Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

50 Anos após pisarmos na Lua, conheça 15 projetos de arquitetura que planejam conquistar o espaço

50 Anos após pisarmos na Lua, conheça 15 projetos de arquitetura que planejam conquistar o espaço

No último dia 20 de julho completaram-se cinquenta anos desde que a missão Apollo 11, enviada ao espaço no dia 16 de julho de 1969, aterrissou na superfície Lunar. Um dia memorável na história da humanidade, um momento que ficará marcado para sempre e que ainda hoje nos faz pensar e sonhar com a vida no espaço.

Com a evolução dos sistemas construtivos e a incorporação de novas tecnologias como a impressão 3D e sistemas automatizados inteligentes, podemos sonhar com a ocupação de outros planetas. À seguir, apresentaremos 15 projetos de arquitetura desenvolvidos ao longo dos últimos anos que nos fazem sonhar com a vida para além de nosso planeta.

Arquitetura lunar

  • LUNAR HABITATION / Foster + Partners

Em colaboração com a Agência Espacial Européia (ESA), a Foster + Partners apresentou em 2012 um projeto chamado “Lunar Habitation”. O projeto desta base espacial foi desenvolvido a partir de um vasto conhecimento adquirido ao longo dos anos pela equipe da ESA através de pesquisas e experimentos. Planejado para abrigar uma tripulação de até quatro astronautas, o projeto explora todo o potencial apresentado pelo que há de mais recente em matéria de tecnologias em impressão 3D. O projeto apresentado pela equipe da Foster + Partners se baseia no conceito de impressão 3D, um sistema automatizado de construção capaz de "imprimir" capsulas lunares na superfície da Lua, em uma região onde a luz solar é permanente e constante.

LUNAR HABITATION / Foster + Partners . Image Cortesía de Foster & Partners
LUNAR HABITATION / Foster + Partners . Image Cortesía de Foster & Partners

  • MOON VILLAGE/ SOM

A Agência Espacial Europea não para por ai. Em conjunto com o Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) e a ESA, os arquitetos do SOM desenvolveram um projeto chamado de Moon Village, aquele que deveria estabelecer o primeiro assentamento humano na superfície da Lua. Baseado em princípios de resiliência e auto-suficiência, a primeira base lunar seria uma estrutura permanente. Este projeto multidisciplinar, apresentado em 2019 está sendo planejado, desenhado e desenvolvido minuciosamente pela equipe de arquitetos da Skidmore, Owings & Merrill.

- MOON VILLAGE/ SOM. Imagem © SOM / Slashcube GmbH
- MOON VILLAGE/ SOM. Imagem © SOM / Slashcube GmbH
- MOON VILLAGE/ SOM. Imagem © SOM / Slashcube GmbH
- MOON VILLAGE/ SOM. Imagem © SOM / Slashcube GmbH

  • TEST LAB / Monika Lipinska, Laura Nadine Olivier & Inci Lize Ogun

Escolhido como o grande vencedor do concurso internacional de arquitetura "Moontopia", o TEST LAB foi concebido como um projeto de colonização da Lua, uma estrutra auto-suficiente aonde será possível viver e trabalhar. Desenvolvido pelas arquitetas Monika Lipinska, Laura Nadine Olivier e Inci Lize Ogun, o projeto foi escolhido entre mais de uma centena de propostas e por um juri composto por reconhecidos arquitetos espaciais, acadêmicos e desenhistas da NASA. A proposta apresentada pela equipe permite que o projeto seja ampliado através de um método de auto-construção baseado em impressão 3D, permitindo a expansão da base lunar ao longo do tempo.

TEST LAB / Monika Lipinska, Laura Nadine Olivier and Inci Lize Ogun. Image Cortesía de Eleven Magazine
TEST LAB / Monika Lipinska, Laura Nadine Olivier and Inci Lize Ogun. Image Cortesía de Eleven Magazine
TEST LAB / Monika Lipinska, Laura Nadine Olivier and Inci Lize Ogun. Image Cortesía de Eleven Magazine
TEST LAB / Monika Lipinska, Laura Nadine Olivier and Inci Lize Ogun. Image Cortesía de Eleven Magazine

  • MOMENTUM VIRIUM in L1 / Sergio Bianchi, Jonghak Kim, Simone Fracasso, Alejandro Jorge Velazco Ramirez 

Considerando a Lua o mais importante satélite natural do planeta Terra, sua integridade não debiera ser afetada pela presença de uma possível colônia humana, por isso estes quatro arquitetos decidiram implantar uma base lunar em órbita ao redor da lua ao invés de edifica-la em sua delicada superfície. Uma espécie de elevador seria responsável por conectar a base com a Lua, permitindo o acesso direto dos astronautas à superfície lunar sem no entanto, causar nenhum impacto negativo em nosso satélite natural.

