1. ArchDaily
  2. Bienal De Veneza

Bienal De Veneza: O mais recente de arquitetura e notícia

Pavilhão do Japão na Bienal de Veneza aborda consumo de massa e reuso na arquitetura

Para a edição deste ano da Bienal de Arquitetura de Veneza, o Pavilhão do Japão nos convida a refletir sobre o movimento de bens e mercadorias, sobre o consumo de massa, a sustentabilidade e o reaproveitamento de materiais na arquitetura. Intitulado Co-propriedade de Ação: Trajetórias de Elementos e com curadoria de Kadowaki Kozo, o Pavilhão Japonês para a Biennale deste ano será construído a partir da estrutura de uma tradicional casa japonesa de madeira, a qual será desmontada, enviada para Veneza e então reconstruída e ressignificada através do uso de novos materiais e soluções construtivas. Desta forma, o Pavilhão do Japão procura demonstrar que materiais e estruturas existentes podem ter uma segunda vida, colocando em cheque a crescente demanda por novos insumos e matérias primas, abraçado a reutilização em detrimento do consumo.

Pavilhão "Restroom" explora o banheiro como um território de disputas políticas e sociais na Bienal de Veneza

“Quando usamos um banheiro, embora fechemos a porta ao entrar, nunca estaremos sozinhos. Muito pelo contrário. Ao adentrar nesse espaço, nos embrenhamos em uma rede de diferentes corpos, infraestruturas, ecossistemas, normas culturais e códigos sociais”. Embora banheiros sejam muitas vezes negligenciados, tratados apenas como uma infra-estrutura banal e necessária, eles são, na verdade, um território onde questões de gênero, religião, etnia, higiene, saúde e também economia são claramente definidas e expressas. Pensando nisso, Matilde Cassani, Ignacio G. Galán, Iván L. Munuera e Joel Sanders desenvolveram o projeto de dois pavilhões para a 7ª Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, nos quais eles exploram o banheiros como um território de disputas políticas e sociais.

The Restroom Pavilion. Imagem © Imagen Subliminal (Miguel de Guzmán + Rocio Romero)The Restroom Pavilion. Imagem © Imagen Subliminal (Miguel de Guzmán + Rocio Romero)The Restroom Pavilion. Imagem © Delfino Sisto LegnaniYour Restroom is a Battleground. Imagem © Natalia Guardia+ 15

Escombros do passado e futuros possíveis: entrevista com Carlos Alberto Maciel sobre o Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza

Quando foi escolhido pela Biennale di Venezia para dirigir a 17ª Exposição Internacional de Arquitetura, Hashim Sarkis desafiou os curadores nacionais a responderem uma pergunta urgente e nada fácil: como viveremos juntos? Nem ele, nem os curadores, nem ninguém esperava o que estaria por vir. Passado um ano e meio de pandemia global, a pergunta assume novos significados e apresenta, certamente, desdobramentos outros que extrapolam qualquer noção previamente vislumbrada pela organização do evento.

Neste contexto de incertezas globais, informada por um país marcado pela desigualdade social, Utopias da vida comumtítulo da participação brasileira elaborada pelos Arquitetos Associados em colaboração com o designer visual Henrique Penha – busca estabelecer um diálogo entre o passado moderno e um futuro possível (e melhor) para as cidades brasileiras. Tivemos a oportunidade de conversar com o arquiteto Carlos Alberto Maciel sobre a mostra que ocupará o Pavilhão do Brasil na Bienal de Arquitetura de Veneza. Leia a seguir:

Pavilhão da Turquia na Bienal de Veneza aborda mudança climática através da imaginação arquitetônica

Intitulado "Arquitetura como medida", o Pavilhão Turco, da 17ª Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, busca explorar o que e como a arquitetura pode contribuir para o meio ambiente, tendo em vista, a atual crise climática, além da atual dependência tecnológica. Com curadoria de Neyran Turan, o pavilhão estará em exibição em um local de longo prazo, o Sale d'Armi no Arsenale, de 22 de maio a 21 de novembro de 2021.

