O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. 9 Arquitetos famosos que não possuíam um diploma de arquitetura

9 Arquitetos famosos que não possuíam um diploma de arquitetura

9 Arquitetos famosos que não possuíam um diploma de arquitetura

Teve a pior banca possível? Falhou nas provas finais? Não se preocupe! Antes de cair em sua cama e chorar até dormir, veja essa lista de nove célebres arquitetos que compartilhem uma característica em comum. Você pode pensar que um diploma de arquitetura brilhante é um requisito para ser um arquiteto de sucesso; por que mais você estaria há tantos anos na escola de arquitetura? Bem, embora o título de "arquiteto" possa ser protegido em muitos países, isso não significa que você não pode projetar arquitetura incrível - como demonstrado por esses nove arquitetos, que jogaram as convenções fora e tomaram a estrada menos percorrida para a fama.

1. Frank Lloyd Wright

Casa da Cascata. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/pablosanchez/3145407730/'>Flickr user pablosanchez</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Casa da Cascata. Imagem © Flickr user pablosanchez licensed under CC BY-SA 2.0

O homem rotulado como "o maior arquiteto americano de todos os tempos" pelo Instituto Americano de Arquitetos em 1991, curiosamente, não possuía um diploma de arquitetura, embora tenha recebido o título de doutor honorário em Belas Artes por sua antiga escola quando tinha mais de oitenta anos. Uma combinação de circunstâncias familiares e um desencanto com o sistema educacional - Wright chamava-o de "pisoteamento do rebanho" em 1956 - levou-o a abandonar a Universidade de Wisconsin em Madison no ano de 1887, depois de apenas um ano de estudos no curso de Engenharia Civil. Ele mudou-se para Chicago para ganhar experiência prática como assistente do arquiteto J.L. Silsbee. Enquanto trabalhava sob sua supervisão, Wright teve uma chance e se candidatou a um emprego na Adler & Sullivan, o que levou a um aprendizado de seis anos no prestigiado escritório. Aqui, Louis Sullivan forneceu o fundamento das instruções de Wright em arquitetura, antes que ele estabelecesse sua própria prática em 1893. Com uma longa carreira marcada por escândalos e tragédias, a contribuição de Wright à arquitetura americana e sua popularidade dominante permanecem incomparáveis. Ele continuou, contudo, a nutrir uma opinião cética quanto à educação formal, como evidenciado em sua fala em 1955, de que "a educação, é claro, é sempre baseada no que já foi. A educação mostra o que já aconteceu e o deixa para deduzir o que pode se tornar. A educação que buscamos não pode profetizar, e não o faz."

2. Louis Sullivan

Edifício Wainwright. Imagem <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Louis_Sullivan_-_Wainwright_Building,_Seventh_%2B_Chestnut_Streets,_Saint_Louis,_St._Louis_City_County,_MO.jpg'>via Wikimedia</a> (public domain)
Edifício Wainwright. Imagem via Wikimedia (public domain)

Grande mestre de Wright, Louis Sullivan teve uma educação formal errática. O prodígio e criador do credo "a forma sempre segue a função" graduou-se no ensino médio aos dezesseis anos de idade em 1872 e foi aceito no Massachusetts Institute of Technology, a única escola de arquitetura americana da época. A impaciência levou-o a retirar-se no final do ano e, em seguida, vieram dois breves estágios. Primeiro, com o arquiteto Frank Furness na Filadélfia, e o segundo, com o arquiteto-engenheiro William Le Baron Jenney, figura proeminente no desenvolvimento da Escola de Arquitetura de Chicago. No verão de 1874, Sullivan navegou até a Europa e se inscreveu na influente École des Beaux-Arts de Paris, onde novamente ficou por um ano, fazendo pequenas excursões a Florença e a Roma enquanto isso. Após retornar a Chicago em junho de 1875, ele trabalhou brevemente como desenhista com várias empresas, antes de se juntar ao escritório do futuro sócio Dankmar Adler em 1879. Sua associação de quatorze anos com Adler produziu mais de cem edifícios, caracterizados simultaneamente por uma estética moderna e ornamentada. Enquanto escreveu extensivamente sobre teoria e filosofia arquitetônica, ele compartilhou o desdém de Wright pela educação formal. "Quão estranho parece que a educação, na prática, muitas vezes significa supressão: que, em vez de levar a mente para fora à luz do dia, multiplica coisas que escurecem e cansam", observou em 1894.

