Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Estilo Internacional

Estilo Internacional: O mais recente de arquitetura e notícia

Eliel e Eero Saarinen: A vasta influência de pai e filho na arquitetura

St Louis Gateway Arch. Image © Flickr user jeffnps licensed under CC BY 2.0
St Louis Gateway Arch. Image © Flickr user jeffnps licensed under CC BY 2.0

É raro um pai e filho compartilharem a mesma data de nascimento. Ainda mais raro que essa dupla trabalhe na mesma profissão e mais raro ainda ambos alcançarem sucesso internacional em suas respectivas carreiras. Esta, no entanto, é a história de Eliel e Eero Saarinen, os arquitetos finlandeses-americanos cujo portfólio conjunto retrata o desenvolvimento do pensamento arquitetônico moderno nos Estados Unidos. Desde os edifícios finlandeses inspirados pela Art Nouveau de Eliel e o planejamento urbano modernista até o estilo internacional de Eero e suas estruturas neo-futuristas, a dupla pai-filho produziu um corpo incomparável de trabalho, culminando em duas medalhas de ouro individuais do AIA.

© MWAA <a href='https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:FirstChristianChurch.jpg'>Photo by Greg Hume</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/deed.pt'>CC BY-SA 2.5</a> © <a href='https://www.flickr.com/photos/gabyu/305710396'>Ezra Stoller via Flikr user gabyu</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-ND 2.0</a> © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Helsinki_Railway_Station_20050604.jpg'>Revontuli</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a> + 22

Docomomo cria petição contra a demolição de marco modernista em Nova Iorque

Após um anúncio veiculado na semana passada, no qual a JPMorgan Chase demonstra seu interesse em demolir o histórico edifício modernista de sua sede em Nova Iorque (anteriormente conhecido como Union Carbide Building), os advogados do Docomomo, Comitê Internacional para a Preservação e Documenteção da Arquitetura Modernista, enviaram uma solicitação formal a Meenakshi Srinivasan, responsável pelo Comitê de Preservação de Marcos Urbanos da Cidade de Nova Iorque, defendendo a necessidade de preservação desta importante estrutura arquitetônica.

Nesta carta, Theodore H.M. Prudon, presidente da Docomomo dos EUA, e John Arbuckle, presidente da Docomomo do Estado de Nova Iorque, ressaltam a importância deste edifício projetado em 1957 (e inaugurado em 1961) por Skidmore, Owings and Merrill, o qual é uma peça chave dentro da história da arquitetura moderna, exigindo que a Comissão inclua o edifício em sua pauta de preservação e conservação de edifícios históricos o mais rápido possível.

Veja a transcrição completa da carta abaixo:

Torre 270 Park Avenue projetada pelo SOM pode se tornar o edifício mais alto do mundo a ser demolido

© Flickr <a href='http://https://www.flickr.com/photos/16801915@N06/8191438808/'>usuário Reading Tom</a>. sob licença CC BY 2.0t
© Flickr usuário Reading Tom. sob licença CC BY 2.0t

Apenas alguns meses após as plantas serem apresentadas para uma grande transformação do AT & T Building na 550 Madison, de Philip Johnson, outro arranha-céu icônico do centro de Manhattan está em risco - e desta vez, pode ser que o edifício seja completamente demolido.

Projetado por Natalie de Blois e Gordon Bunshaft, do escritório SOM, e concluído em 1961, o 270 Park Avenue (anteriormente conhecido como Union Carbide Building) é considerado um exemplo importantíssimo do Estilo Internacional na cidade de Nova Iorque, originado a partir do precedente estabelecido pelo Edifício Seagram, de Mies van der Rohe.

Mas depois que a nova legislação de zoneamento para o bairro foi aprovada no ano passado, o atual proprietário do prédio, JPMorgan Chase, anunciou planos para substituir o prédio de 215,50 metros de altura por um novo arranha-céu hi-tech. Se a ideia prevalecer, seria o maior e mais alto edifício do mundo a ser demolido intencionalmente.

