Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Pedestres

Pedestres: O mais recente de arquitetura e notícia

Alemanha instala semáforos de LED nas calçadas para garantir a segurança dos pedestres

Sem sombra de dúvidas, os celulares trouxeram uma série de benefícios para quem vive nas cidades: podemos usar um aplicativo que nos indica quanto tempo falta para passar um ônibus, ou, com um GPS, podemos fugir do engarrafamento no trânsito.

No entanto, é verdade que às vezes nos distraímos com os celulares, arriscando, consequentemente, nossa segurança. Por exemplo, quando olhamos o celular ao cruzar uma rua sem nem nos darmos conta se o semáforo está verde ou vermelho para os pedestres.

MIT apresenta proposta para melhorar a segurança nos cruzamentos através de sensores

Os cruzamentos podem ser locais complexos que acabam sendo conhecidos como lugares perigosos nas cidades. Em parte, isto é explicado pelo fluxo dos automóveis, que circulam em diferentes direções e competem pelo espaço público.

Esta situação foi abordada por Carlo Ratti, pesquisador e diretor do centro de inovação social e urbana, Senseable City Lab, vinculado ao MIT, que elaborou uma proposta para os cruzamentos que é muito mais eficiente que os semáforos.

Antes/Depois: Mil imagens de transformações urbanas a favor da mobilidade sustentável

A remodelação realizada entre 2012 e 2015 na rua Morandé, próximo ao Palácio de La Moneda, em Santiago, não apenas gerou uma notória mudança visual, mas também permitiu melhorar a experiência das pessoas que passam diariamente pelo local, sobretudo os pedestres.

Esta situação só foi possível através da redução das três pistas dedicadas aos automóveis para apenas uma, a ampliação das calçadas e seu nivelamento com a via, além substituição das cercas que agiam como obstáculos por pilares de concreto, que definem os limites dos espaços. 

Todavia, este tipo de renovação não é algo novo. Com efeito, é cada vez mais comum que as cidades promovam este tipo de projeto urbano, dedicando mais espaços para os pedestres e ciclistas e promovendo meios de transporte mais sustentáveis. 

5 propostas de cruzamentos mais seguros para diferentes modais de transporte

A Associação Nacional de Funcionários de Transporte de Cidades, conhecida por sua sigla NACTO, elaborou seis princípios para desenhar cruzamentos que falam sobre como se pode aproveitar as ruas para oferecer deslocamentos mais eficientes e seguras a todos os usuários do espaço viário - pedestres, ciclistas, usuários do transporte público e motoristas.

Usando como ponto de partida estas diretrizes, a associação formulou cinco propostas que seriam aplicadas em diversos tipos de cruzamentos e que poderiam ser implementadas em diferentes cidades do mundo.

Paseo de la Castellana em Madri terá mais espaços dedicados a pedestres e ciclistas

O Paseo La Castellana é um dos pontos de entrada do centro histórico de Madri, por onde circulam diariamente 800 mil automóveis. Por este motivo, a Prefeitura da capital espanhola está elaborando um plano de intervenção nesta avenida que dedicará mais espaço aos pedestres, ciclistas e usuários do transporte público. 

Embora ainda não estejam definidas todas estratégias de remodelação, estima-se que o projeto seja concluído até maio deste ano. Até o momento, a única certeza é que as dez pistas atuais para automóveis serão reduzidas, de modo a redistribuir o espaço viário entre os diferentes modais de transporte. 

Deste modo, prevê-se que parte das pistas para veículos sejam convertidas em novos espaços peatonais arborizados, ciclovias e corredores exclusivos para ônibus.

5 vídeos sobre mobilidade urbana e direito à cidade (parte 2)

Mês passado, publicamos a primeira parte de uma seleção de cinco vídeos sobre mobilidade urbana e direito à cidade que pode ser vista aqui.

Desta vez, compartilhamos com vocês outros cinco vídeos que mostram como era a mobilidade há mais de 50 anos em diferentes cidades do mundo, como hoje em dia os habitantes podem se envolver na construção de suas cidades e quais são as práticas que nos servem como referências. 

Por que as passarelas peatonais não favorecem os pedestres?

Faixas de pedestres no nível das calçadas ou passarelas elevadas?

