Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Yiling Shen

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Arquitetura pós-desastre: 10 exemplos inspiradores

Após um desastre natural ou um conflito, a arquitetura desempenha um papel fundamental não apenas na reconstrução da infraestrutura perdida, mas também na necessidade de conforto e segurança para os afetados. Uma arquitetura pós-desastre bem-sucedida deve atender tanto à necessidade de abrigo imediato a curto prazo quanto às necessidades de reconstrução e estabilidade a longo prazo. Oito anos após o terremoto de 2010 no Haiti, os desalojados continuam residindo em abrigos temporários sem acesso adequado a encanamentos e eletricidade, revelando a importância crítica de atender às necessidades de longo prazo após desastres e conflitos.

Abaixo, você verá 10 exemplos de arquiteturas pós-desastre, desde propostas de baixo custo em um curto prazo, até aquelas que reconstroem comunidades inteiras do zero:

Pop-Up Places of Worship. Imagem Cortesia de Lucas Boyd and Chad Greenlee Vila Verde. Imagem © Suyin Chia Soma City Home-For-All. Imagem © Koichi Torimura Catedral Cardboard. Imagem © Bridgit Anderson + 10

Geometrias oníricas de Copenhague, explorações de Andres Gallardo

© Andres Gallardo
© Andres Gallardo

A série fotográfica Urban Geometry de Andres Gallardo registra formas, cores e texturas únicas da arquitetura moderna de várias cidades. O projeto pessoal vem sendo desenvolvido ao longo de muitos anos, acompanhando sua jornada enquanto fotógrafo de arquitetura, e já conta com registros de Pequim, Helsinque, Seul e Copenhague.

A seguir, algumas fotos de Copenhague - um poema visual que nos permite ver a cidade de um ângulo pouco explorado. Através de linhas fluidas e explosões de cores brilhantes, Gallardo exibe uma versão quase onírica da cidade, onde as formas irregulares e curvas suaves da arquitetura moderna substituem a presença humana.

© Andres Gallardo © Andres Gallardo © Andres Gallardo © Andres Gallardo + 14

Centro de Visitantes da Barilla se mescla à paisagem campestre de Pedrignano na Itália

O Studio VAARO, em colaboração com Gabriel Fain Architects, projetou um Centro de Visitantes para Barilla, em Pedrignano, Itália. A obra responde ao seu contexto industrial e agrícola com um gesto icônico. Com espaço para eventos, um café, restaurante e loja, os diversos programas estão unidos sob uma cobertura arrebatadora. O telhado se funde com os campos de trigo ao redor, criando a impressão de uma colina natural que emerge da terra quando um se aproxima do sul. Da estrada, a terra escavada das fundações foi compactada para criar uma fachada de terra batida, sua estratificação mineral evoca o arcaico e o natural.

Render por Nephew. Imagem Cortesia de Studio VAARO Render por Aron Lorincz. Imagem Cortesia de Studio VAARO Barilla Infantil - para crianças e suas famílias Corte da entrada principal + 12

9 arquitetos que projetaram a própria casa

Cien House / Pezo von Ellrichshausen. Image © Cristobal Palma
Cien House / Pezo von Ellrichshausen. Image © Cristobal Palma

Os arquitetos geralmente são influenciados pelas vontades de seus clientes, sacrificando e comprometendo com relutância as opções de projeto para atender às suas necessidades. Mas o que acontece quando os arquitetos se tornam seus próprios clientes? Quando arquitetos projetam para si mesmos, eles têm o potencial de testar suas ideias livremente, explorar sem restrições criativas e criar espaços que definem totalmente quem são, como projetam e o que representam. Desde icônicas casas de arquitetos como a Residência Gehry em Santa Monica até casas particulares que funcionam como um museu de entrada pública, aqui estão 9 fascinantes exemplos de como os arquitetos projetam quando eles só têm a si mesmo para responder.

Cien House / Pezo von Ellrichshausen. Image © Cristobal Palma Melnikov House. Image © Denis Esakov Gehry Residence. Image via netropolitan.org Lyon Housemuseum / Lyons. Image © Dianna Snape + 20

Instalação transforma ruínas gregas em uma paisagem de pixels e cores

A pedido da Comissão de Projeto de Arte Contemporânea Paxos, o estúdio de design alemão Quintessenz transformou ruínas gregas em uma paisagem de cores e pixels. A instalação leva o nome de Kagkatikas Secret e consiste em 120 painéis de malha em cores diferentes, cada um de um tamanho, criando a ilusão de profundidade. Os painéis se movem suavemente ao vento, criando uma experiência surreal onde os "pixels" distorcidos do mundo digital aparentemente se infiltram na arquitetura que resiste ali há seculos.

