Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Lúcio Costa

Lúcio Costa: O mais recente de arquitetura e notícia

“Superquadras”: uma experiência modernista

“Na esteira da industrialização, surgiram novos materiais e novas formas de se estruturar a vida nas cidades. A arquitetura e o urbanismo encamparam com entusiasmo o modernismo, criando artefatos que impactariam para sempre a história. Brasília é um exemplo vivo dessa fase e a Superquadra se consagra como uma das mais abarcantes e longevas experiências modernistas. Entretanto, a expansão da cidade vem desconsiderando a proposta e o conhecimento gerado sobre como se fazer uma cidade melhor.”

É assim que Mário Salimon apresenta seu curta-metragem “Superquadras”, lançado há pouco mais de três meses com o apoio financeiro do Fundo de Apoio à Cultuda do Distrito Federal (FAC-DF).

Três Clássicos de Lucio Costa

Relembre os três Clássicos da Arquitetura de Lucio Costa que publicamos nas últimas semanas dentro do ciclo especial ao arquiteto.

Clássicos da Arquitetura: Torre de TV de Brasília / Lucio Costa

© Arquivo Público do Distrito Federal. Cortesia de Joana França © Arquivo Público do Distrito Federal. Cortesia de Joana França © Arquivo Público do Distrito Federal. Cortesia de Joana França © Arquivo Público do Distrito Federal. Cortesia de Joana França + 37

Por Eduardo Bicudo de Castro Azambuja

O edifício caracteriza-se por um volume de concreto aparente com vinte e cinco metros de altura e planta triangular com lado de cinquenta metros de comprimento, sustentado por três pilares que nascem com uma seção trapezoidal e se abrem plasticamente na forma de V para criar dois pontos de apoio. As partes internas dos pilares servem de ligação e suporte para a torre metálica, composta por uma pirâmide de base hexagonal variável e altura de cento e noventa e dois metros, completando os duzentos e dezessete metros totais do projeto.

Lançamento do livro “Dezoito Graus – Rio moderno, uma história do Palácio Gustavo Capanema” na livraria Bookstore em SP

A livraria Bookstore e a editora Língua Geral promovem, no dia 24 de março, o lançamento do livro “Dezoito Graus – Rio moderno, uma história do Palácio Gustavo Capanema”, seguido de uma mesa redonda com Carlos Augusto Calil, Abílio Guerra, Guilherme Wisnik e o autor da obra, Lauro Cavalcanti.

Clássicos da Arquitetura: Sede Social do Jockey Club Brasileiro / Lucio Costa

© Nelson Kon. Via Wisnik, 2001 © Nelson Kon. Via Wisnik, 2001 © Nelson Kon. Via Wisnik, 2001 © Via Costa, 1995 + 21

Por Carlos Eduardo Comas

Obra cujo projeto foi aprovado no mesmo ano do concurso do  Plano Piloto de Brasilia, e concluída quando a nova capital se consolidava, a sede do Jockey Club Brasileiro (1956-72) é um curioso contraponto ao Ministério da Educação assinado pelo mesmo autor (e equipe) a duas quadras e uns quinze anos antes (1936-45).  Tanto o Ministério quanto o Jockey ocupam toda uma quadra na mesma Esplanada do Castelo. Mas o Ministério abriga uma instituição pública, e constitui uma exceção à legislação dominante, que impõe o quarteirão fechado, construído no perímetro com um ou dois pátio centrais. Com um partido em T, o Ministério resulta num quarteirão quase aberto, singular e por isso mesmo memorável, monumental. Abrigo de instituição privada e necessitada de renda, o Jockey é uma variante do quarteirão fechado padrão, com o pátio central ocupado por uma garagem em altura para 785 carros.

Clássicos da Arquitetura: Park Hotel / Lucio Costa

Via Wisnik, 2001. Image © Elaine Ramos Via Wisnik, 2001. Image © Nelson Kon © Costa, 1995 © Costa, 1995 + 22

Por Rafael Saldanha Duarte

O edifício é uma justaposição de volumes prismáticos de diferentes tamanhos e materiais, que abrigam diferentes funções.

