1. ArchDaily
  2. Arte E Arquitetura

Arte E Arquitetura: O mais recente de arquitetura e notícia

Nitsche Arquitetos intervém em empena no entorno do Minhocão

© João Nitsche© João Nitsche© Pedro Mascaro© João Nitsche+ 16

Cinco anos após a realização da Empena Viva, Nitsche Arquitetos volta a ocupar artisticamente os arredores do Minhocão. Ao realizar a intervenção Eclipse, a partir de um gesto simples, a equipe pretende ilustrar os processos socioeconômicos e temporais que são colocados pelas dinâmicas urbanas de São Paulo.

Vozes Contra o Racismo: outras narrativas sobre o território paulista

CCJ © Coletivo Coletores Cohab © Coletivo ColetoresCasa de Cultura Tremembé © Coletivo Coletores"Brasil Terra Indígena" de Denilson Baniwa no Monumento das Bandeiras © Coletivo Coletores+ 46

Outros corpos, espaços e linguagens, que são invisibilizados ou simplesmente parecem não caber na atual cidade de São Paulo, estão sendo projetados em sua paisagem. "Vozes Contra o Racismo" é uma mostra e proposição que insere novos imaginários para a cidade que está em constante disputa de narrativas. Através do evento, até o dia 24 de agosto, a rua deixará de ser apenas um espaço de trânsito para abrigar também obras de arte, os edifícios se tornarão telas e monumentos serão apagados para servir de suporte a expressões artísticas que apresentam rumos que normalmente são invisibilizados pela história.

4 Filmes para entender o pós-modernismo na arquitetura e no urbanismo

Filmes vêm sendo estudados por arquitetos e outros profissionais interessados no campo da arquitetura e urbanismo por oferecerem uma perspectiva mais sutil e responsiva de nossa disciplina, nos informa o arquiteto e professor finlandês Juhani Pallasmaa. A partir de suas particularidades técnicas e estéticas, o cinema pode ir além da simples representação e ser um poderoso meio de transmissão de ideias e conceitos ligados à arquitetura e o espaço urbano.

Arquitetura de espaços expositivos: 23 galerias de arte ao redor do mundo

De modo geral, existem determinados fatores em projetos de espaços expositivos que contribuem para uma eficaz apresentação das obras: iluminação difusa, distribuição espacial e pé-direito altos são alguns deles. A combinação destas características com a capacidade de transformação dos ambientes (com a presença de elementos que possam ser perfurados, repintados e adaptados de acordo com cada exposição), são recorrentes em muitas galerias de arte e expressam o diálogo entre arte e arquitetura.

Interiores de museus: como o design pode interagir com a arte

Os espaços internos de museus, por meio de exposições, constroem narrativas que atribuem lógica e sentido (em outros contextos talvez não existentes) aos objetos expostos. Isto é, os recursos utilizados em uma mostra são capazes de conferir significados à medida em que são estabelecidas as conexões não só entre as peças expostas, mas também entre o projeto expográfico e a obra de arte.

Arte e arquitetura: 6 instalações artísticas que alertam para a crise climática

Diante de dados que apontam uma crise climática que atinge todo o planeta há décadas, as perspectivas de reação podem parecer desanimadoras. Mas, ao mesmo tempo em que as notícias indicam um aumento das médias de temperatura globais, o foco político na crise climática também se intensifica, conforme relatório da ONU Meio Ambiente divulgado em 2019, o que se reflete não apenas na ocorrência de manifestações e protestos ao redor do mundo, mas também na expressão da chamada arte ativista.

Carlos Moreira: Entre o Clássico e o Barroco

As figuras humanas ganham protagonismo frente aos edifícios e ruas nas lentes do fotógrafo Carlos Moreira, 82. O espaço urbano aparece retratado a partir de recortes, não apenas sugeridos pelos monumentos históricos (eles estão lá), mas sobretudo pelo corpo e suas ações. Disso emerge uma visão emocional e viva das cidades; capaz de provocar uma expansão sensorial dos retratos dos espaços.

Como a luz pode transformar o espaço? Conheça a obra do artista Dan Flavin

Daniel Flavin foi um dos representantes da chamada arte minimalista das décadas de 1960 e 1970 nos Estados Unidos. A classificação foi usada pela primeira vez pelo filósofo Richard Wollheim no ensaio “Minimal Art” em 1965 para agrupar obras que, como os ready-mades de Duchamp, não pretendiam representar uma realidade externa: o objeto exposto deveria ser entendido como obra por si e a experiência do espectador não deveria depender de associações a outros fatores.

