1. ArchDaily
  2. Água

Água: O mais recente de arquitetura e notícia

Como as piscinas evoluíram para um símbolo de status moderno

Poucas tipologias arquitetônicas têm o poder de invocar uma sensação de dupla natureza, como a piscina modernista. O próprio design das piscinas implica em momentos de atividade acima e abaixo da água. Superficialmente, e no sentido mais óbvio e visível, as piscinas atuam como um espaço para lazer e treinamento atlético. Mas analisando-as mais a fundo, as piscinas têm uma longa história de atuação como símbolos de vigilância, morte e condições sociais associadas a uma classe econômica.

Dia Mundial da Água: reaproveitamento e sustentabilidade em projetos de arquitetura

Hoje, 22 de março, é comemorado o Dia Mundial da Água. Segundo dados da ONU, entidade responsável pela criação desta data comemorativa, até o ano de 2050, entre 3,5 bilhões e 4,4 bilhões de pessoas terão acesso limitado a esse recurso, cujo uso aumentou seis vezes no século passado e hoje apresenta um crescimento de cerca de 1% ao ano.

Diante de dados tão desfavoráveis, o conceito de sustentabilidade e a importância de soluções que visam a economia e reaproveitamento da água ganham ainda mais relevância.

Casa do Lago Wallis / Matthew Woodward Architecture. Imagem: © Brett Boardman PhotographyEco-Cabana Majamaja Wuorio / Littow Architectes. Imagem: © Marc GoodwinMicro Tropicalidade, Sede da RAD+ar / RAD+ar (Research Artistic Design + Architecture). Imagem: © William SutantoCentro Infantil Econef / Asante Architecture&Design + Lönnqvist & Vanamo Architects. Imagem: © Robin Hayes+ 9

Planejamento urbano e corpos d'água: os assentamentos aquáticos na Flórida

Delray Beach, Flórida. Created by @dailyoverview, source imagery @maxartechnologiesBoynton Beach, Flórida. Created by @dailyoverview, source imagery: @airbus_space © CNES 2020, Distribution Airbus DSIsland Walk, Naples, Flórida. Created by @dailyoverview, source imagery: @nearmapVenetian Islands, Miami Beach, Flórida. Created by @dailyoverview, source imagery @maxartechnologies+ 8

Cercado ao sul, leste e oeste pelo Oceano Atlântico, o estado da Flórida, nos Estados Unidos, possui um litoral de mais de dois mil quilômetros de extensão e é caracterizado pela grande presença de lagos, rios e poços em todo o seu território. Com booms de crescimento significativos ao longo do tempo, sobretudo no último século, o rápido desenvolvimento de bairros, comunidades e cidades no estado frequentemente incorporaram os recursos hídricos abundantes no território, nem sempre de forma bem sucedida.

Como as arquiteturas flutuantes não afundam?

O ambiente aquático sempre fascinou sonhadores e pesquisadores. Por volta de 1960, em meio à acirrada corrida espacial da Guerra Fria, o explorador francês Jacques Cousteau desenvolveu equipamentos para desvendar as profundezas do mar - como o Aqualung - que permaneciam tão ou mais inexploradas que o próprio espaço sideral. Ele chegou a afirmar que em 10 anos poderíamos ocupar o fundo do mar como “aquanautas” ou 'oceanautas”, onde seria possível passar períodos longos, extraindo recursos minerais e até cultivando alimentos. Sessenta anos depois o fundo do mar ainda é reservado a poucos, e a humanidade tem se preocupado mais com as enormes quantidades de plástico nos oceanos e o aumento do nível dos mares por conta do aquecimento global. Mas estar próximo de um corpo d’água continua fascinando grande parte das pessoas. Seja por interesse ou pela necessidade de ganhar espaço em cidades com riscos de inundação ou populosas demais, propostas utópicas e exemplos interessantes de arquiteturas flutuantes têm figurado no arquivo de projetos do ArchDaily. Mas quais as diferenças fundamentais entre construir casas em terra e casas na água e de que forma esses edifícios permanecem na superfície e não afundam?

