Pagina inicial

Conheça a história por trás da nova identidade da nossa marca

Saiba mais
  1. ArchDaily
  2. Desenho De Arquitetura

Desenho De Arquitetura: O mais recente de arquitetura e notícia

Os melhores desenhos de arquitetura de 2021

O ArchDaily dá continuidade a uma tradição de sete anos que celebra e reconhece os melhores desenhos de arquitetura do ano. De pinturas a colagens, a edição de 2021 destaca uma coleção cuidadosamente curada de desenhos arquitetônicos e visualizações com uma ampla variedade de técnicas e representações, todas orientadas para o objetivo comum de compartilhar ideias, visões e projetos.

Sem experiência com renderização? 4 técnicas que você pode usar no lugar do render

Se há alguma palavra que descreve como são as renderizações arquitetônicas hoje em dia, seria: impressionante. O imenso mundo da renderização permitiu que as pessoas se envolvessem em ambientes construídos virtualmente, explorando cada espaço e experimentando o que podem ouvir ou sentir ao passar de uma sala para outra sem estar fisicamente presente no projeto.

O objetivo principal de uma renderização é ajudar a visualizar como será o resultado final do projeto. Seja para fins de apresentação ou construção, os arquitetos precisam traduzir suas visões de uma forma que ajude as pessoas que não estavam envolvidas no processo de ideação a entender o espaço e as experiências que vêm com ele. No entanto, nem todos os arquitetos têm as habilidades adequadas ou o tempo para criar tais ambientes hiper-realistas, mas com a excepcional qualidade das imagens produzidas atualmente e a crescente demanda, tornou-se obrigatório que todos os projetos sejam apresentados com um 3D realista. Então, se você é um daqueles arquitetos que não tem habilidade nem tempo, aqui estão algumas maneiras de apresentar seu projeto com uma experiência visual imersiva que traduz sua identidade sem recorrer a softwares 3D.

Off-White Flagship Store Miami. Imagem © Virgil Abloh + AMOFOUN’TA’SY. Imagem Cortesia de Public Housing Enterprise J.S.CMuseo Casa Estudio Diego Rivera y Frida Kahlo / Juan O´Gorman / 1931. Imagem Cortesia de Diego Inzunza - Estudio Rosamente© Apostrophy's+ 11

Antes e Depois das reformas: mudanças nas plantas arquitetônicas

Um dos principais gestos projetuais de Paulo Mendes da Rocha no projeto de reforma da Pinacoteca foi criar um novo eixo de circulação longitudinal na edificação existente, alterando o seu acesso principal. Passarelas metálicas, que atravessam pátios internos cobertos por claraboias, possibilitam novas dinâmicas e integração entre as salas, adequando um edifício neoclássico a um museu com um programa totalmente contemporâneo.

A habilidade de renovar um espaço completamente, às vezes demolindo partes ou fazendo adições pontuais, alterando sua funcionalidade e melhorando sua ambiência, é dos ofícios mais admirados dos arquitetos. Em habitações isso fica ainda mais evidente, uma vez que adequar uma habitação às demandas contemporâneas, através de uma planta bem pensada, pode melhorar a qualidade de vida dos ocupantes. 

Apartamento do Thai / INÁ ArquiteturaApartamento Simão Alvares / GOAA - Gusmão Otero Arquitetos AssociadosApartamento Antônio Bicudo / VãoApartamento Louvre / MARCOZERO Estúdio+ 24

9 Projetos que redefinem a brutalidade do concreto pelo uso da vegetação

© Hiroyuki Oki
© Hiroyuki Oki

© Hiroyuki Oki© Hiroyuki Oki© Hiroyuki Oki© Nelson Kon+ 10

O concreto é frequentemente visto como um material bruto, duro e frio – e é, inclusive, adorado por isso. No entanto, o uso do concreto junto da vegetação pode contribuir para uma espécie de "suavizada" do material, adequando-o a mais aplicações. Veja, a seguir, nove projetos que apresentam soluções interessantes para a fusão do concreto com a vegetação. 

