1. ArchDaily
  2. Reuso

Reuso: O mais recente de arquitetura e notícia

21 Projetos em que Kengo Kuma (re)usa materiais de maneiras incomuns

Kengo Kuma utiliza os materiais para se conectar com o contexto local e os usuários de seus projetos. As texturas e formas elementares dos materiais, sistemas construtivos e produtos são expostas e utilizadas em favor do conceito arquitetônico, valorizando as funções que serão executadas em cada edifício.

De vitrines feitas com telhas cerâmicas a painéis que filtram a luz com à luz peneirada criada por chapas metálicas expandidas, passando por um revestimento de poliéster etéreo, Kuma entende o material como um componente essencial que pode fazer a diferença na arquitetura, desde os estágios do projeto. Apresentamos, em seguida, 21 projetos nos quais Kengo Kuma usa e reúsa materiais de construção com maestria.

V&A Dundee / Kengo Kuma and Associates. Image © Hufton+CrowCamper Paseo de Gracia / Kengo Kuma & Associates. Image © ImagenSubliminalGC Prostho Museum Research Center / Kengo Kuma & Associates. Image © Daici AnoArchives Antoni Clavé / Kengo Kuma & Associates. Image © 11h45+ 44

Reduzir, reutilizar e reciclar: o princípio dos 3 R's aplicado à arquitetura

Com o aumento dos níveis de emissão de poluentes ao longo dos anos, tem crescido também a preocupação sobre as ações que podem ser tomadas para minimizar os danos causados ao planeta. Como forma de promover a redução ou não-geração de resíduos, surge o princípio dos 3 R's: reduzir, reutilizar e reciclar. Estas ações, unidas à adoção de padrões de consumo sustentável, têm sido promovidas como forma de proteger os recursos naturais e minimizar o desperdício.

Centro Comunitário da Vila Sen / Vo Trong Nghia Architects. Imagem: © Quang TranPavilhão dos Resíduos / Cloud-floor. Imagem: © Ketsiree WongwanQuiosque Third Wave / Tony Hobba Architects. Imagem: © Rory GardinerResidência na Prosperina / Fabrica Nativa Arquitectura. Cortesia de Fabrica Nativa Arquitectura+ 15

Onde usar materiais reciclados na arquitetura e urbanismo? 8 aplicações possíveis

Como alternativas à produção de materiais na construção civil, caracterizada por altos gastos energéticos e altos índices de poluentes lançados na atmosfera, a reciclagem e o reuso de materiais e estruturas têm se tornado cada vez mais comuns na arquitetura. A principal diferença entre esses métodos é que, enquanto o primeiro emprega certo gasto energético no tratamento do material antes do seu reaproveitamento, o segundo não requer esse processo, reutilizando-o na forma em que foi descartado.

Cortesia de AubiconCortesía de Idea-TecPavilhão construído com material reciclado transforma espaço público na África do Sul. Imagem: © Ella PetousisCourtesy of a3p+ 9

Projetando com baixo custo: 6 instalações urbanas e pavilhões construídos com paletes reciclados

Comumente utilizados como suportes de armazenamento para mercadorias em estoques de supermercados e feiras livres, os paletes tem como característica a versatilidade, e após inutilização em sua função primária é cada vez mais comum sua reutilização para outros fins, sobretudo como matéria-prima para a criação de mobiliários e decks, colaborando ativamente para a diminuição da quantidade de resíduos descartados. No entanto, indo além dos tradicionais móveis comumente destacados em tutoriais DIY no youtube, estas estruturas vem ganhando espaço como principal materialidade na construção de arquiteturas efêmera, a exemplo de pequenos pavilhões e instalações urbanas, de modo que as peças de pequenas dimensões podem ser empilhadas e unidas umas às outras de maneiras e padrões diversos. 

