Como transformar um ambiente interno poluído em um lar saudável

Como transformar um ambiente interno poluído em um lar saudável
© Hiroyuki Oki
© Hiroyuki Oki

Com a maior parte do mundo vivendo em cidades e comunidades em crescimento, as pessoas tendem a passar a maior parte do tempo em ambientes internos. Quando não estamos em casa, estamos trabalhando, aprendendo ou até participando de atividades divertidas em ambientes fechados e construídos. Ao todo, 90% do nosso tempo é ocupado em interiores. É essencial garantir uma qualidade ambiental interna confortável, produtiva e saudável, seguindo parâmetros e práticas de projeto bem regulados que considerem temperatura, iluminação, poluição sonora, ventilação adequada e a qualidade do ar que respiramos. Este último é especialmente importante, pois, ao contrário do que podemos pensar, a poluição do ar é muito maior no interior do que no exterior.

O ar interno não só pode causar desconforto e afetar a produtividade, mas também pode se tornar uma ameaça potencial para a saúde dos ocupantes, pois pode conter uma ampla variedade de poluentes gasosos e no ar, incluindo produtos químicos voláteis, partículas e contaminantes biológicos. Esses elementos tendem a se manifestar em nosso entorno imediato, embutidos em muitos materiais de construção, ou mesmo acabamentos de uso diário. Níveis elevados de exposição podem causar problemas de saúde, como asma, infecções e intoxicação. De fato, quase metade de todas as doenças respiratórias são causadas ou agravadas pela baixa qualidade do ar interno.

Poluição do ar exterior - Qualidade do ar interior / Ilustrações de Elisa Géhin. Image Courtesy of Saint-Gobain
Poluição do ar exterior - Qualidade do ar interior / Ilustrações de Elisa Géhin. Image Courtesy of Saint-Gobain

Além disso, alguns desses contaminantes não podem ser facilmente detectáveis e sentidos pelos ocupantes, tornando-os expostos a riscos à saúde. Portanto, é importante aprender sobre os vários poluentes emitidos ou gerados pela maioria dos materiais e produtos que moldam os espaços que habitamos diariamente. Exploraremos as conseqüências da escolha de alguns dos materiais mais comuns e apresentaremos alguns produtos "ativos" como alternativas que podem até ajudar a melhorar a qualidade do ar interno.

É surpreendente saber que, em muitos casos, a poluição do ar é 100 vezes maior no interior do que no exterior. Isso nos levaria a considerar os numerosos tipos e fontes de poluentes que existem em nosso entorno diário.

© Francisco Nocito
© Francisco Nocito

O que são esses poluentes do ar e como eles se manifestam nas edificações?

Os contaminantes internos são de vários tamanhos e composições. Eles podem ser microrganismos como fungos e bolores, que se desenvolvem em superfícies e podem ser identificados visualmente como estruturas manchadas com uma aparência de espuma. Eles tendem a crescer em ambientes úmidos e quentes (nível de umidade de 70% a 95%) e podem ser encontrados em espaços com pouca ventilação ou material úmido. Os bolores podem liberar partículas de esporos no ar, contribuindo para a sua propagação e prejudicando potencialmente a saúde dos ocupantes.

Outros tipos de poluentes de microrganismos são bactérias, organismos vivos unicelulares encontrados ao nosso redor, seja nas superfícies, no ar, na poeira ou na água. Embora a maioria das bactérias seja geralmente segura, algumas espécies podem ser prejudiciais, especialmente para os habitantes vulneráveis. Há várias fontes de bactérias internas, pois elas podem emanar do ar externo, dos próprios ocupantes (por exemplo, material diário trazido para a casa) ou de sistemas de ventilação com manutenção deficiente.

© Guy-Joël Ollivier
© Guy-Joël Ollivier

Alguns poluentes biológicos também podem ser moleculares como endotoxinas (5), que são complexos moleculares transportados por certas bactérias. Alérgenos também são contaminantes do tipo molecular que podem vir de esporos de mofo, insetos, animais de estimação, roedores e assim por diante.

Partículas incluindo vírus e pólen constituem a terceira forma de contaminantes do ar interno. Eles também são geralmente trazidos para dentro de casa a partir de fontes externas (hospedeiros ou fluxo no ar).

Existem várias fontes comuns de partículas no ar que podem emanar do ar externo, de materiais de limpeza e fumaça. Eles também podem se desenvolver devido a projetos ineficientes, causando circulação e ventilação inadequadas.