Cortesia de Quintessenz Cortesia de Quintessenz Cortesia de Quintessenz Cortesia de Quintessenz + 9

Arquiteturas para sem-teto: quais abordagens temos visto?

Na última pesquisa global realizada pelas Nações Unidas em 2005, havia cerca de 100 milhões de pessoas que estavam desabrigadas em todo o mundo e 1,6 bilhões que viviam em moradias inadequadas. Este número aumentou nos últimos anos; moradia inacessível tornou-se uma regra global, tornando cada vez mais difícil para os desfavorecidos procurarem abrigos permanentes, ou mesmo temporários.

À medida que a moradia se torna um meio de acumular riqueza em vez de cumprir sua meta fundamental de abrigo, arquitetos bem-intencionados tentam resolver a crise dos sem-teto por meio de ideias criativas e projetos inovadores. Mas a arquitetura é realmente a solução?

Superspace propõe a Praça da Vitória de Praga como um centro social

O estúdio Superspace, de Istambul, propôs um projeto para a Praça da Vitória em Praga que transforma a região subutilizada no meio de da capital tcheca em um espaço vibrante com rica vegetação e atividades sociais. A solução simples, mas eficaz, inverte o tráfego e o acesso de pedestres para criar um centro urbano verde, onde mercados, festivais de arte e até patinação no gelo no inverno podem acontecer. Árvores nativas seriam plantadas ao redor do anel interno, criando um impacto visual e, simultaneamente, protegendo o espaço dos ruídos do trânsito do entorno.

Courtesy of Superspace Courtesy of Superspace Courtesy of Superspace Courtesy of Superspace + 6

Paradigma Ariadné projeta uma "casa com 100 cômodos" que se estende ao infinito

Renderizações por Whitebox Visual. Cortesia de Paradigma Ariadné
Renderizações por Whitebox Visual. Cortesia de Paradigma Ariadné

O escritório húngaro Paradigma Ariadné levam as ideias de progressão e crescimento a um extremo literal em sua proposta de um novo complexo esportivo para a Academia de Futebol MTK. Inspirando-se no diagrama das tradicionais casas camponesas europeias, o projeto se estende em uma espécie de infinito visual, alinhando todos os cômodos do edifício ao longo de um único eixo horizontal.

Cortesia de Paradigma Ariadné Cortesia de Paradigma Ariadné Renderizações por Whitebox Visual. Cortesia de Paradigma Ariadné Renderizações por Whitebox Visual. Cortesia de Paradigma Ariadné + 11

Como as futuras gerações responderão à arquitetura dos memoriais modernos?

O Memorial aos Judeus Assassinados da Europa / Peter Eisenman. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/dalbera/9617851018/'>Flickr user Jean-Pierre Dalbéra</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
O Memorial aos Judeus Assassinados da Europa / Peter Eisenman. Image © Flickr user Jean-Pierre Dalbéra licensed under CC BY 2.0

Cemitérios cheios de nomes que há tempos foram esquecidos, placas gravadas com retratos que você ignora em sua corrida matinal, monumentos com frisos que retratam os triunfos da guerra - todos esses são exemplos de arquiteturas memoriais, que já tiveram intenso significado emocional para certos indivíduos ou grupos de pessoas, mas agora gradualmente tornam-se atrações turísticas ou locais anacrônicos dentro de uma paisagem alterada.

Desde os horrores da Segunda Guerra Mundial, a arquitetura dos memoriais tem mudado drasticamente, desde monumentos focados em nomes, heróis e patriotismo até símbolos abstratos de luto e perda. Como essa mudança no projeto dos memoriais mudará a maneira como os experimentamos no presente e, mais importante, no futuro? Quando as gerações morrem e o evento memorizado torna-se quase esquecido, como vamos experienciar e lembrar?

