1. ArchDaily
  2. Cidades Inteligentes

Cidades Inteligentes: O mais recente de arquitetura e notícia

Existe algo de “inteligente” nas cidades inteligentes?

Não tem como ser um urbanista ou se interessar pelas questões das cidades e ainda não ter ouvido — muito — sobre o movimento “Cidades Inteligentes” (“Smart Cities”). A ideia é que não há nada nas cidades que o uso de dados (especialmente “big data”) ou de tecnologia não resolva. O resultado tem sido uma série de afirmações sobre como é possível solucionar problemas tão desafiadores como habitação, tráfego e desigualdade simplesmente criando modelos mais elaborados com base em big data ou implantando novas formas de tecnologia.

“Drivewave” do MIT. Cortesia de Caos PlanejadoBoring Company de Elon Musk: Habitrail para Teslas? Cortesia de Caos PlanejadoPortland, Oregon. Imagem: David Mark/PixabayImagem aérea de Smart City Laguna, primeira smart city planejada do Brasil. Image via Engenharia E+ 5

Por que e para quem estamos construindo cidades novas do zero?

Tente imaginar como seria projetar uma cidade inteira do zero; desenhar cada uma de suas ruas, casas, edifícios comerciais, praças e espaços públicos. Uma folha em branco onde tudo é possível e sua única missão é criar uma cidade com identidade própria. Talvez esse seja o sonho de todo arquiteto e urbanista, e para a sorte de alguns poucos felizardos, esse sonho pode muito bem se tornar realidade em um futuro próximo.

Ao longo das últimas duas décadas, cidades inteiras foram construídas do zero em uma escala sem precedentes, a maioria delas na Ásia, Oriente Médio, África e também na América Latina. Além disso, o nosso planeta conta atualmente com mais de 150 novas cidades em processo de implementação. Esta nova tipologia de desenvolvimento urbano tem se mostrado particularmente sedutora em países de economia emergente, iniciativas propagandeadas como elementos estratégicos capazes de impulsionar o crescimento econômico e atrair novos investimentos.

Fachada de terracota de dormitórios de estudantes em Masdar City, projetada por Foster & Partners. Imagem © Tyler CaineProjeto The Line na Arábia Saudita. Imagem © NEOMOceanix City. Imagem © Bjarke Ingels GroupSongdo International Business District, Coreia do Sul. Cortesia de KPF+ 12

Foster + Partners vence concurso na China com proposta que mescla transporte sustentável e paisagem

O escritório britânico Foster + Partners apresentou seu projeto vencedor para um novo distrito urbano na China: o Guangming Hub, localizado na ferrovia de alta velocidade que conecta Hong Kong, Shenzhen e Guangzhou. A proposta de Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável oferece uma “cidade inteligente que respalda o fluxo de pessoas e bens com infraestrutura robusta, redes de transporte eficazes, serviços públicos confiáveis e vegetação exuberante”.

© Foster + Partners© Foster + Partners© Foster + Partners© Foster + Partners+ 7

MVRDV projeta o novo Centro de Ciência e Tecnologia de Chengdu, China

MVRDV revelou as primeiras imagens do "Sky Valley" de Chengdu, projeto para o concurso da Cidade de Ciência e Tecnologia no sudoeste da China. A proposta vencedora apresenta “uma cidade habitável na paisagem da comunidade rural Linpan”, fundindo tecnologia e natureza, urbano e rural, modernidade e tradição. Localizado em uma das cidades emergentes da China, o projeto equilibra as necessidades da região por meio de um fluxo de trabalho computacional desenvolvido pelo grupo de tecnologia MVRDV NEXT.

© ATCHAINCortesia de MVRDVCortesia de MVRDVCortesia de MVRDV+ 10

Inteligência artificial e gestão urbana: 7 aplicações práticas

O uso da inteligência artificial (AI) se embasa na ideia de otimizar, dinamizar e ampliar o alcance das mais diversas operações. Seus sistemas são programados para identificar padrões e, com isso, tornarem-se aptos à realizar previsões e ações com velocidade e acurácia. A eficiência dos modelos depende da quantidade e qualidade dos dados, que podem ser obtidos por aplicativos, câmeras, sensores etc. No âmbito urbano, a tecnologia baseada no uso da inteligência artificial tem sido vista como forma de aperfeiçoar o gerenciamento destes territórios, sobretudo daqueles mais densos e de maior extensão.

