David Basulto

Fundador, CEO e editor-chefe do ArchDaily :) Arquiteto. Júri, conferencista, curador, programador, M.C., e tudo o que é necessário para divulgar a nossa missão no mundo. Você pode seguí-lo no Instagram/Twitter @dbasulto ou acompanhar a ou curadoria de projetos publicamos no Instagram do @ArchDaily.

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

ArchDaily X MINI Clubman: uma iniciativa de recuperação de edifícios

"O prédio mais verde é aquele que já foi construído". (Carl Elefante, FAIA)

Até 2050 a população que vive em áreas urbanas duplicará e as cidades precisam encontrar formas sustentáveis ​​para acomodar este movimento de massas. Muitas vezes, verificamos que os projetos estão sendo construídos o mais rápido possível para suportar o crescimento, mas esses edifícios acabam por carecer de caráter e tornam a cidade genérica. Uma solução mais inteligente e sustentável é aumentar a densidade dos centros existentes, bem como recuperar as estruturas existentes através da remodelação e da reutilização.

Transformar o que é antigo em algo novo é um processo desafiador. Isso requer uma visão ousada e um compromisso rigoroso de projetar.

Ramon Vilalta, do RCR Arquitectes, fala sobre receber o Pritzker e as ambições após a premiação

Há dois dias atrás, o ArchDaily teve a honra de entrevistar Ramon Vilalta, um dos três arquitetos agraciado com o Prêmio Pritzker de 2017. Vilalta nos ofereceu uma perspectiva única sobre a história por trás de sua colaboração com Rafael Aranda e Carme Pigem, e como sua conexão com a sua pequena cidade natal Olot, na Espanha, influenciou uma carreira que tem produzido projetos excepcionais em seu escritório RCR Arquitectes.

Como foi o início do escritório? Porque vocês se juntaram tão rápido após terem concluído a faculdade?

RV: Nesse sentido fomos pessoas bastante disciplinadas. Nós fizemos o curso rapidamente e depois de sair decidimos criar um escritório; tomar a decisão de enfrentar a arquitetura através da partilha, realmente compartilhando ela. Somos pessoas com personalidades diferentes, cada um é de uma maneira, mas o que sai da química dos três acho que nos torna especiais. É isso que sinto, uma grande decisão que não foi fácil de tomar naquele momento.

De 2016 para 2017: Arquitetura e o nosso futuro

TLDR; O melhor de 2016.

Caros leitores,

2016 foi um ano frenético com complexas questões geopolíticas, sociais e culturais que colocaram o mundo na encruzilhada de um futuro incerto. Devemos olhar para trás, nostálgicos, procurando um passado seguro, ou avançar ser parte ativa de um futuro esperançoso?

Como arquitetos, temos uma enorme responsabilidade nesse cenário; historicamente, nossa profissão tem moldado as ideias coletivas de futuro, geração após geração, lidando com as crises de nossa sociedade. Na ausência de uma liderança clara que nos guiará em direção a um futuro inspirador, esta é nossa oportunidade de atuarmos como agentes de mudança em busca do futuro que merecemos.

ArchDaily: O que aconteceu em 2015 e o que esperamos para 2016

Caros leitores,

Este ano que acaba foi intenso no ArchDaily e gostaria de olhar para trás e compartilhar com vocês o que fizemos de melhor em 2015 e também oferecer um rápido olhar sobre o que virá em 2016.

Nosso foco em países emergentes é algo que está intimamente ligado à nossa missão. Estou muito feliz em ver que, como sociedade, compreendemos a importância das cidades para o futuro da humanidade e que estamos melhorando elas através do modo tradicional de fazer arquitetura, mas também estamos cada vez mais imersos em um campo expandido da arquitetura e trabalhamos cada vez mais mais de modo colaborativo e multidisciplinar.

