Soluções leves e desmontáveis: edifícios como reservas de materiais para o futuro

Soluções leves e desmontáveis: edifícios como reservas de materiais para o futuro

Na Bienal de Arquitetura de Veneza de 2016, o curador Alejandro Aravena decidiu reutilizar 100 toneladas de materiais descartados pela Bienal de Arte passada para montar a ambiência de salas das exposições. Mais do que proporcionar uma sobrevida a 10.000 m² de gesso acartonado e 14 km de estruturas metálicas, a iniciativa tinha o intuito de conferir valor, através do desenho, a algo que seria descartado como resíduo. E, principalmente, trazer à luz outra constatação: Como arquitetos, geralmente nos restringimos a pensar nos nossos edifícios durante o projeto, a construção e, quando muito, em como suas partes irão resistir ao tempo. Dificilmente pensamos do que serão deles quando demolidos, no fim de sua vida útil, e isso é algo que, urgentemente, deve entrar no debate.

Já não é novidade que a indústria da construção civil exerce um impacto significativo no planeta, através do uso de recursos naturais, água e energia consumidos para a execução de uma obra e a vida útil das edificações. Segundo o relatório The Circularity Gap 2019, o setor responde por quase 50% do uso de materiais (42,4 bilhões de toneladas) globalmente. Também é dos maiores geradoras de resíduos, muitos deles de difícil reaproveitamento ou reciclagem. Para agravar isso, os materiais de construção são, geralmente, eliminados de forma mista o que acaba inutilizando-os para posteriores usos na construção civil.

Instituto Biodesign C de la Universidad Estatal de Arizona / ZGF Architects. Image © Hall+Merrick
Instituto Biodesign C de la Universidad Estatal de Arizona / ZGF Architects. Image © Hall+Merrick

É cada vez mais visível que o modelo linear (extração - manufatura - uso - descarte), em que a indústria da construção civil se insere, tem gerado impactos negativos e consequências irreversíveis ao planeta. Uma contraposição é a chamada economia circular, que se inspira nos mecanismos dos ecossistemas naturais, em que os processos e fluxos funcionam em ciclos de reabsorção e reciclagem, retomando à natureza com menor impacto ambiental. Segundo esse raciocínio, um material, ao não servir mais para seu uso pré-estabelecido, pode ser reparado, reutilizado e reciclado, voltando ao fluxo cíclico, permitindo que recursos sejam reutilizados indefinidamente e circulem em fluxos seguros e saudáveis – para os seres humanos e para a natureza.

Na teoria isso parece bastante simples. Mas, como reciclamos na prática, os prédios que cumpriram sua vida útil? Se um edifício não pode ser reposicionado para uma reutilização adaptativa, como podemos transformar seus materiais e dar-lhes uma nova vida, por meio de iniciativas que ajudam a reduzir o número de materiais obsoletos que são acumulados em aterros sanitários? O conceito de mineração urbana traz uma abordagem interessante. Nas cidades, com um enorme estoque de edificações construídas, uma grande parte das matérias-primas não está mais em sua fonte original, mas em novos repositórios antropogênicos, que são os edifícios. Portanto, as cidades podem ser consideradas imensos repositórios de materiais e matérias-primas.

Cabaña Kalundewa / Earth & Space Architects. Image © Pasindu Kithmina
Cabaña Kalundewa / Earth & Space Architects. Image © Pasindu Kithmina

Outro conceito interessante é o movimento chamado Design for Deconstruction (DfD), iniciado nos anos 90. Por definição, é pensar o projeto de edifícios para facilitar futuras alterações e desmontagem (parcial ou total) para recuperação de sistemas, componentes e materiais, garantindo assim que o edifício possa ser reciclado da forma mais eficiente possível no final de sua vida útil. A estratégia se baseia em um reconhecimento crescente do fato de que a maior parte do ambiente construído tem uma vida útil limitada e que cada edifício representa um depósito de recursos, que, ao invés de acabar em um aterro, deve encontrar seu caminho de volta para o "reduzir , reutilizar, reciclar "loop. Assim, o DfD envolve a compreensão do ciclo de vida completo da estrutura e a previsão do reaproveitamento de suas peças, de forma a reduzir o consumo de recursos e a poluição.

