1. ArchDaily
  2. Espaço Público

Espaço Público: O mais recente de arquitetura e notícia

Como a neuroarquitetura pode influenciar a percepção de segurança em espaços urbanos e edifícios

A interseção entre arquitetura e neurociência, conhecida como neuroarquitetura, emerge como um campo inovador, trazendo à tona a influência significativa do design, seja de espaços urbanos ou de edifícios, na percepção humana, incluindo o aspecto de segurança. Esta área de estudo ganha relevância em um contexto em que a arquitetura urbana não é apenas uma questão estética ou funcional, mas também um elemento crucial na criação de ambientes que promovam bem-estar e segurança.

Como a neuroarquitetura pode influenciar a percepção de segurança em espaços urbanos e edifícios - Image 1 of 4Como a neuroarquitetura pode influenciar a percepção de segurança em espaços urbanos e edifícios - Image 2 of 4Como a neuroarquitetura pode influenciar a percepção de segurança em espaços urbanos e edifícios - Image 3 of 4Como a neuroarquitetura pode influenciar a percepção de segurança em espaços urbanos e edifícios - Image 4 of 4Como a neuroarquitetura pode influenciar a percepção de segurança em espaços urbanos e edifícios - Mais Imagens+ 4

Pode a arquitetura combater a intolerância?

O respeito ao próximo parece algo ainda distante de prevalecer na humanidade. Num mundo no qual as notícias nos abocanham com as mais distintas formas de violência, é sempre necessário buscar formas de encontrar o valor e a dignidade de cada pessoa e formas de respeitar o diferente. É necessário trabalhar a nossa tolerância perante o que desconhecemos e, neste sentido, a arquitetura pode ser uma importante aliada.

Pode a arquitetura combater a intolerância? - Image 1 of 4Pode a arquitetura combater a intolerância? - Image 2 of 4Pode a arquitetura combater a intolerância? - Image 3 of 4Pode a arquitetura combater a intolerância? - Image 4 of 4Pode a arquitetura combater a intolerância? - Mais Imagens+ 3

Rua das crianças: intervenção urbana cocriada com estudantes de escola pública em São Paulo

Ao longo das últimas décadas, as cidades vêm sofrendo profundas e rápidas  transformações, as quais vêm impactando muito também a infância. Enquanto as cidades estão cada vez maiores e mais complexas, vem crescendo uma população infantil cuja qualidade de vida urbana deteriorou-se notavelmente. As crianças perderam seus espaços na cidade e encontram-se, cada vez mais, em espaços fechados e institucionalizados.

O imaginário da cidade enquanto perigosa vem se fortalecendo, estabelecendo uma relação cíclica: com menos crianças nas ruas, estas são dominadas por carros que circulam em alta velocidade, o que dificulta o uso do espaço, o que por sua vez incita o aumento da violência, o que afasta as crianças — e todos — das ruas. A baixa frequência de crianças brincando nas ruas e demais áreas públicas dos centros urbanos também faz com que este segmento seja pouco visível aos olhos dos adultos e das políticas públicas.

Rua das crianças: intervenção urbana cocriada com estudantes de escola pública em São Paulo - Image 1 of 4Rua das crianças: intervenção urbana cocriada com estudantes de escola pública em São Paulo - Image 2 of 4Rua das crianças: intervenção urbana cocriada com estudantes de escola pública em São Paulo - Image 3 of 4Rua das crianças: intervenção urbana cocriada com estudantes de escola pública em São Paulo - Image 4 of 4Rua das crianças: intervenção urbana cocriada com estudantes de escola pública em São Paulo - Mais Imagens+ 3

Nossas cidades estão atendendo às demandas de bebês e crianças?

Mais de um bilhão de bebês e crianças vivem em ambientes urbanos. Mas a forma como as cidades são planejadas não consideram as suas necessidades e nem as das pessoas responsáveis por seus cuidados. Visando apoiar tomadores de decisão e profissionais de planejamento urbano e transportes na missão de melhorar o acesso de milhares de crianças brasileiras às oportunidades urbanas, O ITDP Brasil lançou o material Acesso para bebês, crianças pequenas e pessoas cuidadoras, realizado em parceria com a Fundação Bernard van Leer.

Benefícios de ativar o espaço público ao redor do mundo

O espaço público urbano é, e deve continuar sendo, um ambiente para manifestação social, cultural e política. Estudos como o da ONU-Habitat reconhecem que espaços públicos acessíveis, seguros e inclusivos são meios reais para a abreviação da desigualdade urbana.