MOMENTUM VIRIUM in L1 / Sergio Bianchi, Jonghak Kim, Simone Fracasso, Alejandro Jorge Velazco Ramirez . Image Cortesía de Eleven Magazine
MOMENTUM VIRIUM in L1 / Sergio Bianchi, Jonghak Kim, Simone Fracasso, Alejandro Jorge Velazco Ramirez . Image Cortesía de Eleven Magazine
MOMENTUM VIRIUM in L1 / Sergio Bianchi, Jonghak Kim, Simone Fracasso, Alejandro Jorge Velazco Ramirez . Image Cortesía de Eleven Magazine
MOMENTUM VIRIUM in L1 / Sergio Bianchi, Jonghak Kim, Simone Fracasso, Alejandro Jorge Velazco Ramirez . Image Cortesía de Eleven Magazine

  • MODULPIA / Alessandro Giorgi, Cai Feng, Siyuan PanEsteban Analuiza

Como o próprio nome sugere, Modulpia é um projeto modular, uma estrutura orgânica que poderia ser expandida ao longo do tempo, proporcionando espaços para o cultivo de alimentos e plantas capazes de fixar o CO2, produzir oxigênio e de quebra, filtrar as águas cinzas produzidas pela tripulação. Baseado em um sistema estrutural denominado Weair-Phelan, o projeto propõe a criação de uma paisagem expansível capaz de transformar a Lua em um lugar habitável através de soluções relativamente simples, econômicas e sustentáveis.

MODULPIA / Alessandro Giorgi, Cai Feng, Siyuan PanEsteban Analuiza. Image Cortesía de Eleven Magazine
MODULPIA / Alessandro Giorgi, Cai Feng, Siyuan PanEsteban Analuiza. Image Cortesía de Eleven Magazine
MODULPIA / Alessandro Giorgi, Cai Feng, Siyuan PanEsteban Analuiza. Image Cortesía de Eleven Magazine
MODULPIA / Alessandro Giorgi, Cai Feng, Siyuan PanEsteban Analuiza. Image Cortesía de Eleven Magazine

  • LUNAR OASIS / Edward Chew

O Oásis Lunar concebido por Edward Chew constitui-se como um “santuário biofilico” que procura reconectar, através da natureza, os novos habitantes do espaço com o seu habitat natural, a Terra. A ideia é transformar a superfície estéril da Lua em algo muito parecido com aquela do nosso próprio planeta, proporcionando um ambiente mais apropriado à vida humana.

LUNAR OASIS / Edward Chew. Image Cortesía de Eleven Magazine
LUNAR OASIS / Edward Chew. Image Cortesía de Eleven Magazine
LUNAR OASIS / Edward Chew. Image Cortesía de Eleven Magazine
LUNAR OASIS / Edward Chew. Image Cortesía de Eleven Magazine

  • THE AEROSPHERE / Stephanie Stiers 

Formalmente falando, o “The Aerosphere” é a estrutura mais compacta entre estes 15 projetos. Trata-se de uma espécie de refúgio, uma pequena cabana voltada ao “turismo espacial”. Pensando nisso, a arquiteta Stephanie Stiers desenvolveu um projeto de traje espacial que funcionaria como uma pequena casa capaz de satisfazer todas as nossas necessidades básicas. Este projeto, ao contrário da maioria, está fundamentado na ideia de uma ocupação temporária e nômade da Lua, uma estrutra que permitiria os visitantes explorar o nosso satélite natural através de uma série de rotas turísticas predeterminadas.

