O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Construindo o Burning Man: Os desafios arquitetônicos para criar uma cidade no deserto

Construindo o Burning Man: Os desafios arquitetônicos para criar uma cidade no deserto

Construindo o Burning Man: Os desafios arquitetônicos para criar uma cidade no deserto
The Black Rock Lighthouse Service por Jonny & Max Poynton. Image © Dan Adams
The Black Rock Lighthouse Service por Jonny & Max Poynton. Image © Dan Adams

Todos os anos, em agosto, uma metrópole temporária é erguida em Black Rock City, Nevada. Este é o Burning Man, um evento anual de arte e arquitetura que atrai cerca de 70.000 participantes. As pessoas que vêm para o Burning Man vêm de todos os cantos. O que é incrível é que eles se juntam para construir uma cidade efêmera que dura 7 dias. Essas pessoas assumem o papel de arquitetos e trabalhadores da construção civil e usam o deserto para construir todos os tipos de abrigos de forma rápida e sustentável. O deserto é tão remoto, e tudo construído em Black Rock City é embalado e levado para casa no final do evento, e parte da arte é queimada no local. Isso representa um desafio arquitetônico único. As pessoas que vêm para construir essas estruturas têm que planejá-las com antecedência para acomodar todos os desafios de trabalhar no deserto. O resultado é uma cidade impressionante e única, construída democraticamente, contra uma paisagem desértica, e por apenas uma semana.

Tivemos a chance de entrevistar Kim Cook no World Architecture Festival, em Berlim. Kim Cook é Diretora de Arte e Engajamento Cívico da Burning Man. Kim Cook e sua equipe têm a tarefa de aumentar o impacto das artes do Burning Man e iniciativas cívicas. Como parte de seu papel, Kim se envolve com artistas e líderes comunitários para aumentar as oportunidades de financiamento, colaboração e aprendizado.

The Black Rock Lighthouse Service por Jonny & Max Poynton. Image © Joe Sale Tangential Dreams belo artista Arthur Mamou-Mani. Image © Debra Wolff Tangential Dreams pelo artista Arthur Mamou-Mani. Image © Ales, Dust to Ashes The Space Whale por The Pier Group com Matthew Schultz, Android Jones and Andy Tibbetts. Image © Zipporah Lomax + 6

David Basulto: O Burning Man têm crescido em escala para se assemelhar a uma cidade efêmera. Como esse desafio pode ser gerenciado?

Kim Cook: Bem, uma das coisas é que a cidade é construída quase inteiramente por voluntários. Burning Man tem 100 funcionários durante todo o ano, 700 contratações sazonais e 7.000 voluntários que constroem a cidade. Com isso, uma das coisas que eu acho que é realmente importante é o cuidado dos voluntários. Temos que pensar em como investir na qualidade da experiência para os voluntários, bem como no modo como apresentar novas oportunidades para as pessoas se voluntariarem. De onde virá a próxima onda de comprometimento se você não abrir espaço para outras pessoas se apresentarem como voluntárias?

Além disso, a visibilidade do Burning Man tem crescido. Todos os anos, 35% dos participantes estão aqui pela primeira vez. Por isso, estamos sempre trazendo pessoas para a comunidade e temos que pensar em como apoiá-las ao encontrar essas novas práticas e comportamentos culturais. Queremos ajudá-los a ter a experiência que estão buscando.

Outro desafio é que, como qualquer outra cidade, você tem uma infraestrutura antiga. Usamos containers e guindastes e vários outros tipos de objetos físicos, os quais precisam ser mantidos e investidos.

DB: Esta cidade efêmera tem atraído inúmeros arquitetos, que vêm criando instalações interessantes ano após ano. Quais são os principais desafios que enfrentam ao projetar estruturas para o Burning Man?

KC: Bem, os principais arquitetos que conheço que vêm à cidade de Black Rock para construir coisas são atualmente estudantes de arquitetura. Na verdade, há duas universidades agora, uma na Alemanha e outra no Reino Unido, que levam seus alunos ao deserto para executar seus projetos arquitetônicos. Eu vejo eles em grande esforço. Lutam por causa das condições e por causa da falta de suprimentos. Tudo o que eles têm com eles é o que têm para trabalhar.