3. Le Corbusier

Villa Savoye. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/yogomi/2196405082'>Flickr user yogomi</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Villa Savoye. Imagem © Flickr user yogomi licensed under CC BY-SA 2.0

O arquiteto e planejador urbano suíço estava a caminho de aprender o negócio de seu pai de laquear e gravar caixas de relógios, matriculando-se aos 15 anos na École des Arts Décoratifs na cidade natal de La Chaux-de-Fonds, nas montanhas de Jura na Suíça. Três anos mais tarde, seu professor de história da arte, Charles L'Eplattenier, insistiu que o menino deveria se tornar um arquiteto e ajudou-o a garantir sua primeira prática em projetos locais. Seguindo seu conselho, o jovem Corbusier também viajou extensivamente na Europa entre 1907 e 1911, para cidades como Atenas, Veneza, Viena e Munique, enquanto trabalhava brevemente em vários escritórios de arquitetura: Auguste Perret em Paris (1907), Josef Hoffmann em Viena (1908) e Peter Behrens em Berlim (1910-11). Ele voltou para casa em 1912, para ensinar ao lado de seu mestre e abrir sua própria prática arquitetônica, antes de se mudar para Paris em 1917.

4. Mies van der Rohe

Casa Farnsworth. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Farnsworth_House_by_Mies_Van_Der_Rohe_-_exterior-10.jpg'>Wikimedia user Victor Grigas</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/'>CC BY-SA 3.0</a>
Casa Farnsworth. Imagem © Wikimedia user Victor Grigas licensed under CC BY-SA 3.0

O homem que cunhou o aforismo "menos é mais" nasceu em uma família modesta de pedreiros em Aachen, na Alemanha, o que significava que ele teria poucas oportunidades para a educação formal. Após o aprendizado precoce como pedreiro enquanto estava na escola de comércio, Mies trabalhou para vários arquitetos de Aachen, desenhando contornos de ornamentos arquitetônicos, tarefa que ajudou a refinar suas habilidades de desenho. Ele mudou-se para Berlim em 1905, aos dezenove anos, para trabalhar para um arquiteto, mas deixou seu emprego para ser estagiário de Bruno Paul, um dos principais designers de mobiliário da época. A impressionante execução de sua primeira comissão independente em 1907, a Casa Riehl, levou Peter Behrens a oferecer a Mies um emprego em seu escritório. Sua sociedade de quatro anos com Behrens, um dos principais membros do Deutscher Werkbund, ajudou-o a forjar laços com artistas e artesãos de opiniões semelhantes, que defendiam "um casamento entre arte e tecnologia". No momento em que ele deixou o escritório de Behrens em 1912, Mies começou a trabalhar sozinho, conseguindo com sucesso encomendas de casas particulares para a elite de Berlim.

5. Buckminster Fuller

Biosfera de Montreal. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/74332285@N03/7812211476/'>Flickr user Mikl1303</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Biosfera de Montreal. Imagem © Flickr user Mikl1303 licensed under CC BY-SA 2.0

Amplamente considerado como uma das maiores mentes do nosso tempo, Fuller teve um relacionamento duro com a educação formal. O homem que popularizou a cúpula geodésica foi expulso da Universidade de Harvard não uma vez, mas duas, para nunca se formar. Ele revelou suas circunstâncias em uma palestra de 1961, enquanto falava longamente: "Meu pai morreu quando eu era bastante jovem e, embora minha família fosse relativamente pobre, vim a Harvard de uma escola preparatória para famílias bastante bem-sucedidas. Eu logo vi que não seria incluído nos clubes como eu poderia ter sido se eu tivesse sido muito rico ou tivesse um pai cuidando de mim, pois grande parte da participação dos clubes era organizada pelos comitês de graduados dos clubes. Eu não sabia até aquele momento que havia um sistema de classe social e que havia diferentes classes de cidadãos. Fiquei em pânico com essa desintegração do meu mundo idealista em Harvard, matei aulas e fui expulso. Fora da faculdade, eu fui trabalhar e trabalhei duro. Em pouco tempo, os relatórios enviados a Harvard falavam que eu era um menino bom e capaz e que eu realmente deveria voltar para a faculdade; então Harvard me levou de volta. No entanto, agora eu era considerado um inconformista social, e não vi nenhum dos meus velhos amigos; doeu muito. Mais uma vez eu cabulei as aulas, gastei todo o subsídio do meu ano e mais uma vez fui expulso. Após minha segunda expulsão, eu novamente trabalhei muito. Se a Primeira Guerra Mundial não tivesse começado, tenho certeza de que a universidade me levaria de volta, e estou certo de que teria sido expulso novamente. Cada vez que voltei para Harvard, entrei em um mundo de apreensões, não uma instituição educacional, e esse era o problema".

