O nascimento dos movimentos arquitetônicos: onde estamos agora?

O nascimento dos movimentos arquitetônicos: onde estamos agora?

A arquitetura, e todos os aspectos do mundo do design, experimentou vários movimentos ao longo do tempo que definiram a maneira como nos expressamos por meio de edifícios, artes e outros meios. Criadas a partir de uma insatisfação com o status quo ou do surgimento de novas tecnologias, houve mudanças arquitetônicas particularmente notáveis e ideologias emergentes nos últimos 100 anos. Isso nos deixa com a pergunta - em que momento estamos agora e o que o caracteriza? Como iremos refletir retroativamente sobre este momento arquitetônico, e a pandemia de COVID-19 irá acelerar a inovação para nos levar à nossa próxima era de projeto?

Pavilhão de Barcelona - Mies van der Rohe. Imagem © Gili Merin
Pavilhão de Barcelona - Mies van der Rohe. Imagem © Gili Merin

No século XX, o dogma arquitetônico não pertencia a nenhuma tipologia ou movimento individual, mas sim ao drama e à tensão que foram trazidos por figuras arquitetônicas que fazem lobby por suas ideologias. Em alguns casos, é menos sobre os edifícios individuais que definem nosso tempo e mais sobre os grupos unificados de arquitetos que promovem as ideias por trás deles no mundo dominante. A arquitetura se reinventou com tanta frequência que, no momento em que um estilo ganha força, parece quase desaparecer sob as críticas de outro que afirma ter descoberto qual deveria ser o próximo estilo. É difícil ser um arquiteto que não enfrenta a competição do tempo que obriga os maiores nomes a pisar na água em uma onda recursiva que nunca para de quebrar.

Evolução da Arquitetura. Imagem © Charles Jencks via Architectural Review
Evolução da Arquitetura. Imagem © Charles Jencks via Architectural Review

Mais notoriamente, o movimento pós-moderno foi uma rebelião contra os arquitetos modernistas que foram popularizados pela indústria manufatureira e que cresceu após o fim da Segunda Guerra Mundial. O teórico de arquitetura Charles Jencks, um defensor do pós-modernismo ao longo da vida, dedicou grande parte de seus estudos para compreender e retratar como a arquitetura evoluiu. Ele viu a história como um assunto próprio e mapeou suas descobertas graficamente na forma de suas árvores evolucionárias icônicas.

Houve realmente um fator tão grande por trás da mudança do modernismo para o pós-modernismo, além da rejeição do estilo e da ideologia? Na verdade, não. Não houve criação de um novo método de projeto que mudaria para sempre a forma como construímos edifícios, e não houve uma rebelião da sociedade que levou Stirling e Venturi a denunciar a rígida doutrina e simplicidade dos arranha-céus de vidro e aço que o modernismo notoriamente nos deu. Mas “Modernismo”, o termo genérico para descrever muito do estilo duradouro do século XX, parece ter seguido seu curso aos olhos dos críticos de arquitetura. Usamos a palavra moderno para descrever quase tudo. Vida moderna, arte moderna, o homem moderno - então, o que “moderno” significa em termos de nosso movimento arquitetônico atual, e para onde vamos a partir daqui?

Edifício Portland - Michael Graves. Imagem © Steve Morgan via Wikimedia Commons
Edifício Portland - Michael Graves. Imagem © Steve Morgan via Wikimedia Commons

Se isolarmos o ano de 2020, é fácil argumentar que estamos prestes a estabelecer a tectônica para uma das maiores mudanças arquitetônicas desde a Revolução Industrial. Talvez os movimentos futuros não sejam sobre a aparência estética dos edifícios, mas como eles funcionam e respondem aos seus ambientes e às mudanças nas circunstâncias socioeconômicas. Ao nosso redor, novas tecnologias estão sendo desenvolvidas com o potencial de conter os efeitos das mudanças climáticas, criar edifícios e ambientes mais saudáveis, projetar edifícios com mais eficiência e desenvolver estratégias urbanas que proporcionam uma base de equitabilidade para todos os cidadãos do globo. Afinal, talvez haja substância na declaração semi-clichê a qual sugere que 2020 é, na verdade, o ano que precisávamos para acelerar nossa inovação e forçar nosso pé no pedal do acelerador para o próximo grande movimento arquitetônico e que ele realmente é o ponto de virada para o nosso futuro.

Galáxia Soho- Zaha Hadid Architects. Imagem © Hufton+Crow
Galáxia Soho- Zaha Hadid Architects. Imagem © Hufton+Crow

Mas agora, em um mundo pós-pandêmico, com o desejo de agir contra as mudanças climáticas e o reconhecimento da injustiça social, a próxima grande era da arquitetura está chegando? Com o poder da arquitetura nas mãos de profissionais e críticos do mundo, talvez seja hora de criar um movimento que não seja amplamente influenciado pela rejeição de ideias existentes, mas pela aceitação da necessidade de mudança para o benefício da humanidade.

Este artigo faz parte do Tópico do ArchDaily: Resumo do Ano. Todos os meses exploramos um tópico em profundidade por meio de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre nossos tópicos mensais. Como sempre, no ArchDaily agradecemos as contribuições de nossos leitores; se você deseja enviar um artigo ou projeto, entre em contato conosco.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Overstreet, Kaley. "O nascimento dos movimentos arquitetônicos: onde estamos agora?" [The Birth of Design Movements: Where Are We Now?] 22 Dez 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/953567/o-nascimento-dos-movimentos-arquitetonicos-onde-estamos-agora> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.