Pagina inicial

Conheça a história por trás da nova identidade da nossa marca

Saiba mais
  1. ArchDaily
  2. Lina Bo Bardi

Lina Bo Bardi: O mais recente de arquitetura e notícia

Curso online "Lina: Uma biografia", com Francesco Perrotta-Bosch

Um curso sobre a vida de Lina Bo Bardi (1914-1992), arquiteta brasileira nascida em Roma. Com ênfase em seus projetos de arquitetura e de exposições, as aulas apresentarão desde sua formação na Itália até histórias dos processos de concepção e construção de edifícios como o Masp, o Sesc Pompeia e o Solar do Unhão.

Resultado do 6º Prêmio {CURA} - intervenção na obra de Lina Bo Bardi

O 6º Prêmio {CURA} revelou o resultado de seu concurso para estudantes e jovens arquitetos. Nesta edição, os participantes foram convidados a propor intervenções temporárias em obras da Lina Bo Bardi. A proposta poderia ser implantada em qualquer cidade do Brasil, desde que fosse uma intervenção em obra da arquiteta.

6° Prêmio {CURA} | Entrevista com Marcelo Ferraz

No próximo dia 07/10 (qui), às 19h, o CURA promoverá a quinta entrevista com jurados do 6° Prêmio {CURA} e assim apresentarão o quinto nome do júri aos participantes: Marcelo Ferraz. A ideia é que a conversa seja material complementar para aqueles que estão realizando o concurso. Dessa vez, Francesco Perrotta-Bosch, que também é membro do júri, irá conduzir a conversa, representando nosso parceiro, editora Todavia.

_ Marcelo Ferraz
Arquiteto formado pela FAU-USP em 1978, é sócio fundador do escritório Brasil Arquitetura (1979), onde tem realizado vários projetos com premiações no Brasil e exterior. Colaborou com Lina Bo Bardi em todos os

Uma leitura sobre as exposições inaugurais do Museu Anahuacalli e do Museu de Arte Popular do Unhão

Em 1963, a exposição “Nordeste” inaugurou o Museu de Arte Popular do Unhão em Salvador. Apesar do fortuito cenário para que Lina Bo Bardi deslanchasse o projeto do museu nas dependências restauradas do Solar do Unhão, suas atividades foram interrompidas após um ano de existência. A mostra temporária e única aberta ao público contou com empréstimos de diferentes coleções particulares e acervos museológicos para apresentar uma extensa reunião de objetos variados, baixo um convite ao público geral para compreender o valor do fazer técnico popular. A exposição que a gosto da arquiteta teria sido intitulada ‘Civilização Nordeste’ acusou posturas de classe pouco relacionadas com o conhecimento do que qualificou como a "atitude progressiva da cultura popular ligada a problemas reais". (BO BARDI, 1963)

6º Prêmio {CURA} aberto a estudantes e jovens arquitetos tem como tema Lina Bo Bardi

O 6º Prêmio {CURA} dá continuidade à proposta de realização de concursos de ideias com temas que se alinham às discussões atuais da arquitetura, cidade e sociedade, buscando aprofundar-se na discussão sobre o Brasil atual. Em 2021, a equipe curatorial da 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza decidiu dar um Leão de Ouro póstumo pela carreira a Lina Bo Bardi (1914-1992), a maior arquiteta brasileira, pois, apesar de nascida em Roma, se naturalizou brasileira em 1953. Também celebramos o lançamento do livro Lina: Uma Biografia de Francesco Perrotta-Bosch, da editora Todavia.

Para comemorar a premiação e pensando em homenagear Lina e seu incrível trabalho, o tema do 6º Prêmio {CURA} é Lina Bo Bardi.

Modernidade e colonialismo: entrevista com Paulo Tavares sobre a revista "Des-Habitat"

Entre as décadas de 1950 e 1960, Lina Bo Bardi foi editora da revista Habitat, conhecida por publicar matérias e pesquisas relacionadas a manifestações culturais e artísticas produzidas por povos originários. A publicação, que se manteve em circulação até 1965, foi um dos arautos da síntese entre o modernismo universal e o primitivismo local – elemento central da mitologia da modernidade brasileira. Quase seis décadas mais tarde, o arquiteto e curador Paulo Tavares realiza uma espécie de "des-edição" da revista, colocando em perspectiva essa noção de síntese à luz de discussões contemporâneas que exploram o território de justaposição entre modernidade e colonialismo. Lançada recentemente pela editora n-1, Des-Habitat explora artifícios gráficos e editoriais para criar quase que um fac-simile da antiga publicação chefiada por Lina, sobrepondo uma nova camada – crítica, revisionista e necessária – a uma discussão que vem revelando muitos novos desdobramentos.