Residência NB / Jacobsen Arquitetura

© Fernando Guerra | FG+SG© Fernando Guerra | FG+SG© Fernando Guerra | FG+SG© Fernando Guerra | FG+SG+ 29

Angra dos Reis, Brasil
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  760
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019

Economia circular + gestão das águas = sistema cerâmico de drenagem urbana

© Milena Villalba© Milena Villalba© Milena Villalba© Milena Villalba+ 34

O LIFE CERSUDS (da sigla em inglês Ceramic Sustainable Urban Drainage System) é um projeto financiado pela União Europeia através do programa LIFE, um instrumento legal criado para incentivar o desenvolvimento de soluções práticas para lidar com os desafios impostos pelas mudanças climáticas no continente. O CERSUDS é um sistema de drenagem urbana sustentável (SUDS) composto por componentes cerâmicos de baixo valor comercial, resultando em elementos de pavimentação urbana com alto índice de permeabilidade. O objetivo do sistema é ampliar a capacidade de absorção de água da chuva em centros urbanos.

O sistema foi utilizado por primeira no projeto piloto implantado no centro da pequena localidade de Benicàssim, na Espanha, pelos arquitetos Eduardo de Miguel e Enrique Fernández-Vivancos—professores da Cátedra Cerâmica de Valencia—em colaboração com a Escola Técnica Superior de Arquitetura da Universidade de Valencia.

Entre a água e a terra: 10 projetos de passeios e orlas marítimas e fluviais

O espaço que margeia um rio, lago, lagoa ou costa marítima representa uma zona de transição entre a água e a terra. Por isso, a conversão das margens dos corpos d’água em espaços públicos ativos e atrativos busca delinear um certo equilíbrio entre a rigidez do espaço construído e a fluidez da água.

Chicago Riverwalk / Departamento de Transporte de Chicago. Imagem: © Kate Joyce StudiosParque "Victoria on the River" / Edwards White Architects. Imagem: © Simon WilsonRequalificação do Balneário da Praia dos Moinhos / M-Arquitectos. Imagem: © Paulo GoulartReabilitação Urbana da Orla de Antalya Konyaalti / OZER/URGER Architects. Imagem: © Yercekim Architectural Photography+ 21

Mapas apresentam rios e bacias hidrográficas do mundo todo em cores vibrantes

O analista GIS e cartógrafo húngaro Robert Szucs compartilhou conosco uma impressionante coleção de mapas que reúne todas as bacias hidrográficas do mundo, destacadas com cores vibrantes. Disponibilizadas no website de seu projeto Grasshopper Geography, as cartografias mostram o mapa mundi dos rios e cursos d'agua e, também, versões menores, com as bacias de alguns países e continentes.

Bacias hidrográficas do Brasil. Image © Robert Szucs / Grasshopper GeographyBacias hidrográficas da Índia. Image © Robert Szucs / Grasshopper GeographyBacias hidrográficas dos Estados Unidos. Image © Robert Szucs / Grasshopper GeographyBacias hidrográficas da China. Image © Robert Szucs / Grasshopper Geography+ 14

Dicas para aproveitar a água da chuva nos projetos de arquitetura

A quantidade total de água em nosso planeta é, teoricamente, a mesma desde sua formação. É possível que aquele copo de água tomado mais cedo contenha partículas que já correram pelo Rio Ganges, algumas que passaram pelo sistema digestivo de um dinossauro e outras que resfriaram um reator nuclear. Claro, antes de matar a sua sede, ela evaporou e caiu como chuva milhões de vezes. A água pode ser poluída, desrespeitada, mal usada, mas nunca criada ou destruída. Segundo um estudo da UNESCO, estima-se que a Terra contenha cerca de 1386 milhões de quilômetros cúbicos de água. No entanto, 97,5% deste montante são águas salinas e apenas 2,5%, água doce. Desse tanto, a maior parte (68,7%) está na forma de gelo e neve permanente na Antártida, Ártico e em regiões montanhosas. Em seguida, 29,9% existem como águas subterrâneas. Apenas 0,26% da quantidade total de água doce da Terra está disponível nos lagos, reservatórios e bacias hidrográficas, mais facilmente acessíveis para as necessidades econômicas e vitais do mundo. Com o aumento populacional, sobretudo em áreas urbanas, diversos países já apresentam severos problemas a ofertar a quantidade de água potável a suas populações.

Gerar água a partir da umidade do ar para enfrentar a seca global

À medida que a crise climática continua se desenrolando, os profissionais de arquitetura, engenharia e design sustentável têm procurado incansavelmente novas maneiras de mitigar os efeitos negativos da produção industrial moderna. Um grupo desses inovadores, Zero Mass Water, contribuiu para esse esforço através da criação do 'primeiro e único hidro-painel do mundo' - um aparelho chamado SOURCE.