A decisão tomadas pelas autoridades das cidades podem ser respaldadas por uma pesquisa feita pelo Instituto de Políticas para o Transporte e Desenvolvimento do México (ITDP), na qual justifica a melhor opção de acordo com dois fatores: o primeiro corresponde a relação entre a velocidade e segurança viária, e o segundo, a acessibilidade e o desenho urbano.

De acordo com estes fatores, o ITDP afirma que o melhor cruzamento para pedestres é aquele que está no nível das ruas porque prioriza a rota dos mesmos e porque são feitos na escala humana. Diferentemente disso, as passarelas são vistas como uma opção que surgiu através do paradigma de priorizar o trânsito dos veículos e, de acordo com dados gerados pelo estudo, não aumentam a segurança dos pedestres. 

Além disso, a localização das passarelas não favorece os pedestres, que devem percorrer distâncias mais longas e fazer um esforço maior. Outro fator relevante é que nem todas as passarelas estão desenhadas para as pessoas com mobilidade reduzida e construí-las requer um maior investimento econômico segundo o Instituto. Levando em conta estes dados, o ITDP faz suas recomendações de como se devem desenhar os cruzamentos pedonais no nível da calçada. 

Cidade do México aprova a política "Visão Zero" no seu regulamento de trânsito

Na Cidade de México, a cada ano morrem 1.000 pessoas em acidentes de trânsito e no país, 50 pessoas a cada dia. Estes dados posição o México como sétimo à nível mundial nesta problemática urbana, segundo dados da sede local do Instituto de Políticas para o Transporte e Desenvolvimento (ITDP de México).

A necessidade de assegurar a integridade durante os deslocamentos a pé fez com que a cidade modificasse seu Regimento de Trânsito ao introduzir a política "Visão Zero". Esta é uma iniciativa que surgiu em 1997 na Suécia e que sugere que não existam mortos ou feridos frutos de acidentes viários através de mudanças na normativa e no desenho urbano. 

Como isto se implementaria no Distrito Federal? Explicaremos a seguir. 

Carros versus Pedestres (em cinco Cidades Europeias) / Rui Pereira, Rute Silva e Nuno Fonseca

A qualidade dos espaços de encontro em lugar público é essencial: permite a interação entre gerações, classes sociais e comunidades. Sem estes espaços de qualidade o cidadão acaba por se isolar, e sem ele os espaços tornam-se mais pobres.

“A nossa solidão aumenta consoante o numero de automóveis que passam à nossa porta” —Appleyard [1]

Intervenções artísticas em faixas de pedestres

Em várias cidades do mundo, as faixas de pedestres estão recebendo intervenções artísticas como forma de chamar atenção de quem passa pelo lugar e conferir mais arte à cidade. A partir das imagens mais compartilhadas nos diferentes lugares, fizemos uma seleção com algumas interessantes intervenções artísticas feitas em faixas de pedestres.

Veja as intervenções, a seguir.

Gestão de demanda de transporte: medidas para criar cidades mais seguras e sustentáveis

As cidades que possuem um desenho centrado nos automóveis fazem com que seus cidadãos convivam com maiores tempos de deslocamento, acidentes de transito e altos níveis de contaminação (acústica e ambiental). Entretanto, uma maneira de mudar isso é pensar as cidades como lugares onde transitam pessoas e não somente automóveis.

Este é o tema abordado em um dos nove artigos da série “Cidades Orientadas às Pessoas”, desenvolvida pela Embarq e Insights, que propõem que a cidades sejam pensadas para os cidadãos, introduzindo a gestão de demanda de transporte.

Em que consiste isso? Saiba mais a seguir.

Mobilidade urbana como um direito fundamental: A nova lei da Cidade do México

No mês passado, a capital mexicana aprovou a Lei de Mobilidade (LM) que, além de suplantar responsabilidades entre instituições e promover alterações técnicas, deu um passo em direção a um novo foco da normativa urbana.

Desta forma, passou-se de uma normativa que estava centrada no transporte e estradas para uma lei que se sustenta na mobilidade e que a reconhece como um direito fundamental dos cidadãos.

Conheça as medidas na continuação.

O que torna uma cidade caminhável?

Caminhar por um bairro que tenha parques, comércios e serviços próximos uns dos outros é sem dúvida uma atividade mais agradável que andar por regiões onde esses programas e usos se encontram menos adensados.

