1. ArchDaily
  2. Design Participativo

Design Participativo: O mais recente de arquitetura e notícia

Bairro flutuante em Amsterdã oferece uma nova perspectiva sobre circularidade e resiliência

Schoonschip é um inovador bairro circular de Amsterdã, um projeto comunitário definido para se tornar um protótipo para empreendimentos urbanos flutuantes. Com um masterplan elaborado pelo escritório de arquitetura holandês Space & Matter, o projeto compreende 46 residências em 30 lotes de água conectados por um cais e que emprega recursos descentralizados e sustentáveis de energia, água e sistemas de esgoto. Com o último de seus edifícios concluído este ano, o empreendimento apresenta uma estratégia de adaptação importante de ser considerada, em face das mudanças climáticas e da elevação do nível do mar.

© Jan Willem Sieburgh© Alan Jensen© Alan Jensen© Isabel Nabuurs+ 21

Arquitetura participativa: quando a comunidade se faz presente no processo projetual

Centro Comunitário de Naidi / CAUKIN Studio. Foto: © Katie EdwardsKindergarten Zimbabwe / Studio Anna Heringer. Foto: © Margarethe HolzerNave Multiprograma - sistema vertical de plataformas esportiva e culturais / Alejandro Haiek / LAB PRO FAB. Fotografia: © Julio Cesar MesaUVA El Paraíso / EDU - Empresa de Desarrollo Urbano de Medellín. Foto: © Alejandro Arango+ 39

A experiência do usuário facilmente pode se contrapor aos ideais de um projeto, principalmente quando espaços devem ser pensados para comunidades. Sendo assim, recorrer a uma arquitetura na qual os futuros usuários possuem poder de decisão representa um movimento no qual distintos pontos de vistas podem se aliar ao olhar do arquiteto para gerar um partido inovador.

O que é placemaking?

Apesar de muitas vezes serem utilizados como sinônimos, espaço e lugar podem assumir definições diferentes a depender do contexto em que são utilizados. Nesse sentido, o placemaking demonstra que a criação de lugares vai muito além da sua concepção física, envolvendo parâmetros como sociabilidade, usos, atividades, acessos, conexões, conforto e imagem de forma a criar vínculos entre as pessoas e o que então será entendido como lugar.

Cortesia de Torino StratosfericaSundance Square forma o núcleo de um novo distrito urbano caminhável em Fort Worth, TX, USA. Cortesia de PPSO Diagrama do Lugar, uma ferramenta para auxiliar as pessoas a classificar qualquer lugar, bom ou ruim. Cortesia de PPSUma multidão de residentes assiste a um filme no Discovery Green, Houston, TX, USA. Cortesia de PPS+ 5

Como a participação comunitária pode ajudar na reconstrução arquitetônica e urbana pós-desastres

Os conceitos de autonomia, colaboração e participação têm ganhado destaque no âmbito da arquitetura e urbanismo em práticas realizadas por comunidades em conjunto com arquitetos, urbanistas e designers. Em um período no qual o número de desastres climáticos tem aumentado significativamente – a quantidade dobrou nos últimos 40 anos segundo relatório divulgado em 2016 pelo CRED (Centre for Research on the Epidemiology of Disasters) –, somado a conflitos e outras tragédias, a demanda por reconstrução de habitações e da infraestrutura nas localidades atingidas têm crescido simultaneamente. Este fator tem demandado um grande esforço colaborativo para a reconstrução arquitetônica e urbana.

Participação como princípio básico da habitação social: aplicando o trabalho de Christopher Alexander

O artigo a seguir faz parte de uma série desenvolvida por Nikos A. Salingaros, David Brain, Andres M. Duany, Michael W. Mehaffy e Ernesto Philibert-Petit, que enfoca as particularidades da habitação social na América Latina. Este texto explora o papel da participação nos processos de projeto e construção de um tecido urbano saudável baseado na experiência de Christopher Alexander. Reveja as outras matérias e o novo artigo, a seguir:

Arquitetura que transcende barreiras de linguagem: Casas de Parto no México

Até alguns anos atrás, a maior causa de mortes no município de Tenejapa, localizado na região de Los Altos de Chiapas, era por problemas relacionados ao trabalho de parto. Ante esse panorama, e aliado à falta de serviços médicos na região, as parteiras tradicionais de 22 comunidades agruparam-se para combater o problema e formaram a Rede de Parteiras “Un solo corazón A.C.”, organização que conseguiu reduzir a zero a taxa de mortalidade materna e infantil atendendo 98% dos partos na área.