Matheus Pereira

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Diagramação de pranchas de concursos: o que fazer e o que evitar

Participar de concursos de arquitetura pode ser uma boa chance para alavancar um escritório, ou sair um pouco da rotina desenvolvendo ideias que geralmente não passariam pelo crivo de um cliente. Mas, para chamar a atenção dos membros do júri, entre centenas de trabalho, a graficação do projeto desempenha um papel chave. Além de ideias pertinentes aos questionamentos e debates incumbidos é imprescindível uma prancha organizada como síntese do processo. Na tentativa de reunir as ideias de maneira gráfica, uma série de dúvidas surge quanto à maneira de apresentação e como a mesma ajudará na transmissão das ideias contidas no projeto de forma clara para o júri.

Plantas, cortes, elevações, colagens, renderizações, diagramas, textos, elementos gráficos. As dimensões das pranchas não parecem comportar tantas informações. Pensando nisso, reunimos uma série de dicas essenciais ao desenvolvimento de suas pranchas em concursos de arquitetura. Confira a seguir:

Dicas para usar o concreto aparente em seus projetos

Não há como negar. O concreto aparente é o queridinho entre os arquitetos. Atualmente, vem sendo adotado em uma gama de construções e tipologias, desde obras de infraestrutura até projetos residenciais. Além de suas qualidades estruturais, sua aparência também agrada muito. Seu uso oferece determinadas qualidades e flexibilidade que podem garantir diferentes aspectos plásticos aos projetos. Já mostramos como pré-dimensionar estruturas em concreto, ou mesmo entender o que as rachaduras querem nos dizer. A seguir apresentamos algumas dicas para empregar este material e obter o melhor de suas possibilidades quando deixado aparente:

Casa Xieira II / A2 + Arquitectos. Image © Fernando Guerra | FG+SGMUBE / Paulo Mendes da Rocha. Image © Estúdio FlagranteCasa das Histórias Paula Rego / Eduardo Souto de Moura. Image © Pedro KokWabi House / Tadao Ando. Image © Edmund Summer+ 14

Arquitetura da paisagem: conheça o trabalho de 17 paisagistas brasileiros contemporâneos

O campo do paisagismo é o responsável pela transformação e ressignificância espacial da paisagem, ora valorizando o objeto construído, ora trazendo luz à historia do território em questão. Assim como os elementos construídos, a vegetação quando projetada é capaz de trabalhar uma série de estímulos, propriedades e funções.

Roberto Burle Marx, Rosa Kliass, Miranda Magnoli... Estes são certamente alguns dos ilustres poetas da paisagem moderna no Brasil. Mas quando o assunto é o paisagismo contemporâneo brasileiro, alguns profissionais vêm demonstrando destaque nos últimos anos. Dentro deste quadro, compilamos abaixo dezessete profissionais. Confira a seguir:

Casa OF / Studio Otto Felix. Image © Denilson MachadoResidência em Gonçalves / André Vainer Arquitetos. Image © Tuca Reinés Tropical Island (Alemanha). Image Cortesia de Burle Marx PaisagismoUnique Garden Hotel &Spa (SP - Arquitetura Ruy Othake). Image Cortesia de Burle Marx Paisagismo+ 22

Projetando com baixo custo: 6 instalações urbanas e pavilhões construídos com paletes reciclados

Comumente utilizados como suportes de armazenamento para mercadorias em estoques de supermercados e feiras livres, os paletes tem como característica a versatilidade, e após inutilização em sua função primária é cada vez mais comum sua reutilização para outros fins, sobretudo como matéria-prima para a criação de mobiliários e decks, colaborando ativamente para a diminuição da quantidade de resíduos descartados. No entanto, indo além dos tradicionais móveis comumente destacados em tutoriais DIY no youtube, estas estruturas vem ganhando espaço como principal materialidade na construção de arquiteturas efêmera, a exemplo de pequenos pavilhões e instalações urbanas, de modo que as peças de pequenas dimensões podem ser empilhadas e unidas umas às outras de maneiras e padrões diversos. 

Como aproveitar espaços pequenos: 9 camas dobráveis e de correr

Com empreendimentos cada vez menores e apartamentos compactos, arquitetos e designers de interiores veem-se desafiados a criar soluções multifuncionais e sistemas capazes de melhor aproveitar o espaço, de modo que cada centímetro parece fazer a diferença. Por esta perspectiva, é cada vez mais comum que profissionais debrucem sobre suas pranchetas na criação de soluções criativas de marcenarias que permitam que o espaço transforme-se completamente em poucos segundos.

