformando escritórios vagos em espaços de uso misto: soluções para edifícios desocupados nos centros urbanos - Image 4 of 4Transformando escritórios vagos em espaços de uso misto: soluções para edifícios desocupados nos centros urbanos - Mais Imagens+ 1

ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis

O Laboratório Urbano UN-Habitat publicou "My Neighborhood", uma publicação que oferece uma lista de princípios de projeto urbano com o objetivo de criar cidades mais sustentáveis e resilientes. Contendo ações aplicáveis ​​à escala do bairro, o guia se dedica a apresentar uma abordagem integrada que responde a setores-chave, como transporte, iniciativas urbanas locais, moradia, espaços públicos, serviços públicos e outros.

ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 1 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 2 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 3 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - 4 的图像 4ONU-Habitat lança guia prático para criar espaços urbanos sustentáveis - Mais Imagens+ 3

Vivendo em um casulo: o fascínio pelas habitações mínimas e portáteis

“Com o perdão do mestre [Le Corbusier], a casa é uma máquina para carregar consigo e a cidade uma máquina a qual conectar-se”. Essa frase foi dita há quase 60 anos por David Greene, arquiteto fundador do grupo inglês Archigram, em ocasião da apresentação do Living Pod, um estudo para uma casa cápsula que poderia se transformar em um trailer. A ideia principal era que a estrutura pudesse ser conectada e desconectada das cidades dando forma à Plug-In City. Seu interior mínimo a delimitava como uma cápsula hermética, pequena e confortável, com o espaço pensado a partir de compartimentos planejados para múltiplos usos. O Living Pod foi um dentre tantos outros projetos igualmente utópicos e ousados desse grupo que parecia ter uma fixação em estruturas nômades e mutantes como a Walking City e a Instant City.

Vivendo em um casulo: o fascínio pelas habitações mínimas e portáteis - Image 1 of 4Vivendo em um casulo: o fascínio pelas habitações mínimas e portáteis - Image 2 of 4Vivendo em um casulo: o fascínio pelas habitações mínimas e portáteis - Image 3 of 4Vivendo em um casulo: o fascínio pelas habitações mínimas e portáteis - Image 4 of 4Vivendo em um casulo: o fascínio pelas habitações mínimas e portáteis - Mais Imagens+ 6

Design para densidade: habitação na Índia como infraestrutura social

Assim como muitos outros dos países, a Índia enfrenta uma crise habitacional constante. Como a nação é a mais populosa do mundo, com uma projeção de crescimento da população urbana de 410 milhões em 2014 para 814 milhões até 2050, a situação é urgente. A paisagem construída indiana apresenta maiores complexidades devido a uma abordagem de mercado abrangente e à necessidade de habitação socialmente relevante. Olhando para o futuro, como a Índia pretende atender às necessidades da sua população em expansão para abrigar os próximos milhões de habitantes urbanos?

Design para densidade: habitação na Índia como infraestrutura social - Image 1 of 4Design para densidade: habitação na Índia como infraestrutura social - Image 2 of 4Design para densidade: habitação na Índia como infraestrutura social - Image 3 of 4Design para densidade: habitação na Índia como infraestrutura social - Image 4 of 4Design para densidade: habitação na Índia como infraestrutura social - Mais Imagens+ 1

Remodelando os centros urbanos dos EUA: cresce o impulso para conversão de escritórios em residências

Cidades em todo os EUA estão enfrentando dificuldades para ocupar seus espaços comerciais. Grandes cidades como Washington DC, Boston e San Francisco têm centros urbanos cada vez mais vazios, enquanto os centros de pequenas cidades do Rust Belt lutam para sobreviver. Essa tendência está presente para além dos EUA, com mais de três quartos dos prédios de escritórios da Europa em risco de obsolescência até o final da década. A causa disso, na maioria das vezes, é simples: um excesso de escritórios e uma mudança para o trabalho remoto. Esses prédios vazios podem desencadear um efeito dominó negativo de desafios econômicos e sociais para as cidades, e seu excedente, juntamente com a escassez de moradias, tem provocado discussões entre cidades e arquitetos sobre a necessidade iminente de transformar escritórios em moradias.

