Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Fórum Urbano Moscou: Rem Koolhaas, Vladimir Putin e o futuro de Moscou

Fórum Urbano Moscou: Rem Koolhaas, Vladimir Putin e o futuro de Moscou
Vladimir Putin. Imagem Cortesia de MUF
Vladimir Putin. Imagem Cortesia de MUF

Nos últimos oito anos, Moscou acolheu o Fórum Urbano de Moscou, uma reunião anual para especialistas discutirem questões urgentes das metrópoles atuais. Alguns dos mais renomados arquitetos e urbanistas, prefeitos, funcionários do governo, economistas, investidores, acadêmicos, cidadãos e profissionais de diversos campos e nacionalidades se reúnem na icônica cidade russa e seus locais emblemáticos como Menage ou VDNKh. Mas foi a presença de dois dos homens mais influentes do mundo, em suas respectivas áreas de influência, que marcaram a importância do Fórum Urbano de Moscou deste ano: Rem Koolhaas e Vladimir Putin.

O evento faz parte de um processo urbano abrangente e de longo prazo, no qual uma série de projetos coordenados mudou a cara de Moscou, colocando-a ao lado de outras capitais europeias. Antes da Copa do Mundo de 2018, muitos desses projetos foram concluídos, tornando especial a edição do Fórum Urbano de Moscou. O Garden Ring, o Krymskaya Embankment, o renovado Estádio Luzhniki, a reforma do Gorky Park, o Museu Garage, o My Street Program, o Círculo Central de Moscou e o Sistema Público de Bicicletas Velobike, entre muitas outras iniciativas, mostram o compromisso da cidade de melhorar a qualidade de seus espaços públicos. Projetos futuros, como o novo Museu Hermitage, da Asymptote, a V-A-C Foundation in Red October de Renzo Piano, a orla do Rio Moskva, pelo Projeto Meganom e a reforma da Galeria Tretyakov pelo OMA mostram que essa responsabilidade se estende para além da Copa do Mundo.

Durante o evento, discutimos muitas dessas iniciativas com Marat Khusnullin, vice-prefeito da cidade no Governo de Moscou para o Desenvolvimento Urbano e Construção (vídeo abaixo).

Este ano, o Fórum foi realizado no Parque Zaryadye, um novo parque urbano localizado ao lado da icônica Praça Vermelha. O projeto, que parte de uma série de competições públicas realizadas nos últimos anos, foi projetado por Diller Scofidio + Renfro, juntamente com Hargreaves Associates e CityMakers; Ele traz um pedaço de natureza selvagem para o centro da cidade e abre novas vistas ao rio através de uma varanda-ponte em balanço. O projeto atraiu a atração de moscovitas e turistas, sendo visitado por mais de um milhão de pessoas em apenas um mês confirmando a importância da abertura de novos espaços públicos no centro da cidade. O parque foi vencedor do Prêmio Edifício do Ano ArchDaily 2018 na Categoria de Arquitetura Pública, que apresentamos em uma das sessões de abertura num painel com o Arquiteto da Cidade de Moscou, Sergey Kuznetov, Charles Renfro, Mary Margaret Jones e Petr Kudryavtsev.

O renomado Rem Koolhaas participou ativamente dos painéis durante o primeiro dia, juntando-se ao prefeito de Moscou, Sergey Sobyanin e Elizabeth Diller, para discutir o estado atual da cidade de Moscou no contexto de outras metrópoles; mais tarde, ele juntou-se a Winny Maas, Yuri Grygoryan, Sergey Tchoban, Sergey Kuznetov e Francine Houben, para explorar como os arquitetos europeus estão trabalhando hoje na Rússia em uma sessão liderada por Giovanna Carnevali.

Mas no final do dia, o salão principal estava lotado para sua entrevista com o jornalista Vladimir Pozner. Nesta entrevista, Rem compartilhou a forte influência que a Rússia e sua arquitetura tiveram em sua carreira, quando visitou Moscou aos 22 anos, ainda enquanto jornalista. Ao trabalhar em uma exposição sobre arquitetura russa, ele foi exposto a algo que o levou se tornar arquiteto.

"Basicamente, quando cheguei à Rússia, entendi pela primeira vez que a arquitetura não era apenas sobre formas ou construções, mas era uma profissão que poderia definir o conteúdo da sociedade e poderia intervir na sua formação. É uma interpretação ambiciosa de arquitetura, mas quando vi o trabalho dos arquitetos russos nos anos 20 e 30, eu entendi que essa era a sua liberdade: essa arquitetura era uma maneira de roteirizar, mas com prédios ao invés de palavras".