Iniciamos este projeto em 2008 de modo bastante instintivo, mas sempre compreendendo que deveríamos valorizar a arquitetura e os arquitetos. Hoje, publicamos em 4 idiomas, alcançamos mais de 400 mil leitores diariamente que acessam 120 milhões de páginas todo mês. Esta escala nos fez compreender o que é proporcionar valor aos arquitetos através do fornecimento de dados. Nossa análise para os posts de final de ano nos mostrou o quão importante para vocês é ter acesso à tecnologia e recursos que podem lhes auxiliar em seus trabalhos.

Iñaqui Carnicero e Carlos Quintáns dirigirão o Pavilhão da Espanha na Bienal de Veneza 2016

Iñaqui Carnicero e Carlos Quintáns foram escolhidos para dirigir o pavilhão espanhol na Bienal de Arquitetura de Veneza 2016, dirigida pelo arquiteto chileno Alejandro Aravena e que tem como tema: "Reporting from the Front".

Iñaqui Carnicero é professor de projeto na Universidade de Cornell nos Estados Unidos, atividade que desempenha juntamente com seu trabalho profissional como arquiteto, que já lhe rendeu importantes prêmios como o Design Vanguard Award, o AIANY Housing Award, o Emerging Architects Award, o FAD e o COAM Award.

Carlos Quintáns é professo do departamento de Construções Arquitetônicas da Escola de A Coruña e diretor da revista Tectónica, além de trabalhar como arquiteto e ter sido reconhecido com o  COAG, o FAD e o prêmio da Bienal de Arquitectura Española.

Seja bem vindo à nova versão do ArchDaily Brasil

Ao longo os últimos quatro anos temos construído e mantido um enorme banco de dados com milhares de edifícios e projetos para oferecer a vocês, leitores, inspiração e conhecimentos a serem aplicados em seus trabalhos acadêmicos e profissionais. 

No entanto, esse grande banco de dados carecia de uma estrutura que permitisse usá-lo adequadamente para este propósito. É claro, era possível navegar e realizar buscas por tipo de edifício ou país, usar o Meu ArchDaily para selecionar seus projetos favoritos ou acessar as grandes galerias de fotos. Mas a falta de uma estrutura apropriada nos impedia de cumprir efetivamente nossa missão, que é oferecer aos nossos leitores o melhor da arquitetura do Brasil e do mundo.

Assim, trazemos até vocês uma nova versão do ArchDaily Brasil. O que vocês verão nos próximos dias é uma nova ferramenta de busca que permite navegação mais rápida em nosso banco de dados de projetos e também a nova versão do Meu ArchDaily.

Divulgados os finalistas do "2015 ArchDaily Building of the Year Awards"

Após uma movimentada semana de nomeações, os leitores do ArchDaily avaliaram mais de 3.000 projetos e selecionaram 5 finalistas de cada categoria do Building of the Year Award.

Assim como no ano passado, mais de 18 mil arquitetos e entusiastas participaram do processo de nomeação, compartilhando o que a arquitetura significa para cada um deles ao eleger os edifícios que mais lhes inspiram.

Os finalistas deste ano constituem um grupo diverso de projetos oriundos de todas as partes do mundo e de escritórios de diferentes escalas e trajetórias. 

Importante lembrar que o escritório por trás do projeto mais votado no geral receberá uma HP T520 Designjet T520 ePrinter, enquanto que o segundo e terceiro colocados receberão uma HP T120 Designjet ePrinter.

As vencedoras dos dois iPads nesta primeira etapa de nomeação são: Linda Hinderdael (iPad Mini) e Sylvia Robert (iPad Air). Dois outros iPads serão entregues a nossos leitores na etapa final do prêmio.