Poluição do ar interior / Ilustrações de Elisa Géhin. Image Courtesy of Saint-Gobain
Poluição do ar interior / Ilustrações de Elisa Géhin. Image Courtesy of Saint-Gobain

Outros contaminantes do ar interno também devem ser mencionados. O dióxido de carbono (CO2) é um poluente atmosférico interno preocupante que pode ter efeitos nocivos no bem-estar humano, mas sua principal fonte interna de emissão é simplesmente criada pela expiração de habitantes, fumaça de cigarros ou pela combustão de eletrodomésticos. Observar que os valores típicos do ar externo de CO2 estão entre 300 e 500 ppm, e tendem a ser muito mais altos em ambientes fechados, com uma concentração máxima recomendada entre 600 e 1000 ppm, dependendo dos padrões adotados.

Quanto aos compostos orgânicos voláteis (COV), dos quais o formaldeído (5) é o mais comum, eles podem emanar de materiais de construção e acabamentos, fabricados ou naturais, dos quais ligantes, colas, revestimentos, tintas e até madeira, para citar alguns. Também podem ser originários de móveis para casa (tecidos e tapetes) ou de produtos químicos para limpeza diária. Os COV são extremamente preocupantes, pois podem evaporar-se facilmente em temperatura ambiente e são encontrados em concentrações muito mais altas em ambientes fechados devido à falta de luz UV oxidante em ambientes fechados.

Por fim, alguns contaminantes gasosos comuns, como o gás Rádon, são simplesmente encontrados na terra pela decomposição do urânio que ocorre naturalmente no solo e na água e se espalha pelas residências através do ar e das fundações.

© Sweng Lee
© Sweng Lee

No entanto, diferentes microorganismos se comportam de maneira diferente em ambientes padrão. Por exemplo, quando certas condições facilitadoras (temperatura, disponibilidade de água, nutrientes, etc.) estão presentes, bactérias ou fungos (incluindo mofo) se multiplicam e proliferam. Isso se aplica à água, ar e superfícies inanimadas. No entanto, os vírus sobrevivem apenas por determinados períodos finitos nesses ambientes. Eles são inertes fora do hospedeiro e não podem se multiplicar. Daí a necessidade de incluir soluções que tratem todas as formas de poluentes em diferentes condições.

Efeitos de contaminantes do ar interno na saúde humana

Dependendo de vários fatores e taxas de exposição, os poluentes biológicos internos podem afetar o bem-estar do morador. Em condições internas abaixo do ideal, COVs, CO2, bolores e outros poluentes se acumulariam, criando sérios problemas de saúde. Um ocupante sensível, continuamente exposto a certos poluentes biológicos, pode desenvolver asma, especialmente em ambientes com sinais de umidade ou presença de mofo. De fato, a exposição precoce a bolores tem sido associada à asma que afeta crianças pequenas.

© Hiroyuki Oki
© Hiroyuki Oki

Alguns tipos de poluentes do ar interior também têm sido associados a dores de cabeça e problemas de concentração, e vários estudos (4) sugeriram que níveis altos de CO2 afetam o desempenho das pessoas. Os resultados mostraram que a função cognitiva seria menos eficiente com taxas mais altas de CO2. Isso provou que a poluição interna do ar afeta o desempenho e a produtividade do usuário.

Também foram suspeitos / provados que outros produtos químicos e contaminantes (COVs, como o formaldeído) afetam a concentração do ocupante. Além disso, eles podem causar problemas mais sérios, como irritação, reações alérgicas, infecção e intoxicação. O American College of Allergy, Asthma & Immunology também declarou que 50% de todas as doenças respiratórias são causadas ou agravadas pela baixa qualidade do ar interno.

© Takumi Ota
© Takumi Ota

As taxas recomendadas podem ser encontradas através de várias normas, dos como ASHRAE 62.1 ou mesmo alguns guias da OMS. Essas referências são um recurso valioso ao desenvolver qualquer projeto, pois especificam as taxas de ventilação necessárias para novas construções e as necessárias para melhorar a qualidade do ar interno dos edifícios existentes. Muitos desses padrões também destacam os níveis máximos de contaminantes no ar (específicos para cada poluente) necessários para manter a qualidade do ar interno aceitável.

No entanto, medir contaminantes biológicos ainda não é uma opção fácil e acessível para usuários regulares de edifícios. Portanto, taxas inadequadas de poluentes do ar em ambientes fechados raramente são indicadas antes do desconforto físico e de possíveis complicações à saúde. Como é difícil controlar ou consertar o que não pode ser medido, os projetistas devem recorrer a soluções projetuais preventivas eficientes para reduzir e controlar a poluição do ar em ambientes fechados.

