1. ArchDaily
  2. Movimento

Movimento: O mais recente de arquitetura e notícia

O nascimento dos movimentos arquitetônicos: onde estamos agora?

A arquitetura, e todos os aspectos do mundo do design, experimentou vários movimentos ao longo do tempo que definiram a maneira como nos expressamos por meio de edifícios, artes e outros meios. Criadas a partir de uma insatisfação com o status quo ou do surgimento de novas tecnologias, houve mudanças arquitetônicas particularmente notáveis e ideologias emergentes nos últimos 100 anos. Isso nos deixa com a pergunta - em que momento estamos agora e o que o caracteriza? Como iremos refletir retroativamente sobre este momento arquitetônico, e a pandemia de COVID-19 irá acelerar a inovação para nos levar à nossa próxima era de projeto?

A cidade como um jogo de peças

A alteridade é fundamental para o desenvolvimento humano. Se privado de estímulos variados, o cérebro não se desenvolve, perde a plasticidade e se deteriora como um músculo atrofiado. Tal argumento é amplamente aceito quando se trata de relações sociais, atividades cognitivas ou físicas. E quanto aos estímulos promovidos pelo ambiente construído?

UNDERSCORE - Festival de Música, Som, Imagem em Movimento e Arquivo

Tem início amanhã, dia 13 de Junho, o novíssimo festival da cidade de Lisboa: o Underscore, Festival de Música, Som, Imagem em Movimento e Arquivo, festival que cria em Lisboa relações dinâmicas entre músicos e filmes, surpreendendo o espectador. Alguns dos eventos não foram nem serão apresentados novamente em mais lado nenhum, sendo únicos ao festival: as sessões de quarta à noite com Pavel Fajt, Maria do Mar e Maria Radich, e as de sábado de manhã e de noite com Neil Brand e filmes de Lotte Reiniger e das vanguardas do cinema português respectivamente.

Podemos viver sem desperdiçar espaço? - Pesquisa da TUDelft aborda o uso eficiente do espaço

O espaço arquitetônico como o conhecemos é deixado em grande parte vazio mesmo quando habitando. Nos tornamos acostumados a esse espaço vazio, o tomamos por certo, e a maior parte das pessoas não poderia imaginar uma vida na qual somos forçados a ocupar o espaço que usamos. Através da catalogação de nossas atividades diárias e da análise de nossos movimentos corporais, Stavros Gargaretas, do estúdio Why Factory da TUDelft buscou examinar a questão da eficiência definitiva do espaço com um projeto intitulado “The Evolving Room: Inhabiting Zero Wasted Space". O trabalho foi realizado sob a supervisão de Ulf Hackauf, Adrian Ravon e Huib Plomp, juntamente com o fundador do Why Factroy, Winy Maas, e venceu o prêmio Melhor Projeto de Graduação da Faculdade de Arquitetura.

© Sean PietersCortesia de Stavros Gargaretas© Martina Lucchese© Martina Lucchese+ 25