Tangential Dreams belo artista Arthur Mamou-Mani. Image © Debra Wolff
Tangential Dreams belo artista Arthur Mamou-Mani. Image © Debra Wolff

Assim, as pessoas que vêm aqui têm que aprender rapidamente como se auto-organizar, como manter sua resistência, como cuidar de si mesmas enquanto criam este trabalho. Esses são os desafios com os quais as pessoas lutam, mas é recompensador porque elas aprendem sobre sua própria capacidade quando conseguem completá-los.

Acho que há algo triunfante que acontece quando você tem a natureza extrema do ambiente trabalhando contra você e consegue ter sucesso de qualquer maneira. Há um sentimento de ser libertado das limitações da sua própria possibilidade. Agora você pode imaginar o impossível e imaginar fazê-lo. É muito fantástico.

Tangential Dreams pelo artista Arthur Mamou-Mani. Image © Ales, Dust to Ashes
Tangential Dreams pelo artista Arthur Mamou-Mani. Image © Ales, Dust to Ashes

DB: Existe alguma instalação arquitetônica particularmente desafiadora que você se lembra, que deixou uma impressão em você?

KC: Sim. Existem várias. Vou me referir a duas de 2016. No ano passado, havia um projeto chamado “The Black Rock Lighthouse Service”. Desde o início você tem essa ideia de faróis no deserto e esse tipo de simbolismo por si só é muito atraente. Eles faziam os faróis estruturados como cristais de quartzo, então não eram inteiramente verticais.

Construindo o Burning Man: Os desafios arquitetônicos para criar uma cidade no deserto, The Black Rock Lighthouse Service por Jonny & Max Poynton. Image © Joe Sale
The Black Rock Lighthouse Service por Jonny & Max Poynton. Image © Joe Sale

Cada um dos faróis foi dedicado a uma deusa diferente de uma cultura diferente. Os espaços interiores eram decorados no estilo dessas deusas e você poderia subir dentro deles e entre eles. Foi absolutamente deslumbrante. Queimaram todo o trabalho no final. Apenas assim - alguém cria algo que é bonito e depois se rende a ele. É surpreendente.

Nesse mesmo ano, outro artista propôs um projeto chamado “A Catacumba dos Véus” e era como uma grande pirâmide, com três estruturas piramidais. Foi um projeto enorme. Ele não foi capaz de completá-lo como imaginara. Ainda estava construindo quando o evento começou, então não pudemos abrí-lo. Eventualmente, foi aberto para visitantes, mas nós só tínhamos 48 horas antes de ter de ser queimado.

Eu achei o projeto Pyramid tão bem sucedido, por causa da maneira que ele trabalhou com seus voluntários. Acho que ele tinha 50 ou 100 voluntários, todos cozinhavam juntos e tentavam completar o que haviam planejado fazer. Todos se tratavam com gentileza e encorajamento, e isso era um sucesso em si mesmo. Isso acaba não sendo apenas a estrutura, mas também o processo que afeta a experiência.

Há também algo sobre a arquitetura dessas peças simbólicas a cada ano, da cidade, que é criada para corresponder à emoção na comunidade. Isso em si é realmente bem interessante.

DB: Quais você acha que serão os desafios que enfrentará enquanto o Burning Man continua a evoluir?

KC: Bem, acho que os desafios realmente voltam à forma como queremos nos comprometer com uma integridade cultural, mas ao mesmo tempo temos que ter cuidado para não confundir o objetivo com a experiência.

Tenho parceria com uma cidade na Califórnia chamada San Jose. É ao sul de São Francisco e uma cidade muito maior. O Diretor de Assuntos Culturais e o Departamento de Desenvolvimento Econômico queriam instalar obras de arte no centro da cidade. Foi uma ideia adorável e eu queria trabalhar sobre como usar essas instalações para acender outras possibilidades, então isso se tornaria um convite e não apenas um objeto.

Agora, a cidade está trabalhando conosco para criar programas de orientação para os parques do bairro, para que os artistas do Burning Man possam trabalhar com os membros da comunidade para imaginar que tipo de instalações de arte eles gostariam de ter no parque e depois criá-los. Queremos nos focar na cultura da comunidade.