© Mariela Apollonio
© Mariela Apollonio

Quais são os desafios?

Além da incapacidade dos ocupantes de medir fácil e constantemente as taxas de poluentes do ar interno, outras dificuldades devem ser destacadas. Compostos Orgânicos Voláteis (COV) e outros contaminantes gasosos não podem ser filtrados ou capturados.

Outro ponto a ter em mente seria que os contaminantes biológicos não podem existir em nosso ambiente a menos que contenham água líquida. A umidade permite o crescimento e a propagação de poluentes do ar interno. Por outro lado, níveis moderados de umidade entre 30% e 60% também são um meio de alcançar o conforto humano interno. Em outras palavras, prosperamos na mesma faixa de alguns dos contaminantes biológicos ao nosso redor.

© Creative Photo Room, Maria Efthymiou
© Creative Photo Room, Maria Efthymiou

Quais são as melhores estratégias de remediação?

Uma boa arquitetura e design são os meios mais importantes de reduzir e controlar o crescimento de poluentes do ar em ambientes fechados. Os arquitetos devem considerar vários parâmetros antes mesmo de começar a projetar uma casa ou edifício para conceder conforto e bem-estar aos ocupantes. Ventilação adequada, exposição à luz natural, isolamento de envelopes de construção e material não tóxicos de origem sustentável estão entre as práticas a serem consideradas ao trabalhar em qualquer projeto. Idealmente, uma mentalidade baseada no conforto deve ser adotada desde a fase de pré-projeto até a pós-ocupação e as manutenções requeridas. Há diversas soluções projetuais inteligentes para fornecer uma qualidade adequada do ar interno.

© Pedro Kok
© Pedro Kok

Uma ventilação natural adequada é uma das primeiras considerações ao projetar uma casa. A orientação do edifício e um layout bem estudado das aberturas promovem um fluxo de ar eficaz através do espaço (ventilação cruzada, torres de resfriamento). A implementação de um sistema de ventilação híbrido funcional em ambientes fechados contribui para a diluição de alguns contaminantes.

© Dilanka Bandara
© Dilanka Bandara

Além de projetar uma moradia ventilada adequada e bem controlada, o arquiteto deve considerar o gerenciamento de vazamentos de ar na construção, mantendo uma pressão de ar interna estável. Embora a ventilação natural seja importante, também implica que o ar perdido seja substituído para ter uma pressão de ar interna / externa neutra. É crucial não permitir a infiltração de ar sem controle, pois isso potencialmente traria poluentes adicionais.

Apesar do fato de a ventilação natural ser geralmente preferida por ser considerada livre de CO2 e de a maioria dos sistemas mecânicos padrão consumirem muita energia, os riscos podem surgir com a renovação do ar natural sem tratamento no interior. Emissões externas, poluição do tráfego e outras micropartículas podem ser trazidas para dentro. Isolar espaços de conexão é uma maneira de minimizar o efeito chaminé. Desconectar espaços de construção e a compartimentação é outra consideração ao fazer o projeto.

© Fernando Alda
© Fernando Alda

Além do citado acima, um meio mais eficaz seria também implementar sistemas inteligentes de ventilação / ar condicionado mecânicos com filtragem adequada e recuperação de calor / frio. Complementando a ventilação natural, os sistemas artificiais de aquecimento e refrigeração internos podem ser equipados com filtros específicos que reduziriam as taxas de partículas no ar. Tendo em mente que os filtros de painel de fibra de vidro padrão nem sempre são os mais eficazes, pois o Valor Mínimo de Relatório de Eficiência ou MERV recomendado deve ser 8 ou superior (de acordo com certos padrões), enquanto os filtros domésticos típicos são 4 ou 5. Os filtros adequados geralmente não são adaptáveis a todos os sistemas de ventilação padrão e exigiriam manutenção constante.

Padrões eficazes de ventilação e filtragem também podem ser revisados através do relatório Science for Policy do Joint Research Center (JRC). É uma base informativa de padrões europeus a ser revertida ao apresentar o Relatório HELTHVENT WP5 (2012) que avalia os padrões de ventilação relacionados à qualidade do ar interno e os compara entre 16 países. É um documento especialmente importante para acompanhar as recomendações de filtragem de ventilação mecânica que ainda não são muito comuns nas residências europeias.

