1. ArchDaily
  2. Akihisa Hirata

Akihisa Hirata: O mais recente de arquitetura e notícia

"É como seu eu habitasse os edifícios que estou projetando": entrevista com Toyo Ito

Analisando a obra construída do arquiteto japonês Toyo Ito (n. 1941)— particularmente alguns de seus projetos mais impressionantes como a Mediateca de Sendai (1995-2001), a Serpentine Gallery de Londres (construída em 2002 em colaboração com Cecil Balmond), o Edifício TOD Omotesando (Tóquio, 2004), a Biblioteca da Universidade de Arte de Tama (Tóquio, 2007) e a Taichung Metropolitan Opera House (2009-16)—é possível observar um altíssimo grau de inovação em suas estruturas e nas organizações espaciais não hierárquicas de seus edifícios. Embora todas esses projetos pareçam ser bastante diferentes entre si, há algo que os une—que é o compromisso do arquiteto em romper com os limites entre o interior e o exterior, dissipando barreiras físicas e integrando seus programas através de um espaço contínuo e fluido. Neste sentido, é possível perceber que o arquiteto, vencedor do Prêmio Pritzker de 2013, busca não apenas construir edifícios, mas explorar e desenvolver continuamente um sistema de espaços integrados em sua arquitetura. Dito isso, é de se imaginar que enquanto ele permaneça sentado em sua prancheta, estaremos sempre a descobrir novos desdobramentos de uma obra em constante processo de evolução.

Tod's Omotesando Building_interior. Imagem © Nacasa & PartnersSilver Hut. Imagem Cortesia de Toyo Ito & Associates, ArchitectsSendai Mediatheque. Imagem Cortesia deToyo Ito & Associates, Architects'Minna no Mori' Gifu Media Cosmos. Imagem © Kai Nakamura+ 13

Arquitetos e artistas japoneses celebram Olimpíadas com série de pavilhões em Tóquio

Acompanhando os Jogos Olímpicos em andamento, o Pavilhão Tóquio 2021 convidou arquitetos e artistas japoneses, incluindo Kazuyo Sejima, Sou Fujimoto, Junya Ishigami e Yayoi Kusama, para imaginar nove estruturas temporárias a serem instaladas em diversos locais ao redor do Estádio Nacional, projetado por Kengo Kuma. A iniciativa mostra intervenções experimentais na paisagem urbana que ilustram uma visão lúdica do espaço público. Também participam do projeto Terunobu Fujimori, Akihisa Hirata, Teppei Fujiwara, além dos artistas Makoto Aida e Daito Manabe + Rhizomatiks.

Kokage-gumo de Junya Ishigami. Imagem© Shuji GotoPavilhão da nuvem de Sou Fujimoto. Imagem © Shuji GotoCastelo de Tóquio / Makoto Aida. Imagem © ToLoLo studioTEATRO DO JARDIM DE RUA / Teppei Fujiwara. Imagem © ToLoLo studio+ 17

Casa Sobreposta / Akihisa Hirata

© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano+ 28

Toshima City, Japão
  • Arquitetos: Akihisa Hirata
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  88
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2018

Torre Taipei / Akihisa Hirata

© akihisa hirata architecture office© PUAEN© akihisa hirata architecture office© Dean Cheng+ 24

  • Arquitetos: Akihisa Hirata
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  508
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2017

Arquitetos chilenos e japoneses trabalham em conjunto para a próxima etapa de Ochoalcubo

Recentemente, na inauguração da Semana da Madeira, foram iniciadas as etapas 3 e 4 do projeto Ochoalcubo, com uma conferência entre dois grandes exponentes da arquitetura internacional; o japonês Ryue Nishizawa (SANAA), Pritzker 2010, e o chileno Alejandro Aravena, jurado do Prêmio Pritzker. Alguém poderia se perguntar, além da profissão e do prêmio Pritzker, quais são os aspectos que unem esses dois arquitetos para que estejam envolvidos no mesmo projeto? Para a equipe do Ochoalcubo, a resposta está no "cinturão de fogo". A região terrestre onde têm ocorrido os maiores terremotos do mundo, que assolou o Chile em 2010 e, um ano depois, fez estremecer o Japão. Com esse ponto de convergência e a exitosa participação do arquiteto japonês Toyo Ito na primeira etapa do projeto, oito arquitetos chilenos e oito arquitetos japoneses estão hoje trabalhando no projeto de 16 residências que dialogarão entre si nas montanhas da região central do Chile.

