Rumo a um futuro sustentável: materiais e sistemas construtivos locais na arquitetura chinesa contemporânea

Rumo a um futuro sustentável: materiais e sistemas construtivos locais na arquitetura chinesa contemporânea

Ao longo dos últimos anos testemunhamos um interesse crescente por técnicas tradicionais e processos artesanais de construção, assim como no papel cada vez mais significativo dos materiais locais na arquitetura contemporânea. Conscientes do impacto ambiental e também econômico da industria da construção civil no mundo hoje, arquitetos e urbanistas estão mudando o rumo de nossa disciplina ao adotar novas estratégias e abordagens em seus projetos e processos com o principal objetivo de “atender às demandas da nossa sociedade sem, no entanto, comprometer ou esgotar os recursos naturais que atualmente encontram-se à nossa disposição”.

A China, como o país mais populoso do mundo e uma das economias que mais crescem no planeta, parece ser um território extremamente fértil para a exploração de novas soluções e possibilidades na arquitetura contemporânea. No artigo a seguir, procuramos apresentar um panorama sobre como a construção civil na China está sendo moldada por práticas mais sustentáveis, analisando o papel cada vez mais significativo de materiais locais e reciclados— como madeira, azulejos, pedras, tijolos, bambu e taipa—na arquitetura contemporânea chinesa.

Madeira

Casa do Chá Preto Qimen / Atelier Lai

Qimen Black Tea House / Atelier Lai. Image © Xuguo Tang
Qimen Black Tea House / Atelier Lai. Image © Xuguo Tang
Qimen Black Tea House / Atelier Lai. Image © Xuguo Tang
Qimen Black Tea House / Atelier Lai. Image © Xuguo Tang

“Depois de desmontar toda a antiga estrutura de madeira do edifício existente, recuperamos e reinserimos a malha estrutural em um sistema reticular composto por pilares e vigas de abeto chinês. Desta forma, estabelecemos um deslocamento entre a estrutura e a casca do edifício preservado, com o primeiro pavimento ocupando o espaço existente no térreo e criando um novo pavimento superior vinculado à estrutura de madeira que suporta o telhado, o qual se projeta para fora de forma a protejer a estrutura existente das intempéries.”

Azulejos

Museu Histórico da Cidade de Qifeng / SUP Atelier

History Museum of Qifeng Village / SUP Atelier. Image © Rui Wang
History Museum of Qifeng Village / SUP Atelier. Image © Rui Wang
History Museum of Qifeng Village / SUP Atelier. Image © Rui Wang
History Museum of Qifeng Village / SUP Atelier. Image © Rui Wang

“Para o projeto do Museu Histórico da Cidade de Qifeng, decidimos utilizar apenas materiais locais além de incorporar elementos e componentes construtivos existentes e reciclados encontrados no local. Das telhas cerâmicas utilizadas na cobertura do edifício ao piso de madeira reciclada, materiais duráveis puderam ser encontrados e reutilizados facilmente. Outra bela descoberta foram os azulejos pretos e os painéis de madeira que encontramos nas redondezas, algo que nos permitiu minimizar custos além de preservar a história desde pequeno povoado através de seus materiais.”

Pedras

Centro de Visitantes Namchabawa / standardarchitecture

Tibet Namchabawa Visitor Centre / standardarchitecture. Image Courtesy of standardarchitecture
Tibet Namchabawa Visitor Centre / standardarchitecture. Image Courtesy of standardarchitecture
Tibet Namchabawa Visitor Centre / standardarchitecture. Image Courtesy of standardarchitecture
Tibet Namchabawa Visitor Centre / standardarchitecture. Image Courtesy of standardarchitecture

“Como algumas rochas se estendem para fora da montanha, o edifício é concebido como uma série de muros de pedra localizados na ladeira, sem janelas voltadas a rodovia de entrada ao oeste, quase sem escala, uma paisagem abstrata na paisagem natural. Visto de longe, não se esconde, nem se destaca do seu contexto como uma peça de arquitetura 'tibetana'.”

Tijolos

Restaurante Nicha Tujia / Atelier A

Nicha Tujia Restaurant / Atelier A. Image © Byungmin Jeon
Nicha Tujia Restaurant / Atelier A. Image © Byungmin Jeon
Nicha Tujia Restaurant / Atelier A. Image © Byungmin Jeon
Nicha Tujia Restaurant / Atelier A. Image © Byungmin Jeon

Tijolos vermelhos são usados extensivamente neste edifício, incluindo a fachada, paredes e pisos. Para manter sua perspectiva original, a maioria dos tijolos antigos é preservada, tendo apenas alguns novos adicionados. Esses tijolos adicionais não são fabricados recentemente, mas reciclados, removidos de prédios antigos de Xangai e transportados até Pequim. Eles são da mesma qualidade e cor dos tijolos originais que não são encontrados em nenhum lugar em Pequim. A marca dos tijolos adicionais é deliberadamente deixada descoberta, de acordo com um estilo genuíno.”