© NEMESTUDIO e o Pavilhão da Turquia© NEMESTUDIO e o Pavilhão da Turquia© NEMESTUDIO e o Pavilhão da Turquia© NEMESTUDIO e o Pavilhão da Turquia+ 14

"La casa infinita": Pavilhão da Argentina na Bienal de Veneza aborda as habitações populares

Desenvolvido pelo arquiteto Gerardo Caballero, com a colaboração de Paola Gallino, Sebastian Flosi, Franco Brachetta, Ana Babaya, Leonardo Rota, Emmanuel Leggeri, Sofia Rothman, Gerardo Bordi, Edgardo Torres e Alessandro De Paoli, La casa infinita, um projeto inspirado nas casas tradicionais argentinas, representará o país na próxima exposição internacional de arquitetura da Bienal de Veneza. O projeto refletirá sobre a identidade da casa popular argentina e sobre a história da habitação coletiva no país, explorando exemplos tanto públicos quanto privados. La casa infinita buscará estender os limites do doméstico e enfatizar a importância do coletivo sobre o individual, determinando que uma casa pode ser muito maior que a própria moradia: "pode ser a cidade, o campo e até mesmo o mundo".

Pavilhão da Hungria na Bienal de Veneza revisita seu patrimônio arquitetônico socialista

O Pavilhão Húngaro da 17ª Bienal de Veneza explora a arquitetura socialista, muitas vezes desafiadora, e analisa como essa herança poderia ser reconsiderada e ter um novo futuro. Intitulada Othernity - Reconditioning our Modern Heritage, a exposição com curadoria de Dániel Kovács apresenta doze edifícios icônicos modernos de Budapeste e as visões de doze firmas arquitetônicas da Europa Central e Oriental para seu recondicionamento. O projeto do Pavilhão Húngaro estuda como a arquitetura pode construir a partir de seu passado para fomentar a resiliência, sustentabilidade e fortes identidades culturais.

Courtesy of Hungarian Pavilion. Image © Dániel DömölkyCourtesy of Hungarian Pavilion. Image © Dániel DömölkyCourtesy of Hungarian Pavilion. Image © Dániel DömölkyCourtesy of Hungarian Pavilion. Image © Dániel Dömölky+ 25

Pavilhão de Singapura na Bienal de Veneza explora a arquitetura das relações humanas em tempos de Covid-19

Intitulado “To Gather: the Architecture of Relationships”, o pavilhão de Cingapura para a 17ª Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, explora as diferentes maneiras como os cingapurianos se apropriam dos espaços públicos em sua pequena cidade-estado. Com curadoria da Universidade Nacional de Cingapura (NUS), o pavilhão será aberto visitação no próximo dia 22 de maio, dia em que se inaugura a 17ª Bienal d Arquitetura de Veneza.

© Open Narrative© Patrick Bingham-Hall© Red Bean Architects© Open Narrative+ 16

Pavilhão da Rússia na Bienal de Veneza explora ambientes digitais e o futuro das instituições culturais

O Pavilhão da Federação Russa para a Bienal de Veneza de 2021 explora o papel das instituições culturais através dos espaços físicos e digitais. Intitulado Open, o programa investiga o tema em múltiplas frentes, desde a renovação de sua arquitetura física até a pesquisa sobre o papel social dos ambientes virtuais e um conjunto de perspectivas sobre as novas formas de pensar no âmbito institucional. A contribuição se baseia no projeto Open?, que teve início em maio de 2020 e seguiu durante todo o ano como uma plataforma virtual para criativos e pensadores.

Reforma pavilhão. Imagem © Marco CappellettiUma espiada na instalação gamer. Imagem © 2050.plusGamer station videogame - Sanatorium «Anthropocene Retreat» . Image © Mikhail MaximovProgramação filmes - AIDOL . Imagem © Lawrence Lek+ 16

Pavilhão da China na Bienal de Veneza revisita os tradicionais pátios residenciais

Nomeado "Yuan-er, a Courtyard-ology: From the Mega to the Micro", o Pavilhão Chinês na 17ª Bienal Internacioal de Arquitetura de Veneza irá responder às questões de como arquitetura pode contribuir para igualdade, conectividade e unidade, ao resgatar as tipologias tradicionais familiares chinesas. Com curadoria de Zhang Li, o pavilhão irá estar exposto de 22 de Maio de 2021 à 21 de Novembro do mesmo ano.