No ArchDaily já apresentamos inúmeros artigos com dicas em como projetar para ambientes reduzidos, de armários e estantes até soluções em planta para pequenos apartamentos. Agora, reunimos um conjunto de interessantes projetos onde as camas parecem camuflar-se entre a marcenaria e elementos arquitetônicos, através de sistemas inteligentes que com o uso de ferragens dobradiça e corrediça, permitem ser ocultas em poucos segundos, poupando espaço e permitindo versatilidade.

Canto alemão: criatividade e soluções em 11 projetos

Você conhece a expressão canto alemão? Frequentemente utilizado em bares e restaurantes, diz respeito ao uso de sofá ou banco fixo diretamente sobre a parede junto a mesa de jantar, de modo que há economia de espaço, uma vez que dispensa circulação dos dois lados daqueles que estão sentados. Por esse motivo, o recurso anteriormente utilizado somente em espaços comerciais, passou a ser incorporado como solução em ambientes residenciais, sobretudo aqueles com o espaço reduzido.

Faça parte do ArchDaily: envie seus projetos de uso público e cultural

Dentre a diversidade de programas e tipologias nos quais a prática de arquitetura e urbanismo permite atuar, talvez os projetos de cunho público e cultural sejam aqueles que tenham o maior impacto na vida urbana. Este tipo de programa é, certamente, estimulante, uma vez que se coloca em jogo a possibilidade de projetar edifícios e espaços que serão apropriados por um significativo número de usuários com demandas e formas de usar diversas. 

Casas Brasileiras: 6 residências com forro ripado de madeira

Como um de seus principais atrativos, a madeira é um material que tem por característica a capacidade de trazer a sensação de aquecimento visual do espaço, tornando-o mais acolhedor e confortável. Por isso, é muito comum que arquitetos e designers de interiores especifiquem este material para o revestimento de pisos e paredes em seus projetos numa variedade de espécies, padrões e tonalidades. Porém, indo além do uso tradicional, tem se tornado cada vez mais comum a aplicação deste material em forros residenciais, auxiliando na ambiência acolhedora e sensação de rebaixamento do forro, mas sobretudo, nos parâmetros de comodidade acústica.

Nada a esconder: 19 projetos com o espírito voyeur

A arquitetura moderna nos ensinou um conjunto de lições que são apropriadas até os dias de hoje. Por esse viés, um dos cânones empregados neste movimento foi o uso de extensos panos de vidro sobre as fachadas, como elemento diluidor dos limites visuais entre interior e exterior. Assim, o que anteriormente baseava-se no mistério e resguardo, deu lugar a verdadeiros cubos envidraçados que revelavam a vida interior, a exemplo do Pavilhão de Barcelona e Casa Farnsworth de Mies Van Der Rohe, e Casa de Vidro de Lina Bo Bardi. No entanto, na contemporaneidade, com o boom causado pelas redes sociais, o espírito do voyeurismo parece despertar o desejo em observar a vida do outro e a arquitetura parece reinterpretar essa prática através de singelos detalhes projetuais, utilizando a transparência como elemento fundamental.

Elementos chave de Paisagismo: planos, clareiras e disposição de árvores

Assim como os elementos arquitetônicos que compõe e conformam o espaço construído – piso, paredes e teto, os elementos vegetais também são capazes de conformar espaços livres em áreas de grande, média e pequena escala, de parques a jardins residenciais, atuando como estruturadores espaciais. Segundo Benedito Abbud, “O paisagismo é a única expressão artística em que participam os cinco sentidos do ser humano. Enquanto a arquitetura, a pintura, a escultura e as demais artes plásticas usam e abusam apenas da visão, o paisagismo envolve também o olfato, a audição, o paladar e o tato, o que proporciona uma rica vivência sensorial, ao somar as mais diversas e completas experiências perceptivas. Quanto mais um jardim consegue aguçar todos os sentidos, melhor cumpre seu papel”. [1]

De maneira prática, faremos alguns posts mostrando a conceituação e utilização dos componentes vegetais – árvores, arbustos, grama e forrações nos espaços livres. Neste artigo abordaremos os planos, maciços vegetais e a disposição de árvores.

Casa da árvore serpente / Luís Rebelo de Andrade + Tiago Rebelo de Andrade

© Ricardo Oliveira Alves© Ricardo Oliveira Alves© Ricardo Oliveira Alves© Ricardo Oliveira Alves+ 23

Bornes de Aguiar, Portugal