Conheça a história desse laboratório de arquitetura chamado Ochoalcubo e as propostas que mudarão a cara do setor de Los Vilos com desenhos de Kazuyo Sejima, Ryue Nishizawa, Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Alejandro Aravena e Cristián Undurraga, entre outros grandes nomes da arquitetura.

Proposta de HLPS. Imagem Cortesia de HLPSProposta de Sou Fujimoto.  Imagem Cortesia de HLPSProposta de Junya Ishigami.  Imagem Cortesia de HLPSProposta de Cristián Undurraga. Imagem Cortesia de HLPS+ 130

Arquitetos japoneses e chilenos colaboram para projetar as casas do Ochoalcubo

Ochoalcubo é um projeto pioneiro no Chile que busca unir influentes arquitetos e escritórios chilenos e japoneses. A iniciativa colaborativa foi iniciada por Eduardo Godoy, um empresário que começou a trabalhar no Chile nos anos 80 e que sempre apoiou a inovação no design e arquitetura do país. Para um país que conta com mais de quarenta escolas de arquitetura, o número crescente de profissionais parece ter um impacto relativamente pequeno nas cidades chilenas. Cansado das "mesmice" que se constrói nos subúrbios, Godoy implementou o projeto Ochoalcubo visando proporcionar oportunidades para jovens profissionais, além de fomentar um novo tipo de apreciação da própria profissão.

Veja, a seguir, imagens de todas as dezesseis propostas das etapas 3 e 4 do Ochoalcubo, incluindo os projetos do SANAA, Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Alejandro Aravena e Atelier Bow Wow.

Ochoalcubo: Japao + Chile

No Chile, um projeto muito especial está sendo desenvolvido.

Eduardo Godoy, um empresário de design que começou seu negócio no Chile na década de 80, sempre foi um defensor do design e arquitetura no país. No Chile, mais de 40 escolas de arquitetura têm inundado o mercado, mas o número cada vez maior de profissionais tem tido um impacto relativamente pequeno sobre as cidades chilenas. Vendo a quase infinita paisagem de conjuntos habitacionais nos subúrbios, Godoy perguntou-se: Por que não romper este modelo em pequenos pedaços, cada um projetado por um arquiteto em particular, proporcionar uma oportunidade para cada jovem profissional? Com isto em mente, e a intenção de promover a valorização dos arquitetos, Eduardo e sua equipe em Interdesign começou um projeto chamado "Ochoalcubo" . Sua ideia original era fazer oito projetos, com 8 edifícios projetados por oito arquitetos diferentes, onde a singularidade de cada peça é fundamental, a fim de demonstrar como a individualidade do arquiteto pode resultar em uma boa arquitetura.

Design Week de Milão 2013: Akihisa Hirata Projeta 'Amazing Flow' para Lexus

Sob a orientação de Toyo Ito, o arquiteto japonês Akihisa Hirata projetou uma instalação futurista, com base na experimentação do público, que pretende expressar "manifestações de fluxo e como ele se relaciona com as pessoas e a natureza" para os espectadores da Design Week de Milão 2013. Intitulada "Amazing Flow", a instalação oferecia uma "visão da cidade do amanhã" com uma experiência multi-sensorial que encarnava a "visão de mundo do Lexus" vislumbrando como os carros fluem em meio ao ambiente construído. O display dispunha de uma estrutura contínua de madeira que representava um momento no qual "estradas, humanos, vento e água fluíam como uma entidade única."

Compare a instalação com o vídeo promocional da Lexus, "Create Amazing", feito para carro 2014 LF-LC Concept e assista uma entrevista com Hirata após o intervalo ...

Semana de Design de Milão 2013: Energetic Energies para Panasonic / Akihisa Hirata

Vislumbrar um futuro onde ondulantes "usinas de energia solar" transformam as massas retangulares de nossas cidades em uma metrópole vibrante onde a tecnologia ajuda na convivência entre os seres humanos e a natureza. Foi apresentada na instalação conceitual "Energetic Energies", na Semana de Design de Milão 2013, essa noção de redefinir a nossa relação com o céu através de energia fotovoltaica é baseada em anos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico pela Panasonic Corporation, que pediu ao arquiteto japonês Akihisa Hirata para imaginar novas possibilidades.

A exposição apresenta uma cidade improvisada de 30 metros de comprimento, cujos "montes" de energia fotovoltaica ultrapassam os aglomerados de edifícios brancos, translúcidos, enquanto sombras de nuvens se movem dentro e fora do espaço. 

A video interview with Akihisa Hirata and more images after the break...

Akihisa Hirata: Emaranhado

Bienal de Veneza 2012: "Architecture. Possible here? Home-for-all" - Pavilhão do Japão