O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. "Nos vemos no tribunal!" 9 ações judiciais na arquitetura

"Nos vemos no tribunal!" 9 ações judiciais na arquitetura

  • 15:00 - 20 Maio, 2017
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
"Nos vemos no tribunal!" 9 ações judiciais na arquitetura
© <a href=‘https://www.flickr.com/photos/diversey/16868722144/'>Flickr user diversey</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY-2.0</a>
© Flickr user diversey licensed under CC BY-2.0

O que o ganhador do prêmio Pritzker, Frank Gehry, recebeu após projetar o Stata Center, um complexo acadêmico para o MIT? Um cheque muito gordo e um processo judicial maior ainda, alegando negligência e quebra de contrato devido a vazamentos, mofo, rachaduras e problemas de drenagem. Às vezes, os desenhos mais inspiradores podem dar errado. E quando isso acontece, alguns clientes entram com processos judiciais. Veja, a seguir, nove curiosos exemplos.

1. Torre Millennium, San Francisco, Califórnia

Image <a href=‘https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Millennium_Tower_San_Francisco_July_2008.jpg'>via Wikimedia</a>. Photo by Wikimedia user Hydrogen Iodide in public domain.
Image via Wikimedia. Photo by Wikimedia user Hydrogen Iodide in public domain.

Quando os engenheiros aprovaram a fundação da Torre Millennium eles esperavam que a edificação se estabelecesse de forma uniforme à  0,15 m acima da estrutura. Apenas sete anos após a abertura, descobriu-se que esse arranha-céu de 197 metros havia afundado 0,4 metros e estava inclinado 0,38 metros para o noroeste. Ao contrário dos altos edifícios adjacentes, a estrutura da Torre nunca alcançou a base. A expectativa era que o aterro que transportava a massa da estrutura fosse previsivelmente compactado, mas isto não aconteceu. Este erro grave produziu calçadas rachadas, esquadrias deformadas e uma embaraçosa reportagem de 60 Minutes  na qual uma bola de golfe é mostrada rolando através do pavimento da cobertura. Em 2016, os inquilinos do edifício haviam entrado com uma ação coletiva em uma tentativa de culpar a Autoridade de Poder Conjunta Transbay e Millennium Partners. Se você estiver buscando grandes descontos no mercado imobiliário de San Francisco, sua procura acabou.

2. Torre do US Bank, OUE Skyslide, Los Angeles, EUA

Durante o verão de 2016, a mais nova atração de Los Angeles gerou uma tempestade no feed de notícias do Facebook. Um longo escorregador de 13,7 metros, pendurado a 305 metros acima do solo, foi criado na Torre do US Bank, o maior arranha-céu de Los Angeles. Após descer um único pavimento, os visitantes são disparados para fora em um tapete para suavizar sua queda. Poucos meses após a abertura, uma mulher processou a operadora do prédio, OUE, após bater desgraçadamente no piso e quebrar seu tornozelo. Apesar de não trágico, o incidente embaraçoso prejudicou a atração com avaliações negativas. 

3. Demolição do 5 Pointz, Nova Iorque, EUA

© <a href=‘https://commons.wikimedia.org/wiki/File:5_Pointz_Building_Rear_View.jpg'>Wikimedia user Vinniebar</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Wikimedia user Vinniebar licensed under CC BY-SA 3.0

O famoso depósito de graffiti Queens, apelidado de "U.N. of graffiti ", foi tragicamente demolido em 2014 para abrir espaço para torres de apartamentos de luxo, sem brilho, que geram receita. Apesar das ações judiciais e das manifestações organizadas em 2013 por artistas de rua locais, um juiz rejeitou o caso e tomou partido do proprietário do edifício, G & M Realty. Com o trabalho destruído, os artistas entraram novamente com uma ação em 2015, alegando que o 'branqueamento' do prédio violava a Lei de Direitos de Artistas Visuais de 1990 (VARA). Em abril de 2017, o caso foi reaberto por um juiz decidindo que ele deve prosseguir.

4. Palácio de Exposições e Congressos Cidade, Oviedo, Espanha

© <a href=‘https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Palacio_de_Congresos_Princesa_Letizia,_Oviedo_(Asturias).jpg'>Wikimedia user Jsmq</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Wikimedia user Jsmq licensed under CC BY-SA 3.0

Os projetos requintados de Santiago Calatrava são frequentemente caluniados, por diversas razões. Durante a construção deste extravagante shopping e bloco de escritórios do governo em Oviedo, Espanha, uma parte da estrutura entrou em colapso. O incidente atrasou o projeto e levou a um emaranhamento legal que resultou em uma perda de $ 4.3 milhões para sua empresa - número resultado da subtração das taxas devidas pelo investidor (US $ 9,7 milhões) e dos danos determinados pelo juiz (US $ 14 milhões).