Smart Cities abrindo o caminho para um futuro inteligente

O movimento smart ganhou força e gerou agitação na última década, mas apesar de todo o hype, o que é uma cidade inteligente? Os princípios por trás de sua definição, e objetivos soltos têm sido bastante inconsistentes. Enquanto alguns afirmam que o sistema deve ser baseado na digitalização de todos os aspectos urbanos, outros argumentam que o aumento na coleta de dados pessoais é o único método para melhorar o estilo de vida urbana. Para uma pessoa, o mundo digital pode ser o paraíso na Terra, já para a outra, tecnofóbica, praticamente o dia do juízo final. Além da mera definição dessas cidades, qual o papel dos arquitetos e pesquisadores na criação desse cenário futurista, ainda pouco identificado? Assim como Corbusier definiu a casa como uma máquina para morar, é hora de redefinirmos como nossos edifícios podem abandonar o exterior passivo, e se tornarem verdadeiras máquinas de trabalho, como sempre deveriam ter sido.

Todas as cidades precisam ser inteligentes?

“Todos os problemas podem ser resolvidos com tecnologia.”

O quão acertada (ou não) parece essa afirmação? Enquanto escrevia este artigo, meu editor eletrônico de texto apontou que as três primeiras palavras dessa frase estavam incorretas, e me sugeriu trocar por “A quão acertada”. Ele se engana, a frase está correta.

O que são cidades inteligentes dentro da realidade brasileira?

Smart Cities, ou as cidades inteligentes, estão cada vez mais em evidência, mas dificilmente sabemos descrever exatamente o que são.

Seriam cidades que conseguem adotar, de forma descentralizada, o conjunto de novos aplicativos de diversos provedores voltados a serviços urbanos que cada vez mais estão presentes no nosso dia a dia?

Ou então aquelas que contratam uma grande empresa para gerenciar e monitorar todos os serviços urbanos da cidade, como um grande centro de comando?

Curso de Projeto Urbano de Infraestrutura Verde

Curso teórico e prático de Projeto Urbano de Infraestrutura Verde. Através de um estudo de caso e desenvolvimento de um projeto em grupo, os alunos aprendem os principais conceitos e ferramentas para utilização da Infraestrutura Verde.

Aula 1 - sábado dia 18.01 - das 09h às 16h
Aula 2 - sábado dia 01.02 - das 09h às 16h
Aula 3 - sábado dia 08.02 - das 09h às 16h

*Carga horária total 18 horas.

Inscrições até dia 16.01.2020 pelo link: https://faculdades-oswaldo-cruz.myedools.com/projeto-urbano-de-infraestrutura-verde

CONTEÚDO DO CURSO

*INFRAESTRUTURA VERDE
- Paisagem de alto desempenho enquanto rede de infraestrutura urbana:
- Serviços Ecossistêmicos e Desenvolvimento Urbano de Baixo Impacto;
-

Seminário Internacional Soluções Inovadoras para Cidades em Crise | Circuito Urbano 2019 ONU Habitat

Cidades boas para viver e produzir atraem talentos e investimentos. Participe e saiba como outros municípios do Brasil e do mundo estão inovando na solução dos seus problemas!

Integrando o Circuito Urbano 2019 da ONU Habitat o Seminário Internacional de Soluções Inovadoras propõe olhares transversais entre economia, planejamento urbano e qualidade de vida através de soluções inovadoras frente à crise que assolam os municípios brasileiros.

O mês de outubro foi designado como Outubro Urbano, por iniciar-se com o Dia Mundial do Habitat (na primeira segunda-feira do mês de outubro) e encerrar-se com o Dia Mundial das Cidades (31 de outubro), e

Projeto urbano de infraestrutura verde

São Paulo, assim como outras metrópoles do mundo, enfrenta hoje sérios desafios no manejo de seus recursos hídricos, dentre eles a poluição difusa das águas urbanas e as inundações, que são fruto de um processo de urbanização acelerado que, diante de algumas circunstâncias, desconsidera as potencialidades das bases biofísicas de suas paisagens naturais.
Nesse contexto, a Infraestrutura Verde é reconhecida enquanto método de projeto da paisagem capaz de mitigar e tratar dos poluentes das águas a partir da criação de paisagens multifuncionais que, integram Soluções Baseadas na Natureza (SbN) para o manejo ecológico dos escoamentos na fonte e, adaptam as

Siemens utilizará a Expo 2020 de Dubai como um modelo de teste para a cidade do futuro

A gigante da tecnologia Siemens acaba de firmar uma parceria com a Expo 2020 de Dubai para a implementação de um sistema de controle inteligente, o qual deverá monitorar mais de 130 estruturas e disponibilizar em tempo real informações relacionadas à eficiência energética, conforto e segurança dos pavilhões da maior feira mundial de arquitetura.