San Sa Village / LLLab.

San Sa Village / LLLab.. Image © Fernando Guerra I FG+SG
San Sa Village / LLLab.. Image © Fernando Guerra I FG+SG
San Sa Village / LLLab.. Image © Fernando Guerra I FG+SG
San Sa Village / LLLab.. Image © Fernando Guerra I FG+SG

“No projeto do San Sa Village, a observação dos fenômenos naturais como o vento e o sol nos ajudou a perceber a sabedoria implícita na beleza dos materiais existentes que reciclamos no local. A ardósia reutilizada no caminho que leva até o edifício, os tijolos vermelhos que definem os limites do pátio interior assim como no encontro entre a base de pedra com as paredes de tijolos dos edifícios, todos os materiais incorporados neste projeto tem algo a dizer sobre a história e o caráter deste lugar—algo que adiciona uma forte sensação de prazer e tranquilidade ao projeto como um todo.”

Edifício Cerimonial Lizigou / KEYWORKS + RENGARCH

Lizigou Red Brick Ceremonial Hall Building / KEYWORKS + RENGARCH. Image © Leo Sun
Lizigou Red Brick Ceremonial Hall Building / KEYWORKS + RENGARCH. Image © Leo Sun
Lizigou Red Brick Ceremonial Hall Building / KEYWORKS + RENGARCH. Image © Leo Sun
Lizigou Red Brick Ceremonial Hall Building / KEYWORKS + RENGARCH. Image © Leo Sun

“Vemos nosso desafio em preservar o conhecimento e as tradições domésticas com uma nova função para os moradores e futuros visitantes. Por meio de inúmeras entrevistas e pesquisas no bairro, encontramos um arquétipo comum de casa - a casa-caverna de terra em forma de arco. As formas posteriores combinam casas com elementos de tijolo vermelho e arcos. Continuamos a linguagem comum de arcos e tijolos vermelhos combinados com novas funções e novas dimensões espaciais.”

Renovação do Hutong 3 de Chuziying / CU Office

In-Hutong Renewal of Chuziying Hutong 3 / CU Office. Image © Weiqi Jin
In-Hutong Renewal of Chuziying Hutong 3 / CU Office. Image © Weiqi Jin
In-Hutong Renewal of Chuziying Hutong 3 / CU Office. Image © Weiqi Jin
In-Hutong Renewal of Chuziying Hutong 3 / CU Office. Image © Weiqi Jin

“Como um projeto piloto de renovação no distrito norte de Tianqiao, Pequim, o contávamos com um orçamento bastante limitado, algo que acabou despertando o interesse da comunidade local neste projeto. Portanto, procuramos não utilizar estruturas complexas e materiais caros, nos concentrando apenas em quatro materiais de origem local: madeira, tijolo, aço e vidro. Os tijolos de cor cinza são facilmente encontrados na região, tanto aqueles mais tradicionais, reciclados, quanto os modernos e novos, uma mistura que finalmente procura aproximar o antigo do novo, o moderno do tradicional.”

Bambu

Bamboo Lodge / QAD

Bamboo Lodge / QAD. Image © Ce Wang
Bamboo Lodge / QAD. Image © Ce Wang
Bamboo Lodge / QAD. Image © Ce Wang
Bamboo Lodge / QAD. Image © Ce Wang

“A filosofia deste projeto é natural, rústica e ecologicamente correta. O bambu é transformado em folhas, blocos e paneis, os quais são então cozido em alta temperatura e embebidos em água com cal. Desta forma, este delicado material de origem orgânica recebe uma proteção extra contra insetos além de uma maior resistência à umidade. Utilizando apenas um material, o bambu, procuramos estabelecer diferentes espaços através de suas distintas texturas. O interior da sala é recoberto por tiras de bambu e folhas extremamente finas. Somado a isso, as tramas de bambu foram arqueadas, criando uma pele única que se desdobra pelo espaço.”

Fábrica de Balsas de Bambu Wuyishan / TAO - Trace Architecture Office

Wuyishan Bamboo Raft Factory / TAO - Trace Architecture Office. Image © Shengliang Su
Wuyishan Bamboo Raft Factory / TAO - Trace Architecture Office. Image © Shengliang Su
Wuyishan Bamboo Raft Factory / TAO - Trace Architecture Office. Image © Shengliang Su
Wuyishan Bamboo Raft Factory / TAO - Trace Architecture Office. Image © Shengliang Su

“Os caules de bambu estão localizados ao longo da galeria, formando persianas para proporcionar sombras e ventilação. Levando em conta o princípio de localização e economia, utilizou-se concreto in situ para a estrutura, blocos ocos de concreto para o sistema de muros exteriores, telhas de cimento para o material das coberturas, bambu e madeira para portas, janelas e corrimãos. Sem muitos acabamentos superficiais, todos os materiais apresentam suas próprias características.”