Clássicos da Arquitetura: Paróquia do Santo Sacrifício nas Filipinas / Leandro V. Locsin

Apelidada de "disco voador", a Paróquia (Igreja) do Santo Sacrifício é uma expressão modernista que incorpora a complexa história colonial das Filipinas. Localizado em um campus universitário em Quezon City (anteriormente a capital da nação, agora uma parte da Região da Capital Nacional de Manila), a igreja em estrutura de casca de concreto foi produto do arquiteto filipino Leandro Locsin e de outros três artistas nacionais que contribuíram para seu interior. [1] O projeto de Locsin, que combina elementos da arquitetura filipina tradicional com a estética internacional do pós-guerra, sendo um poderoso símbolo de uma nação recém-independente após séculos de controle imperial.

Cortesia de Wikimedia user Ramon FVelasquez Cortesia de Wikimedia user Ramon FVelasquez Cortesia de Wikimedia user Ramon FVelasquez Cortesia de Wikimedia user Ramon FVelasquez + 7

Por dentro da subestimada casa de vidro de Philip Johnson em Manhattan

O legado arquitetônico da família Rockefeller em Manhattan é bem conhecido, evidenciado pelas torres art déco do Rockefeller Center e pelo campus do MoMA. Mas em uma cidade que está cheia de marcos e edifícios históricos, não é incomum que alguns projetos notáveis passem despercebidos. A Rockefeller Guest House de Philip Johnson em Manhattan foi concluída em 1950, apenas um ano após a construção de sua casa de vidro mais conhecido em New Canaan. A Casa de Vidro é uma influência óbvia para a casa de hóspedes posterior: ambas apresentam uma estrutura de aço e vidro e um amplo espaço interno que evidencia a solução arquitetônica adotada.

Os erros da arquitetura moderna segundo o cineasta Jacques Tati

Na maturidade da sua carreira, o diretor francês Jacques Tati apresentou ao mundo, em 1967, uma obra magistral onde a arquitetura moderna foi a protagonista. Com o humor refinado que lhe era característico, “Play Time” desata uma crítica absoluta sobre o progressismo mecanicista que estava sendo consolidado a nível mundial. A modernidade havia chegado na cidade de Paris com a promessa de melhores condições para o homem e o desenvolvimento do seu entorno; porém, agora era ele quem não se encaixava naquela utopia. O diretor francês conseguiu recriar o modelo que cativou o mundo e a inegável ineficiência que o conduziu a um crescente desmembramento das cidades e de suas histórias.

© Play Time (1967) - Sony Pictures © Play Time (1967) - Sony Pictures © Play Time (1967) - Sony Pictures © Play Time (1967) - Sony Pictures + 31

MoMA lança arquivo online com imagens de 3.500 exposições passadas

O Museum of Modern Art in New York (MoMA) lançou um arquivo online com mais de 3.500 exposições que já aconteceram no museu desde sua criação em 1929. De acesso gratuito para todo o público, o banco de dados contém fotografias, catálogos, comunicados de imprensa e listas dos artistas. 

O arquivo contém 660 itens marcados com a etiqueta "arquitetura" e inclui algumas das maiores exposições de arquitetura da história, entre as quais: Modern Architecture International Exhibition de Philip Johnson e Henry-Russell Hitchcock em 1932; a exposição de Herbert Bayer Bauhaus 1919-1928 em 1938; Thresholds/O.M.A. at MoMA: Rem Koolhaas and the Place of Public Architecture em 1994; e, mais recentemente, A Japanese Constellation: Toyo Ito, SANAA, and Beyond, encerrada em julho deste ano.

Clássicos da Arquitetura: Neue Nationalgalerie / Mies Van der Rohe

Na área do Kulturforum localizada no centro de Berlim localiza-se a Neue Nationalgalerie, última obra do mestre da arquitetura, Mies van der Rohe. Implantada ao sul do Tiergarten e a oeste da Postdamer Platz, ao lado da Filarmônica, ergue-se este edifício que conclui em sua máxima expressão o minimalismo do famoso Estilo Internacional. Ironicamente, a Neue Nationalgalerie foi o primeiro e último edifício de Mies em sua cidade natal, e significou para o arquiteto uma consagração de seus postulados arquitetônicos na linha de desenho que lhe havia caracterizado.