© Emma Cross
© Emma Cross

Outro passo altamente importante seria controlar a umidade e promover a desumidificação. Isso começa com um processo de construção a seco, incluindo estruturas de aço o madeira. Uma fundação seca e um envelope de construção são essenciais para manter uma taxa de umidade controlada que seria confortável para os ocupantes e ainda inibir o crescimento de fungos ou outros poluentes. Buscar materiais de construção e acabamento a seco também é um bom passo para promover uma qualidade adequada do ar interno.

Finalmente, uma das maneiras mais eficazes de mitigar a propagação de contaminantes do ar interno é escolhendo os melhores materiais. É possível reduzir e remover fontes de poluição. Isso pode ser feito usando materiais modernos atóxicos, criados propositadamente para construções e uso interno seguro. Buscar itens com Etiquetas Verdes ou certificação Saudável é uma boa solução para diminuir a poluição do ar em ambientes fechados. Projetar edifícios e residências com itens fabricados com novas tecnologias também pode contribuir para certificações muito cobiçadas como BREEAM, LEED e WELL (sistemas de classificação).

© James Morris
© James Morris

Materiais como o forro da Activ'Air® e a placa de gesso são captadores de contaminantes e diluem até 70% dos VOCs encontrados em ambientes internos. Eles oferecem uma tecnologia passiva e, portanto, duradoura, que não implantaria os gases capturados, independentemente das temperaturas. Não requerem manutenção e regulamentação e, portanto, seriam mais eficazes na redução do formaldeído do que na ventilação adicional.

Sua praticidade também reside no fato de estarem na base do edifício ou no interior, em oposição ao material de acabamento superficial (como revestimentos), que seriam mais propensos a danos e não oferecem as mesmas funções de purificação. Observe que os painéis Activ'Air® são igualmente eficazes através de camadas de tintas à base de água, acrílicas ou epóxi e papel de parede respirável (testado nos laboratórios Eurofins e VITO para garantir a auditoria por terceiros, em conformidade com a EN 16000-23). Esses materiais inteligentes também podem permitir flexibilidade na criação de casas esteticamente agradáveis e limpas. Observando que espaços funcionais e saudáveis não devem necessariamente parecer chatos ou estéreis.

Diagrama do Activ'Air. Image Courtesy of Saint-Gobain
Diagrama do Activ'Air. Image Courtesy of Saint-Gobain

A implementação desse material de diluição de toxinas é uma das maneiras mais fáceis de manter uma qualidade segura do ar interno, pois oferece uma solução mais prática e acessível para novas construções, mas também para projetos de restauro e renovação pré-construídos. Estes últimos geralmente são limitados em ambientes impraticáveis, com falta de ventilação adequada e pouca luz natural. O mais importante é que apartamentos e casas mais antigas podem ter um nível aumentado de umidade. O drywall para consumo de COV é, portanto, a maneira ideal de combater os fungos e contaminantes biológicos existentes em uma casa pré-construída, pois o Activ'Air® funciona mesmo após várias reformas e re-decorações, reduzindo permanentemente o formaldeído. Ele fornece absorção de formaldeído a longo prazo, com base em testes e análises.

Como os últimos meses mostraram, os seres humanos podem enfrentar novos riscos invisíveis à saúde. Passar um tempo dentro de casa tem sido considerado uma solução. No entanto, se com manutenção deficiente, pouco controle ou projetadas incorretamente, nossas casas podem abrigar muitos poluentes do ar, causando desconfortos leves e graves. Algumas escolhas inteligentes podem, então, fazer uma grande diferença.

© Monika Sathe Photography
© Monika Sathe Photography

Referências

  1. How to Minimize Harmful Effects of Formaldehyde Gas Indoors
  2. Cross Ventilation, the Chimney Effect and Other Concepts of Natural Ventilation
  3. Understanding and Improving Indoor Air Quality (IAQ) & (VOC eating drywall)
  4. Indoor Air Quality impacts user's performance and productivity
  5. Biological Pollutants of Indoor Air
  6. British Gypsum Saint-Gobain, ACTIVair Infographic How Important is Air Quality?
  7. British Gypsum Saint-Gobain, Desk based research into volatile organic compounds (VOCs) and indoor air quality
  8. Promoting healthy and highly energy performing buildings in the European Union
  9. IAQ Standards and Guidelines (EPA and ASHRAE Standard)
  10. Air Pollution: Wood Smoke and Lung Health

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Abdel, Hana. "Como transformar um ambiente interno poluído em um lar saudável" [How to Transform a Polluted Indoor Environment into a Healthy Home] 29 Jun 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/942406/como-transformar-um-ambiente-interno-poluido-em-um-lar-saudavel> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.