Cortesia de TeamMinusCortesia de TeamMinusCortesia de TeamMinusCortesia de The Palace Museum+ 5

Pavilhão da Finlândia na Bienal de Veneza apresenta a história das casas pré-fabricadas de madeira

Para a 17ª Mostra Internacional de Arquitetura La Biennale di Venezia, o Pavilhão da Finlândia revisita um momento da história local em que uma crise de refugiados levou a novas formas de construção e reconfiguração do espaço doméstico, que acabou influenciando diferentes lugares do mundo. Intitulada New Standards, a exposição com curadoria de Laura Berger, Philip Tidwell e Kristo Vesikansa apresenta a história de Puutalo Oy, uma empresa especializada em edificações pré-fabricadas de madeira que estabeleceu novos padrões para o design residencial no século XX e criou a exportação arquitetônica mais difundida da Finlândia.

Montagem de uma casa Puutalo. Imagem © ELKA ArchiveFolheto Puutalo 1940. Imagem © ELKA ArchiveCasa Puutalo em Helsinque. Imagem © Juuso WesterlundCasas Puutalo em Nekala Finlândia em 1940s. Imagem © ELKA Archive+ 6

Pavilhão dos EUA na Bienal de Veneza explora a construção em madeira na arquitetura americana

Intitulado "American Framing", o pavilhão dos Estados Unidos na 17ª Exposição Internacional de Arquitetura - La Biennale di Venezia, explorará a onipresença e o poder criativo da estrutura de madeira na arquitetura americana, um elemento construtivo esquecido. Com curadoria de Paul Andersen e Paul Preissner, a exposição estará em exibição no Giardini della Biennale de 22 de maio a 21 de novembro de 2021.

San Francisco refúgio de terremoto, 1906. Imagem Cortesia de San Francisco History CenterWar housing in Erie, Pennsylvania, 1941. Photo by Al Palmer.. Image via Library of CongressChicago Lumberyard, 1870. Fotógrafo desconhecido. Imagem Cortesia de Chicago History MuseumConstrução Noturna, Reno, 1977. Imagem © Lewis Batlz+ 10

Pavilhão suíço na Bienal de Veneza explora as diversas dimensões de um país de muitas fronteiras

Intitulado “Oræ — Experiences on the Border”, (oræ, que em latim que significa “fronteiras”) o pavilhão suíço para a 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza explora as diversas dimensões de um país de muitas fronteiras, investigando desde questões territoriais a assuntos políticos. Concebido por uma equipe multidisciplinar de arquitetos e artistas da cidade de Genebra, entre eles Mounir Ayoub e Vanessa Lacaille do escritório Laboratoire d'Architecture, o cineasta Fabrice Aragno e o escultor Pierre Szczepanski, o pavilhão apresenta uma série de projetos participativos desenvolvidos ao longo das fronteiras da Suíça, os quais evidenciam a diversidade do território helvético, de seus habitantes, da sua arquitetura e muito mais.

Blackboard — Blackboard in the Geneva’s studio. Image © Swiss Pavilion's team of the Venice Architecture Biennale Mobile forum — Mobile forum in Pratteln, 2021. Image © Swiss Pavilion's team of the Venice Architecture Biennale Chiasso — Work with inhabitants in the mobile forum in Chiasso, 2021. Image © Swiss Pavilion's team of the Venice Architecture Biennale© Swiss Pavilion's team of the Venice Architecture Biennale+ 9

"Utopias da vida comum" é o tema do pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza 2021

Utopias da vida comum é o título da participação brasileira na 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza. Com curadoria do escritório mineiro Arquitetos Associados, em conjunto com o designer visual Henrique Penha, a mostra que ocupa o pavilhão do Brasil no Giardini busca mapear a presença das utopias em solo brasileiro, da cosmovisão Guarani da Terra sem Males até a contemporaneidade, destacando alguns momentos singulares na história.

A exposição, concebida antes da pandemia de Covid-19, ganha novos significados com o atual contexto de distanciamento físico entre as pessoas, especialmente se pensada a partir do tema central da Bienal, proposto pelo curador geral Hashim Sarkis: How will we live together? [Como viveremos juntos?] 

