1. ArchDaily
  2. Acessibilidade

Acessibilidade: O mais recente de arquitetura e notícia

Concurso nacional para requalificar a principal avenida de Flores da Cunha: inscrições abertas

A Prefeitura Municipal de Flores da Cunha-RS, em parceria com o Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do RS (IAB RS) e com o apoio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do RS (CAU/RS) e da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP), lançou o Concurso Público Nacional de Projeto de Arquitetura e Urbanismo para requalificar a Avenida 25 de Julho – umas das vias mais importantes da cidade. O edital do concurso está disponível no site e nos perfis de Instagram do IAB RS e da Prefeitura da cidade.

Desenhando para todos os corpos e pessoas

A deficiência e a variedade de corpos e pessoas deve ser um assunto estimulante para os arquitetos: trata-se da experiência vivida, da resolução de problemas e do design de um ambiente melhor construído.

Embora o tópico envolva a teoria crítica e as aspirações para a vida coletiva, muitas vezes é visto como um campo que requer o cumprimento de requisitos, ou pior, um assunto delicado repleto de termos desatualizados e hábitos de pensamento antiquados. As rotinas típicas de design nem sempre levam em consideração a variedade de corpos humanos.

Estudo mapeia a situação das calçadas da cidade de São Paulo

A vida para quem anda a pé não é fácil na periferia da cidade de São Paulo – principalmente em bairros como Brasilândia, Guaianases, Cidade Tiradentes e Sapopemba, onde o percentual de calçadas estreitas (com largura abaixo de dois metros) é maior do que a média da capital. Já regiões como Mooca, Lapa, Pinheiros, Vila Mariana e Sé se destacam positivamente. Nesses bairros o percentual de calçadas com mais de três metros de largura está acima da média da cidade. Especialistas consideram que dois metros é a largura mínima para garantir o deslocamento seguro dos pedestres.

Workshop Acessibilidade em banheiros: como detalhar louças e metais

O que será discutido:

 👉 Norma ABNT NBR9050

👉 Aplicação dos produtos: Barras de apoio, Bacias/Sistemas de descarga, Cubas/Lavatórios, Metais, Banho/Chuveiro e Acessórios

👉 Exemplos de certo e errado

👉 Espaço para dúvidas

O que é ergonomia?

O termo ergonomia foi utilizado pela primeira vez no ano de 1857, pelo polonês Wojciech Jarstembowsky, e tem como origem a junção das palavras gregas ergon (trabalho) e nomos (lei ou regra). Apesar de estar inicialmente relacionado ao conforto físico do trabalhador, hoje em dia, o termo pode ser aplicado nas mais diversas atividades, desde esportivas até as relacionadas ao lazer, como um conjunto de regras e procedimentos que foca no bem-estar – físico e mental – durante a realização de determinada tarefa.

Estudantes criam sistema sonoro para ajudar cegos no transporte público

Motivadas pelo ingresso de um colega portador de deficiência na Escola Técnica Estadual (Etec) Dona Escolástica Rosa, estudantes do curso técnico de Logística da unidade desenvolveram um projeto que pode provocar mudanças no transporte público coletivo da cidade de Santos, em São Paulo. Trata-se de um sistema sonoro para auxiliar e dar autonomia aos passageiros que enfrentam dificuldades para se deslocar.

Quanto custa uma linha de metrô?

“Quanto custa uma linha de metrô?” é uma pergunta feita com frequência quando se discute soluções ferroviárias de alta capacidade para cidades brasileiras. No entanto, o custo da implementação de projetos ferroviários varia enormemente em diferentes geografias globais.

Por exemplo: uma linha ferroviária em Nova York custa cerca de vinte vezes mais por quilômetro que uma linha em Seul, chegando ao orçamento de U$6,4 bilhões para um trecho de apenas 2,6 quilômetros na segunda fase do metrô Second Ave., ao norte da ilha de Manhattan. A questão geográfica, ou mesmo da alta densidade construída da metrópole americana, são respostas insuficientes para justificar tamanha disparidade em custos de construção.