Remodelando os centros urbanos dos EUA: cresce o impulso para conversão de escritórios em residências - Image 1 of 4Remodelando os centros urbanos dos EUA: cresce o impulso para conversão de escritórios em residências - Image 2 of 4Remodelando os centros urbanos dos EUA: cresce o impulso para conversão de escritórios em residências - Image 3 of 4Remodelando os centros urbanos dos EUA: cresce o impulso para conversão de escritórios em residências - Image 4 of 4Remodelando os centros urbanos dos EUA: cresce o impulso para conversão de escritórios em residências - Mais Imagens+ 2

Sobre a importância de projetar para o bem-estar do habitante: Alex Depledge sobre Resi

O que é arquitetura? São projetos grandiosos com estruturas complexas, desafiando as leis da física? São edifícios simples e cotidianos que, quando reunidos, criam o tecido urbano? Em meados do século XVIII, Laugier introduziu o conceito de cabana primitiva, uma estrutura, essencialmente uma casa, projetada e construída para atender às necessidades básicas do ser humano primitivo: abrigá-lo das intempéries da natureza. Qualquer estrutura que atenda a esses requisitos seria considerada uma arquitetura autêntica. Porém, desde então, nossas necessidades evoluíram e estão muito mais elaboradas, principalmente quando se trata de nossas casas. Elas precisam oferecer abrigo, segurança, conforto térmico e espaços amplos. As nossas casas devem ser econômicas, sustentáveis e ter acesso à Internet, entre muitos outros pré-requisitos. Então, como seria a casa ideal do ser humano contemporâneo e, portanto, a "verdadeira" arquitetura?

The Science of a Happy Home Report, relatório realizado por Resi primeiro em 2020 e novamente no pós-pandemia de 2023, procurou descobrir exatamente quais elementos as pessoas acreditavam constituir o definitivo lar feliz. Os resultados foram seis qualidades proeminentes: uma casa que é adaptável para atender às nossas necessidades em constante mudança, uma casa que nos permite conectar e construir relacionamentos, uma casa que reflete a nossa personalidade e valores, uma casa nutritiva que fornece as condições que precisamos para prosperar (ou seja, qualidade do ar), uma casa que nos ajuda a relaxar e uma casa que oferece segurança e nos faz sentir seguros. Essas necessidades, no entanto, não estão sendo atendidas na maioria dos lares do Reino Unido, e é aí que entra a Resi.

Sobre a importância de projetar para o bem-estar do habitante: Alex Depledge sobre Resi - Image 1 of 4Sobre a importância de projetar para o bem-estar do habitante: Alex Depledge sobre Resi - Image 2 of 4Sobre a importância de projetar para o bem-estar do habitante: Alex Depledge sobre Resi - Image 3 of 4Sobre a importância de projetar para o bem-estar do habitante: Alex Depledge sobre Resi - Image 4 of 4Sobre a importância de projetar para o bem-estar do habitante: Alex Depledge sobre Resi - Mais Imagens

Habitação de uso misto: uma ferramenta para ativação urbana

Nas últimas décadas, a paisagem residencial da China passou por uma transformação, priorizando as necessidades da rápida urbanização e dos estilos de vida modernos, dados principalmente pelos laços sociais da comunidade. As tradicionais casas com pátio costumavam ativar o ambiente urbano, misturando harmoniosamente zonas residenciais privadas com áreas públicas do bairro. Hoje, o país está cheio de empreendimentos privados e comunidades fechadas que romperam a conexão entre áreas residenciais e o ambiente urbano. Em meio a essa transformação, a Habitação Social de Baiziwan, do MAD Architects, em Pequim, aparece como uma tentativa visionária de criar uma alternativa à vida urbana. Ao abraçar um programa de uso misto, este complexo residencial se integra ao bairro do entorno, promovendo um senso de unidade com a metrópole movimentada. Não limitado apenas à China, numerosos empreendimentos habitacionais em todo o mundo adotaram essa abordagem, restabelecendo seus laços com o ambiente urbano.

Habitação de uso misto: uma ferramenta para ativação urbana - Image 1 of 4Habitação de uso misto: uma ferramenta para ativação urbana - Image 2 of 4Habitação de uso misto: uma ferramenta para ativação urbana - Image 3 of 4Habitação de uso misto: uma ferramenta para ativação urbana - Image 4 of 4Habitação de uso misto: uma ferramenta para ativação urbana - Mais Imagens+ 4

Projetando sem cliente: 6 casas desenhadas por arquitetos famosos para eles mesmos

Analisar casas que arquitetos projetaram para si mesmos pode abrir perspectivas sobre seu processo de design, prioridades e filosofia. Embora muitas vezes reduzidas em escala, essas residências pessoais oferecem um olhar sobre o processo dos arquitetos e a maneira como eles traduzem suas ideias em espaços habitáveis sem restrições impostas pelo cliente no resultado final. As estruturas também refletem os valores pessoais, estilos de vida e preferências estéticas de seus criadores.