A conversa moveu-se entre suas visões sobre Moscou - "a única megacidade na Europa" devido a sua escala e isolamento no vasto território, ao contrário da continuidade do padrão urbano encontrado na Europa Ocidental - e a relação entre política e arquitetura, habitação, modernismo e a estética do comunismo.

Garage Museu de Arte Contemporânea por OMA, foto © ArchDaily
Garage Museu de Arte Contemporânea por OMA, foto © ArchDaily

Em relação à vasta parte não-urbanizada da Rússia, Rem discutiu suas visões sobre Countryside, sua exposição no Guggenheim que mostra uma parte do mundo que verá um tipo particular de desenvolvimento na era dos data centers em larga escala, produção agrícola robótica e novas não-centralidades graças à tecnologia.

Rem também compartilhou mais detalhes sobre seus planos para a renovação da Nova Galeria Tretyakov. Um dos museus mais fantásticos da Rússia, que abriga obras-primas de Malevich, Kandinsky e Andronov, e está localizado ao longo do rio Moskva em um eixo cultural que vai do Parque Gorky (com o novo Museu Garage do OMA) ao Red October, com a nova VAC Foundation de Renzo Piano. O OMA planejou transformar as salas de exposição fragmentadas existentes, abrindo-as e revelando grandes espaços para exibição.

Galeria New Tretyakov por OMA
Galeria New Tretyakov por OMA

Mas foi a visita altamente esperada do presidente Vladimir Putin que culminou no segundo dia do fórum. Em seu discurso, ele se concentrou em destacar a transformação urbana de Moscou descrita acima porém, o mais importante, ele decidiu levar essas lições para o resto do país a fim de replicar o sucesso da capital. Outras cidades que sofreram projetos de desenvolvimento complexos como Kazan, Sochi e Vladivostok, enfatizam um compromisso com o desenvolvimento urbano como uma ferramenta para o crescimento descentralizado (e não apenas neste momento das Olimpíadas de Inverno e pós-Copa do Mundo da FIFA).

“É importante mostrar que o que nossos visitantes presenciaram não era uma vitrine, nem uma aparência externa artificial e de curto prazo, um mundo virtual chamativo. Tudo o que viram foi real. Todo o país está mudando, e essa é uma tendência consistente e de longo prazo. [...] Esses investimentos são projetados, antes de tudo, para melhorar a qualidade de vida de nossos cidadãos e criar toda uma gama de oportunidades para a realização pessoal de cada um deles ”.

Com três quartos da população russa vivendo em áreas urbanas hoje, há um grande potencial para estender essas práticas para o restante do território. Com mais de 30 cidades que possuem mais de 500.000 habitantes, há um futuro brilhante para Smart Cities, IoT e as indústrias de tecnologia e criatividade. Por outro lado, existem 900 cidades com menos de 100.000 habitantes, nas quais tecnologia e transporte podem ajudar em um aspecto mais descentralizado. Isso se conecta com a visão de Rem Koolhaas sobre o país. Sobre isso, Putin acrescentou:

“Hoje, estamos enfrentando um desafio de suma importância - precisamos ajudar essas cidades a liberar seu potencial para que possam se tornar centros de turismo, arte, ciência e tecnologia; para que a qualidade de vida possa atender aos padrões mais recentes e às necessidades das pessoas. É, com certeza, um sério desafio criativo e profissional para economistas, gestores, arquitetos e urbanistas. ”[...]“ Através do desenvolvimento de infraestruturas rodoviárias, de transporte e digitais, grandes cidades, pequenas cidades e cidades históricas, como nós as chamamos, obterão um impulso adicional. Seus moradores devem ter acesso total a todos os serviços modernos ”.

Parque Zaryadye, por Diller Scofidio + Renfro com Hargreaves Associates e CityMakers. Imagem Cortesia de MUF
Parque Zaryadye, por Diller Scofidio + Renfro com Hargreaves Associates e CityMakers. Imagem Cortesia de MUF

Este discurso mostra um forte compromisso e abrirá muitas oportunidades para arquitetos e urbanistas assumirem isso, sejam eles locais ou estrangeiros.

Moscou é uma cidade poderosa que mostra como a liderança alinhou diferentes atores - arquitetos, instituições acadêmicas como Strelka e MARCH, o setor privado e organizações como o MUF - para dar continuidade e criar uma base forte para o futuro da cidade, e como isso pode afetar o futuro da Rússia como um todo.

Sobre este autor
Cita: Basulto, David. "Fórum Urbano Moscou: Rem Koolhaas, Vladimir Putin e o futuro de Moscou" [Moscow Urban Forum: Rem Koolhaas, Vladimir Putin and the Future of Moscow] 07 Ago 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/899580/forum-urbano-moscou-rem-koolhaas-vladimir-putin-e-o-futuro-de-moscou> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.