© Dan Gamboa Bohurquez © Dan Gamboa Bohurquez © Flickr user Christian Beirle Gonz·lez © Dan Gamboa Bohurquez + 16

Guia arquitetônico dos edifícios que você deve conhecer no Rio de Janeiro durante as Olimpíadas 2016

Rio de Janeiro dispensa apresentações para nós brasileiros. Uma cidade de contrastes, tão diversa nas suas pessoas, natureza e arquitetura. Seus edifícios históricos de influência eurocêntrica, os ícones modernos do século XIX, sem mencionar as recentes obras assinadas por arquitetos internacionais, conformam grandes marcos arquitetônicos que combinam com seu relevo e natureza.

A arquitetura de Santiago Calatrava se une a obras existentes de Oscar Niemeyer e Lúcio Costa. Como sabemos, o Rio de Janeiro não é feito apenas de arquitetura renomada, mas também é famoso por suas favelas, fruto de um crescimento urbano espontâneo e desordenado, que se tornaram uma marca da cidade. De qualquer modo, a cidade sede das Olimpíadas 2016 tem muito a nos apresentar no campo de arquitetura e urbanismo, assim decidimos criar um pequeno guia com alguns pontos imperdíveis.

Santa Marta. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/armandolobos/5920954662/'>Flickr user alobos Life</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/'>CC BY-NC-ND 2.0</a> Cidade das Artes. Image © Nelson Kon Catedral Metropolitana. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/vincentraal/9136698555/in/photolist-eVo64M-eVo3gR-eVnYar'>Flickr user vincentraal</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> Museu do Amanhã. Image © Bernard Lessa Teatro Municipal do Rio. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/gameoflight/13084341645/in/photolist-kWfhuy-kWdM16-kWdEVk-kWfo5b'>Flickr user gameoflight</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/'>CC BY-NC-SA 2.0</a> MAC Niterói. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/gameoflight/13034234305'>Flickr user gameoflight</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/'>CC BY-NC-SA 2.0</a> Maracanã. Image © Schlaich Bergermann und partner Parque Lage. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/93906643@N08/8552874061/in/dateposted/'>Flickr user Jonas Santin</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.0/>CC BY-NC 2.0</a> Museu de Arte Moderna. Image © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:MAM_-_Museu_de_Arte_Moderna_do_Rio_de_Janeiro_02.jpg'>Wikimedia user Halley Pacheco de Oliveira</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a> + 20

Arquitetura Moderna em Porto Alegre (Parte II): Entre o “Estilo Internacional" e o padrão brutalista nos anos 60/70 / Luís Henrique Haas Luccas

Foi evidente o predomínio da matriz corbusiana na fase inicial da arquitetura moderna em Porto Alegre, do final dos anos quarenta ao final dos anos cinquenta; um quadro creditável em grande parte ao êxito da Escola Carioca e sua consequente posição referencial assumida. Entretanto, é perceptível que a arquitetura local do período também se norteou por casos exemplares de outras latitudes e recebeu contribuições palpáveis menores como a uruguaia. O aporte do país vizinho foi um fato concreto, porém de dimensão menor que a apregoada há alguns anos, quando suposições eram instituídas como verdades pela repetição, na ausência de uma necessária historiografia. E é de se lamentar que esse subsídio qualificado tenha sido mais restrito do que se supunha anteriormente, limitando-se à formação de Demétrio Ribeiro e à colaboração de bons professores de Montevidéu [1] ao ensino local, além das duas obras importantes que o arquiteto Fresnedo Siri legou à cidade: o Hipódromo do Cristal e o Edifício Esplanada; e da contribuição posterior das cascas de cerâmica armada de Eladio Dieste, iniciada na CEASA (1970) e desenvolvida através da fábrica Memphis (1976), de um conjunto de residências e algumas edificações para fins comerciais.

Infográfico: A Bauhaus: Quando a Forma segue a Função