1. ArchDaily
  2. Photography

Photography: O mais recente de arquitetura e notícia

Como o acaso ajudou Pedro E. Guerrero a se tornar o fotógrafo favorito de Frank Lloyd Wright

O que é necessário para um estudante de artes de 22 anos começar uma relação profissional duradoura com "o maior arquiteto americano de todos os tempos"? Originalmente publicado na Curbed como "How a 22-Year-Old Became Wright's Trusted Photographer", esse artigo revela que para Pedro E. Guerrero foi necessário coragem e muita sorte - mas uma vez que começaram a trabalhar juntos, esse par improvável era uma dupla perfeita.

Quando Frank Lloyd Wright contratou Pedro E. Guerrero para fotografar a Taliesin West em 1939, nenhum dos dois sabia que isso levaria a uma das relações mais importantes na história da arquitetura. Wright tinha 72 anos e já havia sido publicado na capa da Time devido à Casa da Cascata. Guerrero tinha 22 anos e acabara de sair da faculdade. Seu primeiro encontro aconteceu a pedido do pai de Guerrero, um pintor que conhecia vagamente Wright da vizinhança e esperava que o arquiteto oferecesse a seu filho um trabalho. Qualquer trabalho.

O jovem Guerrero teve a audácia de se apresentar ao famoso arquiteto como "fotógrafo". Na realidade, ele não havia ganhado nenhum tostão com isso até então. "Eu tinha o pior portfólio do mudo, incluindo uma foto de um pelicano morto", confessou Guerrero mais tarde. "Mas eu também tinha nus feitas na praia em Malibu. Isso pareceu capturar o interesse de Wright."

Fotografias de cima do edifício mais alto de Nova Iorque

Fotografia registrada do 432 Park Ave, voltado para oeste. Imagem © Demid Lebedev
Fotografia registrada do 432 Park Ave, voltado para oeste. Imagem © Demid Lebedev

"Quanto mais alto você for, mais solitário o mundo parece."

Demid Lebedev, mais conhecido por sua conta no instagram (Demidism), escalou recentemente o 432 Park Avenue, registrando perspectivas inéditas a partir do edifício residencial mais alto de Nova Iorque. "Fui ao céu e voltei" escreveu Lebedev em uma das fotos. Envolto por neblina, Lebedev registrou vistas a partir de diferentes níveis do edifício, que está atualmente em fase final de construção. 432 Park Avenue terá 420 metros de altura - ultrapassando o One57 - e receberá o título de edifício residencial mais alto da cidade.

Após sua escalada, Lebedevfoi preso e acusado por invasão e imprudência, segundo afirma um jornal local.

Nós conversamos com Lebedev para saber como é escalar o maior edifício edifício da cidade e como ela muda à medida que nos afastamos do nível da rua. Leia, a seguir, o que Lebedev tem a dizer e veja algumas de suas impressionantes fotografias.

Seriam as construções abandonadas ruínas da modernidade?

Ruínas antigas são algo comum na Europa - há muitos exemplos famosos como Pompeia, o Partenon, o Coliseu - mas o que dizer das novas ruínas? Esqueletos de edifícios incompletos agora povoam o skyline das cidades europeias. Uma forma de momento mori, essas construções abandonadas provam que nenhuma estrutura é permanente ou imune aos desejos cambiantes de uma sociedade em fluxo. O fotógrafo inglês Sam Laughlin documenta o surgimento dessas "ruínas" em sua série Frameworks, um exame contemporâneo do envelhecimento do ambiente construído.

Entre no mundo abandonado de Frameworks e veja outras fotografias de Laughlin, a seguir.

© Sam Laughlin© Sam Laughlin© Sam Laughlin© Sam Laughlin+ 16

A ascensão do "Ruin Porn"

Ultimamente os arquitetos têm compartilhado uma fascinação crescente por ruínas. À medida que as tecnologias para imaginar os edifícios do futuro se tornaram mais precisas - nos permitindo não apenas caminhar por eles, sobrevoá-los e dissecar suas paredes, mas também calcular as quantidades exatas de materiais, capacidades estruturais e custos - nossa fascinação por ruínas, um processo governado por leis da natureza e do tempo, espacialmente imprevisível e raramente uniforme, também tem se tornado mais popular.

Iwan Baan entre os jurados do concurso de fotografia "Avant Guardian"

A revista Surface Magazine está relançando seu famoso concurso de fotografia Avant Guardian, uma competição que ajudou a deslanchar a carreira de muitos grandes fotógrafos. Os editores da Surface e o renomado júri - composto pelos fotógrafos Iwan Baan, Johan Lindeberg, Klitos Teklos (Air Paris), Benoit Lagarde (Splashlight), e Keren Sachs (Offset) - selecionarão 10 finalistas. Os trabalhos escolhidos serão publicados na edição de outubro desse ano da revista Surface e expostos em exibições itinerantes.

