1. ArchDaily
  2. Sou Fujimoto Architects

Sou Fujimoto Architects: O mais recente de arquitetura e notícia

Série de fotos mostra a construção da Casa da Música Húngara projetada por Sou Fujimoto

Projetada por Sou Fujimoto, a Casa da Música Húngara está em construção no terreno onde antes ficavam os edifícios de escritórios da Hungexpo, em Budapeste. Com inauguração prevista para 2021, a estrutura do edifício está completa e o icônico telhado está tomando forma, assim como as monumentais empenas de vidro.

Cortesia de House of Hungarian MusicCortesia de House of Hungarian MusicCortesia de House of Hungarian MusicCortesia de House of Hungarian Music+ 10

Sou Fujimoto projeta edifício de co-living em Nova Iorque

The Collective, uma rede global de co-living, ou habitações coletivas, que oferece espaços privados com instalações de uso comum, anunciou sua recente parceria com Sou Fujimoto. O projeto será construído em Nova Iorque, no bairro do Brooklyn, e começará a receber seus primeiros inquilinos em 2022.

Analisando o "Manual of Section": o desenho arquitetônico mais intrigante

Para Paul Lewis, Marc Tsurumaki e David J. Lewis, o corte "é muitas vezes entendido como um tipo simplificado de desenho, produzido no final do processo de concepção para descrever condições estruturais e materiais para a etapa da construção."

Esta é uma definição muito familiar para a maioria das pessoas que estudam ou trabalham com a arquitetura. Muitas vezes pensamos primeiramente na planta baixa, pois nos permite abraçar as expectativas programáticas de um projeto e fornecer um resumo das várias funções necessárias. Na idade moderna, programas de software de modelagem digital oferecem cada vez mais possibilidades quando se trata de criar objetos tridimensionais complexos, tornando o corte uma reflexão ainda mais tardia.

Com o seu Manual of Section (Manual do Corte) lançado em 2016, os três sócios fundadores do LTL architects apresentam o corte como uma ferramenta essencial no projeto arquitetônico, e vamos admitir isso, essa leitura pode fazer você mudar de ideia sobre o tema. Para os co-autores, "pensar e projetar o corte requer a construção de um discurso sobre ele, reconhecendo-o como um local de intervenção." Talvez, na verdade, precisamos entender as capacidades dos desenhos em corte tanto para usá-los de forma mais eficiente, quanto para desfrutar ao fazê-los.

Bagsværd Church by Jørn Utzon (1976). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL ArchitectsNotre Dame du Haut by Le Corbusier (1954). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL ArchitectsUnited States Pavilion at Expo '67 by Buckminster Fuller and Shoji Sadao (1967). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL ArchitectsThe Solomon R. Guggenheim Museum by Frank Lloyd Wright (1959). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL Architects+ 15

Sou Fujimoto: "O futuro é uma matriz que se espalha e não uma linha reta"

Essa entrevista foi publicada originalmente em Metropolis Magazine como "Inside the Mind of Sou Fujimoto."

O Pavilhão Serpentine de 2013, a famosa obra-prima do arquiteto Sou Fujimoto, nascido em Hokkaido, diz muito sobre quem ele é e o que ele pensa sobre arquitetura. Mas, mais que isso, são as mais de 100 maquetes de estudos, às vezes meticulosamente refinados, outras rudemente executadas, que pontilham o espaço de galeria minimalista da Japan House Los Angeles. Essa exposição retrospectiva, Futures of the Future, reflete nitidamente a carreira de Fujimoto, que começou no ano 2000, quando ele abriu seu próprio escritório baseado em Tóquio e Paris.

© MIR© Varosliget Zrt© Laurian Ghinitiou© Hufton + Crow+ 10

Sou Fujimoto, Nicolas Laisné e Dimitri Roussel projetam "Village Vertical" de uso misto em Paris

© Sou Fujimoto, Nicolas Laisné and Dimitri Roussel
© Sou Fujimoto, Nicolas Laisné and Dimitri Roussel

Sou Fujimoto, Nicolas Laisné e Dimitri Roussel construirão um novo empreendimento na cidade de Rosny-sous-Bois. Seu projeto, Village Vertical foi escolhido como ganhador do concurso "Inventons la Métropole du Grand Paris". A equipe inclui paisagistas e planejadores urbanos do Atelier Georges e urbanistas da La Compagnie de Phalsbourg e REI Habitat.

© Sou Fujimoto, Nicolas Laisné and Dimitri Roussel© Sou Fujimoto, Nicolas Laisné and Dimitri Roussel© Sou Fujimoto, Nicolas Laisné and Dimitri Roussel© Sou Fujimoto, Nicolas Laisné and Dimitri Roussel+ 11

Como Sou Fujimoto promove o espírito de comunidade ao unir elementos aparentemente opostos

Este artigo foi originalmente publicado pela Redshift como "Architect Sou Fujimoto Has Radical Ideas for Familiar Communal Spaces."