Vote agora em suas obras favoritas para o "2015 ArchDaily Building of the Year Awards"

2014 foi um grande ano para o ArchDaily. A plataforma cresceu tanto que atingiu a memorável cifra de 350 mil leitores por dia, democratizando o acesso ao conhecimento arquitetônico e fomentando as trocas entre profissionais de diferentes locais e contextos. Vemos surgir agora uma espécie de novo regionalismo,fortalecendo a identidade dos países emergentes e se tornando uma nova fonte de ideias e inovações no mundo da arquitetura.

Bloco Rural / njiric+ arhitekti

© Domagoj Blazevic© Domagoj Blazevic© Domagoj Blazevic© Domagoj Blazevic+ 39

Zagreb, Croácia
  • Arquitetos: njiric+ arhitekti
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  3500
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2008

Espaço de Recepção Papa João Paulo II / Randić & Turato

© Robert Leš© Robert Leš© Robert Leš© Robert Leš+ 31

Modernismo no mundo árabe: Pavilhão do Barém na Bienal de Veneza

O pavilhão do Barém na Bienal de Veneza 2014 explora a condição do país - localizado na extremidade leste da região pan-arábica - para investigar o impacto da modernidade no mundo árabe: primeiramente como uma imposição colonial; depois como uma tentativa local de reconciliar a cultura global e árabe; e finalmente como uma aceitação dos ideais neoliberais.

A exposição reúne 100 projetos de todos os estados árabes com a intenção de consolidar e preservar o conhecimento desse período crítico. A própria instalação, uma enorme prateleira de livros, é a manifestação dessa pesquisa e será disponibilizada no Centro Árabe de Arquitetura após o fim da Bienal. 

© Nico Saieh© Nico Saieh© Nico Saieh© Nico Saieh+ 9

Infográfico: O que realmente fazem os arquitetos europeus?

Embora a prática profissional da arquitetura englobe um espectro muito amplo de atividades, frequentemente focamos no projeto de edificações voltado para a construção da obra, deixando para trás outras áreas que oferecem muitas oportunidades para os arquitetos. Neste infográfico, produzido pelo OMA para a exposição Monditalia da Bienal de Veneza, vemos como as atividades profissionais se distribuem em sub-áreas que incluem planejamento, paisagismo, projeto de interiores e estudos de viabilidade - uma relação que nos permite extrapolar os resultados e produtos que surgem desses países.

Clique no infográfico para vê-lo mais detalhadamente e revisite os projetos que já publicamos dos países representados.

Exposição “Crow's Eye View” – Coréia é premiada com o Leão de Ouro na Bienal de Veneza 2014

Atualmente a Coréia apresenta um exemplo extremos de polarização pós-guerra: dois sistemas políticos e econômicos opostos, constantemente apresentados em contraste/conflito pela mídia global, que ainda mantém uma relação estreita e complicada. O papel da arquitetura nessa polarização foi instrumental. A Coréia do Norte buscou representar as aspirações de uma nova nação comunista num contexto devastado após a guerra - a tabula rasa a partir da qual as adaptações do modernismo poderiam surgir. Na Coréia do Sul, o rápido crescimento econômico alimentou uma forma de modernização que representava os ideais de um mundo globalizado. 

Estas distintas absorções da modernidade, e a relação entre estas duas nações vizinhas, estão representadas no Pavilhão da Coréia através de uma exposição chamada Crow’s Eye View, vencedora do Leão de Ouro na Bienal de Veneza 2014. A densa exposição, com curadoria de Minsuk Cho juntamente com Hyungmin Pai e Changmo Ahn, utilizou cada canto do pavilhão para representar o tema. Os curadores convidaram um grupo multidisciplinar de arquitetos, urbanistas, poetas, escritores, artistas, fotógrafos, cineastas, curadores e colecionadores a demonstrar (graças às suas disponibilidades, já que cooperações oficiais com instituições da Coréia do Norte se provaram impossíveis) as interseções e divisões arquitetônicas entre as Coréias do Norte e do Sul.

