Você moraria aqui? O que torna uma cidade desejável?

Você moraria aqui? O que torna uma cidade desejável?

Desde que as cidades existem, surge uma questão fundamental para o seu futuro: "O que torna as áreas urbanas desejáveis?" Mais da metade dos habitantes do mundo vive em cidades e esse número deve aumentar na próxima década, com mais de 5 bilhões de pessoas vivendo em centros urbanos em todo o mundo. Para se preparar para essa demanda, as cidades estão encontrando maneiras de ser mais desejáveis ​​e atrair talentos para grandes e pequenas empresas, enquanto encontram outras maneiras de criar oportunidades de vida igualitárias para todos.

As cidades também enfrentam um novo problema: a migração de habitantes em massa para os subúrbios desde o início da pandemia de COVID-19. Com o reconhecimento de que nosso mundo altamente interconectado e tecnologicamente avançado permite que muitos de nós façamos nosso trabalho de qualquer lugar, as pessoas estão repensando a vida na cidade e se afastando de sua qualidade de vida compacta, que tem um alto preço. Mais recentemente, as principais empresas de tecnologia anunciaram que moverão algumas de suas operações sediadas nos EUA do extremamente caro Vale do Silício em favor da promissora Austin, Texas. O setor de serviços financeiros seguiu o exemplo, declarando que alguns de seus empregos serão transferidos da cidade de Nova York para Miami, Flórida. Miami e Austin têm dois importantes fatores de política em comum: nenhum dos dois tem imposto de renda. Isso levanta ainda a questão sobre quais qualidades dos centros urbanos em expansão tornam alguns mais ​​e outros menos desejáveis, tanto em termos de políticas públicas quanto na capacidade de implementar projetos que planejem o crescimento urbano enquanto mantêm um senso de identidade pessoal.

Austin, Texas. Imagem © Photo by Carlos Alfonso on Unsplash
Austin, Texas. Imagem © Photo by Carlos Alfonso on Unsplash

Para muitos, um modo de vida urbano tem sérias desvantagens e, para que a vida na cidade seja mais atraente e acessível, é necessário que haja um espaço comum onde arquitetos e formuladores de políticas públicas possam dialogar. Para entender o que torna uma cidade bem-sucedida, seu desempenho deve ser medido de uma forma que reflita seus aspectos culturais e de desenho únicos, condições sociais e oportunidades econômicas.

Veja, por exemplo, Austin, Texas. Como mencionado acima, essa é uma cidade que está se tornando cada vez mais popular e que experimenta um crescimento exponencial de sua população nos últimos anos. Mas o que torna a cidade tão atraente para as pessoas? Em 2019, Forbes mergulhou em todos os aspectos da cidade e se perguntou se ela era o melhor lugar para se viver nos EUA. O que eles descobriram é que há algumas coisas que Austin faz bem. Em primeiro lugar, incentiva o crescimento dos negócios e se autodenomina um berço de startups e incubadoras de tecnologia. É onde muitas grandes empresas, incluindo Apple, Google, Facebook e Oracle abriram sedes, sem representar uma ameaça para as empresas menores que recebem quase um bilhão de dólares anualmente para investimentos de capital de risco.

Em termos arquitetônicos e urbanísticos, Austin se orgulha de seu sabor local e promove as pequenas empresas por meio de seu lema “Keep Austin Weird”. A cidade é baseada em sua peculiaridade e sua comunidade de músicos e artistas que desenvolveram sua cultura identificável de forma única e, até agora, tem tido sucesso em manter essa essência no centro do ambiente construído. O desenvolvimento imobiliário também está em ascensão, com BizJournals relatando uma mistura de dezenas de novos arranha-céus em construção junto com a reconstrução de bairros existentes como uma forma de aumentar a densidade habitacional para que os preços possam permanecer baixos. A cidade também utiliza com sucesso o Rio Colorado, que a atravessa, como fonte de entretenimento, com parques interessantes de características paisagísticas que circundam o rio de uma forma amigável para pedestres. Os legisladores da cidade também criaram diretrizes urbanas para Austin que delineiam sua visão para o futuro com seus objetivos centrados em bem-estar, segurança, oportunidade econômica e a promoção do engajamento cívico por meio de atividades nas ruas, edifícios bem projetados, centros culturais, festivais e instalações de arte pública. Todos esses fatores tornam Austin uma cidade tão desejável e, por isso, sua população deve aumentar para 4 milhões de habitantes até 2040.

A desejabilidade urbana não ocorre organicamente. Na verdade, é um conjunto de diretrizes cuidadosamente planejado e bem pensado que primeiro atrai as pessoas ao se tornar um destino cultural e depois atrai empresas por meio de incentivos fiscais para iniciar negócios lá, com talentos e pessoas que podem ajudar a contribuir para fazer de uma cidade uma grande cidade. Enquanto Austin é apenas um exemplo de cidade que está crescendo em apelo, muitas outras ao redor do mundo estão usando as mesmas estratégias.

Este artigo é parte do Tópico do ArchDaily: O Futuro das Cidades. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Sobre este autor
Cita: Overstreet, Kaley. "Você moraria aqui? O que torna uma cidade desejável?" [Would You Live Here? Exploring What Makes A City Desirable] 17 Fev 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/956486/voce-moraria-aqui-o-que-torna-uma-cidade-desejavel> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.