Green Line, em Boston, EUA. Imagem: PixelDownpour/FlickrLinha 4 do metrô do Rio de Janeiro. Imagem: Fernando Frazão/Agência BrasilMetrô de São Paulo. Foto: Pedro Hartmann, via UnsplashLinha de metrô em Istambul, Turquia. Imagem: WRI/Flickr+ 5

Economia urbana e acessibilidade à moradia: conversa com Tainá Pacheco e Vanessa Nadalin

Como é calculado o déficit habitacional? O Minha Casa Minha Vida aumentou a acessibilidade à moradia? O que é Outorga Onerosa? Para responder a essas e outras perguntas o Caos Planejado recebeu Tainá Pacheco e Vanessa Nadalin para uma conversa.

Habitação não pode ser um bom investimento e acessível ao mesmo tempo

A promoção da casa própria como uma estratégia de investimento é uma proposta arriscada. Nenhum consultor financeiro recomendaria contrair dívidas para aplicar uma parte tão grande de suas economias em um único ativo financeiro, qualquer que seja, por ser uma grande concentração de risco.

Pior ainda, esse risco não é aleatório: ele recai mais pesadamente sobre os compradores de baixa renda, que recebem condições de financiamento piores e cujos bairros são sistematicamente mais propensos a ter valores residenciais mais baixos ou mesmo em queda, causando resultados devastadores sobre a diferença de riqueza entre grupos raciais.

10 Tecnologias para cidades acessíveis

As grandes cidades do mundo estão enfrentando uma crise. As Nações Unidas estimam que até 2050, quase um bilhão de pessoas com deficiências viverão nas cidades, representando 15% do total de seus habitantes. Com paisagens urbanas repletas de metrôs, lojas e banheiros inacessíveis, a ONU declarou que o problema da acessibilidade representa um grande desafio para as cidades. Ao mesmo tempo, a maioria das cidades ao redor do mundo está perdendo a batalha para oferecer moradia segura, digna e acessível aos seus cidadãos, com aluguéis representando mais de 50% de algumas rendas familiares. O Fórum Econômico Mundial recentemente alertou que “um mundo onde que poucos podem pagar por moradia não é sustentável”.

O Wheelmap usa informações de crowdsourcing para avaliar áreas acessíveis das cidades. Imagem © Brokenlifts.orgLicensed under CC BY 2.0Stretch/Color. Imagem © Eric Bronson/Michigan PhotographyO iBuild permite que os cidadãos assumam o controle do processo de construção. Imagem © iBuild10 Tecnologias para cidades acessíveis+ 11

Por que devemos integrar superfícies táteis na arquitetura

© zlikovec / Shutterstock© Sutthi Chuvichit / Shutterstock© Sutthi Chuvichit / Shutterstock© love pattern / Shutterstock+ 17

Acessibilidade é uma das considerações mais importantes na arquitetura, que é o de garantir que o ambiente construído atenda a pessoas de todas as capacidades. No entanto, as concepções populares sobre a deficiência e acessibilidade permanecem limitadas e, frequentemente, abrangem apenas pessoas com deficiência física, como os usuários de cadeiras de rodas. Principalmente entre os projetistas arquitetônicos, é comum abordar a acessibilidade como adição de rampas, corredores largos e elevadores. No entanto, a deficiência pode assumir diversas formas, algumas menos visíveis do que outras. Para os deficientes visuais, a incorporação de elementos táteis específicos na arquitetura e no desenho urbano pode melhorar muito a navegabilidade de um espaço desconhecido. Neste artigo, falamos especificamente sobre os pisos podotáteis, incluindo suas diferentes formas, sua história e suas formas de implementação.

Como projetar banheiros seguros para idosos?

São frequentes os relatos de acidentes em banheiros, por geralmente serem locais apertados e, muitas vezes, escorregadios. Ainda que ninguém esteja imune a um escorregão após o banho, são os idosos que sofrem mais com as quedas, ocasionando ferimentos graves, sequelas e limitações funcionais. Com a redução natural dos reflexos e da massa muscular, quanto mais alta a faixa etária mais propensos a quedas nos tornamos.

