Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Parem de construir casas para resolver a falta de moradia

Parem de construir casas para resolver a falta de moradia

Casas impressas em 3D. Casas pré-fabricadas. Casas “open-source”. Minha Casa, Minha Vida. São inúmeras as soluções, de panaceias tecnológicas a programas governamentais, que vislumbram resolver o déficit de moradia construindo casas. O problema dessa estratégia é que a escassez em moradia não são casas, mas sim apartamentos.

A casa, ou residência unifamiliar, é uma solução arquitetônica típica para um terreno onde há baixa demanda para ocupação de espaço: uma região onde não há uma grande quantidade de pessoas querendo morar. É por isso que, a medida que nos aproximamos da periferia de cidades, vemos paisagens mais rarefeitas, horizontais, com predominância de casas ao invés de edifícios multifamiliares. Nas regiões centrais, mais demandadas, a cidade responde com edifícios para otimizar o aproveitamento do solo. Nos subúrbios, ou periferias, casas são soluções de moradia mais comuns já que a demanda para ocupar um único terreno com múltiplas famílias não é tão intensa.

O problema de soluções que tentam diminuir o custo de fabricação de casas, ou de programas governamentais como o Minha Casa, Minha Vida, é que elas só servem para periferias distantes, regiões onde, no Brasil, as pessoas raramente moram por opção — principalmente quando se trata de um grupo populacional que depende de uma solução ultra-econômica para a construção de sua casa.

Uma das críticas mais relevantes ao programa Minha Casa, Minha Vida, da Rede Cidade e Moradia, nota que as casas construídas pelo programa “reproduzem um padrão de cidade segregada e sem urbanidade, pois são mal servidas por transporte, infraestrutura ou ofertas de serviços urbanos adequados ao desenvolvimento econômico e humano”, justamente pelo seu caráter isolado e padronizado. Ou seja: de quê adianta uma solução econômica para uma casa que está isolada de tudo que podemos chamar de cidade?

É claro que, analisando unicamente critérios de bem estar, sem levar em consideração a proximidade à atividades, muitos de nós preferiríamos morar em uma casa, realizando o sonho de ter um jardim — talvez com uma piscina e um cachorro — e sem vizinhos de cima fazendo barulho à noite. No entanto, a maioria dos moradores de cidades (que atualmente corresponde a quase 90% da população brasileira) abrem mão dessa preferência para morar em áreas mais centrais, próximo de empregos e serviços. Podemos visualizar isso de forma mais clara ao imaginarmos uma flexibilização das restrições construtivas em regiões centrais, permitindo uma ocupação mais intensa do solo. Neste cenário, é fácil supor o surgimento de edifícios ainda maiores, aumentando a disponibilidade de moradia e abrigando uma grande parcela da população que hoje mora em casas nas periferias mas que, na realidade, preferiria se aproximar à região central mesmo que isso significasse se mudar para um apartamento.

Os desafios urbanos para acessibilidade a moradia são vários, mas raramente passam por novas soluções tecnológicas para fabricar uma residência unifamiliar. As cidades devem reavaliar as suas regulações que incidem sobre o uso e a ocupação do solo, como os limites de potencial construtivo por terreno, a exigência de vagas de garagem ou de padrões de qualidade construtiva restritivos, que aumentam consideravelmente o preço de um imóvel, para verificar se estes não estão gerando barreiras ao atendimento da demanda por oferta imobiliária em um determinado local. Prezar por uma determinada qualidade urbana de um bairro central restringindo seu desenvolvimento pode ser benéfico para um pequeno grupo de moradores, mas normalmente carrega um custo altíssimo de exclusão e segregação urbana que hoje se percebe nas grandes cidades brasileiras. Ainda, vemos uma necessidade urgente de regularização fundiária dos assentamentos informais — as favelas — ao ambiente urbano, reconhecendo-as como bairros e permitindo que seus moradores sejam integrados ao mercado imobiliário formal.

Para acabar com o déficit habitacional é necessário pensar em formas de criar moradias inseridas no ambiente urbano, e construir casas não é uma delas.

Via Caos Planejado.

Sobre este autor
Cita: Anthony Ling. "Parem de construir casas para resolver a falta de moradia" 08 Nov 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/927662/parem-de-construir-casas-para-resolver-a-falta-de-moradia> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.