20 Espécies nativas para arborização urbana

Não há dúvidas que as árvores são essenciais para a qualidade de vida. Têm impacto na sustentabilidade econômica, social e ambiental das cidades e suas vantagens são muitas: contribuem para o conforto visual e ambiental, ajudam a reduzir a poluição do ar e sonora, servem de refúgio e alimento para animais, criando ambientes mais verdes e mais agradáveis. Além disto, tem papel fundamental na redução do efeito das ilhas de calor em centros urbanos. É considerado arborização urbana as árvores que compõem o cenário urbano, e podem estar não apenas plantadas nas calçadas das cidades, mas inclui também praças, parques, canteiros e demais logradouros públicos, e além dos jardins privados. No entanto, existe uma série de recomendações que os projetistas devem seguir na ocasião da escolha da espécie de árvore para sua utilização em ambientes urbanos, como já publicamos por aqui as 25 espécies de árvores adequadas para calçadas urbanas.

Oitis (Licania tomentosa).  © Gabriel PedrottiIpê-amarelo (Tabebuia chrysotricha). © Gabriel PedrottiConjunto de Jacarandás floridos | Jacaranda mimosaefolia. © Beatrice Murch <a href='https://www.flickr.com/photos/blmurch/'>Via Flickr</a>. Licença CC BY 2.0 Pau-ferro | Caesalpinia leiostachya. © mauroguanandi <a href='https://www.flickr.com/photos/mauroguanandi/'>Via Flickr</a>. Licença CC BY 2.0 + 25

Axonometria na arquitetura brasileira: 20 exemplos de como visualizar seu projeto

A perspectiva axonométrica, também chamada de perspectiva paralela e axonometria, é uma projeção cilíndrica ortogonal sobre um plano oblíquo em relação às três dimensões do corpo que será desenhado. Trata-se de uma maneira muito eficiente de demonstrar o projeto, uma vez que ela pode apresentar desde esquemas conceituais até detalhes construtivos de um modo mais didático. Através dela é possível alterar a posição do observador ao rotacionar os eixos e, assim, gerar diversas combinações de visualização do projeto para satisfazer qualquer dúvida do construtor ou cliente.

Sede Royal FIC / Eduardo Borges Barcellos + GaroaCasa em Salto de Pirapora / Vereda ArquitetosReadequação do Parque Municipal Raul Seixas / Secretaria do Verde e Meio Ambiente - Divisão de Implantação, projetos e obrasCasa dos Pórticos / BLOCO Arquitetos+ 38

Reimpressão de livro sobre Louis Kahn traz seus desenhos de volta ao alcance do público

Existem muitos livros sobre os edifícios do arquiteto americano Louis I. Kahn, incluindo aqueles de sua autoria. Mas seus desenhos fomentam um fascínio especial em seus colegas e fãs, o que explica por que o blog Designers and Books está lançando um Kickstarter para financiar a reedição de uma compilação de 1962 de seus esboços, que está fora de catálogo há décadas.

Os melhores desenhos de arquitetura de 2019

BLVD InternationalPezo Von EllrichshausenTatiana BilbaoNicole Moyo+ 77

À medida que 2019 chega ao fim, continuamos nossa tradição de celebrar os melhores desenhos de arquitetura do ano. A edição de 2019 apresenta uma coleção cuidadosamente selecionada de desenhos arquitetônicos com uma ampla variedade de técnicas e representações que, de algum modo, refletem a riqueza e diversidade de abordagens projetuais. 

30 Projetos arquitetônicos representados através de GIFs

Para explicar seus projetos e decisões de desenho de forma clara e coerente, arquitetos devem empregar ferramentas criativas e dinâmicas de representação, além das palavras e técnicas tradicionais já usadas. Isso faz parte do trabalho. A qualidade dos desenhos - sejam simples ou complexos - é fundamental para recepção das ideias. A mídia digital permitiu novas formas de representação, incluindo animações e a adição de uma nova dimensão em uma única imagem: os processos de projeto.

Gifs animados podem oferecer a mesma quantidade de informação técnica presente em um corte, mostrar a distribuição do programa tão claramente quanto um diagrama, e apresentar as diretrizes projetuais da mesma forma que um masterplan, além disso, podem representar o progresso e a cronologia do projeto.