Conforme informação veiculada pela Arabian Business, a Siemens “implementará um sistema de monitoramento digital, disponibilizando e gerenciando as funções essenciais de 137 edifícios em toda a Expo, a qual cobrirá uma área de mais de quatro quilômetros quadrados, através de sua plataforma de análise de dados chamada Siemens Navigator.”

Carros elétricos e cidades do futuro: uma proposta da Jaguar e Barr Gazetas

A fabricante de carros Jaguar se uniu ao arquiteto Tom Barton, do escritório Barr Gazetas, para imaginar as conseqüências de um futuro com automóveis elétricos nas cidades. Tomando quatro estudos de caso no Reino Unido, a equipe especulou sobre questões de infraestrutura existentes e as oportunidades de melhoria possibilitadas pelos veículos elétricos.

Com 180.000 veículos elétricos nas estradas do Reino Unido em 2018 e 1 milhão estimado em 2020, os estudos de caso imaginam um futuro em que as alternativas verdes aos combustíveis fósseis impulsionam o transporte e as construções em cidades de emissão zero. Abaixo, apresentamos os quatro cenários estudados: com uma rodovia, um estacionamento interno, um terreno industrial e uma paisagem urbana mais ampla.

© Barr Gazetas© Barr Gazetas© Barr Gazetas© Barr Gazetas+ 5

Cidades fabricadas: o caso da primeira smart city do Brasil

Smart City Laguna, este é o nome da primeira "cidade inteligente" do Brasil segundo publicaram alguns meios de comunicação, inclusive o ArchDaily Brasil, em 2017. Com inauguração prevista para aquele mesmo ano, o empreendimento contaria em sua primeira fase com 1.800 unidades e, no total, 7.065, divididas entre residenciais, comerciais e de uso tecnológico.

Localizada no distrito de Croatá, que faz parte da cidade de São Gonçalo do Amarante, a primeira smart city brasileira ocupa uma porção de terra de 330 hectares conectada diretamente à rodovia federal BR-22, que cruza os estados do Ceará, Piaí e Maranhão partindo de Fortaleza em direção à Marabá, no Pará. A escolha do local tem razões econômicas: a proximidade com o Porto do Pecém, em Fortaleza, a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) e a Ferrovia Transnordestina fazem de Croatá um ponto estratégico no nordeste que vem sendo ocupado nos últimos anos por empresas de tecnologia, conformando um chamado "Cinturão Digital" a pouco mais de 50 quilômetros da capital cearense.

Cortina desenvolvida pelo ecoLogicStudio utiliza CO2 para produzir bioplástico

O escritório de arquitetura e urbanismo com sede em Londres, ecoLogicStudio, acaba de inaugurar uma instalação em forma de “cortina urbana”, uma estrutura para filtrar o ar e atenuar os impactos do efeito estufa. Chamada de “Photo.Synth.Etica”, a estrutura foi desenvolvida em colaboração com a Climate-KIC, uma das principais iniciativas lançadas pela União Europeia para melhorar a qualidade do ar nas grandes cidades e minimizar os efeitos do aquecimento global.

A primeira versão da Photo.Synth.Etica, atualmente em operação no Castelo de Dublin, na Irlanda, é capaz de fixar e armazenar até um quilo de CO2 por dia, algo equivalente à capacidade de fixação de CO2 de pelo menos vinte árvores de grande porte.

© NAARO© NAARO© NAARO© NAARO+ 9

Cripto-cidades: uma possibilidade para as cidades do futuro?

Em um mundo cada vez mais obcecado com o potencial da Blockchain (tecnologia descentralizada por trás da Bitcoin), Jeffrey Berns, advogado e milionário da criptomoeda, comprou uma enorme área de 67.000 acres no deserto de Nevada perto de Reno, idealizada como uma "comunidade experimental" em torno da tecnologia.

Sua empresa, a Blockchains LLC, trabalhou em colaboração com Tom Wiscombe Architecture e Ehrlich Yanai Rhee Chaney Architects (EYRC) para projetar o “Innovation Park”, que será “desenvolvido em uma cidade inteligente com Blockchain descentralizado subjacente a toda a infraestrutura”.

via Tom Wiscombe Architecturevia Tom Wiscombe Architecturevia Tom Wiscombe Architecturevia Tom Wiscombe Architecture+ 8