Para proporcionar condições de vida mais confortáveis com o passar dos anos, o ambiente deve se adaptar às novas capacidades físicas de seus ocupantes. Tornar os banheiros mais seguros é fundamental para diminuir os riscos de acidentes ou reduzir o tempo de resposta no caso de uma queda. Apresentamos abaixo alguns pontos para se levar em conta ao desenhar banheiros para pessoas com idades avançadas:

Residencia para Mayores en Mota del Cuervo (Cuenca) / GEED Arquitectos. Image © Alfredo Prados CovarrubiasResidencia geriàtrica Mas Piteu / Estudi PSP Arquitectura. Image © Francisco UrrutiaResidencia para Mayores en Mota del Cuervo (Cuenca) / GEED Arquitectos. Image © Alfredo Prados CovarrubiasHousing for Elderly People in Huningue / Dominique Coulon & associés. Image © Eugene Pons+ 11

Como projetar para a terceira idade

O fenômeno do aumento do envelhecimento da população é algo que ocorre no mundo todo. Falamos em fenômeno porque todas as pirâmides etárias estão se invertendo. Ou seja, a taxa de natalidade tem reduzido constantemente ao longo dos anos e ao mesmo tempo a expectativa de vida tem aumentado. A conseqüência disto é que o número de pessoas idosas está ficando maior que o número de crianças, por exemplo.

De acordo com o IBGE, em 2017, este número chega a mais de 30 milhões de pessoas acima do 60 anos no Brasil, correspondendo a 14,6% da população. Para termos uma noção do montante deste volume basta comparar com a população total do México que está em torno de 28 milhões, assim como da Austrália e Nova Zelândia juntas. Ou mesmo com as populações do Peru e da Venezuela que está em torno dos 31 milhões de habitantes. Estamos falando de uma população idosa no Brasil do tamanho de um país.

Lar de Idosos Peter Rosegger / Dietger Wissounig Architekten. Image © Paul OttCentro de Tratamento de Câncer / Foster + Partners. Image © Nigel Young  Foster + PartnerCentro Maggie de Oldham / dRMM. Image © Jasmin SohiResidential Care Home Andritz / Dietger Wissounig Architekten. Foto © Paul Ott+ 12

Casa para cliente com deficiência visual / So & So Studio

© Stefano Calgaro© Stefano Calgaro© Stefano Calgaro© Stefano Calgaro+ 15

  • Arquitetos: So & So Studio
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  232
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2018
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: FRANKE, Falmec, Florim, Kardamov, LARIO, +1

Não existe arquitetura neutra: uma conversa sobre acessibilidade

A acessibilidade é frequentemente abordada como um campo relacionado à deficiência, física ou mental. Quando se trata de projetos arquitetônicos, ela sempre surge como uma consideração periférica e não como algo fundamental. No entanto, existem outras barreiras.

Nesta edição do Editor's Talk, os editores do ArchDaily Brasil compartilham seus pensamentos sobre o que entendem como acessibilidade e se é possível criar uma arquitetura neutra.

10 Dicas para projetar edificações mais saudáveis

Os seres humanos passam a maior parte de suas vidas no interior de uma edificação, seja para morar, trabalhar ou lazer. A COVID-19 evidenciou ainda mais esta questão durante o período de isolamento mostrando a necessidade de pensarmos projetos de edificações mais saudáveis e confortáveis.

Neste artigo são apresentadas algumas dicas para pensar projetos mais saudáveis, ressaltando a importância de ter um pensamento sistêmico que considere diferentes disciplinas, como a própria arquitetura, engenharia, ciência dos materiais, mecânica, fisiologia, psicologia, entre outros. 

Centro de tratamento de câncer – Reino Unido. Imagem © Nigel Young / Foster + PartnersUso de madeira e vegetação. Imagem © Dilanka BandaraA importância da acessibilidade. Imagem © Hiroyuki OkiHospital Sarah Kubitschek Salvador. Imagem © Nelson Kon+ 14

Recomendações básicas (e necessárias) para projetar habitações acessíveis

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Um bom projeto de arquitetura deve ser acessível a todas as pessoas, independente de suas capacidades físicas e cognitivas. Para aumentar a conscientização sobre esses problemas e ajudá-lo no processo projetual, compilamos algumas operações básicas que devem ser concluídas para que as pessoas possam habitar espaços residenciais confortavelmente e sem obstáculos.

É importante lembrar que cada país tem suas próprias normas em relação ao desenho universal, portanto, as dimensões específicas apresentadas abaixo - baseados no Guia de Acessibilidade Universal da Ciudad Accesible– são conceituais e podem variar em cada projeto. Antes de projetar uma casa acessível, reveja as normas locais e aprofunde as necessidades e exigências de seus usuários, garantindo assim uma boa qualidade de vida para eles a longo prazo.