Além disso, idealizando estes espaços como uma “sala de estar”, é esperado que eles sejam funcionais e adaptados a todos, para que os usuários se sintam “convidados” a permanecer, utilizar e cuidar. Ao longo das últimas duas décadas, espaços públicos abertos (ruas, cruzamentos, largos, praças, parques etc.) têm sido alvo de ativações e experiências estratégicas e táticas.

Benefícios de ativar o espaço público ao redor do mundo - Image 1 of 4Benefícios de ativar o espaço público ao redor do mundo - Image 2 of 4Benefícios de ativar o espaço público ao redor do mundo - Image 3 of 4Benefícios de ativar o espaço público ao redor do mundo - Image 4 of 4Benefícios de ativar o espaço público ao redor do mundo - Mais Imagens+ 3

Zeladoria de espaços públicos: a solução é alugar o Brasil?

Há alguns dias, num belo domingo de sol em pleno inverno, minha esposa e eu resolvemos levar nossos dois filhos pequenos para conhecerem o Parque Villa-Lobos, no extremo oeste da cidade de São Paulo, já quase na divisa com Osasco.

Não é um parque a que costumamos ir com frequência hoje em dia; mas é, sem dúvida, um local que faz parte da nossa memória afetiva. Ela cresceu em Cotia; eu, em Osasco. Ambas as cidades ficam na parte oeste da Região Metropolitana de São Paulo e o Parque talvez fosse o principal espaço público relativamente próximo das nossas casas durante nossa infância e juventude. Temos inclusive algumas fotos de lá no começo do nosso namoro, em 2013, à toa, ora estirados num amplo gramado verde, ora abraçados embaixo de uma árvore florida.

Espaços abertos positivos

No projeto de espaços abertos, considero que um dos conceitos mais importantes — e mais difíceis de serem explicados — é o de conformação de espaços abertos “positivos”. Até onde pude apurar, essa denominação foi dada por Alexander et al (1977) no “Linguagem de Padrões” e continua sendo utilizada por outros autores (ver, por exemplo, CARMONA et al, 2003), apesar de não ser um termo amplamente adotado.

Espaços abertos positivos - Image 1 of 4Espaços abertos positivos - Image 2 of 4Espaços abertos positivos - Image 3 of 4Espaços abertos positivos - Image 4 of 4Espaços abertos positivos - Mais Imagens+ 9

São Paulo ganha praça projetada para crianças na primeira infância

Criar um espaço lúdico, voltado especialmente para as necessidades das crianças na primeira infância. Essa foi a intenção da prefeitura de São Paulo ao desenvolver sua primeira “Praça Conceito” – inaugurada na Praça São Sebastião, no bairro Ipiranga. A primeira infância, que vai de zero a seis anos, é o período considerado extremamente importante para o desenvolvimento do ser humano. Diversas pesquisas têm apontado que as experiências vividas no começo da vida, desde o período de gestação, influenciam diretamente na formação do adulto.

São Paulo ganha praça projetada para crianças na primeira infância - Image 1 of 4São Paulo ganha praça projetada para crianças na primeira infância - Image 2 of 4São Paulo ganha praça projetada para crianças na primeira infância - Image 3 of 4São Paulo ganha praça projetada para crianças na primeira infância - Image 4 of 4São Paulo ganha praça projetada para crianças na primeira infância - Mais Imagens

Requalificação de orlas marítimas e fluviais: projetos que repensam a relação da cidade com a água

A requalificação de orlas marítimas e fluviais é um elemento importante para a transformação de muitas áreas urbanas, podendo proporcionar uma série de benefícios significativos para as cidades e seus habitantes. A presença da água, seja na forma de rios, lagos ou mares, historicamente desempenhou um papel fundamental para a formação e desenvolvimento de muitas cidades, relacionando-se intimamente com suas dinâmicas. Essa relação modificou-se e apresentou-se de maneiras distintas ao longo do tempo e muitas vezes esses espaços foram negligenciados de inúmeras formas, sobretudo por determinado tipo de planejamento urbano que desconsiderou suas potencialidades em detrimento de outros imperativos, como o transporte rodoviário e a implantação de equipamentos industriais.

