Thomas Musca

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Cidade privatizada: periferias de Beirute são ocupadas pela classe trabalhadora

27 anos após a Guerra Civil Libanesa (1975 – 1990), Beirute encontra-se como uma cidade de personalidades conflitantes. Uma noite de verão passeando pela recentemente finalizada Marina Zaitunay Bay, pode-se observar o embelezamento em curso da capital. O que, me matéria da revista GQ chama de "o destino escolhido para jovens e ricas crianças em todo o mundo", é agora salpicado com reluzentes arranha-céus revestidos de vidro, clubes noturnos, grupos de turistas estrangeiros e arquitetura de alto nível. Um yacht club projetado por Steven Holl fica a alguns minutos do Beirut Terraces de Herzog & de Meuron, um arranha-céu e condomínio de luxo com vista panorâmica à beira-mar em que o resort referencia-a como uma "praia urbana". No entanto, o desenvolvimento do centro da cidade tem gerado extremas consequências na periferia, como claramente mostrado neste ensaio fotográfico de Manuel Alvarez Diestro.

© Manuel Alvarez Diestro© Manuel Alvarez Diestro© Manuel Alvarez Diestro© Manuel Alvarez Diestro+ 13

9 Edifícios mais intrometidos do mundo

Em 2017, muitas das maiores cidades do mundo se tornaram verdadeiras cápsulas do tempo em termos de arquitetura. Vivemos em uma era eclética, onde um loft industrial do século XIX, um conjunto do pós-guerra e um novo edifício em altura são propriedades comparativamente desejáveis. Este apetite urbano por projetos variados torna ainda mais difícil para a arquitetura atrair a atenção do público.

Devido a isso, os arquitetos muitas vezes tentam produzir projetos "icônicos" - um edifício cujo projeto é tão impressionante que atrai até mesmo a atenção de um leigo. Às vezes, essa ambição compensa e o resultado são edifícios atemporais, em outros casos, ela marca irremediavelmente o skyline das cidades. A seguir, apresentamos uma coleção destes icônicos edifícios. Será que eles serão lembrados como marcos excêntricos ou como grandes equívocos? Você decide.

Sete arquitetos famosos e seus curiosos primeiros empregos

Envelhecer é, sem dúvida, importante no campo da arquitetura. Apesar do que se diz, a profissão pode pagar relativamente bem - assumindo que você já trabalha há algumas décadas. Mesmo Bjarke Ingels, provocador e criador de vídeos, que fez parte de um documentário do Netflix e fundador do ultra-contemporâneo BIG não é um milenar; com 42 o dinamarquês é nove anos mais velho do que Mark Zuckerberg.

Como resultado, é comum levar uma vida complexa antes de encontrar fama arquitetônica e muitos dos arquitetos mais bem sucedidos do mundo começaram suas carreiras em um campo completamente diferente. Se você ainda não conseguiu o seu trabalho dos seus sonhos, fique tranquilo e confira a lista dos primeiros trabalhos de arquitetos famosos.

Vídeo de drone mostra a construção do projeto M50 de Heatherwick Studio em Xangai

No mais recente vídeo do #donotsettle, Wahyu Pratomo e Kris Provoost apresentam imagens impressionantes de um dos projetos mais curiosos de Xangai, o M50. O edifício de 300 mil metros quadrados projetado pelo Heatherwick Studio consiste em uma massa topográfica urbana dedicada a abrigar programas mistos.

via #donotsettlevia #donotsettlevia #donotsettlevia #donotsettle+ 9

Veja o elevador de movimento lateral da Thyssenkrupp em ação

Neste vídeo, o YouTuber britânico Tom Scott explora o novo sistema de elevadores "MULTI" da Thyssenkrupp, divulgado recentemente pela empresa. Embora esteja ainda em estágio beta de desenvolvimento, tendo sido testado apenas na torre de "inovação" de ThyssenKrupp, de 246 metros de altura, localizada em Rottweil, Alemanha, o sistema MULTI pretende transformar o projeto de edifícios em altura com cápsulas de deslocamento horizontal.

O sistema sem cabo da empresa alemã utiliza trilhos montados verticalmente, sistemas de frenagem na cabine e barras pivotantes para transportar os ocupantes para cima, baixo e para os lados de modo mais seguro e rápido que os elevadores convencionais. 