Frequentemente, esses projetos são experimentos e campos de testes para seus próprios princípios de design, ampliando os limites da expressão arquitetônica. Desde Ray e Charles Eames, que acabaram passando suas vidas em uma casa experimental criada para a pré-fabricação, até Frank Gehry, que usou sua casa holandesa colonial em Santa Monica para testar as ideias de desconstrutivismo que mais tarde viriam a definir sua carreira, esses projetos representam uma face diferente do processo de projeto de arquitetos renomados mundialmente.

Projetando sem cliente: 6 casas desenhadas por arquitetos famosos para eles mesmos - Image 1 of 4Projetando sem cliente: 6 casas desenhadas por arquitetos famosos para eles mesmos - Image 2 of 4Projetando sem cliente: 6 casas desenhadas por arquitetos famosos para eles mesmos - Image 3 of 4Projetando sem cliente: 6 casas desenhadas por arquitetos famosos para eles mesmos - Image 4 of 4Projetando sem cliente: 6 casas desenhadas por arquitetos famosos para eles mesmos - Mais Imagens+ 18

6 Habitações coletivas que repensam o desenho da quadra urbana

A quadra é um elemento tipicamente urbano que, historicamente, apresentou-se sob diferentes formas e desenhos, fazendo parte, de maneira estrutural, das diretrizes de planejamento das cidades. A partir da observação de alguns tecidos urbanos de cidades como Barcelona, na Espanha, Paris, na França, e Copenhagen, na Dinamarca, é possível perceber a grande variação entre os modelos de quadras, em inúmeros aspectos, definindo suas próprias paisagens e dinâmicas. Alterações de estilo e formato, mudanças volumétricas na relação entre cheios e vazios, e modificações entre as conexões de acesso com o entorno, são alguns exemplos de particularidades tipológicas que as diferenciam. Assim, muitas vezes, em suas especificidades, as quadras constituem-se enquanto características emblemáticas e representativas não somente de determinados modelos de planejamento urbano, desenvolvidos ao longo da história, mas também das próprias cidades.

6 Habitações coletivas que repensam o desenho da quadra urbana - Image 7 of 46 Habitações coletivas que repensam o desenho da quadra urbana - Image 2 of 46 Habitações coletivas que repensam o desenho da quadra urbana - Image 3 of 46 Habitações coletivas que repensam o desenho da quadra urbana - Image 17 of 46 Habitações coletivas que repensam o desenho da quadra urbana - Mais Imagens+ 13

Fusão entre Habyt e Common: o setor de co-living em recuperação

O interesse em co-living está aumentando, e isso foi enfatizado pela fusão entre a maior operadora de co-living nos EUA, Common, e seu equivalente europeu, Habyt. As duas empresas administram mais de 4.000 apartamentos nos EUA e 7.000 apartamentos na Europa e na Ásia, conforme relatado pelo The Wall Street Journal. O termo co-living refere-se a uma forma moderna de habitação em grupo, onde os residentes compartilham espaços comuns para socializar, cozinhar e se reunir, e têm acesso a comodidades compartilhadas, como serviços de limpeza ou dog walking.

Fusão entre Habyt e Common: o setor de co-living em recuperação - Image 1 of 4Fusão entre Habyt e Common: o setor de co-living em recuperação - Image 2 of 4Fusão entre Habyt e Common: o setor de co-living em recuperação - Image 3 of 4Fusão entre Habyt e Common: o setor de co-living em recuperação - Image 4 of 4Fusão entre Habyt e Common: o setor de co-living em recuperação - Mais Imagens+ 3

Vivendo em espaços pequenos: mobiliário e acessibilidade

O canal do Youtube Never Too Small tem 2,25 milhões de inscritos – uma plataforma que apresenta a manipulação imaginativa do espaço em plantas pequenas. Vídeos de microapartamentos, em Paris, Londres e outras cidades alcançam milhões de visualizações. Claramente há uma demanda por conteúdo voltado para a vida em espaços pequenos, já que uma crise imobiliária global acelerou a queda na disponibilidade de residências acessíveis e maiores em áreas urbanas. Para aproveitar ao máximo o espaço limitado dentro dessa realidade restrita, arquitetos têm projetado plantas com menos de 40 metros quadrados visando criar uma experiência espacial não claustrofóbica.

Vivendo em espaços pequenos: mobiliário e acessibilidade - Image 1 of 4Vivendo em espaços pequenos: mobiliário e acessibilidade - Image 2 of 4Vivendo em espaços pequenos: mobiliário e acessibilidade - Image 3 of 4Vivendo em espaços pequenos: mobiliário e acessibilidade - Image 4 of 4Vivendo em espaços pequenos: mobiliário e acessibilidade - Mais Imagens+ 4

O Airbnb contribui com a crise imobiliária?