Requalificação de orlas marítimas e fluviais: projetos que repensam a relação da cidade com a água - Image 1 of 4Requalificação de orlas marítimas e fluviais: projetos que repensam a relação da cidade com a água - Image 2 of 4Requalificação de orlas marítimas e fluviais: projetos que repensam a relação da cidade com a água - Image 3 of 4Requalificação de orlas marítimas e fluviais: projetos que repensam a relação da cidade com a água - Image 4 of 4Requalificação de orlas marítimas e fluviais: projetos que repensam a relação da cidade com a água - Mais Imagens+ 11

Quando o arquiteto desenha para comunidades: 7 parques e praças

A arquitetura é capaz de reconciliar o sentido de pertencimento e dignidade espacial. Além de projetar equipamentos habitacionais ou de cultura, abordar o espaço público em comunidades que habitam espaços vulneráveis também é urgente e necessário para brindar uma infraestrutura digna que traga qualidade de vida à população. Por isso, reunimos sete intervenções em territórios marginalizados que demonstram o potencial de transformação que pode surgir a partir do espaço.

Quando o arquiteto desenha para comunidades: 7 parques e praças - Image 1 of 4Quando o arquiteto desenha para comunidades: 7 parques e praças - Image 2 of 4Quando o arquiteto desenha para comunidades: 7 parques e praças - Image 3 of 4Quando o arquiteto desenha para comunidades: 7 parques e praças - Image 4 of 4Quando o arquiteto desenha para comunidades: 7 parques e praças - Mais Imagens+ 17

Qual é o melhor lugar para se viver em São Paulo?

“Qual é o melhor lugar para se viver em São Paulo? ”, perguntou um amigo que vai se mudar para a capital paulista e que, apesar de economista (como eu), não aceitou “depende” como resposta.

É claro que não existe uma resposta objetiva para a questão, já que a avaliação depende (sim, depende…) não só de inúmeras variáveis, muitas não disponíveis para análise, como também das próprias preferências do morador.

Por uma cidade lúdica: 7 projetos públicos pensados para a diversão

Uma cidade lúdica é uma cidade projetada com o objetivo de promover o jogo, o lazer e a criatividade em seu espaço público e arquitetura. Ela oferece oportunidades de encontro que ajudam a desenvolver social e culturalmente uma comunidade, e melhora a qualidade de vida, trazendo elementos essenciais para hábitos mais saudáveis e equilibrados. Assim, interfere diretamente no desenvolvimento cognitivo e emocional de seus cidadãos, ao estimular a criatividade e a imaginação ao proporcionar espaços para a diversão.

Por uma cidade lúdica: 7 projetos públicos pensados para a diversão - Image 1 of 4Por uma cidade lúdica: 7 projetos públicos pensados para a diversão - Image 2 of 4Por uma cidade lúdica: 7 projetos públicos pensados para a diversão - Image 3 of 4Por uma cidade lúdica: 7 projetos públicos pensados para a diversão - Image 4 of 4Por uma cidade lúdica: 7 projetos públicos pensados para a diversão - Mais Imagens+ 10

A cidade como casa: a importância da hospitalidade urbana para a população em situação de rua

A moradia adequada, e tudo que a envolve de maneira mais ampla, é um dos princípios essenciais da humanidade, estabelecido pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. No entanto, segundo estatísticas da Organização das Nações Unidas (ONU), 150 milhões de pessoas vivem em situação de rua no mundo, e 1,6 bilhão vive sob condições inadequadas de habitação. A crise habitacional é uma problemática multifacetada e enfrentada de diferentes formas e escalas por muitas cidades, em diversos países e continentes, e um de seus aspectos mais difíceis e complexos é justamente a privação desse direito básico a certas pessoas, de diversas maneiras e por diferentes razões.

A cidade como casa: a importância da hospitalidade urbana para a população em situação de rua - Image 1 of 4A cidade como casa: a importância da hospitalidade urbana para a população em situação de rua - Image 2 of 4A cidade como casa: a importância da hospitalidade urbana para a população em situação de rua - Image 3 of 4A cidade como casa: a importância da hospitalidade urbana para a população em situação de rua - Image 4 of 4A cidade como casa: a importância da hospitalidade urbana para a população em situação de rua - Mais Imagens+ 5

A importância de uma iluminação pública sensível ao gênero

O gênero é uma camada de desigualdade incontestável nas cidades, que marca, de maneira muito distinta e efetiva, a experiência e o cotidiano de homens e mulheres no ambiente urbano. Um dos elementos cruciais na tentativa de garantir espaços mais inclusivos e igualitários é a iluminação pública, que não costuma ser pensada sob uma perspectiva de gênero.

Espaços públicos mal iluminados reforçam o sentimento de medo nesses ambientes, e devem ser repensados para que promovam cidades mais seguras, especialmente para as mulheres. Uma vez que, atualmente, mais da metade da população mundial vive em áreas urbanas — um cenário que só tende a aumentar —, como podemos tornar os espaços públicos mais seguros e confortáveis para que possam ser plenamente usufruídos e acessados por todas e todos?