8 Exemplos extraordinários de arquiteturas abandonadas

© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Buzludzha_Monument_Auditorium.jpg'>Usuário Wikimedia Stanislav Traykov</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Usuário Wikimedia Stanislav Traykov licença CC BY-SA 3.0

Ao longo da história, as mudanças no cenário econômico, na política, os desastres e a total incompetência fizeram com que estruturas arquitetônicas impressionantes fossem tragicamente abandonadas. Da explosão de 1986 na Usina Nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, que tornou inabitável uma região da então União Soviética, ao declínio do transporte público que levou muitas estações de trem dos EUA tornarem-se supérfluas, a história do abandono da arquitetura atinge todas as culturas. E, sem manutenção regular, as estruturas se deterioram, deixando fantásticos fantasmas do passado alimentando a crescente tendência encontrada na internet de "ruin porn". Abaixo estão 8 edifícios abandonados que estão lentamente sendo engolidas pela natureza:

© <a href='https://www.flickr.com/photos/kntrty/3720075234/>Usuário Flickr kntrty</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY-2.0</a>© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Redsandsforts.jpg'>Usuário Wikimedia Russss</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Buffalo_Central_Terminal_(4844255509).jpg'>Usuário Wikimedia Bruce Fingerhood</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY-2.0</a>© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:AMUSEMENT_PARK_AT_PRIPYAT_NEAR_THE_CHERNOBYL_PLANT_NOW_ABANDONED_UKRAINE_SEP_2013_(10006421786).jpg'>Usuário Wikimedia calflier001</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY-2.0</a>+ 9

Nova Iorque submersa: vídeo mostra as consequências de um aumento de 2°C na temperatura global

James Hansen, professor de Ciências da Terra e do Meio Ambiente da Universidade de Columbia, ex-funcionário da NASA e notável climatologista, foi um dos primeiros a alertar sobre a mudança climática durante seu depoimento em 1988 no Congresso dos EUA. Desde então, ele continuou a falar do problema através de palestras, entrevistas, conversas TED e seu blog. Advertiu que um pequeno aumento de 2 graus célsius na temperatura global poderia resultar em um aumento do nível do mar de cinco a nove metros até o final do século, inundando boa parte das as cidades costeiras e tornando-os inabitáveis.

Inspirados por Hansen, os cineastas do estúdio Menilmonde imaginaram Manhattan submersa. Os vídeos anteriores da dupla francesa apresentam subversões sutis do mundo real, e este mais recente, intitulado two ° C New York City, é indiscutivelmente o mais poderoso até agora.

Cortesia de Menilmonde via screenshot do vídeoCortesia de Menilmonde via screenshot do vídeoCortesia de Menilmonde via screenshot do vídeoCortesia de Menilmonde via screenshot do vídeo+ 4

Humanize suas representações "pós-digitais" com estas escalas da antiguidade

Cortesia de ARTCUTOUT
Cortesia de ARTCUTOUT

Apesar da insistência de alguns, os discos de vinil não ressurgiram devido à sua suposta qualidade de som superior. Em vez disso, o vinil continua sendo apreciado por sua peculiaridade e ambiguidade. De modo semelhante, recentemente a colagem retornou como uma estratégia de representação, provocando um debate sobre uma suposta "representação pós-digital".

Estas representações fantásticas possibilitam os arquitetos a criarem narrativas claras para complementar seu trabalho. Em resposta a esta crescente popularidade, vários sites surgiram para reforçar a tendência. Um exemplo é a plataforma ARTCUTOUT, que disponibiliza uma coleção de imagens em formato .png tiradas de obras de arte de domínio público. O site poderia ser visto como uma versão "pós-digital" do famoso SKALGUBBAR, que há anos vem fornecendo escalas humanas para povoar renderizações de todos os cantos do mundo.

13 Edifícios que resistiram bem à força do tempo

A humanidade sempre aprecia grandes obras de arte que resistem ao passar dos anos. Este mês, por exemplo, completam-se o 50º aniversário do psicodélico Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band dos Beatles e o 20º aniversário do distópico Ok Computer do Radiohead. Estes marcos psicologicamente satisfatórios geraram uma grande apreciação e nostalgia. Da mesma forma, também adoramos elogiar a longevidade da arquitetura. O AIA, por exemplo, concede anualmente um "Prêmio de vinte e cinco anos" para reconhecer projetos que "resistiram ao teste do tempo" e "exemplificam um significado duradouro da arquitetura". Mas reconhecer um projeto por ano parece pouco. Abaixo, portanto, estão 13 clássicos modernos que, embora não tenham sido bem quistos de início, passaram a ser adorados:

