Emirados Árabes Unidos ganham Leão de Ouro pela melhor participação nacional na Bienal de Veneza 2021

Emirados Árabes Unidos ganham Leão de Ouro pela melhor participação nacional na Bienal de Veneza 2021

Os Emirados Árabes Unidos ganharam o Leão de Ouro de Melhor Participação Nacional na Bienal de Veneza de 2021 por sua contribuição intitulada Wetland, com curadoria de Wael Al Awar e Kenichi Teramoto. Selecionada por um júri formado por Kazuyo Sejima (presidente do júri, do Japão), Sandra Barclay (Peru), Lamia Joreige (Líbano), Lesley Lokko (Gana-Escócia) e Luca Molinari (Itália), a contribuição vencedora da 17ª Arquitetura de Veneza Biennale explora a geografia local dos Emirados Árabes Unidos para encontrar alternativas ao cimento, um dos principais emissores de dióxido de carbono do mundo.

A cerimônia de premiação, transmitida ao vivo na página oficial da Bienal, também concedeu o Leão de Ouro de Melhor Participante da Exposição Internacional Como viveremos juntos? ao RAUMLABORBERLIN - Instances of Urban Practice, enquanto que o Leão de Prata foi para Border Ecologies and the Gaza Strip - Foundation for Achieving Seamless Territory (FAST). Outros prêmios incluíram uma menção especial para a participação nacional das Filipinas e da Rússia, e ao Cave_bureau por Anthropocene Museum: Exhibit 3.0 Obsidian Rain.

© Frederico Torra for PLANE-SITE© Frederico Torra for PLANE-SITE© Frederico Torra for PLANE-SITE© Frederico Torra for PLANE-SITE+ 20

Abordando um dos temas recorrentes na Bienal de Veneza, a crise climática e ambiental, o Leão de Ouro Vencedor da Melhor Participação Nacional conseguiu encontrar uma solução contextual voltando sua atenção para Sabkhas, um ecossistema nas salinas naturais dos Emirados Árabes Unidos, para encontrar um recurso renovável alternativo para a construção, que possa substituir o cimento Portland. Com um grupo de cientistas em Tóquio, Abu Dhabi e Sharjah, a equipe vem trabalhando na reprodução do processo de cristalização encontrado nesse ecossistema. Em Veneza, o ArchDaily teve a oportunidade de se conversar com o arquiteto Wael Al Awar, um dos co-curadores do Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos, para discutir o que esta pesquisa significa para o futuro da arquitetura. Assista à entrevista a seguir.

Com curadoria de Hashim Sarkis, a Biennale Architettura 2021, que acontece até 21 de novembro de 2021, também concedeu o Leão de Ouro Especial pelo conjunto da obra à Lina Bo Bardi, prêmio que foi entregue à diretora do Instituto Bardi, Sol Camacho.

Saiba mais sobre os premiados, a seguir.

Leão de Ouro pela melhor participação nacional

Emirados Árabes Unidos - Wetland / Wael Al Awar e Kenichi Teramoto

© Frederico Torra for PLANE-SITE
© Frederico Torra for PLANE-SITE

Antes da pandemia, começamos a pesquisar o sabkhas, um robusto ecossistema de salinas naturais nos Emirados Árabes Unidos. Isso nos inspirou a explorar um recurso renovável para construção, que pode substituir o cimento Portland.
A cristalização do sal nas sabkhas oferece um modelo para uma alternativa ao cimento Portland, cuja produção é responsável por 8% das emissões globais de dióxido de carbono. Junto com um grupo de cientistas em Tóquio, Abu Dhabi e Sharjah, temos trabalhado na reprodução do processo de cristalização encontrado nesse ecossistema. Os resultados da nossa busca contínua por um material de construção renovável são apresentados no pavilhão.

Leão de Prata pela participação na mostra Como viveremos juntos?

