1. ArchDaily
  2. Reciclagem

Reciclagem: O mais recente de arquitetura e notícia

Defendendo uma arquitetura sem plástico: soluções inovadoras para o presente (e o futuro)

Enquanto lê isso, você pode notar que está cercado por vários itens feitos de plástico. Essa onipresença não é coincidência; a versatilidade do plástico o tornou adequado para uma variedade de aplicações e foi descrito por seu inventor - Leo Baekeland - como "o material de mil usos". No entanto, quando se trata de impacto ambiental, o problema está em suas próprias qualidades: é tão durável, adaptável e fácil de produzir (430 milhões de toneladas por ano) que, de acordo com dados da ONU, o equivalente a 2.000 caminhões de lixo cheios de plástico é despejado nos oceanos, rios e lagos todos os dias.

No ambiente construído, o plástico foi incorporado em vários materiais, produtos e sistemas de construção, contribuindo para uma crise ambiental que afeta seriamente o bem-estar de milhões de seres vivos. Diante desse problema, uma direção possível é afastar-se de seu uso. A busca por alternativas livres de plástico está marcando um caminho em direção a um futuro onde a arquitetura está progressivamente se dissociando desses materiais poluentes, promovendo soluções sustentáveis que reduzem nossa dependência dele e contribuem para preservar o meio ambiente.

O que é reciclagem?

A reciclagem é o processo de reaproveitamento de materiais descartados. Seu objetivo é reintroduzi-los na cadeia produtiva a fim de que ainda gerem valor e sejam reutilizados, aumentando a preservação dos recursos naturais e melhorando a qualidade de vida das pessoas. É considerada uma das alternativas mais eficientes para tratar os resíduos sólidos, tanto do ponto de vista ambiental quanto social, e está diretamente inserida no contexto da economia circular.

O que é reciclagem? - Image 1 of 4O que é reciclagem? - Image 2 of 4O que é reciclagem? - Image 3 of 4O que é reciclagem? - Image 4 of 4O que é reciclagem? - Mais Imagens+ 3

Do lixo ao luxo: arquitetos e designers dão nova vida a objetos descartados

Um aspecto fundamental em uma economia circular é a transformação de nossa maneira de enxergar o lixo. Rotular um objeto como "resíduo" implica desvalorizá-lo e encerrar seu papel em uma economia linear tradicional. Mesmo que o objeto esteja fora de vista, sua vida continua no aterro sanitário. Essa mudança de perspectiva em relação ao lixo implica em abrir nossas mentes para as oportunidades que a abundância de resíduos apresenta. Os designers e arquitetos reunidos a seguir não apenas conseguiram eficientemente resgatar objetos descartados como também aumentaram seu valor agregado, atribuindo-lhes novo significado por meio de sua cuidadosa curadoria.

Do lixo ao luxo: arquitetos e designers dão nova vida a objetos descartados - Image 1 of 4Do lixo ao luxo: arquitetos e designers dão nova vida a objetos descartados - Image 2 of 4Do lixo ao luxo: arquitetos e designers dão nova vida a objetos descartados - Image 3 of 4Do lixo ao luxo: arquitetos e designers dão nova vida a objetos descartados - Imagem de DestaqueDo lixo ao luxo: arquitetos e designers dão nova vida a objetos descartados - Mais Imagens+ 3

WallMakers explora o desperdício e a escassez de materiais na Trienal de Arquitetura de Sharjah 2023

A Trienal de Arquitetura de Sharjah foi inaugurada em 11 de novembro de 2023, com o tema "A Beleza da Impermanência: Uma Arquitetura de Adaptabilidade". Sob a curadoria de Tosin Oshinowo, o foco do programa foi fortemente direcionado ao Sul Global, explorando modelos alternativos que a região pode oferecer no futuro. Um dos destaques da Trienal foi o pavilhão nomeado "Corredor de 3 Minutos" projetado pela WallMakers, que explora nosso desperdício em escala global, investigando metodologias de reutilização de materiais.

WallMakers explora o desperdício e a escassez de materiais na Trienal de Arquitetura de Sharjah 2023 - Image 1 of 4WallMakers explora o desperdício e a escassez de materiais na Trienal de Arquitetura de Sharjah 2023 - Image 2 of 4WallMakers explora o desperdício e a escassez de materiais na Trienal de Arquitetura de Sharjah 2023 - Image 3 of 4WallMakers explora o desperdício e a escassez de materiais na Trienal de Arquitetura de Sharjah 2023 - Image 4 of 4WallMakers explora o desperdício e a escassez de materiais na Trienal de Arquitetura de Sharjah 2023 - Mais Imagens+ 3

Construindo sobre o construído: reuso adaptativo da arquitetura industrial no Brasil

No âmbito mundial, as primeiras fábricas tiveram origem na segunda metade do século XVI, abrigando principalmente as oficinas tipográficas. Com o passar do tempo, suas funções foram abarcando ateliês de carpintaria, tapeçaria e porcelana. Entretanto, os edifícios industriais, tais quais conhecemos hoje, só foram consolidados no século XVIII, intimamente relacionados às transformações advindas da Revolução Industrial. A substituição da mão de obra humana pelas máquinas mudou definitivamente a escala dessas edificações, transformando-as em enormes galpões.