Pavilhão polonês na Bienal de Veneza especula sobre o futuro das áreas rurais

Intitulado “Trouble in Paradise”, o pavilhão polonês para a 17ª Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, volta sua atenção para o campo, nos convidando a refletir sobre a importância das áreas rurais para o futuro sustentável do planeta e as possíveis soluções que elas nos oferecem para enfrentarmos as principais crises e desafios do presente. Com curadoria do jovem escritório de arquitetura polonês, o PROLOG, em parceira com uma vasta equipe internacional de arquitetos e artistas, o pavilhão polonês será inaugurado nos Jardins da Bienal no próximo dia 22 de maio e estará aberto ao público até o dia 21 de novembro, além é claro, de disponibilizar todo o seu conteúdo on-line para aqueles que não puderem estar presentes na 17ª edição da Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza.

© Wiktoria Wojciechowska© Patrycja Wojtas© Patrycja Wojtas© Michał Sierakowski+ 13

Pavilhão da Estônia na Bienal de Veneza de 2021 explora a importância dos espaços públicos para o futuro das cidades

O Pavilhão da Estônia para a próxima edição da Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza acaba de ser apresentado. Com projeto curatorial desenvolvido pelos arquitetos estonianos Jiří Tintěra, Garri Raagmaa, Kalle Vellevoog, Martin Pedanik e Paulina Pähn, o pavilhão foi batizado de “Square! Positively Shrinking” e será instalado no complexo do antigo Arsenal da marinha veneziana. Segundo a equipe de curadores, o Pavilhão da Estônia deste ano irá “explorar o papel dos espaços públicos no desenvolvimento futuro de cidades que atualmente estão passando por um processo de despovoamento [...] desencadeando um amplo debate sobre um efeito pouco explorado dos projetos de reurbanização de pequenas cidades ao redor do mundo”.

Põlva central square ©Tõnu Tunnel. Image Courtesy of The Estonian Centre for ArchitectureKuressaare central square ©Tiit Veermäe. Image Courtesy of The Estonian Centre for ArchitectureRapla central square ©Siim Solman. Image Courtesy of The Estonian Centre for ArchitectureRakvere central square ©Tõnu Tunnel. Image Courtesy of The Estonian Centre for Architecture+ 21

Pavilhão da Áustria na Bienal de Veneza 2021 explora relação entre plataformas digitais e o ambiente construído

Para a 17ª Bienal Internacional de Veneza, que acontecerá em maio deste ano, a Áustria está criando uma plataforma digital para debater como enxergamos a arquitetura do futuro. Sua participação, intitulada Platform Austria, com curadoria de Peter Mörtenböck e Helge Mooshammer, busca articular as profundas mudanças estabelecidas pelo desenvolvimento de plataformas digitais no nosso ambiente construído.

Cortesia do Centre for Global ArchitectureCortesia do Centre for Global ArchitectureCortesia do Centre for Global ArchitectureCortesia do Centre for Global Architecture+ 8

Pavilhão Britânico na Bienal de Veneza 2021 explora como tornar o espaço público mais inclusivo

Com curadoria de Manijeh Verghese e Madeleine Kessler, co-fundadoras do escritório Unscene Architecture, a exposição do Pavilhão Britânico intitulada The Garden of Privatized Delights, na 17ª International Architecture Exhibition - La Biennale di Venezia, estará aberta ao público de 22 de maio a 21 de novembro de 2021. Encomendada pelo British Council, a exposição “reimagina como tornar o espaço público mais inclusivo, contrariando o rápido crescimento dos espaços de propriedade privada, com uma visão alternativa inspiradora que estimula ambos os setores a trabalhar em conjunto para criar espaços mais bem concebidos para todos”.

Lina Bo Bardi recebe o Leão de Ouro Especial da Bienal de Veneza pelo conjunto de sua obra

Lina Bo Bardi, uma das mais importantes arquitetas da história brasileira, foi reconhecida postumamente pela Bienal de Veneza com o Leão de Ouro Especial pelo conjunto de suas conquistas.

Sesc Pompéia / Lina Bo Bardi. Image © Pedro KokMASP / Lina Bo Bardi. Image © Flagrante / Romullo FontenelleTeatro Oficina / Lina Bo Bardi + Edson Elito. Image © Nelson KonRestaurante Coati / Lina Bo Bardi + Lelé. Image © Manuel Sá+ 6