A destruição de Ishinomaki pelo Grande Terremoto e Tsunami no Leste do Japão em 2011 danificou o centro cívico e o centro cultural da cidade de forma irreparável. Para reconstruí-los, a cidade de Ishinomaki queria criar um marco combinando esses dois equipamentos em um novo complexo — que seria como uma cidade em si, servindo a comunidade.

Em 2016, as propostas de projeto foram selecionadas em um processo que incluía apresentações públicas, com participação de muitos moradores locais. No final, Sou Fujimoto, um líder entre a próxima geração de arquitetos do Japão, foi selecionado por seu projeto inovador.

Proposta de edifício com terraços de Sou Fujimoto Architects vence concurso na Suíça

Sou Fujimoto Architects foi selecionado como vencedor de um concurso para projetar o novo HSG Learning Center na Universidade de St. Gallen na Suíça.

Escolhido de uma lista restrita de 8 equipes, a proposta de Sou Fujimoto Architects "Open Grid - Choices of Tomorrow" recebeu as melhores notas nos seguintes critérios: arquitetura e planejamento urbano, inovação em execução de conceitos, funcionalidade, sustentabilidade e eficiência econômica. De acordo com o júri da competição, o projeto foi notável por seu "conceito didático altamente desenvolvido, compatibilidade com o distrito, ambição arquitetônica e acessibilidade".

As melhores peças de mobiliário projetadas por arquitetos na exposição Design Miami/ Basel 2017

Com o encerramento da exposição Design Miami / Basel 2017, o ArchDaily compilou uma lista das melhores peças de mobiliário projetadas por arquiteto em exibição no evento. Este ano, entre as peças estão obras de MAD Architects, Christ & Gantenbien, Trix e Robert Haussman, John Lautner, Jonathen Muecke, Jean Prouvé e Sou Fujimoto.

Sou Fujimoto cria um "bosque de luz" para a COS no Salone del Mobile 2016

O fotografo Laurian Ghinitoiu registrou a parceria entre a loja de moda suíça COS e o arquiteto japonês Sou Fujimoto para o Salone del Mobile deste ano em Milão.

"Nesta instalação para a COS, considero fazer um bosque de luzes", afirmou Fujimoto. "Um bosque que consista em incontáveis cones de luzes vindos de pontos luminosos de cima. Essas luzes pulsam e se submetem constantemente à transitoriedade da situação e do fluxo. As pessoas se moverão por este bosque, como se fossem atraídas pelo encanto da luz. Luz e pessoas interagem entre si, com sua própria existência definindo a transição da outra".

COS × SOU FUJIMOTO. Imagem © Laurian GhinitoiuCOS × SOU FUJIMOTO. Imagem © Laurian GhinitoiuCOS × SOU FUJIMOTO. Imagem © Laurian GhinitoiuCOS × SOU FUJIMOTO. Imagem © Laurian Ghinitoiu+ 31

Sou Fujimoto e Laisné Roussel propõem torre de madeira em Bordeaux

Atendendo a um convite feito pela cidade de Bordeaux em dezembro de 2015, Sou Fujimoto Architects e Laisné Roussel divulgaram sua proposta para “Canopia”: um complexo multifuncional que conta com uma torre residencial de madeira de 50 metros de altura e 199 residências, 3.770 m² de espaços para escritórios e 500 m² área comercial. A torre será uma das edificações de madeira mais altas do mundo.

Vista do apartamento. Imagem © SOU FUJIMOTO ARCHITECTS + LAISNÉ ROUSSEL + RENDERING BY TÀMAS FISHER AND MORPH.Vista da cobertura verde. Imagem © SOU FUJIMOTO ARCHITECTS + LAISNÉ ROUSSEL + RENDERING BY TÀMAS FISHER AND MORPH.Maquete. Imagem © Roberta DonatiniVista do terraço. Imagem © SOU FUJIMOTO ARCHITECTS + LAISNÉ ROUSSEL + RENDERING BY TÀMAS FISHER AND MORPH.+ 21

AD Brasil Entrevista: Sou Fujimoto / Bienal de Arquitetura de Chicago

A exposição "Architecture is Everywhere" de Sou Fujimoto Architects está entre as mostras favoritas dos leitores do ArchDaily Brasil na Bienal de Arquitetura de Chicago. A provocante coleção de objetos mundanos abraça a ideia de que o público - não apenas os arquitetos - deve ser incluído na celebração da arquitetura que acontece na Bienal.

Antes dos frutos da arquitetura florescerem, raramente revelamos as sementes cultivadas na mente dos arquitetos. É difícil capturar estas ideias primordiais, e mais ainda apresentá-las de um modo que apreenda o momento exato em que a arquitetura é "encontrada". 