Construindo sobre o construído: reuso adaptativo da arquitetura industrial no Brasil - Image 1 of 4Construindo sobre o construído: reuso adaptativo da arquitetura industrial no Brasil - Image 2 of 4Construindo sobre o construído: reuso adaptativo da arquitetura industrial no Brasil - Image 3 of 4Construindo sobre o construído: reuso adaptativo da arquitetura industrial no Brasil - Image 4 of 4Construindo sobre o construído: reuso adaptativo da arquitetura industrial no Brasil - Mais Imagens+ 13

Ressignificar e reviver: explorando o reuso em pavilhões e bienais

Diante da iminente crise climática e da busca pela sustentabilidade, os conceitos de renovação e reutilização surgiram como estratégias cruciais na busca pela descarbonização na indústria da arquitetura. Esses princípios pregam que criar novas estruturas pode ser sustentável, mas incentivam os arquitetos a minimizar sua pegada ecológica reativando e reciclando recursos existentes. Este ano, projetos inovadores alinhados a esses temas foram exibidos como parte da 18ª Exposição Internacional de Arquitetura - La Biennale di Venezia. O objetivo principal deste evento de renome mundial é servir como uma plataforma para arquitetos, designers e pensadores abordarem coletivamente a sustentabilidade, a descarbonização, a conservação de recursos e o futuro da indústria.

Ressignificar e reviver: explorando o reuso em pavilhões e bienais - Image 1 of 4Ressignificar e reviver: explorando o reuso em pavilhões e bienais - Image 2 of 4Ressignificar e reviver: explorando o reuso em pavilhões e bienais - Image 3 of 4Ressignificar e reviver: explorando o reuso em pavilhões e bienais - Image 4 of 4Ressignificar e reviver: explorando o reuso em pavilhões e bienais - Mais Imagens+ 5

Arquitetura da moda: tijolos produzidos a partir de resíduos têxteis

Segundo pesquisas recentes, o mercado da moda movimenta anualmente cerca de 2,4 trilhões de dólares no mundo. Um número exorbitante que, infelizmente, compara-se aos dados do seu desperdício. Estima-se que, a cada segundo, o equivalente a um caminhão de lixo cheio de sobras de tecidos é queimado ou descartado em aterros sanitários. Levando em conta que tecidos como o poliéster, amplamente utilizado na confecção, demora em média 200 anos para se decompor, é fácil prever o futuro catastrófico dessa operação. Nesse sentido, notícias alarmantes constantemente vêm à tona como as imagens do imenso cemitério de roupas usadas no deserto do Atacama divulgadas alguns anos atrás ou o relato de que a famosa marca de luxo britânica Burberry incinerou roupas, acessórios e perfumes não vendidos no valor de 28,6 milhões de libras no ano passado para preservar a marca, alegando que a o gás carbônico emitido com a ação foi compensado, tornando a atitude “ambientalmente sustentável”.

Poluição por plástico: soluções através da arquitetura

Hoje, 5 de junho, é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente 2023, uma data que, entre outras coisas, formenta a busca por soluções para o problema global da poluição por plástico. O evento foi coordenado pela Costa do Marfim com o objetivo de nos lembrar da importância de nossas ações individuais em relação ao tema — e a importância de os governos e as empresas intensificarem urgentemente suas medidas.

A poluição por plástico é um problema ambiental que afeta diversos setores e a arquitetura não fica excluída. O plástico é um material amplamente utilizado na indústria da construção devido à sua durabilidade, resistência e baixo custo. No entanto, sua produção, uso e descarte inadequado têm um impacto significativo no meio ambiente. Para abordar esse problema, é importante tomar medidas em várias etapas, que incluem redução, reciclagem, conscientização e regulamentações. A seguir, apresentamos alguns projetos que abordam esses pontos.

