Conforto e Sustentabilidade na Arquitetura: Tendências 2021

Conforto e Sustentabilidade na Arquitetura: Tendências 2021

Pouco antes do início dos bloqueios globais em resposta à disseminação da COVID-19, nos reunimos com especialistas da Saint Gobain em sua nova sede em Paris para discutir uma extensa investigação conduzida em 2019, com o objetivo de compreender as transformações que a arquitetura e construção experienciou nos últimos anos. Após uma interessante troca de ideias, escolhemos os temas mais relevantes para serem analisados em profundidade por nossa equipe de editores, resultando em uma série de artigos que combinaram as tendências identificadas com os acontecimentos inesperados ocorridos durante 2020, conectando-os diretamente ao projeto arquitetônico.

Agora, entrando em um 2021 incerto e promissor, paramos e relemos esses artigos com atenção. Quantas dessas tendências ainda são válidas e quanto elas evoluíram? Que novas tendências provavelmente surgirão nos próximos anos?

Os efeitos do aquecimento global já estão sendo sentidos em nossas próprias casas

A imagem triste e alarmante de uma geleira derretendo parecia de alguma forma estranha à nossa realidade diária. No entanto, o ano de 2020 nos obrigou a habitar nossas casas 24 horas por dia, enfrentando as virtudes da vida doméstica, mas também suas deficiências. Talvez tenhamos notado como um clima interno agradável pela manhã pode se transformar em um inferno à tarde, ou tenhamos testemunhado em primeira mão o crescimento de fungos nas paredes daquela sala fria e escura que raramente usávamos no passado. A degradação do meio ambiente e a aceleração das mudanças climáticas tiveram um impacto direto na nossa qualidade de vida e saúde, e muitos estão começando a perceber isso de forma negativa em seu entorno, especialmente aqueles que vivem em condições precárias.

CH House / ODDO architects. Image © Hoang Le photography
CH House / ODDO architects. Image © Hoang Le photography

Setembro de 2020 foi o mês mais quente já registrado na história da humanidade, e um dos principais desafios dos arquitetos será desenvolver projetos que possam ser resfriados natural ou artificialmente da forma mais eficiente possível, já que o resfriamento é muito mais difícil do que o aquecimento. Ao aumentar a conscientização sobre essas questões, poderíamos prever que as pessoas serão ainda mais rigorosas na tomada de decisões relacionadas às suas casas e ambientes construídos, obrigando os arquitetos a compreender em profundidade a composição e o comportamento dos materiais e produtos, para avaliar cuidadosamente as consequências de nossas decisões projetuais, e trabalhar lado a lado com especialistas de outras disciplinas. Essas considerações parecem óbvias, mas podem não ser na prática, especialmente em cidades densas e países emergentes, onde os desafios se tornam mais complexos. Segundo a ONU, as cidades que mais crescerão nos próximos anos estão localizadas principalmente em climas quentes. Para evitar uma catástrofe de energia, o projeto arquitetônico deve começar a tratar dessas questões como uma prioridade.

The House Between a Well and a Light Tower / Harsh Vardhan Jain Architects. Image Courtesy of Harsh Vardhan Jain Architects
The House Between a Well and a Light Tower / Harsh Vardhan Jain Architects. Image Courtesy of Harsh Vardhan Jain Architects

A busca pelo conforto individual deve estar alinhada aos esforços coletivos de combate à crise climática

Como vemos, tudo está conectado. Podemos equipar uma casa com as tecnologias mais avançadas para atingir níveis ideais de conforto, mas se todos esses sistemas geram um impacto negativo em uma escala maior, eles são inúteis. Após dois anos particularmente difíceis, a tendência deve ser para a colaboração. Como minhas decisões individuais afetam minha comunidade imediata e além? Em que medida estou realmente ciente do comportamento e dos efeitos dos espaços que habito e desenho? O estilo de vida que levo e que ajudo a criar é sustentável? Como devemos habitar o planeta no futuro?

Vila São Paulo Therapeutic Residential / Estúdio Ubuntu. Image © Manuel Sá
Vila São Paulo Therapeutic Residential / Estúdio Ubuntu. Image © Manuel Sá

Muitas dessas respostas estão vinculadas a megatendências globais complexas, e mudanças significativas só acontecerão em maior escala se a legislação adequada e mudanças estruturais forem promovidas no setor. No entanto, o surgimento de consumidores mais atenciosos pode desencadear grandes transformações no longo prazo. O mesmo vale para arquitetos. Um projeto arquitetônico que não considere suas repercussões em escala local e global, e que não se adapte a um futuro em mudança, torna-se inviável e um problema para as gerações subsequentes. O conforto individual só perdurará se for alcançado de forma coletiva e com uma consciência sustentável em maior escala, alimentando-se mutuamente. Funciona da mesma forma que a imunidade de rebanho: uma vacina tomada por poucos não matará a doença.

JAjaus / beSTe arkitektura agentzia bat. Image © Aitor Ortiz
JAjaus / beSTe arkitektura agentzia bat. Image © Aitor Ortiz

Devemos construir um futuro multidisciplinar consciente

De certa forma, os últimos anos alteraram o curso dos projetos arquitetônicos e o direcionaram para águas um tanto desconhecidas. As preocupações arquitetônicas tradicionais agora incluem novos hábitos, novos usos, novas tecnologias, novos dilemas de construção, novos padrões de higiene e até mesmo novas ideias relacionadas à influência do espaço físico em nossos cérebros. No entanto, a vida é um pêndulo e, embora muitas dessas tendências passem, parte do que aprendemos pode se tornar princípios positivos para um design mais responsável e eficaz.

Corner 60’s / Soar Design Studio. Image © Hey!Cheese
Corner 60’s / Soar Design Studio. Image © Hey!Cheese

Previsões sugerem que dificilmente poderemos voltar ao trabalho desconectados de outras disciplinas e que os desafios que encontramos ao longo do caminho podem ser melhor resolvidos alimentando nosso trabalho com conhecimentos de outras áreas. Dessa forma, as próprias edificações ficarão mais eficientes ao considerar toda a vida de cada empreendimento, ajustando mais facilmente a pegada ecológica de seus processos, incluindo desmontagem e reaproveitamento de partes. Da mesma forma, a complexidade e variabilidade do ser humano podem ser ajustadas de forma mais fácil e eficiente, abraçando de forma colaborativa uma série de ferramentas e tecnologias que estão longe de nossos domínios tradicionais.

Recreation Center Morel de Vindé / SCHÉMAA. Image © David Foessel
Recreation Center Morel de Vindé / SCHÉMAA. Image © David Foessel

De acordo com o manifesto urbano da Carta de Atenas, a cidade deveria ser organizada para satisfazer quatro necessidades básicas: habitar, trabalhar, recrear e circular. (Atenas C: 1941; v.p. 130). Uma pandemia foi suficiente para forçar todas essas funções para dentro da casa, e a última foi muito restrita. Podemos tentar prever o que está por vir, mas há apenas uma coisa certa: devemos estar preparados para a adaptação, evitando a auto-absorção e a rigidez. Um futuro multidisciplinar consciente, com vontade de se adaptar, talvez seja um bom ponto de partida para atuar simultaneamente em muitas escalas diferentes, sem negligenciar nada ou ninguém.

Confira a série completa sobre Conforto e Sustentabilidade na Arquitetura.

Sobre este autor
Cita: Franco, José Tomás. "Conforto e Sustentabilidade na Arquitetura: Tendências 2021" [Comfort & Sustainability in Architecture: Trends 2021] 01 Mai 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/959804/conforto-e-sustentabilidade-na-arquitetura-tendencias-2021> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.