Pavilhão Woven Steel: primeira estrutura do mundo a ser construída com realidade aumentada

A Fologram construiu recentemente a primeira estrutura de aço em média escala do mundo usando o HoloLens, mostrando as possibilidades de integrar o fluxo de trabalho em CAD à realidade aumentada. Ao exibir o modelo de design generativo através de instruções holográficas, em vez de desenhos 2D tradicionais, o projeto mostra possibilidades de revolucionar a ponte entre o desenho e a construção.

Cortesia de Fologram Cortesia de Fologram Cortesia de Fologram Cortesia de Fologram + 11

Bee Breeders anuncia os vencedores do concurso Nemrut Volcano Eyes

Bee Breeders anunciou os vencedores do concurso Nemrut Volcano Eyes Competition, onde os participantes receberam a tarefa de projetar uma plataforma de observação para visitantes no topo de Nemrut, um vulcão adormecido no leste da Turquia. Com o ambiente natural único, incluindo uma caldeira e um par de lagos, a plataforma de observação destina-se a fornecer vistas desobstruídas da extraordinária paisagem. O júri encorajou submissões que fossem eficazes em termos de custos, ambientalmente responsáveis e eficientes em termos energéticos.

Abaixo estão os vencedores do concurso:

Primeiro lugar. Cortesia de Bee Breeders Terceiro lugar. Cortesia de Bee Breeders Segundo lugar. Cortesia de Bee Breeders Prêmio de Sustentabilidade. Cortesia de Bee Breeders + 37

Eva Franch i Gilabert fala sobre o sentido da arquitetura

Arquitetura não é apenas grandes nomes e grandes edifícios, mas é todos os tipos de práticas sociais. 

No mais recente vídeo da série "Design Futures" do NOWNESS, Eva Franch i Gilabert caminha pelas ruas de Nova Iorque enquanto discute o papel da arquitetura e seu potencial para o futuro. Franch i Gilabert é uma arquiteta, educadora e curadora catalã que recentemente assumiu o cargo de diretora da Architectural Association de Londres, sendo a primeira mulher e também a pessoa mais jovem a ocupar o posto.

Courtesy of Nowness Courtesy of Nowness Courtesy of Nowness Courtesy of Nowness + 6

Centro de Estudos sobre o Holocausto em Oslo reapropria antiga edificação nazista

Transborder anunciou sua data de conclusão estimada de 2020 para a extensão do Centro de Estudos do Holocausto e Minorias Religiosas em Oslo. O edifício, Villa Grande, já foi a residência do líder do Partido Nazista norueguês durante os anos da invasão. A nova extensão tenta ter uma “atitude consciente em relação às camadas históricas do edifício”, reconhecendo e reconstruindo criticamente a ideologia de ódio sobre a qual foi construída.

Piscina reflexiva. Cortesia de Transborder Studio Jardim cobertura. Cortesia de Transborder Studio Cortesia de Transborder Studio Corte. Cortesia de Transborder Studio + 12

Neri Oxman e MIT desenvolvem biocompósitos programáveis para fabricação digital

Cortesia de MIT Media Lab
Cortesia de MIT Media Lab

Neri Oxman e MIT desenvolveram biocompósitos programáveis à base de água para projeto e fabricação digital. Chamado de Aguahoja, o projeto exibiu um pavilhão e uma série de artefatos construídos a partir de componentes moleculares encontrados em galhos de árvores, exoesqueletos de insetos e nossos próprios ossos. Utiliza ecossistemas naturais como inspiração para um processo de produção de material que não produz desperdício. “Derivado de matéria orgânica, impresso por um robô e moldado pela água, este trabalho aponta para um futuro em que o natural e o feito pelo homem se unem”.

Cortesia de MIT Media Lab Cortesia de MIT Media Lab Cortesia de MIT Media Lab Cortesia de MIT Media Lab + 15

Concreto polido: como é feito e o que considerar ao usá-lo em seus projetos

LIEVITO - Gourmet Pizza and Bar / MDDM STUDIO. Image © Jonathan Leijonhufvud
LIEVITO - Gourmet Pizza and Bar / MDDM STUDIO. Image © Jonathan Leijonhufvud

O concreto polido é um material versátil com uma aparência facilmente personalizável, usando agregados, quartzo e cores para criar uma sensação de sofisticação industrial em residências e edifícios comerciais. Sua superfície reflexiva cria uma qualidade evocativa sob a luz, que pode ser adequado para uma variedade de programas.