Taipa

Museu de Arte SanBaoPeng / DL Atelier

SanBaoPeng Art Museum / DL Atelier. Image © Sun Haiting
SanBaoPeng Art Museum / DL Atelier. Image © Sun Haiting
SanBaoPeng Art Museum / DL Atelier. Image © Sun Haiting
SanBaoPeng Art Museum / DL Atelier. Image © Sun Haiting

“Os principais materiais utilizados no Museu de Arte de Sanbao, como terra batida, travertino e painéis de zinco e titânio, serão corroídos pelo tempo. Este processo de erosão é esperado, como a fermentação do vinho, quando o tempo dá seu sabor único. Além disso, a cidade de Sanbao, naturalmente, produz um solo único, de cor um pouco avermelhada, então decidimos construir paredes contínuas com a argila local, proporcionando uma certa familiaridade e tensão.”

Centro de Visitantes de Chatouya / Tumushi Architects

Chatouya Visitor Center / Tumushi Architects. Image © Chao Zhang
Chatouya Visitor Center / Tumushi Architects. Image © Chao Zhang
Chatouya Visitor Center / Tumushi Architects. Image © Chao Zhang
Chatouya Visitor Center / Tumushi Architects. Image © Chao Zhang

“No projeto para o Centro de Visitantes de Chatouya, utilizamos uma vasta gama de materiais locais e reutilizados. Por exemplo, as paredes foram construídas em taipa diretamente no local enquanto as lajotas reaproveitadas foram utilizadas na pavimentação. Por outro lado, os painéis metálicos e os grandes panos de vidros foram pensados de forma a proporcionar um forte contraste entre o tradicional e o moderno. O concreto aparente utilizado na casa de chá reforça a sensação de gravidade do volume com um todo. A textura das risa de madeira impressa nas paredes externas, por sua vez, proporciona ao edifício uma sensação de escala. O emprego sutil de diferentes materiais contrastantes fortalece o conceito que procuramos explorar neste projeto: os materiais tradicionais incorporando as camadas temporais, e aqueles mais modernos, revelando a identidade de seu próprio tempo.”

Residência Qingxiao / Shulin Architectural Design

Qingxiao Residence / Shulin Architectural Design. Image Courtesy of Shulin Architectural Design
Qingxiao Residence / Shulin Architectural Design. Image Courtesy of Shulin Architectural Design
Qingxiao Residence / Shulin Architectural Design. Image Courtesy of Shulin Architectural Design
Qingxiao Residence / Shulin Architectural Design. Image Courtesy of Shulin Architectural Design

“A construção em ambientes rurais no interior da China deve respeitar necessariamente uma série de fatores restritivos, como a dificuldade de acesso e falta de recursos. Esta realidade, por outro lado, nos força a prestar mais atenção aos materiais locais disponíveis e incorporar todos a sorte de elementos reciclados que possam ser recuperados em pequenos vilarejos da região. Neste contexto, é muito comum o emprego de paredes de taipa, tijolos de demolição, bambu, lajotas, telhas e entulho.”

Tijolos Reciclados

Museu do Forno Imperial de Jingdezhen / Studio Zhu-Pei

Jingdezhen Imperial Kiln Museum / Studio Zhu-Pei. Image Courtesy of Studio Zhu-Pei
Jingdezhen Imperial Kiln Museum / Studio Zhu-Pei. Image Courtesy of Studio Zhu-Pei
Jingdezhen Imperial Kiln Museum / Studio Zhu-Pei. Image Courtesy of Studio Zhu-Pei
Jingdezhen Imperial Kiln Museum / Studio Zhu-Pei. Image Courtesy of Studio Zhu-Pei

“A construção do Museu do Forno Imperial não poderia ser feita com outros materiais que não os tijolos produzidos naquele próprio lugar. Um material arcaico porém, ainda vigente. Um sistema estrutural profundamente enraizado na história do lugar. O museu nos narra uma história que começa no passado, há mais de 1.700 anos; passa pelo presente e aponta para o futuro. É impossível apagarmos à história, ou até mesmo negá-la. Os seus rastros e reminiscências ainda podem ser vistos por baixo destas cúpulas de tijolo e concreto. O passado é aqui reescrito, ressignificado, como uma espécie de arqueologia contemporânea.”

Este artigo é parte do Tópico do ArchDaily: Materiais Locais. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Miao, Scarlett. "Rumo a um futuro sustentável: materiais e sistemas construtivos locais na arquitetura chinesa contemporânea" [Towards a Sustainable Future: Local Materials and Methods in Contemporary Chinese Architecture] 18 Set 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/967550/rumo-a-um-futuro-sustentavel-materiais-e-sistemas-construtivos-locais-na-arquitetura-chinesa-contemporanea> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.