Des-Habitat: publicação questiona a relação entre o modernismo brasileiro e a arte indígena

Neste ensaio visual, Paulo Tavares intervém em Habitat, revista de artes e design editada pela arquiteta Lina Bo Bardi nos anos 1950. Habitat propagava não apenas imagens de arte e arquitetura moderna, mas também imagens de artefatos indígenas. Desta forma, simultaneamente apresentava ao seu público o vocabulário do modernismo e formas nativas de expressão cultural, alinhando-se aos imaginários primitivistas das vanguardas.

Ressignificando imagens e imaginários dominantes, Des-Habitat nos carrega através uma narrativa visual sobre a colonialidade da arquitetura moderna e suas mídias, abrindo um horizonte para a potencial descolonização de seus legados.

Lina Bo Bardi ganha nova biografia com lançamento em maio

Poucas figuras públicas foram mais brasileiras do que a arquiteta italiana Lina Bo Bardi. Chegando ao Brasil logo após a Segunda Guerra, ela se afeiçoou à cultura brasileira de tal maneira que se tornou uma de suas principais intérpretes, capaz de uma leitura das tradições locais ao mesmo tempo rigorosa e abrangente.

Crítico de arquitetura e ensaísta, Francesco Perrotta-Bosch examina a trajetória dessa artista brilhante à luz da seguinte questão: como uma estrangeira foi capaz de enxergar tanto de um país que não era o seu, a ponto de traduzi-lo para os próprios brasileiros?

Rafael Moneo recebe o Leão de Ouro da Bienal de Veneza 2021 pelo conjunto de sua obra

O Leão de Ouro por conjunto de obra da 17ª Exposição Internacional de Arquitetura de La Biennale di Venezia foi concedido ao arquiteto, educador, crítico e teórico espanhol Rafael Moneo. Selecionado pela Diretoria da Biennale di Venezia, por recomendação do Curador da Biennale Architettura 2021, Hashim Sarkis, o reconhecimento será concedido ao arquiteto no sábado, 22 de maio de 2021, juntamente com o Leão de Ouro Especial concedido para Lina Bo Bardi.

National Museum of Roman Art. Image © Flickr user James GordonColumbia University Northwest Corner Building. Image. Image © Michael Moran StudioCathedral of Our Lady of the Angels, Los Angeles.. Image © Flickr user cwsteeds. Licensed under CC BY-NC-ND 2.0Beirut Souks. Image © Bahaa Ghoussainy+ 8

Lina Bo Bardi e sua escada helicoidal de madeira: tradição e modernidade

O conjunto do Unhão, cuja construção data do século XVII, constituía-se de um engenho de açúcar com casa-grande, capela e senzala, tombado no ano de 1943. Salvador era a principal cidade brasileira na época da construção, em que o Brasil era uma colônia portuguesa, com a mão-de-obra sobretudo de escravizados, e do seu porto saía grande parte da produção de açúcar para exportação. O conjunto chamou a atenção da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi desde sua primeira visita em 1958, na época que ela passou alguns anos trabalhando e dando aulas na capital baiana. Com participação decisiva de Lina na definição do programa e da própria implantação, as edificações foram restauradas para receberem o Museu de Arte Popular e a Universidade Popular. Mas em todo o conjunto, o elemento que chama a atenção por sua plasticidade, funcionalidade e simbolismo, é a escada helicoidal de madeira.

Lina Bo Bardi recebe o Leão de Ouro Especial da Bienal de Veneza pelo conjunto de sua obra

Lina Bo Bardi, uma das mais importantes arquitetas da história brasileira, foi reconhecida postumamente pela Bienal de Veneza com o Leão de Ouro Especial pelo conjunto de suas conquistas.