THE AEROSPHERE / Stephanie Stiers . Image Cortesía de Eleven Magazine
THE AEROSPHERE / Stephanie Stiers . Image Cortesía de Eleven Magazine
THE AEROSPHERE / Stephanie Stiers . Image Cortesía de Eleven Magazine
THE AEROSPHERE / Stephanie Stiers . Image Cortesía de Eleven Magazine

Veja também: Como seria viver na Lua? 8 arquitetos e artistas compartilham suas ideias

Arquitetura marciana

  • MARS SCIENCE CITY / BIG + Centro Espacial Mohammed bin Rashid

Concebido e desenvolvido por uma equipe de engenheiros, pesquisadores e projetistas do Centro Espacial Mohammed Bin Rashid, a MARS SCIENCE CITY foi desenvolvida em parceria com o escritório de arquitetura dinamarquês BIG. Apresentada ao mundo pela primeira vez em 2017, a MARS SCIENCE CITY seria construída inteiramente através de processos de impressão 3D utilizando areia do deserto dos Emirados Árabes. Procurando simular as condições de habitabilidade da Terra, os pesquisadores desenvolveram uma série de estratégias construtivas que possibilitem o homem viver em um planeta com altíssimas temperaturas e índices de radiação. A ideia é que este projeto experimental seja utilizado em um intervalo de tempo limitado a um ano.

MARS SCIENCE CITY / BIG + Centro Espacial Mohammed bin Rashid. Image Cortesía de Dubai Media Office
MARS SCIENCE CITY / BIG + Centro Espacial Mohammed bin Rashid. Image Cortesía de Dubai Media Office
MARS SCIENCE CITY / BIG + Centro Espacial Mohammed bin Rashid. Image Cortesía de Dubai Media Office
MARS SCIENCE CITY / BIG + Centro Espacial Mohammed bin Rashid. Image Cortesía de Dubai Media Office

  • MARSHA / AI Space Factory

O protótipo chamado de Marsha, desenvolvido pela agência espacial Ai SpaceFactory, foi a proposta vencedora do concurso “Desafio do Centenário da NASA”. Assim como a grande maioria as propostas, Marsha utiliza técnicas de impressão 3D utilizando um composto de mateirias extraídos no local como fibra de basalto e bio-plástico de origem vegetal, além disso, janelas pré-fabricadas seriam instaladas de forma automatizada por robôs. Marsha procura ultrapassar os limites da arquitetura na era espacial, concentrando-se principalmente na criação de edifícios altamente adaptados à vida do homem no espaço.

MARSHA/ AI Space Factory. Imagem © AI SpaceFactory and Plomp
MARSHA/ AI Space Factory. Imagem © AI SpaceFactory and Plomp
MARSHA/ AI Space Factory. Imagem © AI SpaceFactory and Plomp
MARSHA/ AI Space Factory. Imagem © AI SpaceFactory and Plomp

  • MARS CASE / OPEN Architecture + Xiaomi

Apresentado em 2018, MARS Case é um protótipo de habitação mínima concebido para a colonização do planeta vermelho. Através deste projeto, a OPEN Architecture desenvolveu aquilo que os arquitos consideram "a casa ideal", uma estrutura que combina tecnologia, design e arquitetura. A MARS Case conta com eletrodomésticos compactos especialmente desenvolvidos pela Xiaomi para economizar recursos e espaço. Parte da energia da casa provêm de bombas de calor, da condensação de vapor e outros subprodutos gerados por cada um dos equipamentos, além do reaproveitamento de energia, a casa é capaz de filtrar o ar e a água para minimizar o impacto negativo no ecossistema do planeta.

MARS CASE / OPEN Architecture + Xiaomi. Imagem © WU Qingshan
MARS CASE / OPEN Architecture + Xiaomi. Imagem © WU Qingshan
MARS CASE / OPEN Architecture + Xiaomi. Imagem © WU Qingshan
MARS CASE / OPEN Architecture + Xiaomi. Imagem © WU Qingshan

  • MARS COLONIZATION / ZA Architects

O escritório alemão ZA Architects, com seu projeto Mars Colonization propõe iniciar a colonização do planeta vermelho através de uma grande rede subterrânea de cavernas. Utilizando as mais avançadas tecnologias e sistemas autônomos, grandes estações seriam escavadas no solo rochoso de Marte. Este ambiente subterrâneo permitiria controlar a disponibilidade de oxigênio e água através da fabricação de um glaciar interior e uma planta de extração de basalto.