6. Luis Barragán

Casa Gilardi. Imagem <a href='https://en.wikipedia.org/wiki/File:Casa_Giraldi_Luis_Barragan.JPG'>via Wikimedia user Ulises00</a> (public domain)
Casa Gilardi. Imagem via Wikimedia user Ulises00 (public domain)

O arquiteto mexicano vencedor do Pritzker, cuja obra foi chamada de minimalista, emocional e mística, frequentou a Escuela Libre de Ingenieros em Gaudalajara, México, formando-se em engenharia civil em 1923, enquanto continuava trabalhando por um diploma de arquitetura que nunca receberia. Em uma visita à Exposição Internacional de Artes Decorativas de 1925, em Paris, conheceu as obras publicadas pelo arquiteto e ilustrador francês Ferdinand Bac. Seis anos depois, Barragán conheceu Bac e Corbusier em outra visita à Europa, dois arquitetos que eventualmente influenciaram profundamente seu trabalho.

7. Carlo Scarpa

Pavilhão Central no Giardini da Bienal de Veneza. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/dalbera/10160349164/'>Flickr user dalbera</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Pavilhão Central no Giardini da Bienal de Veneza. Imagem © Flickr user dalbera licensed under CC BY-SA 2.0

O enigma italiano, conhecido por sua distinta abordagem projetual e de construção, frequentou a Royal Academy of Fine Arts, Veneza, de onde se formou com um diploma não profissional em desenho arquitetônico em 1926. Recusando-se a fazer o exame profissional exigido, ele foi, portanto, restrito à prática da arquitetura sem se associar a outro arquiteto. Começou sua carreira no Instituto Superior Real de Arquitetura, Veneza, ensinando desenho arquitetônico, antes de ser diretor de arte da Venini Glass Works em Veneza de 1932 a 1947. Foi só depois da Segunda Guerra Mundial que Scarpa recebeu reconhecimento como arquiteto, principalmente para a Renovação de 1964 do Museu Castelvecchio em Verona, Itália.

8. Tadao Ando

Fundação Langen. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Langen_Foundation_Neuss_02.jpg'>Wikimedia user Perlblau</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/de/deed.en'>CC BY-SA 2.0 DE</a>
Fundação Langen. Imagem © Wikimedia user Perlblau licensed under CC BY-SA 2.0 DE

O arquiteto japonês premiado com o Pritzker começou como um boxeador profissional em Osaka, Japão, antes que um estudo com seu professor de matemática e carpinteiros locais despertarem seu interesse pela arquitetura. "Estes dois elementos - matemática e carpintaria - conversam na arquitetura. Esse foi o meu ponto de partida ", disse à revista Surface em uma entrevista em 2015. Ando não podia pagar a educação universitária, então embarcou em uma longa jornada de auto educação: ler livros, participar de aulas noturnas, visitar edifícios no Japão e no exterior e estudá-los. "Eu tive que pensar e agir sozinho. Eu sou de Osaka, que fica a cerca de meia hora de Kyoto e Nara. Todos os domingos fazia um plano para sair e olhar e estudar os edifícios antigos da região," explicou. Após uma série de estágios informais, Ando, em 1969, abriu seu próprio escritório de arquitetura aos vinte e oito anos.

9. Peter Zumthor

Termas de Vals. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/p2cl/354225161/'>Flickr user p2cl</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Termas de Vals. Imagem © Flickr user p2cl licensed under CC BY-SA 2.0

O Pritzker de 2009, nascido em Basileia, Suíça, seguiu os passos de seu pai e aprendeu com um fabricante de armário local durante quatro anos de sua adolescência. Ele continuou sua educação de design na Basel Arts and Crafts School (1963-67), onde os professores da Bauhaus o ensinaram, como explicou ao New York Times Magazine "todos os conceitos básicos de design, artesania de desenho e estética, de mistura de cores, espaço em branco e espaços negativos - forma, linha e superfície ". Isto foi seguido por um curto período no Instituto Pratt de Nova Iorque, onde Zumthor estudou design industrial; Ele retornou posteriormente para a Suíça em 1967, conseguindo um emprego no Departamento de Preservação de Monumentos, em Graubünden. Demorou mais doze anos para estabelecer sua própria prática em Haldenstein, mas Zumthor se orgulha do fato de nunca ter obtido um diploma de arquitetura. "Tudo é conversa nos dias de hoje", ele reclamou em sua entrevista de 2011 com o New York Times Magazine. "Mies van der Rohe e Le Corbusier vieram de uma tradição em que os arquitetos ainda sabiam como as coisas eram feitas, como fazer as coisas bem. Devemos forçar as universidades a treinar carpinteiros e carpinteiros e trabalhadores de couro. Agora, todos os arquitetos querem ser filósofos ou artistas. Tenho a sorte de ter tido minha educação, porque nos Estados Unidos, especialmente, você perdeu contato com a verdadeira questão da construção".

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Suneet Zishan Langar
Autor
Cita: Zishan Langar, Suneet. "9 Arquitetos famosos que não possuíam um diploma de arquitetura" [9 Incredibly Famous Architects Who Didn't Possess an Architecture Degree] 30 Jun 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/874782/9-arquitetos-famosos-que-nao-possuiam-um-diploma-de-arquitetura> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.