A razão pela qual é importante é que as pessoas vivam a cultura. As pessoas vêm, participam e se expressam. É preciso haver a sensação de fazer parte da cultura. Se as pessoas começarem a usar o Burning Man só para provarem, sem terem contribuído, de repente, é como qualquer outra coisa que se tornou comercial. E eu acho que esse é o maior risco.

DB: Burning Man vai além do que acontece no Black Rock todos os anos. O que você pode nos dizer sobre seu impacto em todo o mundo?

KC: Burners Without Borders, uma iniciativa cívica do Burning Man, tem 34 seções ao redor do mundo, e isso nos dá a capacidade única de organizarmos juntos e fazer algo. Fazer isso cria muito mais responsabilidade cívica e pessoal na comunidade.

Por exemplo, em Corpus Christi, no Texas, há muitos anos, eles estão limpando uma faixa de 11 quilômetros da praia. Limpam talvez cinco toneladas de lixo todos os anos desta praia. Fizeram isso de forma tão consistente que finalmente o condado nomeou-a Burner Beach. Esta história de trabalho em conjunto torna as nossas comunidades mais resistentes.

Este é um aspecto muito significativo do evento de Burning Man, que evoluiu ao longo do tempo. Todo ano você constrói uma cidade temporária, trabalha com equipamentos pesados em condições extremas, sabe como fazer um abrigo capaz de resistir a ventos de 160 quilômetros por hora e, quando o festival acaba, você também ganha uma extraordinária experiência e capacidade de alcançar uma grande rede social de participantes - isso é notável.

Outro exemplo é que os burners estão indo para Calais e Tessalônica e construindo abrigos seguros para refugiados que não são aceitos nos campos oficiais de refugiados. Há uma mulher que vem para o Burning Man, ela é uma artista e uma modelo. Ela foi para os penhascos da Grécia e construiu uma instalação de luz para que quando as pessoas desembarcassem com seus barcos e não pudessem encontrar um caminho no penhasco, eles pudessem seguir a luz. Eu vi uma foto disso, foi extraordinário.

Outra coisa que eu acho muito interessante e que estou pensando é em como mudar o olhar para Burning Man para olhar para o mundo. Temos 700 a 800 voluntários que são chamados de Rangers e eles funcionam como intermediários entre as pessoas e as forças de segurança. Eles têm um conjunto de treinamento chamado Academia Ranger e se consideram como obtendo a autoridade das pessoas que apoiam.

Eles não são uma força ou uma imposição. São na verdade um recurso. E assim, temos conversado com o Instituto de Paz dos Estados Unidos sobre a maneira pela qual as Forças de Paz da ONU são treinadas e explorando se pode haver algum treinamento cruzado entre os guardas florestais e os Soldas da Paz da ONU, pois os soldados de paz da ONU são principalmente forças militares trazidas para manter a paz.

The Space Whale por The Pier Group com Matthew Schultz, Android Jones and Andy Tibbetts. Image © Zipporah Lomax
The Space Whale por The Pier Group com Matthew Schultz, Android Jones and Andy Tibbetts. Image © Zipporah Lomax

A outra parte tem a ver com a maneira como a arte é feita, o que está realmente permitindo que alguém que nunca tenha pego uma tocha de soldagem ou um martelo se envolva, aprenda e seja parte do edifício fazendo alguma coisa. Acho que isso pode ser útil especialmente para os jovens que estão vivendo em situações difíceis, onde eles sentem que não têm controle sobre qualquer coisa em seu ambiente, e isso é ainda o caso com jovens que estão traumatizados. O Burning Man pode oferecer alguma forma de terapia ou liberação.

The Space Whale por The Pier Group com Matthew Schultz, Android Jones and Andy Tibbetts. Image © Mark Hammon
The Space Whale por The Pier Group com Matthew Schultz, Android Jones and Andy Tibbetts. Image © Mark Hammon

Esses são apenas alguns exemplos de como a experiência de participar do Burning Man pode ser pensada em outros contextos.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
David Basulto
Autor
Cita: Basulto, David. "Construindo o Burning Man: Os desafios arquitetônicos para criar uma cidade no deserto" [Building Burning Man: The Unique Architectural Challenges of Setting Up a City in the Desert] 23 Abr 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/892901/construindo-o-burning-man-os-desafios-arquitetonicos-para-criar-uma-cidade-no-deserto> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.