Dentre os fatores que influenciam nisso, segundo um estudo da Universidade de British Columbia, estão o desenho do espaço urbano, o acesso aos transportes públicos, a densidade populacional e as leis de zoneamento, que mudam de um município para outro.

Na pesquisa foram comparadas duas regiões do estado de Washington com o objetivo de observar onde a experiência urbana se mostrava mais agradável. Foi incluída na pesquisa, também, a medição feita pelo Walk Score, um site que pontua os índices de caminhabilidade das regiões, tomando como base, entre outros fatores, os deslocamentos a pé, de bicicleta e em transporte público.

Veja os resultados a seguir.

Yahoo cria GPS que escolhe as rotas mais belas ao invés das mais curtas

O GPS é realmente uma ferramenta muito útil para quem precisa circular por cidades desconhecidas ou não tem um senso de direção muito apurado. Esse dispositivo sempre mostra o caminho mais curto e alguns aplicativos que contam com a colaboração dos usuários até avisam onde há congestionamentos ou obras na pista.

Quando estamos caminhando, no entanto, a situação pode ser outra; ao explorarmos uma cidade desconhecida geralmente queremos passar pelos lugares mais interessantes e ver as paisagens mais bonitas.

O trabalho de Daniele Quercia e alguns colegas do Yahoo Labs de Barcelona pretende mudar uma das funções básicas do GSP. A equipe desenvolveu um algoritmo que escolhe automaticamente a rota a seguir baseado na beleza da paisagem.

NY lança competição de aplicativos que melhorem a segurança no trânsito

Em Nova Iorque, somente no ano de 2013, ocorreram 14.845 acidentes entre motoristas e pedestres. Buscando reduzir este número, o NYC Media Lab, a Escola Politécnica de Engenharia da NYU e a empresa de comunicações AT&T lançaram a competição Connected Intersections que convida projetistas e engenheiros a desenvolver aplicativos que alertem os pedestres, ciclistas e motoristas quanto a situações perigosas relacionadas ao trânsito.

Um dos requisitos essenciais é que o aplicativo não distraia os usuários, mas apenas os informem sobre potenciais perigos.

Mais detalhes a seguir.

Vídeo: Qual o valor dos nossos passos?

“Quanto estamos dispostos a pagar pela caminhabilidade? Muito.”

Categórico a tal ponto é o vídeo que apresentamos acima, que pontua as possibilidades de deslocamento a pé rápido e seguro oferecidas pelos bairros. Para as medições é utilizado um Walk Score, um indicador que, numa escala de 1 a 100, atribui valores às opções de caminhada na cidade.

Assim, o vídeo mostra que as pessoas estão dispostas a pagar até US$ 850 a mais pelo aluguel de um imóvel que esteja localizado num bairro caminhável, em comparação com outras localidades menos adequadas aos deslocamentos a pé. É por isso que Nova Iorque atinge 85,6 pontos em contraste com Charlotte, que marcou apenas 34,3 pontos.

Vídeo “Daylight”: Esquinas mais seguras para os pedestres

Os veículos estacionados nas esquinas estão dentre os principais obstáculos visuais entre motoristas, ciclistas e pedestres. Por este motivo, diversas opções de desenho urbano têm surgido, como as propostas do planejador Nick Falbo ou outras temporárias apresentadas durante o Park(ing) Day, que mostram novas formas de se aproveitar esses espaços e torná-los mais seguros.

No vídeo a seguir, a organização Streetfilms explica a estratégia “Daylightning”, ou “Iluminação do Dia”, que promove a segurança dos pedestres. Esta consiste em proibir os automóveis de estacionarem próximo às intersecções, fazendo com que os veículos que estejam em movimento na rua tenham maior campo de visão antes de chegar à esquina.

Iniciativa propõe placas de orientação para pedestres em Porto Alegre

Ex-alunos do Colégio Farroupilha, de Porto Alegre - RS, juntamente com a organização Shoot the Shit, elaboraram e instalaram uma série de placas de sinalização que auxiliam os pedestres a se locomover na capital gaúcha.

As placas mostram a distância até importantes lugares da cidade - como o Parque da Redenção, o Hospital de Clínicas, o Parque Marinha, ícones de Porto Alegre - além de contar com um código QR, que pode ser escaneado através de um smartphone, fornecendo outras informações aos pedestres.