Impermeabilização à base de pneus reciclados: redução de desperdícios e emissões

No México, 40 milhões de pneus usados são jogados fora todos os anos e apenas 12% são reciclados. Pneus são um resíduo de difícil manuseio, devido ao grande volume produzido, sua durabilidade e aos seus componentes que são prejudiciais ao meio ambiente. Segundo especialistas, no México cerca de 5 milhões de pneus são reciclados em produtos orgânicos e na indústria de cimento.

Reuso adaptativo: 4 exemplos de como intervir no patrimônio arquitetônico

A ação do tempo é inevitável para qualquer obra arquitetônica: todos os edifícios estão sujeitos, em maior ou menor grau, às consequências das condições atmosféricas e dos diferentes usos que lhes são atribuídos ao longo do tempo. Como alternativa para “dar vida” a edifícios sem uso, o reuso adaptativo tem ganhado força nas últimas décadas. Mas apesar de sua grande difusão, a aplicação prática deste conceito não é simples.

Esta casa foi construída com tijolos de plástico reciclado em apenas 5 dias

Há treze anos o colombiano Fernando Llanos tentou construir sua própria casa na cidade de Cundinamarca, na Colômbia. Nesta ocasião se deu conta de que deslocar os materiais de Bogotá até sua cidade seria um grande problema. Depois de muitas idas e vindas, decidiu construir sua moradia com plástico, e após uma série de erros e acertos, conheceu o arquiteto Óscar Méndez que desenvolveu sua tese exatamente sobre esse tema, e com quem fundou a empresa Conceptos Plásticos.

Arquitetura e cenografia: o reuso no trabalho de Renata Mota

A necessidade global de buscar meios mais sustentáveis para atender novas demandas é um dos pontos mais estimulantes para o reuso de materiais ou estruturas na arquitetura atualmente. No campo da cenografia, a ressignificação de materiais para compor cenários é uma realidade há muito tempo. A prática profissional na área lida com a representação de uma cena, e para tal são utilizados elementos de caráter temporário e que buscam estimular a imaginação do espectador. Nesse sentido, o trabalho da cenógrafa Renata Mota tem aliado a ressignificação ao reuso de materiais - descartados ou doados - que perderam seu uso original para compor cenografias de espetáculos, exposições e outros eventos.

Los Angeles usará plástico reciclável no asfalto de suas ruas

As ruas de Los Angeles servirão de teste para um novo composto asfáltico feito a partir de plástico reciclado. Desenvolvido pela empresa TechniSoil Industrial, o material emprega em sua composição resíduos plásticos que seriam normalmente descartados, misturados com o próprio asfalto reciclado das ruas.

17 Casas que se transformaram em museus através de reuso adaptativo

Ao longo da história de um edifício, é possível que este assuma funções diferentes daquela para a qual foi originalmente pensado. É o caso, por exemplo, das casas que viraram museus, seja por terem se tornado ícones da arquitetura, seja porque em algum momento perderam sua função original e passaram por uma renovação para abrigar um espaço expositivo.

Márcio Kogan projetará museu em homenagem ao designer Zanine Caldas na Bahia

Um dos mais influentes designers brasileiros, José Zanine Caldas teria completado seu centenário em abril deste ano. Em homenagem ao legado do designer, a prefeitura de Belmonte, Bahia, planeja inaugurar, em fevereiro do próximo ano, um museu. O projeto será dividido em duas etapas, que compreendem a recuperação do antigo casarão histórico onde Caldas nasceu e, posteriormente, a ampliação das instalações com um projeto de Márcio Kogan.

Mouraria 53: um experimento em arquitetura e habitação

No experimento do coletivo Mouraria 53 o funcionamento do espaço, ao contrário do que ocorre normalmente em um projeto arquitetônico, começa antes da conclusão da obra e faz parte do seu desenvolvimento: exposições, apresentações, shows, oficinas e aulas funcionam como uma troca cotidiana na construção da casa. O processo possui um valor excepcional nessa iniciativa, que reúne projetos, materiais, conversas, execuções e sonhos coletivos.