Sesc Pompéia / Lina Bo Bardi. Image © Pedro KokMASP / Lina Bo Bardi. Image © Flagrante / Romullo FontenelleTeatro Oficina / Lina Bo Bardi + Edson Elito. Image © Nelson KonRestaurante Coati / Lina Bo Bardi + Lelé. Image © Manuel Sá+ 6

De Lina, para Artigas: um abraço amigo

Concluindo a semana dedicada a publicações voltadas à questão das mulheres na arquitetura e, também, a semana que marcou o reconhecimento póstumo de Lina Bo Bardi com o Leão de Ouro Especial da Bienal de Veneza, o Instituto Virgínia e Vilanova Artigas compartilhou conosco uma breve e sensível carta enviada pela arquiteta ítalo-brasileira à Artigas no dia 21 de agosto de 1978.

Clássicos da Arquitetura: Teatro Oficina / Lina Bo Bardi e Edson Elito

© Nelson Kon© Nelson Kon© Nelson Kon© Nelson Kon+ 40

O Teatro Oficina Uzyna Uzona, popularmente conhecido como Teatro Oficina, localizado na Rua Jaceguai, no bairro da Bela Vista, em São Paulo, foi fundado na década de 1960, mais especificamente em 1958 por José Celso Martinez Correa, agindo como um teatro manifesto, marcado por grandes espetáculos entre expressões teatrais, apresentações de música, dança e performances.

Entre as diferentes décadas, o teatro revolucionou seus espetáculos cênicos de modo que a arquitetura colaborou para o acontecimento e permitiu que a dramaticidade dos espetáculos tivesse contato mais próximo ao público. A ideia inclusive foi pautada por Teat(r)o oficina, focando-se no ato, ou seja, na incorporação e diversidade de meios artísticos e espetáculos. Em uma de suas citações, o arquiteto Edson Elito, que posteriormente veio a desenvolver a reforma do Teatro, relata sua visão:

"Tijolo por tijolo": conheça a história por trás do Sesc Pompeia de Lina Bo Bardi

"Tijolo por Tijolo" é uma websérie sobre o Sesc Pompeia, obra-prima de Lina Bo Bardi. Através de vídeos de curtíssima duração é possível conhecer a trajetória do bairro da Pompeia e saber mais sobre a fábrica que funcionava no espaço antes de o Sesc ser aberto. Além disso, a série também retrata o processo de readequação e requalificação da área e curiosidades do projeto realizado pela arquiteta ítalo-brasileira. No total são 11 episódios com conteúdos exclusivos sobre a Cidadela da Liberdade, contendo fatos históricos, citações da arquiteta e fotos raras. Confira abaixo todos os vídeos da série:

Memória edificada: preservação e compartilhamento digital de acervos de arquitetura

Estamos na etapa final do projeto "Memória edificada: catalogação e digitalização de acervos no Centro de Memória Ingo Hering" – Um projeto patrocinado pela Fundação Catarinense de Cultura, por meio do edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2019 - que viabilizou o tratamento, acondicionamento e compartilhamento digital de parte do acervo do arquiteto Hans Broos.

Os resultados alcançados até aqui serão compartilhados no próximo dia 16/12, às 14 h. A programação desse evento também inclui as importantes iniciativas de preservação e compartilhamento de acervos, realizadas pela Casa da Arquitectura, detentora do acervo do arquiteto Paulo Mendes da Rocha; e

Clássicos da Arquitetura: Casa Valéria Cirell / Lina Bo Bardi

O conjunto Cirell —casa e pavilhão— projetado por Lina Bo Bardi em 1964 é um experimento arquitetônico purista, mascarado organicamente pelos vários materiais utilizados, incluindo aí a vegetação. Sim, a vegetação de bromélias, musgos e parasitas se funde com as argamassas de muitas pedras, conchas e nichos de terra. O purismo do projeto está justamente na geometria das formas, nas plantas e nos volumes dos dois corpos principais.

Casa Valéria Cirell / Lina Bo Bardi. Image © Pedro Vannucchi Marcelo Ferraz (1993). Image via Instituto Lina Bo e P.M. BardiCasa Valéria Cirell / Lina Bo Bardi. Image © Pedro Vannucchi Casa Valéria Cirell / Lina Bo Bardi. Image © Pedro Vannucchi + 24