A enganadora simplicidade de exibir "arquitetura encontrada" na realidade transmite uma lição mais profunda que Fujimoto descreveu em um cartaz que acompanha a mostra: "Arquitetura pode vir a ser de qualquer parte. Acredito que fomentar essa arquitetura-em-potencial na arquitetura real é, por si só, também arquitetura."

Sou Fujimoto serve de inspiração na Fashion Week de Paris

Na Fashion Week de Paris deste ano a maison suíça Akris mostrou sua coleção de primavera/verão 2016: uma montagem de vestes baseada na obra do arquiteto japonês Sou Fujimoto.

O diretor criativo da Akris, Albert Kriemler, foi apresentado a Fujimoto pelo fotógrafo Iwan Baan quando trabalhava na Université Paris-Saclay. Com grande admiração, Kriemler foi então influenciado pela obra do arquiteto: "Tenho admirado a obra de Sou Fujimoto e sua abordagem única em relação à arquitetura há algum tempo [...] Há arquitetos cuja visão é próxima à essência da moda - criar uma relação entre o corpo e o ambiente que ajude os seres humanos a viver confortavelmente."

As peças da coleção foram organizadas em grupos que correspondem a projetos arquitetônicos específicos - vestes perfuradas lembram a House of Hungarian Music:

Vídeo: Casa N, por Sou Fujimoto

O arquiteto e cineasta francês Vincent Hecht revisitou recentemente a Casa N, projetada por Sou Fujimoto, como parte de sua série de vídeos sobre arquitetura japonesa. Localizada em meio a um tradicional bairro Oita, a residência unifamiliar remete a "viver entre as nuvens", segundo descreveu Fujimoto. Uma rica sobreposição de espaços elimina cuidadosamente a noção de limites distintos, permitindo uma sutil mudança no programa que permite a maior consciência de seus espaços intersticiais.

Equipe liderada por Sou Fujimoto é selecionada para projetar o Centro de Aprendizagem da École Polytechnique em Paris

Com uma ideia baseada na "flexibilidade e abertura", Sou Fujimoto Architects, Manal Rachdi OXO Architects e Nicolas Laisné Associates foram selecionados como vencedores de um concurso para projetar o novo centro de aprendizagem da École Polytechnique na Université Paris-Saclay. A proposta vencedora, escolhida entre quatro finalistas, reunirá seis instituições no mesmo edifício: a École Polytechnique, o Institut Mines-Telecom, a AgroParisTech, o ENSTA ParisTech, o ENSAE ParisTech e o Institut d'Optique (IOGS).

Cortesia de Sou Fujimoto Architects, Manal Rachdi OXO Architects e Nicolas Laisné AssociatesCortesia de Sou Fujimoto Architects, Manal Rachdi OXO Architects e Nicolas Laisné AssociatesCortesia de Sou Fujimoto Architects, Manal Rachdi OXO Architects e Nicolas Laisné AssociatesCortesia de Sou Fujimoto Architects, Manal Rachdi OXO Architects e Nicolas Laisné Associates+ 16

Vídeo: Pavilhão Naoshima, de Sou Fujimoto, é inaugurado no Japão

O arquiteto e filmmaker francês Vincent Hecht registrou a abertura do Pavilhão Naoshima de Sou Fujimoto, localizado na costa de Kagawa, Japão. A estrutura de sete metros, feita de aço inoxidável branco, é parte da Trienal de Setouchi de 2016. Assista ao vídeo acima para ver mais detalhes do projeto.

Temendo custos elevados, prefeito rejeita a Taiwan Tower de Sou Fujimoto

O prefeito de Taichung, Lin Chia-lung, paralisou temporariamente o andamento da ambiciosa Taiwan Tower de Sou Fujimoto, dizendo que prefere pagar uma multa por quebrar o contrato do que gastar os estimados 15 bilhões de dólares taiwaneses (aproximadamente 450 milhões de dólares americanos) para realizar o "problemático" projeto.

A torre inspirada em uma figueira tinha a pretensão de se tornar a "versão taiwanesa da Torre Eiffel", bem como um modelo de arquitetura sustentável ao receber o certificado LEED Gold por suas capacidades de gerar energia. Sua superestrutura de aço - que pretende erguer às alturas uma fatia triangular de 300 metros de comprimento do Taichung Gateway Park - não tem propositalmente "nenhuma forma óbvia" e deveria ser percebida enquanto fenômeno.

"L'Arbre Blanc" - a torre multiuso de Sou Fujimoto em Montpellier

As autoridades de Montpellier escolheram o projeto "A Árvore Branca (L'Arbre Blanc) de Sou Fujimoto Architects, Nicolas Laisné Associés e Manal Rachdi Oxo architects como vencedor do concurso "Folie Arquitetônico do século 21". Inspirada na tradicional vida ao ar livre da cidade e nas propriedades eficientes de uma árvore, a torre de uso misto se "alimentará" dos recursos naturais encontrados no local a medida que se ergue à altura de 17 andares e conecta os novos e antigos distritos de Montpellier.