Para inspirá-lo a participar, reunimos a seguir algumas impressionantes fotografias de Iwan Baan. O prazo para as inscrições é quinta-feira, 24 de julho.

Fogo Island, Newfoundland, Canadá. Imagem © Iwan BaanLarabanga, Gana. Imagem © Iwan BaanRikuzentakata, Japão. Imagem © Iwan BaanMatsushima, Japão. Imagem © Iwan Baan+ 9

7 impressionantes registros aéreos de cidades

As possibilidades oferecidas pela fotografia podem muitas vezes mostrar aquilo que nos passa despercebido - um ângulo ou ponto de vista incomum - ou ainda sugerir atmosferas frequentemente invisíveis aos olhos. Em arquitetura, a fotografia pode registrar ângulos, formas, cores, sensações, usos, práticas... e o mesmo se dá com a fotografia de cidades. 

Contudo, a gravidade (frequentemente) limita o fotógrafo ao chão, e a maior parte dos registros visuais é feito ao nível do solo, mostrando a cidade e seus espaços através de uma perspectiva que, embora extremamente rica, deixa escapar possibilidades outras de registros.

As imagens a seguir mostram sete impressionantes registros visuais de cidades através de uma perspectiva pouco comum. Veja a seguir:

Ensaio fotográfico “Sesc Pompeia, Concreto Vermelho – 2013”

O designer e fotógrafo paulistano Fernando Pires realizou ano passado uma série fotográfica no icônico Sesc Pompéia, uma das mais expressivas obras da arquiteta Lina Bo Bardi.

Partindo da obra arquitetônica - um projeto brutalista onde duas cores, o vermelho e o cinza do concreto, se unem com harmoniosamente – o fotógrafo faz uma releitura bastante pessoal em um ensaio que explora a simetria e busca transmitir a sensação de conforto visual.

O ensaio mostra profundo respeito pela obra da arquiteta, entretanto, através da linguagem da fotografia, cria narrativas outras que têm como base o próprio edifício do Sesc Pompéia. 

Veja a seguir algumas das fotografias deste ensaio

© Fernando Pires© Fernando Pires© Fernando Pires© Fernando Pires+ 15

Uma Jornada Fotográfica através do Vale de Zumthor

Nosso amigo e fotógrafo de arquitetura Felipe Camus embarcou recentemente em uma peregrinação arquitetônica pelo vale do Reno. Localizado na região Graubünden, na Suíça, o vale possui muitas das obras mais importantes do arquiteto premiado com o Pritzker, Peter Zumthor, todas em um raio de 60 quilômetros. Nascido na região, Zumthor fez os projetos relacionando-os à suas localizações e tempos, prestando especial atenção aos detalhes e materiais. Como resultado, as obras espelham suas habilidades inigualáveis e integridade.

Junte-se a nós para este Guia especial de Arquitetura que inclui um mapa detalhado, fotos e descrições de algumas das obras de Peter Zumthor, a seguir...

Courtesy of Felipe CamusCourtesy of Felipe CamusCourtesy of Felipe CamusCourtesy of Felipe Camus+ 137

Pavilhão Vieux Port / Foster + Partners, Fotos por Edmund Sumner

Localizado na foz do porto de Marselha - declarado Patrimônio da Humanidade - o Pavilhão Vieux Port, projetado por Foster + Partners, proporciona um novo espaço coberto para eventos próximo ao limite leste do porto. Trazendo novo foco sobre a cidade, estas fotografias de Edmund Summer exemplificam a capacidade da cobertura de aço inoxidável de ampliar e refletir os movimentos do porto, criando um espetáculo que convida os visitantes a permanecer no lugar. Desde sua inauguração neste ano, o projeto vem se mostrado um verdadeiro convite aos habitantes de Marselha para aproveitar este espaço para a realização de eventos, feiras e celebrações. Outras fotografias de Summer podem ser vistas na sequência.

Fotografia e Arquitetura: Paúl Rivera

Esta semana queremos lhes apresentar Paúl Rivera: fotógrafo de arquitetura nascido em Puebla, México. Paúl estudou Artes Visuais na Universidade da Califórnia, São Diego (UCSD) focando-se nas áreas de fotografia e filmagem. Em 1999, ele foi para Nova York, onde continuou sua exploração fotográfica, com foco na arquitetura e design de interiores.

Em 2004 se tornou sócio de archphoto, uma empresa de fotografia de arquitetura onde trabalha com Eduard Huber, Inés Leong e Andrew Rugge; onde se pode ver grandes obras de arquitetura de todas as partes do mundo. 

Na continuação lhes apresentamos esta entrevista exclusiva junto com uma seleção de suas melhores imagens.