"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE

Voltada para desenvolvimento de projetos de arquitetura em favelas e periferias, a atuação do Coletivo LEVANTE tem demonstrado grande sensibilidade às características e particularidades desses contextos. Segundo o grupo, "o reconhecimento do que já existe e é atribuído de valores vividos e conquistados pelos moradores das favelas — paisagem, construções, identidades e relações" é o que buscam como matéria-prima dos projetos, uma abordagem que pode ser reconhecida em projetos como o Centro Cultural Lá da Favelinha e a Casa no Pomar do Cafezal, ganhadora do Prêmio Building of the Year 2023 do ArchDaily.

"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 1 of 4"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 2 of 4"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 3 of 4"Um passinho de cada vez": entrevista com o Coletivo LEVANTE - Image 4 of 4Um passinho de cada vez: entrevista com o Coletivo LEVANTE - Mais Imagens+ 18

A história da maior ilha de plástico flutuante do mundo (e o que fazer com ela)

A urgência das pautas ambientais e do aumento da temperatura do planeta não são novidade. São muitos os fatores que contribuem para o desgaste ambiental corrente, mas existem dois que podem ser tomados como representantes de pontos críticos do sistema de funcionamento do mundo atual: o plástico e o descarte de resíduos — mais conhecidos como lixo.

Não se deve tomar esses dois exemplos como os maiores e nem os únicos fatores problemáticos da crise ambiental, eles serão usados aqui como exemplos para mobilizar questões que envolvem agentes múltiplos, materiais e métodos diversos e que se desdobram em consequências por ora devastadoras, e cada vez mais próximas de irreversíveis.

Região na França paga para população coletar água da chuva

A Ilha de França (em francês: Île-de-France), uma das 18 regiões administrativas da França, está empenhada em fazer seus moradores economizarem água. Com a chegada da primavera do país europeu, em 20 de março, as autoridades estão preocupadas com a possível escassez de água. A solução? Oferecer até 20 mil euros em subsídios aos que instalarem coletores de chuva em suas propriedades.

O apoio financeiro é válido para quem planeja ou já instalou os tanques de armazenamento de água nos últimos três meses. O valor cobre instalações subterrâneas ou acima do solo – incluindo o coletor de filtragem, bomba, kit de conexão, terraplenagem e conexão à rede, entre outros componentes.

Economia circular na habitação latinoamericana: 12 exemplos de reuso de materiais

Embora a economia circular envolva outros princípios, como a regeneração de sistemas naturais, a reutilização ou reciclagem de materiais desempenha um papel importante na redução de resíduos gerados, dando uma segunda vida útil a elementos que poderiam ser considerados descartes. Madeira, chapas metálicas, tijolos, pedras, entre outros, podem ser reutilizados, trazendo critérios de sustentabilidade e eficiência aos projetos, contribuindo para consolidar este conceito que ainda tem um longo caminho a percorrer.

Dentro do território latino-americano, diversos profissionais da arquitetura se propuseram a aplicar em seus processos de projeto e construção a implementação de estratégias que colaborem com o uso dos recursos, seja reutilizando, reciclando ou restaurando diferentes materiais e elementos em busca da atender as necessidades e preocupações daqueles que habitam os espaços.

Qual é o custo de reciclar materiais de construção?

Quase duas décadas atrás, no corredor do centro de Columbus, Ohio, o centenário edifício Lazarus passou por uma extensa reforma para salvar a loja de departamentos e restaurá-la à sua antiga glória. Sessenta milhões de dólares foram investidos em sua restauração e transformação em um complexo comercial e de escritórios. Durante a construção, os trabalhadores reciclaram quase 2.300 kg de aço, 900 kg de concreto e quantidades significativas de carpetes, forros e vários tipos de madeira, evitando que 10.000 kg de detritos fossem para os aterros sanitários de Ohio. Eles também economizaram mais de US$ 25 milhões implementando esse rigoroso processo de reciclagem.

Um interior impresso em 3D com plástico reciclado: reduzindo os resíduos e aprimorando o design

"Nosso planeta está sufocando com plástico", afirma as Nações Unidas. Embora o material feito pelo homem tenha muitos usos valiosos, nosso vício em produtos plásticos de uso único levou a severas questões econômicas, de saúde e ambientais. Aproximadamente um milhão de garrafas plásticas são compradas a cada minuto e cinco trilhões de sacos plásticos são usados todos os anos em todo o mundo - usados apenas uma vez e depois jogados fora. Plásticos e microplásticos chegaram a todos os cantos de nosso ambiente natural, desde os picos das montanhas mais altas até as profundezas dos oceanos. Tanto que eles se tornaram parte do registro fóssil da Terra e criaram um habitat microbiano marinho totalmente novo conhecido como "Plastisfera".