5. Ray and Maria Stata Center, Cambridge, EUA

© <a href=‘https://www.flickr.com/photos/ensh/4753373622/'>Flickr user ensh</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user ensh licensed under CC BY 2.0

Frank Gehry se referiu, brincando, à sua própria e ambiciosa incursão em edifícios acadêmicos como "um grupo de robôs bêbados que se juntavam para celebrar". Infelizmente, o centro de Stata no Massachusetts Institute of Technology esteve longe de ser que bem-sucedido. As formas altamente intrincadas de Gehry resultaram em um edifício que esporadicamente possui infiltrações, mofos e teve problemas de encanamento. O clima agressivo de congelamento / descongelamento de Boston e o projeto irregular provavelmente contribuíram para a falha na vedação. A empresa da Gehry foi processada em 2007 e o caso foi resolvido em 2010, após a reparação da estrutura defeituosa.

6.Torre Harmon, Las Vegas, EUA

© <a href=‘https://commons.wikimedia.org/wiki/File:The_Harmon_Hotel_-_South_East_-_2010-03-06.JPG'>Wikimedia user Cygnusloop99</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Wikimedia user Cygnusloop99 licensed under CC BY-SA 3.0

Pobre Norman Foster. O primeiro projeto de sua empresa em Las Vegas seria uma elegante torre de 49 pavimentos, revestida de vidro, que ancoraria a extremidade sul da estrutura. Após os inspetores descobrirem que os vergalhões de aço tinham sido impropriamente instalados em 15 pavimentos, a construção parou e a altura do edifício foi abandonada no seu 28° pavimento. O edifício foi tão atormentado com questões estruturais que só foi utilizado como um gigante quadro de avisos da MGM. $ 400 milhões de dólares em ações foram tramitados entre a MGM e a Perini Building Company e o remanescente da visão de Foster foi demolido em 2015.

7. Extensão do Museu Johnson, Nova Iorque, EUA

© <a href=‘https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Johnson-museum-of-art-cornell.JPG'>Wikimedia user Dmadeo</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Wikimedia user Dmadeo licensed under CC BY-SA 3.0

A Universidade Cornell processou Pei Cobb Freed & Partners em uma ação judicial de US $ 1,1 milhão após problemas sérios com umidade na extensão do Museu Johnson, supostamente comprometerem a segurança das obras mantidas dentro da estrutura. Embora a empresa também tenha projetado a ala brutalista original do edifício em 1972, Cornell estava "profundamente insatisfeito" com a adição do museu, e achou que o projeto era "fundamentalmente falho".

8. Teatro Renee and Henry Segerstrom, Cosa Mesa, EUA

© <a href=‘https://www.flickr.com/photos/34695342@N00/359233195'>Flickr user paulkhor</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY-2.0</a>
© Flickr user paulkhor licensed under CC BY-2.0

Pouco depois da sua conclusão, o Orange County Performing Arts Center entrou com uma ação contra César Pelli e a empresa de construção Fluor Corp. A organização alegou que o projeto estava US $ 40 milhões acima do orçamento e que, embora estivessem amplamente satisfeitos com o espaço, ele foi impropriamente projetado e muitas das linhas de visão do local não foram direcionadas para o palco.

9. Casa Farnsworth, Plano, EUA

© <a href=‘https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Farnsworth_House_by_Mies_Van_Der_Rohe_-_exterior-8.jpg'>Wikimedia user Victor Grigas</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Wikimedia user Victor Grigas licensed under CC BY-SA 3.0

Após conhecer Mies van der Rohe em um jantar, o Dr. Edith Farnsworth contratou o famoso arquiteto para construir uma casa de veraneio em um terreno rural de Illinois. O desenho impecável de Mies extrapolou o orçamento, desencadeando uma série de processos de não pagamento e de negligência de ambos os lados. Apesar de Mies finalmente ganhar a batalha legal, a publicidade negativa teve um grande impacto no seu psicológico. O drama foi tão rico que Jeff Bridges e Maggie Gyllenhaal estão estrelando uma grande obra cinematográfica contando o evento. Mies defendeu sua obra-prima modernista minimalista com brevidade: "Menos é mais." Isso não satisfez o Dr. Farnsworth, que refutou bruscamente: "Nós sabemos que menos não é mais. É simplesmente menos!"

Sobre este autor
Thomas Musca
Autor
Cita: Musca, Thomas. ""Nos vemos no tribunal!" 9 ações judiciais na arquitetura " ["See You in Court!": 9 of Architecture’s Nastiest Lawsuits] 20 Mai 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/871267/nos-vemos-no-tribunal-9-acoes-judiciais-na-arquitetura> ISSN 0719-8906
Ler comentários