Os 30 projetos reunidos a seguir usam gifs animados como uma ferramenta para representar o processo de projeto, detalhes construtivos, uso de camadas e sequências espaciais internas.

Desenhos à mão livre: o valor da interpretação emocional na arquitetura contemporânea

Um século depois a ideia convincente de que a arquitetura moderna surgiu como uma fênix cegamente branca, cristalina e perturbadora em meio à morte e à destruição da Primeira Guerra Mundial é, talvez, familiar. No entanto, os esboços a carvão e as montagens em chiaroscuro que Mies van der Rohe fez durante e após a época do concurso para o arranha-céu de Berlim Friedrichstrasse de 1921-22, mantêm o poder de chamar a atenção, provocar e perturbar mesmo em nossa era de imagens impressionantes produzidas por e com programas de computador.

O que é mais notável nesses desenhos visionários centenários é que eles retratam um tipo de construção futura, à beira do etéreo e mais ou menos impossível de se fazer naquele momento, nos materiais de desenho mais terrenos. Foi um golpe de gênio usar o carvão para evocar uma arquitetura de leveza que emergia das brasas das trincheiras que revolucionariam a maneira como moldamos prédios altos e com eles as ruas de nossa cidade. Tal é o poder do desenho à mão livre.

Anneke Vervoort, Landschaftspark, Duisburg, Alemanha, 2016, Aquarela e tinta da Índia, 13 x 19 3/4 inChris Dove, Rooves of Venice, 2015, Caneta e tinta, 27 1/2 x 19 3/4 inNataly Eliseeva, City dovecote, architectural fantasy, 2010, Caneta e tinta, 7 7/8 x 11 3/4 inStefan Davidovici, Imaginary Jerusalem, 3, 2010, Tinta sobre papel, 8 1/4 x 11 3/4 in+ 7

10 plantas resistentes que sobreviverão em ambientes com pouca luminosidade

The Ceramic Atelier / Gabriel Castro (MOBIO Arquitetura) + Luiza Soares. Image Cortesia de Gabriel Castro / Reverbo
The Ceramic Atelier / Gabriel Castro (MOBIO Arquitetura) + Luiza Soares. Image Cortesia de Gabriel Castro / Reverbo

Zamioculca. Image © Liubabasha, Vía ShutterstockAglaonema. Image © Liubabasha, Vía ShutterstockDracaena . Image © Gringoann, Vía ShutterstockSansevieria Trifasciata. Image © Liubabasha, Vía Shutterstock+ 33

Com apartamentos e casas cada vez menores, percebemos uma crescente demanda para integrar espécies de plantas em espaços interiores. Mas que tipo de plantas escolher se não temos luz natural abundante? Neste artigo você encontrará algumas sugestões de espécies que são indicadas para ficarem "à sombra" ou "à meia sombra". Esse indicador é importante especialmente quando falamos de ambientes internos que recebem pouca luminosidade solar. 

Analisando o "Manual of Section": o desenho arquitetônico mais intrigante

Para Paul Lewis, Marc Tsurumaki e David J. Lewis, o corte "é muitas vezes entendido como um tipo simplificado de desenho, produzido no final do processo de concepção para descrever condições estruturais e materiais para a etapa da construção."

Esta é uma definição muito familiar para a maioria das pessoas que estudam ou trabalham com a arquitetura. Muitas vezes pensamos primeiramente na planta baixa, pois nos permite abraçar as expectativas programáticas de um projeto e fornecer um resumo das várias funções necessárias. Na idade moderna, programas de software de modelagem digital oferecem cada vez mais possibilidades quando se trata de criar objetos tridimensionais complexos, tornando o corte uma reflexão ainda mais tardia.

Com o seu Manual of Section (Manual do Corte) lançado em 2016, os três sócios fundadores do LTL architects apresentam o corte como uma ferramenta essencial no projeto arquitetônico, e vamos admitir isso, essa leitura pode fazer você mudar de ideia sobre o tema. Para os co-autores, "pensar e projetar o corte requer a construção de um discurso sobre ele, reconhecendo-o como um local de intervenção." Talvez, na verdade, precisamos entender as capacidades dos desenhos em corte tanto para usá-los de forma mais eficiente, quanto para desfrutar ao fazê-los.