© <a href='https://www.flickr.com/photos/leandrociuffo/3665886505'>Flickr user Leandro Neumann Ciuffo</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/aseles/6149740236'>Flickr user Andrew Seles</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-ND 2.0</a>© <a href='https://www.flickr.com/photos/g_firkser/6233067891'>Flickr user Gavin Firkser</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a>© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bank-of-china_clean-img-sma.jpg'>Wikimedia user LERA Engineering</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>+ 15

UNStudio projeta pavilhão de teflon para vida extraterrestre

Projetado por UNStudio em colaboração com o MDT-tex, o Protótipo II é uma estrutura de membrana modular que foi lançada recentemente na exposição do Techtexil, Living in Space. Proporcionando um espaço na exposição para os visitantes experimentarem uma experiência de Realidade Virtual em Marte, criada pela Agência Espacial Europeia (ESA) e pelo Centro Aeroespacial Alemão (DLR). UNStudio e MDT-tex já se juntaram em exposições temporárias anteriormente; O pavilhão biomimético Eye_Beacon com retroiluminação em LED estreou no Amsterdam Light Festival no final do ano passado.

© Olaf Becker© Olaf Becker© Olaf Becker© Olaf Becker+ 14

Como os empreendedores transformaram o grafite em um Cavalo de Tróia para a gentrificação

Aconteceu no meio da noite: o museu não oficial do grafite de Long Island City foi apagado. Em 2013, o proprietário da G&M Realty, Jerry Wolkoff,, queria que o edifício fosse destruído para criar novos condomínios de luxo e os artistas processaram-no para preservar seus trabalhos. Um juiz negou o pedido dos artistas e Wolkoff destruiu-os na calada da noite, aparentemente para evitar que eles alcançassem status histórico. Embora os grafites tenham nascido como um ato subversivo, esses artistas pintaram com a permissão de Wolkoff desde 1993 e transformaram o armazém "na primeira mecca do grafite no mundo" e o maior espaço legal em arte de spray nos Estados Unidos. Esta foi uma traição séria.

6 Projetos que foram renegados por seus arquitetos

Construção é um exercício de frugalidade e compromisso. Para ver seu trabalho realizado, os arquitetos têm que conciliar as demandas dos empreendedores, empreiteiras, clientes, engenheiros - às vezes até mesmo os governos. As concessões resultantes deixam frequentemente os arquitetos com o ego ferido e um resultado arquitetônico que não os satisfaz. Embora esses arquitetos sempre façam o máximo para corrigir quaisquer problemas, algumas disputas são tão vorazes que o arquiteto sente que não têm escolha a não ser abrir mão de seu próprio trabalho. Veja, a seguir, seis exemplos notáveis em que isso aconteceu:

Cortesia de Renzo Piano Building Workshop, Studio Pali Fekete architects, AMPAS© Oskar Da Riz Fotografie© Danica O. Kus© <a href='https://www.flickr.com/photos/18378655@N00/2894726149/'>Flickr de James Cridland</a> Licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a>+ 7

Louis Kahn e Renzo Piano: a harmonia entre cada ala do Kimbell Museum

O Museu de Arte Kimbell de Louis Kahn é uma obra prima da iluminação natural, com abóbadas feitas com cascas de concreto que apresentam aberturas sutis para refletir a luz nas galerias. Ao passo que a ala de Kahn para o museu de Fort Worth foi inaugurada em 1972, em 2013 um segundo pavilhão - projetado por Renzo Piano - foi acrescentado ao complexo. Piano foi escolhido para projetar o pavilhão pois havia trabalhado para Kahn no início de sua carreira, e a homenagem a seu mentor é evidente na organização similar do edifício e no uso de painéis translúcidos de vidro.

"Nos vemos no tribunal!" 9 ações judiciais na arquitetura

© <a href=‘https://www.flickr.com/photos/diversey/16868722144/'>Flickr user diversey</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY-2.0</a>
© Flickr user diversey licensed under CC BY-2.0

O que o ganhador do prêmio Pritzker, Frank Gehry, recebeu após projetar o Stata Center, um complexo acadêmico para o MIT? Um cheque muito gordo e um processo judicial maior ainda, alegando negligência e quebra de contrato devido a vazamentos, mofo, rachaduras e problemas de drenagem. Às vezes, os desenhos mais inspiradores podem dar errado. E quando isso acontece, alguns clientes entram com processos judiciais. Veja, a seguir, nove curiosos exemplos.

#donotsettle apresenta um percurso crítico pelo Museu de História Natural de Xangai

Na última aventura de #donotsettle, o arquiteto Kris Provoost examina o Museu de História Natural de Xangai, projetado pela Perkins + Will. O vlogueiro apresenta uma percurso original pelo incomum edifício localizado no Parque de Esculturas de Jing'an.