Cidade versus água: entenda como Veneza foi construída

Seja do ponto de vista do turista francês, da narrativa do filósofo Jean Paul Sartre, ou como ponto de partida das investidas desbravadoras de Marco Polo em suas Viagens, a cidade de Veneza faz parte de um imensurável repertório literário global, ocupando o lugar de objeto misterioso e belo que instiga qualquer um que se disponha a experienciá-la. Ela figura em livros de artes e história, quando o foco está nas grandes obras de arquitetura e artes visuais que a cidade carrega, ou quando há interesse nas divergentes e lendárias narrativas que dizem respeito à sua origem. Nos livros de ficção, a áurea calma de seus canais, as pequenas vielas, as cores e texturas de sua paisagem são plano de fundo para uma miríade de histórias imaginadas.

Usos inovadores da água na arquitetura

De piscinas cobertas, fontes externas tranquilas a cachoeiras e lagos de enormes proporções, a arquitetura historicamente envolveu a água de maneiras infinitamente inovadoras. Muitas vezes servindo a funções estéticas, mas também atuando como centros de atividade ou promovendo a sustentabilidade, os elementos aquáticos podem assumir inúmeras formas e servir a múltiplos propósitos. Abaixo, sintetizamos uma série de elementos de água adotados por projetos arquitetônicos contemporâneos inovadores, variando de residências unifamiliares a vastos complexos comerciais.

The Winery at VIK / Smiljan Radic. Image © Cristobal PalmaJellyfish House / Wiel Arets Architects. Image © Jan BitterJewel Changi Airport / Safdie Architects. Image Courtesy of Peter Walkner Partners Landscape ArchitectsMoses Bridge / RO&AD Architecten. Image © RO&AD Architecten+ 34

As veias do Brasil: arco-íris das bacias hidrográficas do território nacional

O impressionante mapa colorido como o arco-íris (acima) mostra o padrão de rede dos caminhos feitos por cada corpo hídrico brasileiro, registrados em todos os 27 Estados utilizando bases públicas de dados.

O maior conjunto identificado em azul é a Bacia do Rio Amazonas, na região norte do país. Representadas em outras cores, podemos ver as outras oito bacias que compõe a hidrografia brasileira, a partir das quais a Agência Nacional de Águas (ANA) entende a gestão e regulação dos recursos hídricos no Brasil, criando as bases para leis e demais regulações pertinente à todos.

Piscinas cobertas: Trazendo a tranquilidade da água para os espaços internos

Dentro da arquitetura, a água evoca sentimentos de calma e bem-estar. O elemento influenciou os projetos através de sua natureza dinâmica e fluida. Com os recentes avanços tecnológicos, os arquitetos criaram algumas das intersecções mais inesperadas e inovadoras entre os projetos e a água.

Abaixo, fornecemos um conjunto de piscinas internas que destacam a aplicação da água em diferentes espaços, mostrando sua relação com a materialidade e o uso.

Esta coleção é um dos muitos agrupamentos interessantes de conteúdo feitos por nossos usuários registrados. Lembre-se que você pode salvar e gerenciar o que te inspira no My ArchDaily. Crie sua conta aqui.

© Mariela Apollonio© Yoshihiro Koitani + Aby Helfon y Ramón Helfon© Héctor Fernández Santos-Díez© Vinicius Nunes+ 30

Carlo Scarpa, o arquiteto da água

Desde a sua mais tenra idade, Carlo Scarpa, aquele que se tornaria um dos mais importantes arquitetos italianos de todos os tempos, tinha muito presente o elemento fundamental que descreveria e fundamentaria sua obra muitos anos depois: a água. Enquanto brincava e se divertia por entre aquele emaranhado de vielas e canais, Scarpa vivenciava todo um universo de informações, especialmente a riqueza de estímulos que sua cidade natal o oferecia. Sua enorme sensibilidade para com o espaço è fruto dos estímulos que lhe proporcionava Veneza, sua mais bela inspiração. Sua devoção pelo simples, pelo despretensioso, exatamente o contrário da exuberância, do cenográfico e ostensivo, vai sendo construída pouco a pouco; a arte, o espaço e a história estavam presentes em suas leituras, em sua viagem em direção ao conhecimento.

Carlo Scarpa desenvolveu sua arquitetura à partir de sua extraordinaria cultura visual e de seu respeito pela tradição; percorrendo as evidências do passado e reinterpretando-as à sua manera, transformando-as em espaço arquitetônico onde todas as peças são unidades independentes mas bem orquestradas, uma narrativa espacial que, como ele mesmo dizia, poderia ser interpretada como uma música. Utilizava toda sua sabedoria e sensibilidade para se posicionar em relação ao passado, às preexistências. Mergulhando na história e interpretando o passado, construía suas obras de modo que valorizassem o contexto onde estavam inseridas.