Por que os edifícios mais altos do mundo não estão mais nos Estados Unidos

Por que os edifícios mais altos do mundo não estão mais nos Estados Unidos

Na era moderna da arquitetura, onde os avanços em tecnologia e construção permitiram aos arquitetos construir melhor, mais rápido e mais alto, o céu é o limite. A cada mês, uma nova manchete exibe a torre residencial mais alta ou o prédio comercial recém-construído, que quebra mais um recorde por sua altura impressionante. Mas à medida que o tempo passa e novos projetos são concluídos, as tendências mostram que os Estados Unidos estão saindo dos holofotes em termos de poder reivindicar o título de detentor do edifício mais alto do mundo, e as pranchetas mostram que nenhuma cidade americana irá reivindicá-lo em breve.

Petronus Towers em Kuala Lumpur, Malásia. Imagem © Flickr User Hadi Zaher sob licença CC BY 2.0
Petronus Towers em Kuala Lumpur, Malásia. Imagem © Flickr User Hadi Zaher sob licença CC BY 2.0

Os Estados Unidos são conhecidos como o berço do arranha-céu moderno e afirmam ser o lar dos edifícios mais altos do mundo durante a maior parte do século XX. Por muitos anos, a Sears Tower em Chicago foi considerada o auge da construção moderna e dos avanços tecnológicos - isto é, até 1997, quando as Petronas Towers de Cesar Pelli na Malásia superaram esse título com suas icônicas torres gêmeas. Isso pareceu marcar o início da corrida para construir mais e mais arranha-céus, com Dubai, China e cidades em todo o Sudeste Asiático recebendo edifícios mais altos sendo construídos em proporções mais rápidas. No ritmo atual, o número de arranha-céus com mais de 150 metros de altura na China será quatro vezes maior do que o número de edifícios com a mesma altura nos Estados Unidos, apenas nos próximos anos.

Taipei 101 Tower em Taipei. Imagem © Flickr User Chris sob licença CC BY 2.0
Taipei 101 Tower em Taipei. Imagem © Flickr User Chris sob licença CC BY 2.0

O tão aguardado One Vanderbilt, da cidade de Nova York, foi concluído apenas algumas semanas atrás e, embora tenha sido coroado como uma das torres de escritórios mais altas de Manhattan, com uma altura impressionante de 427 metros, não pode ser comparado aos edifícios mega altos, com uma altura média de 600 metros. Na verdade, apenas um edifício nos Estados Unidos é consistentemente apresentado na lista dos dez primeiros do CTBUH , o One World Trade Center, que tem 540 metros, (1776 pés) um símbolo do ano em que a Declaração de Independência do país foi assinada. Então, o que está por trás da mudança na falta de edifícios super altos e será que os Estados Unidos ainda desejarão essas megaestruturas no futuro? A pesquisa mostra que o declínio dos edifícios altos pode se dar pelo aumento dos custos de construção, as limitações impostas pelos códigos de construção e as flutuações das demandas do mercado.

Burj Khalifa em Dubai, atualmente o prédio mais alto do mundo. Imagem Cortesia de SOM
Burj Khalifa em Dubai, atualmente o prédio mais alto do mundo. Imagem Cortesia de SOM

A cidade de Nova York é o lugar mais caro do mundo para construção, com um custo médio de US$ 4.022 por metro quadrado, de acordo com uma pesquisa lançada por Turner e Townsend em 2018. Para comparar, Hong Kong está em segundo lugar, com US$ 3.822 por metro quadrado, Dubai custa US$ 1.488 o metro quadrado e Pequim US$ 833. Nos Estados Unidos, os empreendedores costumam encontrar investidores privados para financiar os custos dos arranha-céus e, com as mudanças nas condições socioeconômicas e as necessidades de mercado em rápida mudança, os projetos de construção que duram vários anos podem ser vistos como arriscados. Em outros lugares do mundo, os projetos são frequentemente financiados pelo governo ou têm conexões com esses órgãos, tornando o aspecto do financiamento muito menos problemático.

As cidades americanas também são muito mais sensíveis às relações entre a luz do sol e as sombras projetadas por um edifício. Em 1916, a cidade de Nova York começou a restringir a construção de edifícios altos depois que o edifício Equitable, de apenas 165 metros de altura, foi concluído na parte baixa de Manhattan. Ele lançou uma sombra de 3 hectares nas ruas circundantes, o que desencadeou protestos massivos de residentes próximos, que afirmaram que o edifício os fazia sentir como se eles “vivessem no fundo de um cânion”. Como resposta, Nova York exigiu contrapartidas para permitir que a luz do sol atingisse as ruas abaixo. As regras de zoneamento apenas se expandiram para restringir ainda mais a forma e a altura dos edifícios.

432 Park Avenue localizado em Nova York -  a torre residencial mais alta dos Estados Unidos. Imagem © Marshall Gerometta - CTBUH
432 Park Avenue localizado em Nova York - a torre residencial mais alta dos Estados Unidos. Imagem © Marshall Gerometta - CTBUH

As sombras que são lançadas na paisagem urbana ainda causam alvoroço por parte dos preservacionistas da cidade e atraíram protestos de conselhos comunitários, críticos (incluindo Warren St. John que escreveu um artigo sobre o assunto no New York Times) e organizações que afirmam que os residentes deveriam ter mais voz na “transformação acidental” do horizonte de Nova York, caso mais edifícios altos fossem construídos.

Outra razão por trás da falta de estruturas altas é devido às mudanças nas condições de mercado que impulsionam o tipo de edifícios que os incorporadores procuram construir. Embora os edifícios altos antes fossem reservados apenas para escritórios, agora eles estão sendo transformados em edifícios de uso misto que combinam uma infinidade de elementos programáticos para um maior retorno do investimento. Espaços de escritórios, condomínios, hotéis e lojas de varejo costumam ser combinados em um só empreendimento. Embora os edifícios residenciais sejam vistos como mais valiosos quanto mais altos, o mercado não exige muitos edifícios com mais de 60 andares. O 432 Park Avenue, inaugurado em 2016, é o edifício residencial mais alto do mundo e vendeu suas unidades por mais de dois bilhões de dólares - um preço que poucos podem pagar. Sua cobertura no 95º andar custa mais de 80 milhões de dólares.

Por enquanto, Nova York, ou qualquer outra cidade americana, não parece ter esperanças de roubar a coroa de ter o edifício mais alto do mundo em um futuro próximo. À medida que os custos de construção disparam, os códigos de construção limitam o quão altas as torres podem ser e as mudanças no mercado ditam as necessidades do mercado imobiliário, os Estados Unidos podem não ser responsáveis por grandes mudanças no horizonte do mundo.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Overstreet, Kaley. "Por que os edifícios mais altos do mundo não estão mais nos Estados Unidos" [Why the World's Tallest Buildings Aren't Being Built in the United States Anymore] 22 Out 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/949963/por-que-os-edificios-mais-altos-do-mundo-nao-estao-mais-nos-estados-unidos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.