No episódio, Provoost oferece detalhes que não podem ser vistos em fotografias. À medida que se aproxima da estrutura, ele aponta aspectos topográficos, a relação da estrutura com seu contexto e outros detalhes construtivos. As breves observações arquitetônicas são, por vezes, pontuadas por rápidos croquis que reforçam o comentário experiencial.

© James and Connor Steinkamp© James and Connor Steinkamp© James and Connor Steinkamp© James and Connor Steinkamp+ 5

Pavilhão desmontável evidencia resistência e adaptabilidade da madeira

A peça central da exposição do Conselho Malaio de Madeira na Conferência da AIA deste ano em Orlando, na Flórida, foi um pavilhão com quatro paredes totalmente desmontável, construído inteiramente de madeira Meranti. Projetada por Eleena Jamil Architect, a estrutura totalmente modular mostrou a força e a adaptabilidade desta madeira sustentável do Sudeste Asiático.

Cortesia de Eleena Jamil Architect Cortesia de Eleena Jamil Architect Cortesia de Eleena Jamil Architect Cortesia de Eleena Jamil Architect + 22

Porsche Design Tower de Miami: um pequeno monumento da arrogância para com a catástrofe climática

A Flórida é um estado em negação. Miami está no meio de uma das maiores explosões de edifícios na história da região. O skyline da cidade é repleto de guindastes que se elevam de torres com revestimentos dourados, brancos e verde-água sem fim de uso residencial ou hoteleiro. Este massivo fluxo de investimentos em dólares é absolutamente paradoxal, considerando a iminente calamidade que rodeia o sul da Flórida: o National Oceanic and Atmospheric Administration prevê que o nível do mar poderia, possivelmente, aumentar quase 0,89 metros até a metade do século. Se esta tendência persistir, este número será elevado a 2 metros até o ano de 2100, ameaçando a habitação de toda a região metropolitana.

Dado este angustiante cenário, Miami ou está se recusando a tomar conhecimento do inevitável, ou está desesperadamente tentando se tornar relevante o suficiente para ser salva—não que salvar a cidade seja realmente possível. A região se assenta numa rocha calcária extremamente porosa que claramente descarta a opção de uma barragem no estilo da dos Países Baixos. Se o Atlântico não pudesse fazer nenhuma incursão, a crescente maré iria simplesmente se desmontar por baixo. A topografia plana de Miami não tem nenhuma chance.

Compreendendo "The Broad": Um marco na revitalização do centro de Los Angeles

Diferente da maioria das cidades estadunidenses, que passaram o século XX se expandindo radialmente para seu subúrbio, Los Angeles confunde gente de fora porque não possui um centro definido. A sigla "LA" é amplamente utilizada para se referir à uma variedade de pequenas cidades ao longo da baía de Los Angeles que cresceram junto ao longo do tempo. Tradicionalmente, uma grande parte destas localidades foram os centros culturais e os destinos turísticos (Hollywood, Santa Monica, Beverly Hills, Silverlake, etc) Enquanto estes distritos prosperaram, o centro da cidade ficou bastante negligenciado; seus edifícios sedes de grandes financeiras e espaços de comércio passaram por graves questões de ocupação durante a maior parte dos anos 1990 e 2000. Há dez anos atrás, a vida urbana nas ruas do centro da cidade fora do horário comercial é virtualmente inexistente.

Este destino era em grande parte o resultado de um planejamento urbano pobre. A destruição trágica do vibrante bairro residencial Bunker Hill nos anos 60 criou uma série de superquadras ladeadas de rodovias, compostas de lotes vazios que eram destinados às eficientes - e feias - torres modernistas, muitas das quais nunca foram aproveitadas. Até hoje em dia, esta área ainda sofre com lotes vazios. Empreendedores e arquitetos têm considerado o centro da cidade um investimento de retorno arriscado desde então.

O centro da cidade de Los Angeles não apenas era motivo de piadas (Em Uma Família da Pesada: "Não há nada pra fazer no centro!”) mas era também tratado com desdém. Até mesmo Frank Gehry disse uma vez que ele queria que o Walt Disney Concert Hall fosse construído 20 quilômetros de distância de sua localização original, para ser então construído em Westwood (próximo a UCLA). E ainda acrescentou que sentiu que as atuais tentativas de revitalização do centro eram "anacrônicas e prematuras". Ai!

Courtesy of The Broad and Diller Scofidio + Renfro© Iwan Baan© Iwan Baan© Iwan Baan+ 8