Quando o Airbnb começou, há quase 15 anos, oferecia uma solução inovadora para reservar estadias de curta duração sem complicações. Ao alugar um quarto vago ou um apartamento inteiro, era oferecida uma alternativa aos modos tradicionais de reservar hotéis, muitas vezes superfaturados e lotados. O Airbnb agora enfrenta muitas críticas à medida que cresceu rapidamente, oferecendo centenas de milhares de estadias em todo o mundo. Entretanto, não escapou de passar por experiências negativas. Agora, planejadores e formuladores de políticas estão começando a ver os efeitos da abundância de anúncios do Airbnb e como isso afeta uma crescente crise imobiliária.

Inteligência artificial, moradias pequenas e o que mais construímos em 2022

2022 foi um ano agitado que, novamente, resultou em uma cobertura diversificada no ArchDaily, desde a especulação acerca dos materiais de construção do futuro até a análise do papel narrativo que a arquitetura desempenha na literatura. Uma seleção de artigos do ano que passou foi reunida abaixo, organizada em quatro tópicos.

Inteligência artificial, moradias pequenas e o que mais construímos em 2022 - Image 1 of 4Inteligência artificial, moradias pequenas e o que mais construímos em 2022 - Image 2 of 4Inteligência artificial, moradias pequenas e o que mais construímos em 2022 - Image 3 of 4Inteligência artificial, moradias pequenas e o que mais construímos em 2022 - Image 4 of 4Inteligência artificial, moradias pequenas e o que mais construímos em 2022 - Mais Imagens+ 22

Construído para não durar: a tradição japonesa de reconstruir as casas a cada 30 anos

Na maioria dos países do mundo as edificações antigas são valorizadas. Há algo na história, na originalidade e no charme de uma casa antiga que faz com que seu valor às vezes seja superior ao de novos projetos. Mas no Japão, o oposto é quase sempre a preferência. As casas recém-construídas são as mais procuradas em um mercado imobiliário onde as moradias raramente são vendidas e a obsessão por demolir e reconstruir é tanto uma questão cultural quanto uma questão de segurança, colocando as casas de 30 anos em um mercado sem valor.

As lições da Nova Zelândia para aumentar a oferta de moradia

Mergulhada em uma crise habitacional há cerca de uma década, a Nova Zelândia modificou sua lei de zoneamento para permitir que mais moradias médias sejam erguidas nos maiores municípios da nação.

A iniciativa surge como resposta à escassez de oferta de unidades, aos valores elevados das propriedades e dos aluguéis e para reduzir o “abismo” cada vez maior entre a renda da população e os custos dos imóveis, como detalha matéria do jornal The Guardian.

Morando no limite: casas adaptadas a condições climáticas extremas

Em cada diferente região no globo surgiram construções vernaculares das mais variadas, sejam enterradas no subsolo, dentro de grutas, ou ainda construídas com pedras, madeira e tecidos. A solução desses abrigos se dava a partir dos materiais disponíveis e também das condições climáticas que precisavam ser enfrentadas. A arquitetura surge a partir do desenvolvimento desses abrigos, construídos para proteger as pessoas de predadores e também das intempéries.

As soluções construtivas empregadas há milhares de anos se desenvolveram e ficaram cada vez mais complexas, mas mantiveram essencialmente um objetivo em comum, lidar com o clima da região. 

Morando no limite: casas adaptadas a condições climáticas extremas - Image 1 of 4Morando no limite: casas adaptadas a condições climáticas extremas - Image 2 of 4Morando no limite: casas adaptadas a condições climáticas extremas - Image 3 of 4Morando no limite: casas adaptadas a condições climáticas extremas - Image 4 of 4Morando no limite: casas adaptadas a condições climáticas extremas - Mais Imagens+ 5

Regulamentações ao Airbnb podem estar chegando à sua cidade

O Airbnb é uma forma confiável de encontrar uma estadia. Desde sua criação em 2008, o site já cadastrou mais de 7 milhões de residências ao redor do mundo, onde os viajantes podem ficar em um quarto, ou alugar uma casa inteira. Recentemente, muitas cidades têm reprimido estadias de curta duração, citando questões de segurança, listagens falsas e aumento dos preços dos imóveis, causando a saída das pessoas de suas casas quando a moradia é usada apenas para o aluguel do Airbnb. O que as cidades estão fazendo em relação a estas questões? O que o Airbnb está fazendo para ajudar a resolvê-los? O Airbnb será viável por muito mais tempo?