MARS COLONIZATION / ZA Architects. Imagem © ZA Architects
MARS COLONIZATION / ZA Architects. Imagem © ZA Architects
MARS COLONIZATION / ZA Architects. Imagem © ZA Architects
MARS COLONIZATION / ZA Architects. Imagem © ZA Architects

  • MARS HABITAT / Foster & Partners

Em 2015, antes mesmo de apresentar seu projeto LUNAR HABITATION, a Foster & Partners havia desenvolvido um projeto modular para habitar o planeta vermelho. Desenvolvido para um concurso promovido pela NASA, Mars Hábitat é um projeto concebido para ser construído através de robôs semi-autônomos e pré-programados. Sistemas de impressão 3D seriam utilizados para a construção de unidades relativamente grandes, capazes de abrigar uma tripulação de até quatro astronautas também utilizando a matéria prima extraída no local. Os robôs programados seriam enviados previamente para a construção das unidades, que deveriam ser concluídas antes da chegada dos astronautas.

MARS HABITAT / Foster & Partners. Image Cortesía de Foster & Partners
MARS HABITAT / Foster & Partners. Image Cortesía de Foster & Partners
MARS HABITAT / Foster & Partners. Image Cortesía de Foster & Partners
MARS HABITAT / Foster & Partners. Image Cortesía de Foster & Partners

  • ICE House / SEArch + Clouds AO

O projeto da ICE House foi escolhido como o grande vencedor do “3D Printed Habitat Challenge” também patrocinado pela NASA. Utilizando materiais autóctones e técnicas de impressão 3D, o SEArch (Space Exploration Architecture) e a Clouds AO (Clouds Architecture Office) propõe um sistema construtivo muito parecido com um iglu, utilizando as baixas temperaturas para criar gelo e assim proteger os habitantes de marte dos altos níveis de radiação. Ao contrário da maioria das demais propostas, a ICE HOUSE utilizaria o gelo para filtrar os raios do sol e proteger os habitantes do planeta vermelho da radiação solar.

ICE House / SEArch +  Clouds AO. Imagem © Clouds AO y SEArch
ICE House / SEArch + Clouds AO. Imagem © Clouds AO y SEArch
ICE House / SEArch +  Clouds AO. Imagem © Clouds AO y SEArch
ICE House / SEArch + Clouds AO. Imagem © Clouds AO y SEArch

  • MARS UTOPÍA / IDEA Architecture Office 

O arquiteto espanhol Alberto Villanueva do IDEA Architecture Office propõe com seu projeto Mars Utopía construir estruturas em Marte com materia prima composta, uma mistura do solo do planeta vermelho e micélio de fungo, um material conhecido pela alta resistencia estrutural e resiliência à condições climáticas extremas. A ideia de Villanueva é criar uma pequena capa atmosférica em Marte capaz de transformar este planeta estéril em um novo ambiente habitável. Segundo o arquiteto espanhol, bactérias bioluminescentes poderiam ser utilizadas para gerar luz em Marte.

MARS UTOPÍA / IDEA Architecture Office . Image Cortesía de Alberto Villanueva
MARS UTOPÍA / IDEA Architecture Office . Image Cortesía de Alberto Villanueva
MARS UTOPÍA / IDEA Architecture Office . Image Cortesía de Alberto Villanueva
MARS UTOPÍA / IDEA Architecture Office . Image Cortesía de Alberto Villanueva

Artigo similar: Elon Musk anuncia planos para iniciar a colonização de Marte em 2022

Arquitetura espacial

  • ANALEMMA TOWER - Clouds AO

O escritório de arquitetura Clouds AO, mencionado previamente pelo projeto da ICE HOUSE, propôs algo ainda mais inovador: um edifício suspenso a 50.000 quilômetros de altura. Neste hipotético projeto, os arquitetos pretendem colocar um arranha-céu em órbita ao redor da Terra. Construído através de sistemas modulares, o edifício poderia ser pré-fabricado em qualquer lugar do planeta e depois transportado até o espaço.

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Maiztegui, Belén. "50 Anos após pisarmos na Lua, conheça 15 projetos de arquitetura que planejam conquistar o espaço" [A 50 años de la llegada a la Luna: 15 proyectos de arquitectura para conquistar el espacio] 26 Jul 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/921757/50-anos-apos-pisarmos-na-lua-conheca-15-projetos-de-arquitetura-que-planejam-conquistar-o-espaco> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.