Reconhecida pelo júri como "pesquisa em ação", Crow’s Eye View proporcionou uma adição valiosa a um discurso que vem sendo predominantemente efetivado por narrativas ocidentais. E é precisamente isso que, segundo rumores, fazem deste o pavilhão favorito de Koolhaas.

Crow's Eye View: The Korean Peninsula. Imagem © Nico SaiehCrow's Eye View: The Korean Peninsula. Imagem © Nico SaiehCrow's Eye View: The Korean Peninsula. Imagem © Nico SaiehCrow's Eye View: The Korean Peninsula. Imagem © Nico Saieh+ 20

Ao vivo de Amsterdã: Shigeru Ban é laureado na cerimônia de premiação do Pritzker

A cerimônia de premiação do Pritzker 2014, que concederá oficialmente o prêmio a Shigeru Ban, acontece hoje em Amsterdã, às 14h (horário de Brasília).

Bienal de Veneza 2014: Tabula rasa em Israel

Israel é um país erguido sob a bênção do modernismo. O país surgiu a partir de condicionantes particulares  o resultado é uma paisagem arquitetônica única, não apenas em termos de edifícios, mas também como o próprio território foi planejado. Anti-urbano por essência, o Plano Sharon de 1951 originou mais de 400 cidades espalhadas em todo o território. 

Essa nova paisagem - a tabula rasa - evoluiu em uma variedade de padrões e formas, uma paisagem que não é urbana nem suburbana. 

“Urburb” é o título da exposição israelense na Bienal de Veneza 2014. Dentro do pavilhão, uma performance robótica constante traça os padrões originados a partir do Plano Sharon na areia, apagando-os em seguida para, então, desenha-los de novo num ciclo contínuo. Trata-se de uma performance que nos faz refletir sobre o futuro dos novos assentamentos e as possibilidades da construção robótica.

A exposição tem curadoria de Ori Scialom, Dr. Roy Brand, Keren Yeala Golan e Edith Kofsky.

© Nico Saieh© Nico Saieh© Nico Saieh© Nico Saieh+ 14

ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2014

Estamos em Veneza cobrindo novamente a Bienal de Veneza, em uma versão que tem gerado grandes expectativas. Com curadoria de Rem Koolhaas, sem dúvida, uma das figuras mais influentes no discurso arquitetônico contemporâneo. A Bienal deste ano centra-se no passado para informar o estado atual da arquitetura.

Este ano, Koolhaas propõe "Fundamentals" como o tema central da Bienal. Ao invés de focar na produção contemporânea (como tem sido, tradicionalmente, o mote do evento) a 14ª edição é dividida em três mostras de vislumbram o passado, o presente e futuro de arquitetura: Absorbing Modernity 1924-2014 (Pavilhões Nacionais), Elements (Pavilhão Central) e Monditalia (Arsenale). Você pode encontrar mais detalhes sobre cada um em nossas publicações anteriores.

Os mercados europeus mais saturados: Onde e quão boas são as oportunidades para os arquitetos na Europa?

Há algumas semanas a Monditalia, uma das três exposições da Bienal de Arquitetura de Veneza 2014, publicou um pequeno infográfico mostrando o número de arquitetos per capita em alguns países ao redor do mundo.

Ontem a Monditalia revelou outros gráficos, levando-nos a pensar não apenas sobre quais mercados estão saturados, mas também sobre onde estariam as melhores oportunidades e possibilidades para nossa profissão. Com base em dados do centro de pesquisa da construção CRESME, os curadores da Monditalia criaram um gráfico do potencial (financeiro) para arquitetos em diversos mercados europeus.

Boas Festas dos arquitetos!

Todo ano, arquitetos de todas as partes do mundo compartilham seus cartões de boas festas conosco, usando sua criatividade para compor um belo cartão (digital) de feliz natal e próspero ano novo. A seguir alguns dos nossos favoritos deste ano.

Nós do ArchDaily Brasil desejamos boas festas a todos o nossos leitores e leitoras!