Na prática, no lugar de demolições, devemos pensar em desmontagens. Trata-se de uma desconstrução cuidadosa dos componentes do edifício, que poderão ser reparados, reutilizados em outras construções ou colocados para reciclagem. Para tornar o processo mais eficiente e bem-sucedido, é importante que os diferentes materiais possam ser separados entre si. Estruturas e produtos de construção facilmente separáveis estão no centro de um processo de reciclagem de alta qualidade. Segundo Annette Hillebrandt [1], estruturas unidas por conexões destacáveis que podem ser desmontadas de forma rápida e econômica podem ser uma alternativa às juntas coladas e estruturas de junta compostas que são amplamente utilizadas atualmente. Eles permitem a recuperação segregada de materiais, sem a adesão de outras substâncias, o que é fundamental para uma reciclagem lucrativa. Conexões destacáveis também facilitam a realização de reparos e modernizações durante o uso do edifício, tornando-os mais resilientes e sustentáveis

Cortesia de weber Saint-Gobain
Cortesia de weber Saint-Gobain

Mas sem um aporte tecnológico da indústria, os projetistas acabam de mãos atadas com materiais que não possibilitam desmontagens e reciclagens facilitadas. A Saint-Gobain Weber observou uma insatisfação em relação à falta de reciclabilidade dos sistemas de isolamento térmico de compósitos, que acabavam descartados de forma mista. A empresa desenvolveu uma solução é o primeiro sistema composto de isolamento térmico removível e totalmente reciclável. Um tecido de separação embutido no gesso base especialmente desenvolvido e a ausência de cola garantem que pode ser totalmente desmontado e separado de acordo com o tipo. Durante toda a fase de uso, o weber.therm circle atende aos mesmos requisitos de durabilidade e segurança de qualquer outro sistema composto de isolamento térmico aprovado pelas autoridades de construção. Devido à sua estrutura, permite a reciclagem dos componentes e facilita complementos e conversões, bem como a inclusão de futuros avanços tecnológicos. Depois de atingir sua vida útil, os componentes são usados ​​para criar novos produtos de alta qualidade. O sistema, inclusive, recebeu o Federal Ecodesign Award, o maior prêmio estadual de design ecológico na Alemanha.

Mas também existem materiais que, por excelência, oferecem mais possibilidades de reaproveitamento e reciclagem. Fachadas ventiladas, por exemplo, caracterizam-se por possuírem uma montagem e desmontagem a seco, o que pode permitir que suas partes sejam facilmente destacáveis.

Cortesia de weber Saint-Gobain
Cortesia de weber Saint-Gobain

Para o isolamento termoacústico, existem possibilidades interessantes. ISOVER, da Saint-Gobain, oferece várias possibilidades de isolamento térmico e acústico para paredes, tetos e pisos, que podem ser facilmente reciclados. Inclui produtos como Isofacade, Politherm, Kontur, entre outros, adequados para diferentes sistemas construtivos e disponíveis em determinados locais. A empresa desenvolve esquemas de gestão de resíduos para coletar, separar e processar adequadamente os resíduos em fim de vida para se tornarem um novo isolamento de lã de vidro ou para fabricar outros produtos úteis, como tijolos.

As placas de gesso utilizadas em paredes internas e externas, como Glasroc® X, são totalmente recicláveis após o fim do ciclo de vida do edifício. O gesso, especificamente, é um material com alto potencial de reciclabilidade. Com a reciclagem do resíduo de gesso, é possível gerar uma matéria-prima que pode substituir a matéria-prima do gesso virgem na fabricação de novos produtos.

Cortesia de Saint-Gobain
Cortesia de Saint-Gobain

Mas existem produtos e soluções que tornam a construção mais leve e fácil, além de permitir uma desmontagem mais fácil. CLIMAVER é uma conduta autoportante para sistemas de ar condicionado, ventilação e aquecimento, que reduz o peso por metro quadrado em mais de 3 vezes (de mais de 6 kg / m² para 2 kg / m²) em comparação com a solução tradicional de condutas metálicas rodeado por isoladores. São produzidos com até 60% de material reciclado, 100% do vidro utilizado no processo produtivo reciclado e são perfeitamente reaproveitáveis em outras edificações se estiverem mecanicamente intactos.

CID Centro / NGNP arquitectos. Image © Jesús Granada
CID Centro / NGNP arquitectos. Image © Jesús Granada

Projetar edifícios para apoiar a adaptação, desmontagem e reutilização pode reduzir o desperdício e estender a vida útil dos materiais constituintes dos edifícios, proporcionando benefícios econômicos e ambientais para construtores, proprietários, ocupantes e comunidades. Ao projetar com essa economia circular em mente, os responsáveis terão controle sobre a maior parte do processo e poderão tomar decisões para reduzir impactos ambientais, conservar recursos e reduzir custos. Essa metodologia envolve desde pensar em juntas removíveis e destacáveis até especificar materiais recicláveis e sustentáveis em todos os aspectos. Para ser verdadeiramente sustentável, a arquitetura do futuro não deve durar para sempre.

Cortesia de weber Saint-Gobain
Cortesia de weber Saint-Gobain

Notas

[1] Hillebrandt, Annette; Riegler-Floors, Petra; Rosen, Anja; Seggewies, Johanna-Katharina. Manual of Recycling: Building as Sources of Materials. Edition Detail. 2019

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Eduardo Souza. "Soluções leves e desmontáveis: edifícios como reservas de materiais para o futuro" 27 Fev 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/951049/solucoes-leves-e-desmontaveis-edificios-como-reservas-de-materiais-para-o-futuro> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.