Clássicos da Arquitetura: "Os" três Pavilhões do Brasil

Relembre os três Pavilhões do Brasil construídos nas Feiras Mundiais de Nova York '39, Bruxelas 58' e Osaka '70.

Clássicos da Arquitetura: Pavilhão de Nova York 1939 / Lucio Costa e Oscar Niemeyer

Courtesy of Carlos Eduardo Comas, via revista ArqTexto n.16 Courtesy of Carlos Eduardo Comas, via revista ArqTexto n.16 Courtesy of Carlos Eduardo Comas, via revista ArqTexto n.16 Courtesy of Carlos Eduardo Comas, via revista ArqTexto n.16 + 19

Por Carlos Eduardo Comas

Graça, leveza, extroversão, exuberância e porosidade respondem ao desejo de transmitir atributos convencionalmente considerados apropriados para um pavilhão de feira. A teatralidade também convém a um tipo de construção que não deve durar mais que uma estação, como uma peça.

Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza 2014 - Brasil: Modernismo como Tradição

Sob o título Fundamentals, a Biennale Architettura 2014 tem como curador o arquiteto holandês Rem Koolhaas, que propôs um tema específico aos países participantes: Absorbing Modernity 1914-2014, procurando entender como as arquiteturas nacionais absorveram a modernidade no último século e como, eventualmente, mantiveram elementos tradicionais.

O Ensino do Desenho / Lucio Costa

Clive Bell define arte como significant form.

O rabisco não é nada, o risco – o traço – é tudo. O risco tem carga, é desenho com determinada intenção – é o “design”. É por isto que os antigos empregavam a palavra risco no sentido de “projeto”: o “risco para a capela de São Francisco”, por exemplo. Trêmulo ou firme, esta carga é o que importa. Portinari costumava dar como exemplo a assinatura, feita com esforço, pelo analfabeto (risco), com o simples fingimento de uma assinatura (rabisco).

O arquiteto (pretendendo ser modesto) não deve jamais empregar a expressão “rabisco” e sim risco.

Risco é desenho não só quando quer compreender ou significar, mas “fazer”, construir.

Lançamento do livro “Lucio Costa, Inventor de Brasília”, na Escola da Cidade

A Escola da Cidade promove nesta sexta-feira, dia 25 de outubro, às 19h30, o lançamento do livro “Lucio Costa, Inventor de Brasília”, de autoria da arquiteta Maria Elisa Costa, filha de Lucio.

Segundo Maria Elisa, ao produzir o livro, a ideia foi apresentar Lucio Costa antes de Brasília, traçando um resumo informal de sua trajetória pessoal e profissional. “O livro é, literalmente, uma conversa com o leitor, em que apresento um lado de Lucio que poucas pessoas conhecem”, comenta a autora.

Brasília-patrimônio: desdobrar desafios e encarar o presente / Eduardo Pierrotti Rossetti

“Brasília é de um passado esplendoroso que já não existe mais.
Há milênios desapareceu esse tipo de civilização.”
Clarice Lispector

Exposição: “A Arquitetura Portuguesa pelo traço de Lucio Costa” em Lisboa

“A Arquitetura Portuguesa pelo traço de Lucio Costa” apresenta os registos feitos em pequenos blocos de desenho pelo famoso arquitecto e urbanista durante a sua viagem a Portugal, no ano de 1952. Esses blocos ficaram perdidos durante 50 anos e agora são revelados ao público nesta exposição que tem curadoria de Maria Elisa Costa (filha de Lucio Costa) e José Pessôa.

Através desta exposição, a arquitectura portuguesa é vista, e desenhada, com olhos do Brasil. Mais propriamente, os olhos de um dos maiores mestres da arquitectura mundial que, entre outras obras, desenhou o Plano Piloto de Brasília, juntamente com Oscar Niemeyer, e recebeu alguns dos principais prémios nacionais e internacionais da sua época. 

Bienal Veneza 2012: Imagens do Pavilhão do Brasil

Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza de 2012 / StudioMK27

Exposição: " A Arquitetura portuguesa nos traços de Lúcio Costa - Bloquinhos de Portugal / Rio de Janeiro - RJ

Especial: Brasília 52 anos

Além dos Mestres Modernistas: Arquitetura Contemporânea na América Latina / Felipe Hernández