Border Ecologies and the Gaza Strip/ Foundation for Achieving Seamless Territory (FAST)

Foundation for Achieving Seamless Territory (FAST) (Países Baixos / EUA, 2005) com contribuições de Amir Qudaih (Palestina, 1993) e da família Qudaih (Palestina), Yael Berda (Israel, 1976), Sandra Kassenaar (Países Baixos, 1982) e Malkit Shoshan (Israel / Países Baixos, 1976).

FOUNDATION FOR ACHIEVING SEAMLESS TERRITORY (FAST). Cortesia de La Biennale di Venezia
FOUNDATION FOR ACHIEVING SEAMLESS TERRITORY (FAST). Cortesia de La Biennale di Venezia

Por quase um século, as flutuações nas fronteiras entre Israel e Palestina afetaram tanto as pessoas como a natureza. Elas também levaram à formação de espaços de exceção e ambientes que, às vezes, parecem paradoxalmente mais resilientes e sustentáveis do que outros. Border Ecologies and the Gaza Strip traça a transformação de uma pequena fazenda em Kutzazh, uma vila agrícola situada ao longo de uma das fronteiras mais militarizadas de Gaza. A instalação conta dez histórias que apresentam o cotidiano da fazenda, ligando objetos mundanos, como melancias, sardinhas, areia e sedimentos, a protocolos burocráticos, restrições impostas por Israel e violência contínua.

Leão de Ouro pela participação na mostra Como viveremos juntos?

RAUMLABORBERLIN - Instances of Urban Practice

Andrea Hofmann (Alemanha, 1969), Axel Timm (Alemanha 1973), Benjamin FoersterBaldenius (Alemanha 1968), Christof Mayer (Alemanha 1967), Florian Stirnemann (Suíça 1976), Francesco Apuzzo (Itália 1972), Frauke Gerstenberg (Alemanha 1968), Jan Liesegang (Alemanha 1968) e Markus Bader (Alemanha 1968) do raumlaborberlin (Alemanha, 1999)

Instances of Urban Practice. Cortesia de raumlaborberlin
Instances of Urban Practice. Cortesia de raumlaborberlin

Floating University é um lugar cuidadosamente projetado, onde arquiteturas feitas pelo homem se entrelaçam com o habitat de uma infinidade de outros organismos. Em uma bacia hidrográfica constituída de águas superficiais poluídas, urbanas, apresenta um paraíso paradoxal para ações paralelas e comuns – lugar de surpresas e encontros contínuos. A abertura das estruturas motiva a permeação de ideias e relações entre os diferentes grupos universitários, iniciativas, vizinhos e outros habitantes de Berlim. Haus der Statistik é um complexo de escritórios da República Democrática Alemã dos anos 1960, que agora vem sendo transformado em um espaço de arte, cultura, programação social e educacional, administrado por uma coalizão da sociedade civil. Foi o local para “fazer a escola de futuros”, o protótipo de uma escola de prática espacial que atua como uma forma engajada dentro de uma situação em evolução. Olhando mais profundamente para os modos colaborativos de produção e troca de conhecimento, os arquitetos se concentraram em questões sobre a arquitetura como um recurso e a arquitetura como uma forma coletiva. A própria escola foi concebida como um teste colaborativo com mais de 150 participantes e 500 visitantes. Ambos os projetos oferecem formas complexas de apoio a comunidades emergentes para co-criar futuras cidades.

Confira a abrangente cobertura da Bienal de Arquitetura de Veneza 2021 realizada pelo ArchDaily. Não deixe de assistir à nossa playlist oficial no Youtube, onde apresentamos entrevistas exclusivas com arquitetas, arquitetos e curadores da Bienal.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Harrouk, Christele. "Emirados Árabes Unidos ganham Leão de Ouro pela melhor participação nacional na Bienal de Veneza 2021" [UAE / Wetland Wins the Golden Lion for Best National Participation at the 2021 Venice Biennale] 30 Ago 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/967675/emirados-arabes-unidos-ganham-leao-de-ouro-pela-melhor-participacao-nacional-na-bienal-de-veneza-2021> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.