Um interior impresso em 3D com plástico reciclado: reduzindo os resíduos e aprimorando o design - Image 2 of 4Um interior impresso em 3D com plástico reciclado: reduzindo os resíduos e aprimorando o design - Image 1 of 4Um interior impresso em 3D com plástico reciclado: reduzindo os resíduos e aprimorando o design - Image 4 of 4Um interior impresso em 3D com plástico reciclado: reduzindo os resíduos e aprimorando o design - Image 3 of 4Um interior impresso em 3D com plástico reciclado: reduzindo os resíduos e aprimorando o design - Mais Imagens+ 3

O que é economia circular?

O conceito de economia circular ganhou uma definição mais precisa em 1990 quando surgiu no artigo Economics of Natural Resources and the Environment (Economia dos Recursos Naturais e do Meio Ambiente), dos economistas e ambientalistas britânicos David W. Pearce e R. Kerry Turner. Na época, o principal intuito da pesquisa era demonstrar que a economia tradicional não incorporava a reciclagem. Desse modo, o meio ambiente assumia um papel secundário, tal qual um simples reservatório de resíduos. A economia circular ganharia forças, portanto, como uma oposição à economia linear, ou tradicional, em que a cadeia produtiva é regida sob o lema “extrair, produzir e descartar”. Um modelo profundamente enraizado na nossa economia, mas que tem se tornado insustentável por diversos motivos como o esgotamento dos recursos naturais, a contaminação do meio ambiente decorrente da produção e descarte, entre outros.

O que é economia circular? - SustentabilidadeO que é economia circular? - SustentabilidadeO que é economia circular? - SustentabilidadeO que é economia circular? - SustentabilidadeO que é economia circular? - Mais Imagens+ 3

Como os serviços de assinatura se relacionam com a arquitetura?

As assinaturas estão rapidamente se tornando parte integrante da vida cotidiana. Por exemplo, as plataformas de streaming substituíram completamente a necessidade de possuir aparelhos de DVD, enquanto que os serviços de veículo por aplicativo suprem parcialmente a necessidade de possuir um carro particular. As assinaturas têm sido amplamente entendidas como serviços digitais, mas uma nova tendência sugere que o mesmo conceito pode ser transferido para objetos físicos em um futuro próximo. Em vez de ter uma geladeira, uma máquina de lavar ou mesmo lâmpadas, pode-se adquirir uma assinatura para garantir a durabilidade dos produtos, roupas limpas e uma casa bem iluminada.

O conceito é conhecido como “economia baseada em assinaturas”, uma variante da noção de “economia circular”. Ele postula que, em vez de possuir alguns dos objetos utilizados diariamente, é possível subscrever um serviço para ter acesso às mesmas vantagens, mas sem a necessidade de possuir, manter ou alienar o objeto em questão. Os consumidores não compram mais produtos; eles compram acesso a serviços. Às vezes, isso significaria simplesmente alugar o objeto em vez de comprá-lo, mas o modelo vai um passo além. Ele traz uma mudança de responsabilidade e mentalidade. Isso porque os consumidores já não são os proprietários dos objetos, a responsabilidade de reutilizar e reciclar recai sobre os produtores, que passam a ser responsáveis por todo o ciclo de vida dos objetos que criam.

Como os serviços de assinatura se relacionam com a arquitetura? - Image 1 of 4Como os serviços de assinatura se relacionam com a arquitetura? - Image 2 of 4Como os serviços de assinatura se relacionam com a arquitetura? - Image 3 of 4Como os serviços de assinatura se relacionam com a arquitetura? - Image 4 of 4Como os serviços de assinatura se relacionam com a arquitetura? - Mais Imagens+ 5

Os materiais reciclados deveriam ser o futuro da arquitetura?

A indústria da construção civil é uma das atividades mais poluentes e geradoras de resíduos em todo o mundo. Para citar alguns números, em meados da década de 1990, na Grã-Bretanha, os processos de construção geravam cerca de 10 milhões de toneladas de resíduos pós-industriais. Há cerca de uma década, mais de 3,5 bilhões de novos tijolos eram usados ​​por ano e cerca de 2,5 bilhões eram derrubados em demolições; do total, apenas cerca de 140 milhões foram reaproveitados, o restante foi encaminhado para aterros sanitários.

Reciclados e biocompósitos: quais são os materiais do futuro

Embora a indústria da construção esteja avançando em novos campos como nanotecnologia e impressão 3D há anos, ainda é uma das mais atrasadas em termos de tecnologia. Muitas das inovações permanecem apenas em fase experimental e, embora haja uma tentativa constante de reverter essa situação, ao mesmo tempo sabemos de um fato preocupante: a construção civil é uma das atividades que mais poluem e geram resíduos do mundo.