Obras de Tom Capobianco exploram movimento e espacialidade arquitetônica dentro de quadros na parede

O arquiteto e artista Tom Capobianco compartilhou conosco uma série de obras recentes que tensionam a relação entre a bidimensionalidade do quadro e o espaço arquitetônico através ambientações encapsuladas em molduras de madeira.

Arquitetura e Bordado: conheça a arte de Elin Petronella e Charles Henry

O casal Elin Petronella e Charles Henry, registram a arquitetura e paisagens urbanas de cidades europeias através de bordados vibrantes e coloridos ou simplesmente com o contorno de fios pretos. Edifícios clássicos dinamarqueses, ruas boêmias de Paris, bondinhos de Lisboa e até a icônica Casa Batlló de Gaudí, em Barcelona, são alguns dos lugares retratados de forma especial pela dupla. É possível acompanhar toda a jornada dos artistas têxteis no Instagram deles, @petronella.art e @_charleshenry_, que juntos somam quase 200 mil seguidores.

Intervenção artística de Elian Chali reinventa a antiga usina de Córdoba

A partir de uma intervenção artística de grande escala, o artista visual Elian Chali reinventa a antiga usina na orla da cidade de Córdoba, evidenciando uma ligação entre arte, arquitetura e urbanismo.

Picos do Jaraguá / Nitsche Arquitetos

© Nitsche Arquitetos© Nitsche Arquitetos© Nitsche Arquitetos© Nitsche Arquitetos+ 19

"Para mim, a primeira e primordial arquitetura é a geografia" 
Paulo Mendes da Rocha

ESTEREO(AUTO)SCOPIO, arte pública efêmera para perceber o contexto urbano

Cortesía de Esteban Pastorino y Nicolás Sáez
Cortesía de Esteban Pastorino y Nicolás Sáez

Estereo(auto)copio é uma obra de arte pública efêmera co-criada por Esteban Pastorino e Nicolás Sáez, financiado pela bolsa de estudos "Residencias Chile - Argentina do Programa de Intercâmbio de Artes Cênicas e Artes Visuais" do Ministério das Culturas, das Artes e Patrimônio do Governo do Chile. Nesta ocasião, a estadia criativa foi desenvolvida na "Residencia Corazón" da cidade de La Plata, na Argentina.

O projeto foi instalado pela primeira vez no centro da Plaza Moreno, em seguida, transferido ao Centro Cultural Pasaje Dardo Rocha e finalmente exposto na Residencia Corazón em uma conversa com os autores. O projeto, com a colaboração de Diego del Pozo, Nahuel Bralo, Ismael Maldonado, Juan Pablo Ferrer e Rodrigo Mirto, propõe uma experiência imersiva ao visitante através de um artefato que permite ver vistas aéreas da cidade, com fotografias estereoscópicas captadas por um drone, que oferece a possibilidade para o observador olhar para o lugar de onde está e conscientizar-se das características urbanas.

Conheça o projeto em detalhes através de algumas palavras dos autores a seguir.

Em foco: Roberto Burle Marx

Hoje, dia 04 de agosto de 2018, Roberto Burle Marx completaria 109 anos. Nascido em 1909, no estado de São Paulo, cresceu no estado do Rio de Janeiro, onde desenvolveu a maior parte de suas obras paisagísticas. Com pai alemão, Willem Marx, foi com sua mãe recifense, Cecília Burle, que despertou seu desejo pela botânica. Aos dezenove anos morou por um ano na Alemanha, onde teve seus primeiros contatos com os artistas de vanguarda que influenciaram seu trabalho.

Tornou-se o mais influente paisagista brasileiro, responsável por um extenso legado de projetos em território nacional e internacional, aventurando-se em variados campos artísticos para além do paisagismo, como a pintura, desenho, escultura, tapeçaria e artesanato, expressando compulsivamente sua visão de mundo e suas ideias.

Artista brasileiro cria escultura de cordas na estação central de Zurique

O artista contemporâneo brasileiro Ernesto Neto concluiu recentemente uma escultura feita de cordas de algodão tecidas à mão que ocupa o átrio da estação central de trens de Zurique - Zürich Hauptbahnhof. Intitulada Gaia Mother Tree, a obra faz lembrar uma grande árvore, estendendo-se do chão à cobertura da estação.

Promovida pela Fondation Beyeler, a escultura é uma obra de arte imersiva, um espaço onde se pode entrar, caminhar e meditar. Enquanto estiver montada, até o dia 29 de julho, uma série de atividades para adultos e crianças, incluindo concertos musicais, workshops e debates, está prevista para acontecer sob a rede de algodão tecida por Neto.