Embora ainda utilizado principalmente como material para pisos internos, há anos os arquitetos vêm forçando os limites do concreto polido usando-o em paredes, pisos de pátios e até grandes painéis externos, como, por exemplo, na extensão de David Chipperfield para o Museu de Arte de Saint Louis.

Brick House / Clare Cousins Architects. Image © Shannon McGrath Urban Man Cave / Inhouse Brand Architects. Image © Riaan West The Apple Store / pH+. Image © Tim Soar Kristalia New Headquarters / Sandro Burigana. Image © Paolo Contratti - Contratticompany Srl + 16

Como a arte pode se apropriar da arquitetura para extrapolar o espaço da galeria

No mais recente vídeo da série Time-Space-Existence, o PLANE — SITE apresenta o aclamado artista conceitual Lawrence Weiner e suas ideias sobre a relação entre pessoas e objetos, linguagem como gesto, e como tornar a arte acessível ao público. Lawrence Weiner é conhecido por sua arte tipográfica aplicada a elementos do ambiente construído e descreve como a própria arquitetura pode se tornar um espaço alternativo para a arte contemporânea.

Rose F. Kennedy Greenway Mural, Boston 2015. Imagem © Geoff Hargadon Rocca Albornoziana, Spoleto, Itália1996. Imagem © Aurelio Amendola Galeria Alfonso Artiaco, Nápoles, 2016. Imagem © Luciano Romano Milwaukee Art Museum, 2017. Imagem © John Magnoski + 8

A arquitetura religiosa ainda é relevante nos dias de hoje?

Algumas das mais importantes obras de arquitetura ao longo da história da humanidade se devem à religiosidade e espiritualidade do ser humano. Ao longo das últimas décadas, um crescente número de pessoas têm se importado cada vez menos com as práticas religiosas no sentido mais tradicional, isso não significa que a maioria delas seja completamente cética, mas o fato é que muitos destes monumentos arquitetônicos têm lentamente começado a perder parte de seu significado. Aquilo que Louis Kahn chamou de “imensurável” e Le Corbusier se referia como “inefável” estaria deixando de ser relevante para as pessoas?

A proposta do Vaticano para a Bienal de Veneza de 2018 - primeira participação do país no mais importante evento de arquitetura do mundo - é apresentada como “uma espécie de peregrinação não apenas religiosa, mas também cética”. Com isso, está cada vez mais evidente que o papel dos espaços “religiosos” está se transformando pouco à pouco, de espaços iconográficos para ambientes mais ambíguos que procuram refletir a "espiritualidade" de uma maneira mais ampla.

E o que isso significa? Ainda há espaço para a espiritualidade na arquitetura? É possível criar espaços religiosos abertos para pessoas de diferentes crenças e até mesmo para aquelas mais céticas? E o que faz com que um espaço seja dotado de "espiritualidade"?

Projetos "open source" podem aproximar-nos do sonho da habitação acessível universal?

Renderização. Cortesia de SPACE10
Renderização. Cortesia de SPACE10

O sonho da habitação universal acessível tem sido uma ideia experimentada e testada por arquitetos ao longo da história. Da excêntrica Dymaxion House, de Buckminster Fuller, uma imaginação de como viveríamos no futuro, às casas que poderiam ser montadas como móveis da IKEA, muitas propostas têm enfrentado o desafio de criar habitações acessíveis ou moradias que pudessem ser replicadas, não importa o tempo e o lugar. No entanto, embora o uso de técnicas como construção pré-fabricada e materiais baratos parecesse, em teoria, capaz de resolver problemas imediatos de falta de moradia e a crise global da habitação, repetidamente essas propostas simplesmente não decolaram. Mas por que?

O laboratório de pesquisa da IKEA, SPACE10, está tentando encontrar uma resposta para essa pergunta através da colaboração de código aberto (open source). Ao lançar o projeto de uma micro-casa que usava apenas um material e uma máquina para criá-la acompanhada por um site que cataloga o processo e convida ao feedback, estão convidando arquitetos, designers e aspirantes a trabalharem juntos na criação de uma solução que poderia melhorar a vida de milhões de pessoas. “A visão”, dizem, “é que, ao alavancar a criatividade e o conhecimento coletivo do mundo, podemos disponibilizar casas modulares, sustentáveis e de baixo custo para qualquer pessoa e, como resultado, democratizar as casas de amanhã”.