Bagsværd Church by Jørn Utzon (1976). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL ArchitectsNotre Dame du Haut by Le Corbusier (1954). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL ArchitectsUnited States Pavilion at Expo '67 by Buckminster Fuller and Shoji Sadao (1967). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL ArchitectsThe Solomon R. Guggenheim Museum by Frank Lloyd Wright (1959). Published in Manual of Section by Paul Lewis, Marc Tsurumaki, and David J. Lewis published by Princeton Architectural Press (2016). Image Courtesy of LTL Architects+ 15

Pdda: uma série de pequenos desenhos arquitetônicos

O arquiteto italiano Gaetano Boccia vem pesquisando desenhos e representações arquitetônicas nos últimos dois anos. O projeto Pdda (piccoli disegni di architettura) [pequenos desenhos de arquitetura] nasceu com a intenção de compartilhar suas reflexões, que ele sempre registrou mas manteve em cadernos.

Sem se referir a nenhum edifício em particular, estes desenhos têm inspiração no complexo contexto da vida cotidiana de Nápoles e da cultura italiana de maneira geral. 

Cortesia de Gaetano BocciaCortesia de Gaetano BocciaCortesia de Gaetano BocciaCortesia de Gaetano Boccia+ 25

Desenhos detalhados de cidades ao redor do mundo, por Amer Ismail

Amer Ismail, arquiteto e artista plástico de Londres, desenvolveu um conjunto de intrincados "desenhos em forma de globo" de cidades ao redor do mundo. Desde 2016, Ismail vem desenvolvendo estes desenhos de perspectiva com 5 pontos de fuga com grande inspiração do artista Stephen Wiltshire. Depois de passar alguns anos trabalhando com arquitetura -- trabalhou inclusive no escritório Foster + Partners --, Ismail começou a desenvolver uma série que englobasse seu “interesse por arquitetura, planejamento urbano, viagens, desenhos e Star Wars”.

© Amer Ismail© Amer Ismail© Amer Ismail© Amer Ismail+ 9

MAKE IT ISO!: ilustrações isométricas baseadas em filmes e séries famosas

© Riccardo Masiero© Riccardo Masiero© Riccardo Masiero© Riccardo Masiero+ 13

A paixão pelo cinema e séries de TV, combinada com o interesse por cenografia e arquitetura, levou o arquiteto italiano Riccardo Masiero a explorar os espaços fílmicos em "MAKE IT ISO!", uma série de ilustrações isométricas baseadas em filmes e séries televisivas famosas, como Breaking Bad, Twin Peaks, Harry Potter, Star Wars, O Iluminado e UP.

Essas ilustrações representam cenas icônicas da TV e do cinema através de desenhos isométricos, oferecendo uma visão geral da construção da cena, além de fornecer um ponto de vista inusitado para o observador.

Saiba mais sobre a série "MAKE IT ISO!" a seguir. 

60 melhores axonométricas de projetos residenciais

Residência nas Palmeiras / Abraham John ArchitectsCasa 4x6x6 / dua studioA House of Small Talks / WARP architectsThe House Between a Well and a Light Tower / Harsh Vardhan Jain Architects+ 59

Durante a vida profissional em Arquitetura, a tarefa de projetar e desenhar uma residência é em grande parte, frequente. No entanto, representar um conjunto de ideias ao espaço a partir da compilação de desenhos à leigos é certamente uma das tarefas encontradas no desenvolvimento projetual. Posto isso, indo além da bidimensionalidade das plantas, cortes e elevações, as perspectivas axonométricas apresentam-se como eficientes instrumentos na representação espacial, uma vez que ao inserir a ideia de terceira dimensão, ainda que pela bidimensionalidade da tela do monitor ou folha de papel impressa, propicia um melhor entendimento àqueles não familiarizados aos desenhos técnicos.