Arquitetos propõem reaproveitar tanques industriais na orla de Nova Iorque

Cortesia de STUDIO V Architecture e Ken Smith WorkshopCortesia de STUDIO V Architecture e Ken Smith WorkshopCortesia de STUDIO V Architecture e Ken Smith WorkshopCortesia de STUDIO V Architecture e Ken Smith Workshop+ 27

Em Nova Iorque, ativistas e profissionais têm trabalhado por muitos anos para tentar salvar 10 tanques industrias desativados da demolição, propondo o uso alternativo dessas estruturas. Em parceria com o STUDIO V, o escritório de arquitetura e paisagismo Ken Smith Workshop criou uma proposta inventiva que reimagina essas relíquias industriais como um parque do século XXI, uma novidade na definição e configuração tradicional dos espaços públicos.

Projeto transforma antigo reservatório de água de Paris em centro cultural

"Grey Day" . Imagem © Thomas Jensen"Under Rock" . Imagem © Thomas Jensen"Studio Life". Imagem © Thomas Jensen"Stairway to Heaven" . Imagem © Thomas Jensen+ 26

Em seu projeto de tese recentemente concluído, Sebastian Siggard, Neemat Azizullah e Thomas Ron propõem a transformação de um reservatório de água parisiense do século XIX em um novo centro cultural. Abordando as crescentes questões sociais e a desigualdade em toda a Europa, o projeto, intitulado “New Parisian Stories" [Novas histórias parisienses], promove a interação social em um esforço para criar uma sociedade mais integrada e coesa. Duas questões principais motivam a proposta: Com os jogos olímpicos de 2024 chegando a Paris, que papel a arquitetura pode desempenhar em relação às oportunidades e potenciais destes eventos? E como a arquitetura pode melhorar a vida das pessoas menos favorecidas da sociedade, ao mesmo tempo em que cria espaços sociais para pessoas de diferentes culturas e idades?

Do lixo ao luxo: produtos de revestimentos feitos a partir de resíduos

A indústria da construção civil movimenta recursos econômicos consideráveis em todo o mundo, gera inúmeros empregos e muita receita. Ao mesmo tempo, também implica em impactos negativos que vão desde o consumo dos recursos naturais, até a elevada geração de resíduos, seja durante a etapa construtiva e nas demolições. Para se ter uma ideia, no Brasil estima-se que 61% do total de resíduos gerados sejam representados pelos Resíduos de Construção e Demolição e 28% pelos resíduos domiciliares [1].

Cortesia de Santa LuziaCortesia de AubiconCortesia de Santa LuziaCortesia de Decortiles+ 9

Upcycling Wood: Madeiras recuperadas transformadas em objetos valiosos e úteis

A necessidade de reduzir substancialmente nosso impacto no planeta deve se traduzir em uma mudança significativa em nosso estilo de vida e hábitos. Uma delas é consumir com responsabilidade e considerar que o desperdício não existe, mas que todo o material pode ser transformado em algo útil novamente seguindo um sistema ecológico circular.

Em seu livro Upcycling Wood, Reutilización creativa de la madera, o arquiteto e artista Bruno Sève escreve e edita um guia sobre os usos e possibilidades da madeira recuperada, como uma estrutura para a reutilização responsável; de pequena escala, como móveis ou telas de artistas, a escala média, com uso em interiores e fachadas. Este livro visa sensibilizar os profissionais e cidadãos em geral, através da análise do ciclo de vida, exemplos de usos e processos de acabamento, levando a uma estrutura ecológica e responsável. O livro é ilustrado por numerosas equipes de design e arquitetura que seguem as diretrizes do design ecológico com madeiras recuperadas.

Hotel Lobby and Nishi Grand Stair Interior / March Studio. Image © John Gollings'San Cristóbal', by Bruno Sève. Image © Bruno Sève© UhuruRecycling Woodstore. Image © The Community wood recycling+ 20